5 Prioridades para o seu Primeiro Dia como Pastor

pastor-ministerio
Ontem a congregação “instalou” você como o pastor da igreja. (Isso soa como algo que você faz a uma máquina de lavar louça, não é mesmo?). Houve orações, abraços, sorrisos, música, comida, fotos e agora é segunda-feira. Por onde você começa? Você sabe que precisa preparar excelentes sermões, discipular membros da igreja e fazer evangelismo. Mas como você de fato começa? O que você deveria fazer no seu primeiro dia?

Em certo sentido, você não deveria fazer absolutamente nada. Não, não fique em casa assistindo futebol. Só não pense que você precisa mudar tudo em três meses. Você pode ter o título, mas a posição de pastor é tanto conquistada quanto concedida. Há muito o que aprender a respeito da sua igreja antes de começar a fazer mudanças. Além do mais, Cristo prometeu que ele edificaria a sua igreja. Você não precisa tentar fabricar crescimento.

Com isso em mente, aqui estão cinco prioridades que você deve trazer para o seu primeiro dia de ministério.

Prioridade 1 – Aprenda tudo o que você puder sobre as suas ovelhas (Envolvimento – 1 Pedro 5.1-4).

Você é um pastor. Bons pastores são tão próximos às suas ovelhas, que cheiram a ovelhas, e eles as conhecem pelo nome. Sugestões: Leia as minutas de assembleias administrativas passadas. Aprenda tudo o que puder sobre a fundação da igreja. Qual era a declaração doutrinária original? Houve alguma revisão da declaração ou da confissão da igreja? Se sim, por quê? A igreja já sofreu divisão? Há alguma questão não resolvida?

Torne-se familiar dos “veteranos”. Eles podem dar a você grande ajuda. Questione-os sobre tradições, histórias, políticas, etc. Desenvolva perguntas para fazer a cada membro da congregação, a fim de avaliar a saúde espiritual deles. O envolvimento que você ganha — e a confiança que você conquista — pode até mesmo ser mais valioso do que a informação que você juntará.

Prioridade 2 – Gaste tempo com a sua liderança (Humildade – Filipenses 2.5-8).

Sugestões: Visite seus líderes em seus locais de trabalho. Descubra a respeito de suas famílias, sua história, seus dons e seus pontos fortes em liderança. Faça a eles as perguntas que você está planejando fazer à congregação. Pergunte a eles pelo que você pode orar, e como você pode melhor servir a igreja. Peça a avaliação deles sobre a saúde da congregação. Tenha uma lista de livros pronta para sugerir que eles leiam. Planeje um retiro com eles para que você aprenda mais sobre eles e eles sobre você. Diga a eles o que você espera aprender sobre a congregação. Discuta a história com eles. Quais eventos deveriam ser celebrados? Compartilhe as suas conversas evangelísticas. Envie e-mails para eles diariamente.

Servir os seus líderes servirá de modelo para eles sobre como servir a igreja. As primeiras pessoas que você tem de discipular são os seus líderes. Eles irão discipulá-lo também.

Prioridade 3 – Planeje a sua pregação (Os meios de Deus para o crescimento – Romanos 10.17).

Explicar e aplicar fielmente as Escrituras terá mais impacto na sua igreja do que qualquer outra coisa que você puder fazer. Pregar é a sua prioridade número 1, mas está listada aqui como número 3 por conta da progressão da linha de pensamento. A informação que você reunir influenciará no seu plano de pregação.

Visto que o evangelho é fundamental para louvor, evangelismo, discipulado, resolução de conflitos, casamentos e todas as outras situações com que a sua igreja lida, considere uma série inicial de exposições do Evangelho de Marcos ou 1 João. Esteja preparado todas as vezes que você pregar e pregue sermões excelentes.

Prioridade 4 – Encontre-se com pessoas que não estão na sua igreja (Considerar outros – Filipenses 2.4).

Encontre-se com pastores da região. Eles podem dar a você as impressões que têm da sua igreja e informações a respeito da comunidade. Considere orar publicamente por esse pastor e sua igreja no domingo seguinte.

Encontre-se com funcionários públicos da cidade. Quais mudanças estão acontecendo na comunidade? Quais são as necessidades que eles veem nela? Existe algo pelo que você possa orar? Existe algo que a sua igreja possa fazer?

Visite os vizinhos. Apresente-se às pessoas à sua volta. É impressionante o quanto você pode aprender, e ainda poderá conquistar muita confiança da qual vai precisar.

Embora as informações que você reunir desses indivíduos venham a ser úteis, procurá-los também proporcionará oportunidades evangelísticas.

Prioridade 5 – Plante uma árvore frutífera (ou um jardim) (Fidelidade – 1 Coríntios 4.2).

Coisas que produzem frutos precisam de cultivo e tempo, e observar uma árvore crescer lembrará você disso. Você começou uma maratona; mantenha o ritmo.

Exemplos:

Um pastor apresentou um plano ambicioso em seus primeiros dois meses para fazer a igreja crescer através de uma estratégia de alcance agressiva: mudar-se para um local mais visível e livrar o calendário de ministérios desgastados e inúteis. Nada do que ele propôs estava errado, mas sem conquistar a confiança para liderar, ele foi embora após nove meses. Por trás dele, estava um rebanho fraturado, ferido e castigado.

Outro pastor disse que não queria fazer nenhuma mudança por um ano enquanto não aprendesse o quanto pudesse sobre as pessoas. Agora, catorze anos mais tarde, ele os havia guiado por muitas mudanças que foram conquistadas por sua fidelidade publicamente no púlpito e, privadamente no ministério pessoal.

James Boice uma vez disse que normalmente superestimamos o que podemos fazer em um ano, mas subestimamos o que pode ser feito em dez. Se você é um pastor novinho em folha, defina agora as prioridades que, pela graça de Deus, darão frutos daqui a dez anos.

Tradução: Alan Cristie

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.
Autor
Bob Johnson
Robert “Bob” Johnson é pastor da Cornerstone Baptist Church em Roseville, Michigan

Anúncios

Existe alguém piedoso o bastante para ser um pastor?

moviestill2

Quando avaliamos o chamado para o ministério pastoral, a primeira questão que um homem deve perguntar é: Eu sou piedoso?

 

Os requisitos morais para um pastor são claramente especificados em 1 Timóteo 1.1-7, que diz:

 

“Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja. É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento; e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo. Pelo contrário, é necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do diabo.”

 

Se você é como a maioria das pessoas, a lista de qualidades pode parecer longe de ser alcançada. À primeira vista, essa passagem, juntamente com a passagem de Tito 1, parece deixar rapazes medianos fora de questão! Quem possivelmente consegue viver de acordo com tais requisitos?

 

Aqui estão duas coisas a considerar ao pensar sobre essa passagem. Primeiro, a maioria das qualidades que são listadas nessas passagens são, na verdade, mandamentos a todos os crentes, de certa maneira. Todo o cristão é chamado a ser “temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro” e “não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento”, e que governe bem a própria casa “criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito”. Não é como se pastores e presbíteros não podem se embebedar, enquanto outros crentes são livres para encher a cara como universitários na balada[1] !

 

Aqui está o meu ponto: o homem chamado ao ministério não é um tipo de super cristão que vive sob um código de conduta superior. Ele simplesmente é um homem chamado, dotado de dons que o capacitam a liderar o povo de Deus e com a graça que o permite ser um exemplo.

 

A segunda coisa a respeito dessa passagem é que o homem chamado pode acabar se aproximando dessas passagens com um padrão inflexível que demanda conformidade e pune desobediência. Se você se sente dessa maneira a respeito dessas passagens, você precisa entender algo muito importante: O chamado de Deus sobre um homem transmite a graça necessária para a piedade exigida.

 

Deixa-me explicar isso um pouco mais. Em 1 Timóteo 3 e Tito 1, nós vemos extraordinárias evidências da atividade de Deus precedendo toda clara evidência de chamado. Contudo considere o modo como Paulo usa o termo “seja” em 1 Timóteo 3.2. O bispo deve ser irrepreensível, temperante,  sóbrio, modesto etc. O tempo presente permanece por toda a lista. Paulo não está apresentando uma lista de alvos a serem alcançados. Pelo contrário, ele está falando de qualidades que já estão presentes. Elas são pré-condições para um presbítero, não eventuais resultados a serem aguardados.

 

O que isso quer dizer, então? Que a graça de Deus está operando em certos homens a produzir certos tipos de vida. Identificar um homem chamado é primariamente observar graça já operante na vida de um homem. A graça radiando através da vida de um homem é um indicador de que ele é chamado.

 

Pode alguém atingir as qualificações do ministério pastoral? Sim, porque o chamado de Deus transmite graça. Se você é chamado, pode confiar que Deus já começou a trabalhar em você.

 —————————————————————————————————————————

 [1]Literalmente, como garotos de fraternidade. Pensei em colocar “membros de DCE” ou “moradores de república estudantil”, mas ficaria ofensivo aos crentes que participam de DCE ou moram em repúblicas, num generalismo bobo. Preferi uma adaptação, já que não existem fraternidades no Brasil.

 

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

 Autor    Dave Harvey

 

Dave Harvey é pastor na Convenant Fellowship Church, Pennsylvania (EUA), que faz parte da família de igrejas do ministério Sovereign Grace. Dave…

Todo cristão deve estar envolvido no “ministério da Palavra”

man-with-bible

Quando olhamos para o Novo Testamento e para o livro de Atos em particular, vemos que o evangelho se espalhou e a igreja cresceu através da proclamação e ensino da “Palavra de Deus” (Atos 6.7; 12.24; 19.20). Essa deve ser a base para todo e qualquer ministério em nossas congregações: devemos ser “baseados na Palavra”. Esse é o ponto de partida. Mas observe o que era o “ministério da Palavra” no Novo Testamento:

(1) algo feito por todos os crentes (Atos 8.4) e (2) era em grande parte (embora não exclusivamente) feito através de uma rede de relações informais e amizades (Atos 10.2, 24; 16.15, 31).

Em harmonia com isso, também observamos no livro de Atos que o “ministério da Palavra” na igreja primitiva tinha um propósito encorajador (crente com crente) e uma vertente evangelística (crente com incrédulos).

A questão é que todo cristão deve estar envolvido no “ministério da Palavra” em uma dessas formas. Alguns de nós são encorajadores e podem se aproximar de crentes jovens ou em dificuldades e conectar a Palavra de Deus, fazendo com que ela seja aplicada em suas vidas.

Alguns de nós somos melhores com os incrédulos e podemos conectar a Palavra de Deus, aplicando-a às suas vidas. Um dos sinais de um cristão saudável (na verdade, de uma igreja saudável) é que este “ministério da Palavra” está operando em uma série de diferentes níveis e em diferentes contextos em uma base regular. Aqui estão algumas maneiras em que este ministério poderia e deveria estar acontecendo:

1. Espontaneamente: Trata-se de quando nos envolvemos com alguém (ou mais de uma pessoa) completamente de modo voluntário e fora do “programa” normal da igreja. Por exemplo, encontramos alguém nas lojas e acabamos conversando. Isso, por sua vez, termina em um estudo bíblico não planejado. Em outras palavras, não é uma “reunião marcada” ou um “evento específico”, mas uma oportunidade dada por Deus que intuitivamente aproveitamos.

É claro que isso exige flexibilidade da nossa parte, bem como uma abertura ao Espírito Santo e às necessidades das pessoas ao nosso redor. Significa ser menos “focado na tarefa” em nossos dias e deixar espaço para o que eu chamo de “espontaneidade organizada”. Peça ao Senhor para intervir em seu dia e esteja preparado para ser espontâneo quando necessário. Algumas das minhas maiores oportunidades vêm por essa abordagem à vida e às pessoas.

2. Relações pré-existentes: Há algum crente que conhecemos que se beneficiaria de reunir-se conosco e estudar as Escrituras? Existe um crente maduro que você conhece do qual você poderia se aproximar para que ele o ajudasse em sua caminhada cristã e melhorasse a sua compreensão bíblica? Existe um incrédulo que você conhece que poderia ativamente conhecer melhor? Às vezes, só precisamos arriscar.

3. Propositadamente: Devemos aprender a tomar mais a iniciativa em nossos relacionamentos com as pessoas. Eu, 99% das vezes, tomarei a iniciativa com alguém para ir jogar bilhar, ou levá-lo para tirar documentos, ou fazer um estudo, pois eu sinto que tenho o dever de fazê-lo, mas também porque as pessoas sempre assumem que o outro está “muito ocupado” para eles.

Nós vivemos em uma época maravilhosa agora. Sim, há muitos céticos e aborrecedores lá fora, mas também há muitos que estão curiosos e abertos a descobrir mais. Há pessoas deprimidas e solitárias ao nosso redor, marginalizadas pela nossa cultura tecnológica com seus mundos virtuais e amizades online. Há uma grande quantidade de material disponível para os cristãos usarem, tanto internamente, dentro das nossas igrejas, quanto externamente, com o mundo incrédulo.

Recentemente, li um relatório que sugere que muitos cristãos não estão conseguindo alcançar as pessoas com o evangelho por uma das três razões:

(1) Nós não temos alegria em nossa vida (nenhum poder).

(2) Nós não temos humildade e respeito pelos incrédulos. Simplesmente não conseguimos nos preocupar com eles.

(3) Nós não temos coragem. Nós tememos o que as pessoas pensarão ou como reagirão a nós.

Descubra qual é o seu problema persistente e leve-o ao Senhor em arrependimento. Vamos nos envolver no ministério da sua Palavra.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silvo

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.
Autor
Mez McConnell
É pastor sênior da Niddrie Community Church, Edimburgo, Escócia. É fundador do 20schemes.

Uma biografia de John Huss

Huss 1

 

“Se ele fosse profético, deve ter se referido a Martinho Lutero, que surgiu cerca de cem anos depois”. Assim escreveu John Foxe em seu Livro dos Mártires do século XVI, referindo-se a uma declaração atribuída ao reformador boêmio João Huss por ocasião de sua morte. Condenado por heresia em 1415 pelo Concílio de Constança, Huss — de acordo com uma história que se originou alguns anos após o fato — voltou-se para seus executores pouco antes da sua sentença ser realizada e afirmou: “Hoje vocês queimam um ganso, mas daqui a cem anos um cisne surgirá que vocês serão incapazes de cozer ou assar”.

 

Por que Huss se identificou como “um ganso”? E por que os comentaristas posteriores — nada menos que o próprio Lutero — acreditavam que a lendária profecia de Huss se referia ao monge alemão cujo protesto contra as indulgências iniciou a Reforma um século depois?

 

A primeira pergunta é mais fácil de responder do que a segunda. Huss, nascido por volta de 1372, era proveniente da cidade do sul da Boêmia, Husinec (literalmente, “Goosetown” [Cidade do ganso]), onde agora é a República Checa. Seu sobrenome, derivado do seu lugar de nascimento, significa “ganso” em tcheco. Compreender por que Lutero e os Protestantes mais tarde criam que Huss tinha antecipado, se não previsto, a Reforma é mais difícil e requer alguma consideração sobre a vida, doutrina e morte de Huss.

 

A vida de Huss

 

Em 1390, Huss, cujos primeiros anos permanecem desconhecidos, matriculou-se na Universidade de Praga com a intenção de treinar para o sacerdócio. Posteriormente, ele confessou que o ministério ordenado o atraiu por sua promessa de proporcionar uma vida confortável e estima mundana. Apesar de dedicar, por sua própria confissão, muito tempo para jogar xadrez, Huss se destacou em seus estudos e após receber o seu mestrado em 1396, vinculou-se à faculdade de filosofia da universidade.

 

Pouco depois de começar a ensinar, Huss experimentou, nas palavras de um biógrafo, uma “mudança radical e fundamental”, resultando em um compromisso mais profundo com Cristo. Essa “mudança” pode ter se originado da exposição ao pensamento de John Wycliffe, cujas ideias estavam começando a criar uma comoção em Praga. O programa de reforma de Wycliffe — que incluía críticas estridentes à imoralidade clerical, rejeição da doutrina medieval da transubstanciação e insistência sobre o acesso leigo à Escritura na língua vernácula — chegou à Boêmia graças, em grande parte, aos estudantes tchecos que estudaram na própria Universidade de Oxford de Wycliffe e voltaram para casa com as mentes repletas das ideias de Wycliffe e as mochilas cheias de livros de Wycliffe.

 

Em 1403, o conflito sobre as ideias de Wycliffe chegou ao ponto alto na Universidade de Praga. Embora Huss se opusesse à rejeição da transubstanciação de Wycliffe, concordou com muito do que o reformador inglês havia dito, e passou a defender o partido reformista pró-Wycliffe. Apenas um ano antes, Huss fora nomeado pregador da Capela de Belém, no centro de Praga. Seus sermões no púlpito de Belém refletiam cada vez mais a preocupação de Wycliffe com a corrupção no interior da igreja.

 

A pregação do “pequeno ganso de Deus”, como Huss veio a ser chamado, era imensamente popular, atraindo multidões de vários milhares. Huss estava desejoso de tornar as Escrituras e sua mensagem reformadora acessíveis ao povo. Ele não só pregou em tcheco, mas traduziu partes da liturgia, assim como vários hinos latinos para a língua vernácula. Ele mesmo aproveitou o espaço vazio na capela para promover a sua mensagem, colocando murais que contrastavam a humildade e simplicidade de Cristo com a vaidade e a ganância dos sacerdotes contemporâneos.

 

Em 1409, o papado, perturbado pela crescente fama de Huss, ordenou ao arcebispo de Praga que proibisse qualquer outra pregação na Capela de Belém. Huss se recusou a abandonar seu púlpito. No ano seguinte, o arcebispo excomungou Huss com base em heresia e logo depois fugiu da cidade por medo de represálias populares. Huss continuou pregando. Em 1411, o papado, que tinha então emitido uma segunda excomunhão de Huss (sem efeito), colocou toda a cidade de Praga sob interdito, proibindo, assim, o clero de Praga de oferecer sermões, casamentos, a eucaristia, ou outros serviços religiosos ao povo.

 

Inicialmente, o interdito do papa teve pouca força graças ao rei Wenceslaus IV, da Boêmia. Wenceslau (cujo nome desde o século décimo se tornaria depois o tema de um hino de Natal) apoiou Huss e ordenou ao clero de Praga que ignorasse o interdito. Em 1412, no entanto, as circunstâncias colocaram Huss e Wenceslau um contra o outro. O papado começou a vender indulgências na Boêmia para arrecadar dinheiro para uma campanha militar. Wenceslau não fez nenhuma objeção a isso, em grande medida porque recebeu uma parte dos ganhos. Mas Huss, que via a venda das indulgências como sinal da corrupção da igreja, protestou tanto do púlpito quanto da tribuna. O rei, ansioso para manter a sua renda recém-descoberta, proibiu a crítica das indulgências. Ele reforçou essa proibição ao decapitar vários homens que falaram contra as indulgências. A fim de enfraquecer ainda mais Huss, o rei agora mandou ao clero de Praga que cumprissem o interdito do papa.

67398

 

Huss, relutante em ver as pessoas privadas da Palavra e do sacramento, saiu de Praga em 1412. Passou os dois anos seguintes em exílio auto-imposto no sul da Boêmia, escrevendo obras que aprofundaram seus ideais reformadores. Em 1414, foi citado para comparecer perante o Concílio de Constança, para responder às acusações de heresia, e lhe foi prometido um retorno seguro do concílio pelo imperador Sigismundo, irmão do rei Wenceslaus. Huss concordou em participar do concílio, consciente de que ele não retornaria, mas esperançoso de que poderia ter oportunidade de promover sua visão para a reforma da igreja. Ao chegar em Constança, em novembro de 1414, ele foi aprisionado e permaneceu preso até o seu julgamento e execução no verão seguinte.

 

A teologia de Huss

 

Huss não era mero imitador de Wycliffe, como alguns estudiosos têm sugerido. Nem, como outros têm indicado, ele antecipou o protestantismo em todos os aspectos. Contra ambos, Wycliffe e os reformadores, ele defendeu a doutrina da transubstanciação, embora negasse que os sacerdotes por si mesmos têm o poder de realizar a transformação do pão no corpo de Cristo. Contra a doutrina protestante de sola fide, ele cria que a caridade desempenha um papel instrumental na justificação dos pecadores.

 

Contudo, Huss antecipou uma série de convicções-chave do protestantismo. Ele criticou a veneração idólatra dos seus contemporâneos de Maria e dos santos. Ele também criticou a prática medieval de reter o cálice do povo comum (por temor, ostensivamente, para que não lidassem de modo indevido com o sangue de Cristo) e oferecer-lhes apenas o pão na eucaristia. A insistência de Huss de que os leigos recebessem pão e vinho veio a marcar os seus seguidores de modo que, quando forçados a se defenderem militarmente após a morte de Huss, incorporaram um cálice no brasão.

 

Ele também antecipou os reformadores — e revelou a extensão de sua dívida com Wycliffe — em sua doutrina da igreja. Huss identificou a verdadeira igreja com aquele corpo invisível de crentes no passado, presente e futuro que foram eternamente eleitos por Deus para a salvação e incorporados em Cristo como a sua cabeça. Nem todos os membros da igreja visível, argumentou ele, pertencem à igreja invisível, e quando o clero em particular prova ser reprovado por suas ações, sua autoridade é suspeita. Essa doutrina baseou as severas críticas de Huss a sacerdotes e papas como “anticristo” e sua disposição em desconsiderar as bulas papais quando claramente contradiziam as Escrituras.

 

 

 

Intimamente relacionada com sua doutrina da igreja, estava a doutrina de Huss sobre as Escrituras. Huss rejeitou qualquer alegação de que a igreja visível, que em qualquer momento poderia ser mais povoada pelos réprobos do que pelos eleitos, exercia a infalibilidade em suas decisões ou interpretações da Escritura. Ele mantinha as vozes tradicionais na igreja, especialmente os pais da igreja, em alta consideração; na verdade, ele privilegiava a interpretação das Escrituras por parte dos pais da igreja sobre a interpretação de qualquer indivíduo, incluindo a sua própria. Mas Huss admitiu que até os pais poderiam errar. Assim, ele reconheceu a Sagrada Escritura como a única regra infalível da fé e prática cristã, uma visão que os reformadores expressariam com o slogan sola Scriptura.

 

A morte de Huss

 

Huss teve oportunidade limitada de defender sua doutrina no Concílio de Constança, e ele acabou sendo condenado por uma mistura de afirmações legítimas e espúrias sobre suas crenças. Ele foi chamado a negar os ensinamentos falsamente atribuídos a ele. Huss recusou-se a fazê-lo, embora selasse seu destino, porque não queria perjurar-se admitindo crenças que não possuía.

 

Em 6 de julho de 1415, Huss foi despojado das suas vestes clericais, enfeitado com um chapéu de burro com desenhos de demônios, amarrado a uma estaca, e queimado até a morte. De acordo com um relato de testemunhas oculares, ele confiou a sua alma a Deus e cantou um hino a Cristo enquanto as chamas o envolviam. Uma vez morto, as autoridades trituraram seus restos mortais e os jogaram no rio Reno para impedir que fossem venerados por seus seguidores. Ironicamente, Huss provavelmente teria apreciado esse gesto final.

 

Huss nunca pronunciou realmente a famosa profecia atribuída a ele na ocasião de sua morte. Ele expressou, numa carta que escreveu durante a sua prisão, a esperança de que “pássaros” mais fortes do que ele surgiriam para continuar seu trabalho. De fato, foi Lutero, em escritos da década de 1530, que transformou as palavras de Huss em um oráculo que encontrou sua realização nele. Seja como for, acredita-se que Huss se alegraria ao ver o dia de Lutero e ficaria feliz em reconhecer a obra de Lutero e os subsequentes esforços para reformar a igreja de acordo com a Palavra de Deus como uma continuação digna dos seus próprios labores.

 

 

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: The Goose

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

 

Aaron Denlinger

Dr. Aaron C. Denlinger é diretor de departamento em latim na Academia Arma Dei em Highlands Ranch, Colo., Professor adjunto de história da igreja.

Material complementar (Com Podcast e Filme)

http://bibotalk.com/podcast/btcast-033-john-huss/

 

A PATERNIDADE

pais-01

A paternidade é à base do relacionamento de Cristo com sua Igreja.

Na oração ensinada pelo Mestre, a começar pelo titulo dado, (Pai Nosso) demonstra uma relação estreita entre o salvo e Deus; não estamos como os gregos, buscando apenas o Sentido da Suprema Beleza, ou apenas da Razoabilidade da vida, e nem apenas de um Ser Inefável e Supremo, mas distante; dizer que nosso Deus é onipotente, onipresente e onisciente, são apenas aspectos revelados de Seus atributos Incomunicáveis.

Dizer que Ele é justo e puro amor, apenas ressalta o que Ele é por essência. Mais o que Deus quer de nós, é que o reconheçamos como PAI! Isso muda completamente toda perspectiva de vida e forma de ver o mundo.

Ele não apenas nos elegeu em Cristo antes da fundação do mundo, e nem apenas nos levou ao conhecimento da verdade; Ele nos adota como filhos! E como filhos, ganhamos acesso em todo tempo e a todo tempo com Ele. Podemos a qualquer momento correr pro Seu colo, e gritar a plenos pulmões, chamando-O da forma que Ele mais aprecia: Papai!

Geralmente quando as pessoas não me conhecem bem, costumam me chamar de Presbítero Felipe; alguns me chamam (embora ainda não o seja) de Pastor Felipe; os conhecidos me chamam apenas de Felipe; os amigos mais íntimos de Fe ou de Lipe; mais como é gostoso ouvir o meu filho Gabriel me chamando de Papai!

Dele eu não posso aceitar que me chame pelo titulo eclesiástico, nem tão pouco como um conhecido ou como amigo; se ele não me chamar do que eu sou pra ele, é que ele não entendeu nada da nossa relação;  ou porque eu, ao contrário de Deus, não consegui imprimir no coraçãozinho dele a minha marca de pai!”

Felipe Rocha

Casamento: Erros na Formação dos Homens

23316334_1130410990428796_8582182287693686901_n

“Grande parte dos problemas que acontecem dentro dos casamentos, acontecem porque os meninos foram condicionados a:

1. Não se defenderem das agressões
2. Buscar responsáveis pelos seus próprios erros
3. Na falsa ideia de que nunca experimentariam fracassar

– Por nunca terem se defendido, desenvolvem um caráter temeroso, fraco e débil. Quem não está pronto pra se defender, nunca estará para defender os seus!
– Por nunca terem tido que lidar com as consequências de seus erros, entrarão em relacionamentos com o único objetivo: de serem servidos! Mesmo sendo péssimos maridos, péssimos pais, péssimos amigos!
– Por nunca terem sido preparados para a dureza da vida, encararão o mundo, com a perspectiva errada, e muito cedo verão, que não são tão importantes assim, nem tão indispensáveis assim. E por isso desenvolverão depressão, síndrome do pânico e mania de perseguição.
Agora junte esses três fatores; consegue entender o ‘porquê’ de tantos divórcios, de tantos casamentos e relacionamentos destruídos?
Nunca se esqueçam: o caráter do homem é forjado nas batalhas, nunca na saia da mamãe!”

Felipe Rocha

MACHOS

27ago2017---daryl-hudeck-carrega-catherine-pham-e-seu-filho-de-13-meses-de-idade-aiden-que-foram-resgatados-da-casa-deles-em-houston-tex

Machos protegem! Machos se doam! Machos amam e cuidam das mulheres e crianças. Machos não fogem! Machos ficam e enfrentam a tempestade! Machos morrem protegendo as fêmeas.

Machos não traem. Machos travam uma violenta luta contra seus pecados. Machos vêem com alegria o nascimento de uma criança.

Machos odeiam a palavra aborto. Machos abominam a palavra estupro. Machos acolhem. Machos choram, não choramingam. Machos possuem uma casca dura, bruta e um interior macio com o qual se relacionam com os mais fracos.

Machos inspiram. Machos confrontam o lobo e choram com as ovelhas. Machos lutam contra a pornografia! Machos lutam por sua cidade, sua terra, seu legado.

Machos preservam. Machos são aqueles que conservam esse mundo! Que Deus nos dê mais machos num mundo lotado de maricas.

Jackson Jacques

Fonte: Ministério Homens de Honra CV

Não comece um noivado até que você esteja pronto para se casar

161783_85d81fe0b86d21d2b62a2edf768053c5

Quando os jovens podem começar um namoro?
Sua resposta provavelmente dependerá da sua concepção do propósito do namoro. Qualquer um pode ver que os custos do fracasso no namoro são freqüentemente elevados: rupturas devastadoras, pecado sexual, traição, rejeição repentina, tremendas decepções, angústia, a dor de um amor que nunca andou até o altar.
Por que, muitos de nós querem entrar no noivado tão rápido?
Em parte, é porque Satanás mascara os riscos muito bem (Apocalipse 12: 9). Ele apresenta o romance como se fosse um requisito para uma boa vida, e, como isso, sem ele, tudo se torna vazio, solitário e sem propósito em comparação. Satanás aproveita nossos desejos e nos convence de que devemos “amar” para viver verdadeiramente, que os maiores prazeres e as experiências mais completas estão em um relacionamento com um noivo (ou marido ou mulher). Ele prepara um coração partido para o café da manhã e adora todo pecado sexual com uma linda, mas venenosa, esmalte.
Satanás e sua influência e em todo o mundo levam milhões de nós a ter muitos parceiros e tê-los muito cedo, porque ele ama o que esses tipos de relações provocam em nós.
Eu tive minha primeira “namorada” na sexta série, meu primeiro beijo naquele verão (com uma garota diferente) e depois uma nova namorada quase todos os anos no ensino médio.

Desde o início da minha juventude, eu estava procurando carinho, segurança e intimidade nas meninas em vez de procurá-las em Deus. Eu tinha namoradas antes do que a maioria, e muitos mais do que a maioria. Meus anos de adolescência eram uma longa cadeia de relacionamentos que eram muito sérios para o nosso tempo, durou muito tempo e, portanto, terminou muito dolorosamente. Eu disse “eu te amo” muito cedo, e demais. E o diabo sentou-se na primeira fila, desfrutando cada minuto da minha história romântica.
Por que – para o que – tem uma namorada?
A guerra espiritual em nossos corações é real, e há muito em jogo, então é fundamental perguntar-se por que pensamos que devemos ter namorados ou namoradas em primeiro lugar. Por que eu tive uma namorada quando eu tinha doze anos (e treze, catorze e até dezoito anos)?
Muitos de nós só querem ser felizes; queremos pertencer e ser valorizados. Imaginamos que nossas necessidades mais profundas serão resolvidas na intimidade de estar com esse homem ou aquela mulher especial.

Todos queremos que nossos corações se levantem para alguém ou algo assim. O romance e o mistério do casamento parecem ser o mais alto nível de prazer e amizade terrestre. Desejamos ser conhecidos e amados, pertencer a alguém, estar na história de outra pessoa. Nós também queremos que alguém se faça parte de nossa própria história. E todos queremos que nossas vidas funcionem para algo. Queremos trazer algo significativo para uma causa significativa. Queremos fazer a diferença. Não queremos desperdiçar nossas vidas.
Muitos de nós temos namoradas porque estamos tentando preencher essas necessidades com amor. Se nos fizessem a pergunta, poderíamos dizer que estamos “buscando casamento”, mas muitos de nós nem sequer são casados ​​por causa da idade, das finanças, da maturidade, da educação ou do estágio da vida. Estamos realmente à procura da felicidade, da pertença e do significado que acreditamos que encontraremos no romance.
Se eu pudesse começar de novo, o que eu mudaria?
Se eu pudesse fazer tudo de novo, preferiria não ter uma namorada no primeiro ano do ensino médio (ou o último, ou mesmo os meus dois primeiros anos de faculdade). Esperaria até que eu estivesse pronto para me casar.
Meus olhos se arregalaram quando comecei a entender as principais diferenças entre namoro e casamento. Alguns casais podem se sentir casados ​​às vezes, mas alguns casais não são casados. Compreender as diferenças entre esses tipos de relacionamentos nos protegerá das muitas dores e falhas associadas ao namoro.

A maior recompensa em qualquer vida, independentemente do nosso estado civil, é conhecer Cristo e ser conhecido por Ele, amá-Lo e ser amado por Ele. A grande recompensa do casamento é a intimidade centrada em Cristo com o cônjuge, sabendo e sendo conhecido, amando e sendo amado por um marido ou esposa. A grande recompensa em namoro e namoro é a clareza centrada em Cristo sobre casamento (ou casamento).

A intimidade romântica é mais segura no contexto do casamento e o casamento é mais seguro no contexto da clareza. Se queremos ter e desfrutar desse tipo de intimidade centrada em Cristo, temos que nos casar. E se queremos nos casar, precisamos procurar ser claro com quem fazê-lo.
Antes do noivado, espere

Legalmente, pelo menos nos Estados Unidos, não podemos nos casar até completar 18 anos (exceto para os estados de Nebraska e Mississippi, onde você deve ser mais antigo: 19 e 21, respectivamente).
Além da mera idade, devemos nos fazer perguntas sérias sobre maturidade e estabilidade. Nosso namorado ou namorada amadureceu o suficiente para ter alguma idéia do tipo de marido ou mulher que ele vai estar nos próximos 50 anos? Já amadurecemos o suficiente? Será que um ou ambos serão capazes de sustentar a família economicamente? Sua fé em Jesus Cristo foi testada o suficiente para ter certeza de que é real?
Alguns, sem dúvida, detestam esse conselho – tenho certeza de que também o odiaria -, mas todos devemos reconhecer que mesmo que possamos ter um namoro muito antes de nos casarmos, isso não significa que devemos fazê-lo. O que quero dizer é que você não deve começar uma namorada com vista ao casamento quando o casamento não for no futuro próximo. Você pode sonhar com casamento cedo (como eu fiz), mas é realista dizer que você e seu parceiro poderão se casar em breve?
Aguarde para começar a namorar até que esteja pronto para se casar. Meu conselho – pegue ou deixe – é esperar até que ele ou ela pode se casar nos próximos dezoito meses (um ano e meio). Não estou dizendo que você precisa se casar antes de um ano e meio de namoro. A parte importante é que você poderia se casar, se Deus deixar claro que é Sua vontade e o tempo certo para você. Claramente, você não encontrará esses dezoito meses que mencionei na Bíblia e não deveria ser tratado como uma lei de Deus. Mas você pode usar esse tempo para avaliar – com o Senhor, seus pais e amigos cristãos próximos – se isso parecer conveniente e seguro para você e seu coração.
O que fazer enquanto esperamos?
Esperar o noivado não significa que devemos nos sentar e não fazer nada. A vida não é apenas, ou principalmente, sobre amor e casamento. Nossa vida é sobre Jesus – seu amor por nós e seus planos para nós – seja nós solteiros ou casados, ou se temos dezesseis ou sessenta anos de idade.

Deus tem muito mais para você do que qualquer relacionamento pode oferecer. Ele significa algo espetacular através de você e sua vida jovem. Ele quer usar você e seus presentes para mudar a vida de outras pessoas. Se ele quer que você se case, ele quer fazer de você uma futura esposa ou um marido forte e solidário. Ele quer mostrar ao mundo onde encontrar a felicidade através da sua alegria.
Você não precisa de um namorado ou uma namorada para experimentar esses planos de Deus para os anos de espera. Então, o que você pode fazer se não tiver namorado ou namorada?
1. Seja um exemplo corajoso e fiel para os outros.
“Não permita que ninguém despreze a sua juventude, mas seja um exemplo dos crentes na palavra, na conduta, no amor, na fé e na pureza” (1 Timóteo 4:12).
Você ainda não pode votar ou dirigir, mas você pode viver para dizer algo sobre Jesus. Sua palavra – o idioma e a atitude que você usa com sua família e amigos – diz algo sobre Jesus.

Tuconducta – as decisões que você faz todos os dias sobre o que você vai fazer ou não, as maneiras como você se encaixa com o resto do mundo ou não – eles contam ao mundo sobre seu Deus. Seu amor – a maneira como você trata as pessoas em sua vida – diz algo sobre como você foi amado por Deus. Sua pureza – seu compromisso de confiar em Deus e Sua palavra, e atesorá-lo acima de todos os prazeres e experiências prematuras – prega o evangelho aos seus companheiros escravos de seus próprios desejos.

 
2. Viver para servir, para não ser servido.
“Como cada um recebeu um presente especial, use-o servindo um ao outro como bons mordomos da múltipla graça de Deus. Aquele que fala, deixe-o falar de acordo com as palavras de Deus; aquele que serve, para fazê-lo pela força que Deus dá, para que, em todos os deuses, seja glorificado por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém “(1 Pedro 4: 10-11).
A maioria dos jovens é tão consumida por suas próprias necessidades e deseja que eles não tenham consciência das necessidades daqueles ao seu redor. Mas você tem um potencial muito grande para passar seu tempo em redes sociais, shopping e videogames. Olhe, por exemplo, no que os adolescentes conseguem nas Olimpíadas; meninos e meninas de quinze e dezesseis anos de idade conquistando o ouro contra os melhores atletas do mundo.

E se você decidir usar os dons que Deus lhe deu para fazer a diferença na vida de outra pessoa? Você poderia servir em um ministério da igreja, orientar alguém mais novo ou ajudar com as necessidades do seu bairro. Você é capaz de muito mais do que o mundo espera de você. Viva de tal maneira “que em todos os deuses seja glorificado através de Jesus Cristo” através de você.

 
3. Esteja preparado para ser o futuro cônjuge que Deus o chama a ser.
“As mulheres estão sujeitas aos seus próprios maridos quanto ao Senhor. Pois o marido é o chefe da mulher, assim como Cristo é o chefe da igreja, sendo ele mesmo o Salvador do corpo. Mas assim como a igreja está sujeita a Cristo, as mulheres devem ser para seus maridos em tudo. Maridos, amem suas esposas, assim como Cristo amou a igreja e se entregou por ela “(Efésios 5: 22-25).
Talvez alguns de nós nasçam querendo se casar, mas nenhum de nós nasceu pronto para se casar. O chamado para amar a esposa é um chamado para refletir a maior história já contada: o próprio Deus veio na carne para morrer por sua noiva pecadora, a Igreja. Nossos instintos naturais não são para morrer para nós mesmos por causa de outra pessoa, nem mesmo para a pessoa que realmente gostamos.
Até que você esteja pronto para ter um namorado ou uma noiva, Deus está preparando você para amar adequadamente quando você vem para fazê-lo, preparando você da glória para a glória (2 Coríntios 3:18).

 
4. Que sua alegria em espera é surpreendente.
“Por esta razão também nós, desde o dia em que o conhecemos, não deixaram de orar por você, pedindo que … caminhe como digno do Senhor, fazendo em tudo o que o agrada, dando frutos em cada bom trabalho e crescimento no conhecimento de Deus. Rezamos para que se fortaleçam com todo o poder de acordo com o poder da Sua glória, para obter toda a perseverança e paciência com alegria “(Colossenses 1: 9-11).

Não é difícil encontrar solteiros amargos, homens e mulheres jovens que lamentem a sua solidão enquanto todos os outros estão namorando alguém. É muito mais difícil encontrar jovens que encontrem sua identidade, felicidade e segurança em um lugar diferente.
Surpreenda seus amigos (e todos os outros) por estar disposto a esperar para entrar no namoro até que você possa se casar, porque em Deus você já tem tudo o que precisa.

 

Originalmente publicado em Desriring God. .
Marshall Segal é o assistente executivo de John Piper e editor associado de Desiring God. Ele é formado pelo Bethlehem College & Seminary e vive com sua esposa Faye em Minneapolis. Você pode segui-lo no Twitter.

Link do Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/espera-a-tener-una-relacion-hasta-que-puedas-casarte

 

Como destruir seu casamento antes que ele comece

5_zps22c08435.jpg-original

Tim e Jess só haviam se casado há oito meses, mas a lua de mel provavelmente terminaria. As ternas conversas que uma vez caracterizaram sua relação haviam dado lugar a brigas constantes. A risada havia diminuído, e a distância entre eles cresceu. Eles quase não tinham intimidade sexual. O que deu errado? Como Satanás entrou neste jovem casamento? Quando descobri a história do casal, percebi que não os tinha sabotado na lua de mel nem nos meses em que descobriram a vida conjugal. O diabo começou a trabalhar antes mesmo de chegarem ao altar. Embora Tim e Jess fossem cristãos, seus primeiros encontros durante o namoro e seu noivado foram marcados pela impureza sexual.

Embora os primeiros dias de seu relacionamento tenham sido bons, ao longo do tempo eles foram constantemente envolvidos até que eles desenvolveram um padrão mais profundo de pecado sexual. Toda vez que pecaram, eles confessaram um ao outro e juraram que nunca mais iriam voltar a acontecer. Mas aconteceu novamente. Por vergonha, eles nunca deixaram ninguém saber o que estava acontecendo.

Em retrospectiva, Tim e Jess admitem que seu namoro dissimulou uma grande decepção.
Infelizmente, a história de Tim e Jess é muito comum. Muitos casais cristãos não casados ​​lutam contra o pecado sexual. Isso não deve nos surpreender, já que temos um inimigo contra nós e contra o casamento iminente (1 Pedro 5: 8). Ele odeia a Deus e odeia o casamento porque retrata o evangelho (Efésios 5:32).

Uma das estratégias mais eficazes de Satanás para corromper essa união matrimonial é atacar casais através do pecado sexual antes de dizer “eu aceito”. Aqui estão quatro das estratégias que você usa mais para atacar casamentos antes de começar.
1. Satanás quer que nosso padrão de comportamento seja obedecer nossos desejos e não a direção de Deus.
Os caminhos de Deus são bons, mas Satanás quer que acreditemos que eles não são. Este foi seu plano desde a primeira vez que ele nos chamou para se estabelecer no Éden (Gênesis 3: 1-6).

Seu objetivo final é que, quando chegarmos ao casamento, desenvolveremos um padrão constante de resistência ao Espírito e obediência aos nossos desejos pecaminosos. Ele quer que nos recusemos a servir e a seguir o egoísmo.

Se adotarmos o hábito de fazer o que quer que queremos e quando queremos antes de chegar ao casamento, tomamos esse padrão conosco nos dias e anos que se seguem. Isso, no entanto, é mortal porque o serviço e o sacrifício são a essência de um casamento saudável que honra Cristo.

Em casamento, o amor se manifesta em mil decisões diárias para fazer o que você não quer fazer – como lavar pratos, trocar uma fralda ou assistir a um filme em vez de um jogo de basquete. Se antes do casamento você tem um relacionamento caracterizado por ceder aos impulsos de desejos urgentes, as chances são de que você terá lutas quando estiver no coração da vida conjugal.

2. Satanás quer que subestimes nossa susceptibilidade à tentação.
Satanás quer que pensemos que não vamos levar nosso pecado ao próximo nível. Ele quer que acreditemos que somos mais fortes do que realmente somos. Ele quer que pensemos que nunca chegaremos tão longe. Este é um engano poderoso porque tira proveito de nosso orgulho e nosso desejo bem-intencionado de honrar a Deus. Você é mais fraco do que pensa. Eles podem ir aonde eles pensam que não irão. O pecado é como uma corrente subaquática no oceano: se você brincar com isso, você será dominado e arrastado para a destruição.

Uma das maneiras pelas quais Satanás opera esse ângulo é tentando pensar que a pureza é uma linha que não deve ser cruzada e não uma atitude do coração. Ele quer que eles pensem que, diante de Deus, a pureza consiste em não beijar ou não tirar a roupa ou não praticar sexo oral ou “chegar ao fim”. Ele quer que eles pensem que se eles não cruzarem uma determinada linha, eles permanecerão puros.

O problema com este tipo de pensamento é que Jesus diz que, se desejamos apenas em nossos corações, pecamos e somos condenados diante de Deus (Mateus 5: 27-30). A pureza está muito mais relacionada à postura de nossos corações do que à posição de nossos corpos. A velha pergunta, “Quão longe é muito longe?” Pode revelar o desejo de aproximar o pecado tanto quanto possível em vez de um desejo de fugir, como nosso Senhor nos chama a fazê-lo (1 Coríntios 6:18).
3. Satanás quer que a confiança mútua dos casais se enfraqueça.
Quando nos envolvemos sexualmente, mostramos à outra pessoa que estamos dispostos a usá-la e a abusar para conseguir o que nos faz feliz. Toda vez que empurramos os limites com a nossa namorada ou o fazmos pecar, estamos nos comunicando, quer queira ou não, “você não pode confiar em mim, porque estou disposto a usá-lo e não prestar atenção para obter o que eu quero”.

Esta é, sem dúvida, uma das estratégias mais letal de Satanás, e é esse que, eu suponho, mais danos causados ​​a Tim e Jess. Eles não confiaram uns nos outros. Eles nunca realmente fizeram. Seus encontros estavam tão imersos em um ciclo de pecado, vergonha e retomada, que nunca desenvolveram uma mútua confiança mútua. É importante notar, no entanto, que quando resistimos ao pecado sexual, Deus abençoa o relacionamento com um efeito exatamente oposto.

Cada vez que dizemos “não” ao pecado sexual e recorremos à oração, dizendo ao outro que valorizamos muito a sua pessoa e caminhar com o Senhor para dar um passo adiante, ele usa essa fidelidade para fortalecer a confiança. Minha esposa muitas vezes diz aos novos casais que uma das razões pelas quais ela confia em mim é que eu literalmente evitava ceder antes de nos casarmos. Não fomos perfeitos como noivos, mas o Senhor usou esse tempo para construir nossa confiança mútua.
4. Satanás quer enganá-lo com o fruto proibido da luxúria.

Há um mundo de diferença entre o sexo pré-marital e o que ocorre no casamento. Uma das razões é que o fruto proibido da luxúria retrata o sexo pré-marital como algo que nem sempre é dado em casamento. A atividade sexual pré-marital é geralmente como a queima de gás. A paixão é alta, os sentimentos são intensos e a motivação para avançar é reforçada ao saber que não deveria (Romanos 7: 8). O sexo no casamento é diferente. Ainda há paixão, e ainda há sentimentos e emoções intensas, mas o sexo conjugal queima principalmente nas brasas de confiança, devoção e sacrifício (1 Coríntios 7: 1-5).

Os casais que constroem suas expectativas sexuais sobre a paixão de frutas proibidas são muitas vezes desapontados e confusos quando o sexo é diferente no casamento. Isso me fez rir da minha esposa e de mim quando nosso conselheiro antes do casamento nos contou. Estávamos certos de que seríamos a exceção da regra, mas quase seis anos e três filhos mais tarde, ele estava certo. Casais como nós podem ter uma vida sexual forte, mas isso é alimentado por fatores mais profundos que a paixão do que pela vida sexual forte. Satanás quer casais se acostumarem com a cafeína e o açúcar da luxúria em vez do amor maduro do serviço e do sacrifício.
Alguns pensamentos para concluir

1. Espere com fé. A atitude cristã é sempre caracterizada pela espera. Esperamos o retorno de Cristo. Esperamos passar a eternidade com Ele. E os crentes não casados ​​esperam as bençãos do casamento. Confiando em Deus, diga “não” às promessas do pecado. Renova sua mente com a Palavra de Deus e continue esperando com fé.

2. Homens, seu dever é liderar. Embora no relacionamento as duas pessoas sejam responsáveis ​​diante de Deus, o homem deve estabelecer um ritmo que favorece a pureza. Muitas vezes, a obrigação de estabelecer limites e dizer ‘não’ recai sobre as mulheres. Isso é covarde e errado. É responsabilidade do homem cuidar de sua futura esposa, levando-a a Jesus e longe do pecado, da escuridão e da dor causada pelo mal. Se ele estabelece o padrão errado nisso, ele vai cavar por longos anos sem nunca mais chegar ao chão que ele perdeu, afastando-se da graça de Deus.
3. Envolva outros ao longo do caminho. Não permita que seu relacionamento escape do exame de outros cristãos piedosos. Ambos devem ter um casal piedoso ou um grupo de amigos fiéis para serem responsabilizados. Faça perguntas difíceis e responda honestamente. Deus usa a transparência para se fortalecer.

4. Se você pecar, vá para o evangelho. O apóstolo João escreveu: “Meus filhos pequenos, eu escrevo essas coisas para você, para que você não perca. E se alguém pecar, temos um Advogado com o Pai, Jesus Cristo, o Justo “(1 João 2: 1-2). Se eles pecam, eles vão à cruz. Corra para o túmulo vazio.

Contemple seu advogado, confie profundamente seu pecado e se arrependa. Deus gosta de abençoar esse tipo de atitude (Provérbios 28:13). O pecado sexual não precisa ser uma adaga no coração de sua incipiente relação, seu namoro ou seu casamento. Deus é um Deus misericordioso que se deleita em restaurar o que o pecado quer destruir (Joel 2: 25-27).

No entanto, Ele não abençoará aqueles que continuam desobedecendo e se vangloriando de Sua graça. Se você caiu no pecado sexual, hoje é quando você deve implorar misericórdia e se voltar para Cristo na fé. Que Deus nos conceda misericórdia para ir atrás da pureza pela sua glória e pelo bem.

 

 

Originalmente publicado para The Gospel Coalition.

Autor
Garret Kell é casado com Carrie, e juntos eles têm três filhos. Ele serve como pastor da Igreja Batista Del Ray em Alexandria, Virgínia. Você pode segui-lo no Twitter.

Link do artigo original em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/como-destruir-tu-matrimonio-antes-de-que-comience

As redes sociais não são o maior problema de seus filhos adolescentes

22343619483_03fb9c024c_b

O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós como (pais e) mães.

*Esse artigo foi originalmente escrito para as mães, mas também se aplica aos pais. Pois  criação dos filhos é uma tarefa dada por Deus aos homens e mulheres.
O medo na sala era palpável. Acabei de falar em uma sala cheia de mães e filhas sobre o tema das redes sociais. Muitas das meninas presentes estavam no auge de sua adolescência, e a maioria das mães estava começando sua maternidade adolescente.

Depois que as meninas foram para uma sala separada para uma discussão de seguimento com os líderes da juventude, as mãos das mães foram jogadas no ar. A urgência na questão de cada mãe expressava ansiedade sobre redes sociais e outros desafios da adolescência. Era encorajador ver muitas mães que queriam estar melhor equipadas para navegar durante a adolescência. Muitas vezes eu vejo o contrário, os pais renunciaram à falsa noção de “adolescentes serão adolescentes”, desistindo de tentar.
Mas não tenho certeza de que essas mães estavam ansiosas pelas razões corretas.
Confie nas regras
As mães que estavam tão desesperadas para controlar e proteger seus filhos queriam que eu lhes desse um roteiro a seguir; uma lista do que fazer e do que não fazer com redes sociais e telefones celulares, com a garantia de que tudo funcionaria se você simplesmente seguir as regras.

 

Compreendo o desejo de um script com uma garantia; Todo pai quer que seu filho adolescente esteja seguro, feliz e longe do caminho da destruição. Mas se nos concentramos principalmente em soluções externas para educar nossos adolescentes, colocamos nossa esperança em algo que não pode manter.

 

As mídias sociais, os telefones celulares e o mundo selfie que habitamos são problemáticos, mas eles não são os principais problemas para nossos adolescentes. O consumo de álcool, drogas, sexo, transtornos alimentares, pornografia, auto-corte, perfeccionismo, estresse e depressão também não são problemas fundamentais para os adolescentes. Jesus nos diz que “não há nada fora do homem que possa contaminá-lo entrando nela; mas aquilo que sai do homem é o que contamina o homem “(Marcos 7:15).
Enquanto as influências externas são fontes de tentação, nossa própria natureza caída nos leva a pensar e agir com pecaminosidade. Os comportamentos negativos que tememos, então, são subprodutos do que está acontecendo em nossos corações idólatras. O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós.
Agora, não estou sugerindo que as tentações não sejam levadas a sério. Certamente, regras e limites devem ser estabelecidos. Mas se abordarmos apenas o que está na superfície, o pecado é facilmente visto, e não ajudamos nossos adolescentes a desenterrar os ídolos governantes de seus corações, nunca facilitaremos mudanças reais.
O que as regras não podem corrigir

A idolatria é o que acontece quando há algo que queremos mais do que Deus, levando-nos a trocar a verdade sobre Ele por uma mentira (Romanos 1:25). Acreditamos na mentira de que não é suficiente e que a “vida”, o que significa, está em algum lugar longe dEle. Esta é a mentira que todos os humanos compraram desde que Satanás convenceu Adão e Eva de que Deus estava escondendo algo deles.
Para adolescentes (e adultos), esta mentira é facilmente enraizada nas mídias sociais. Tudo o que é preciso é um postagem através do nosso Instagram ou Facebook para a cobra antiga começar a sussurrar:
• “Você não é como eles”.
• “Sua vida é chata”.
• “Você não é suficientemente fino, suficientemente bonito, suficientemente popular, rico o suficiente”.
Seja o que for para você, preencha o espaço em branco.
Quanto mais nos comparamos, mais provável a mentira se instalará em nossa alma como “verdade”, enquanto o que Deus diz que é verdadeiro será esquecido. É fácil estar convencido de que nosso valor reside na aparência, desempenho, popularidade, perfeição, estado ou “Eu gosto”.
Mas o que acontece quando o adolescente que busca seu valor na quantidade de “Eu gosto” que eles recebem em uma imagem não recebe tantos na próxima publicação? Ou o que diz sobre o que atrai comentários sobre o quão atraente (ou magro) parece?
Para se apegar à sua identidade “segura”, deve ser tão perfeito no próximo dia, ou na próxima foto. Viver sob este esforço constante para levar o que é fugaz só intensifica o desespero para conhecer o valor de um. Mas com todas as fontes falsas para as quais você se volta, mais insegura e vazia você sentirá. Uma sensação de futilidade será estabelecida.
Com esta raiz identificada do pecado, faz sentido por que um adolescente entraria em abuso de substâncias, promiscuidade, distúrbios alimentares, depressão ou qualquer outra dificuldade. Há outros pecados de raiz, com certeza, mas a idolatria de algum tipo sempre será o pecado que guiará os outros. É o pecado que devemos ajudar nossos adolescentes a identificar cavando mais fundo. É o seu maior problema e o nosso.
Apenas uma solução

Virar-se para deuses falsos e procurar garantir a “vida” em coisas que não deveriam ser definidas, sempre nos deixará vazios. Para ser preenchido, devemos tirar nossos olhos de nós mesmos e olhar completamente para o rosto de Deus, cujo trabalho em nosso lugar foi perfeito. Nossa alma só sentirá seu valor quando vermos Jesus por quem Ele é, e através do que ele fez por nós.
Foi o que mais queria que as mães reunidas aquela noite para escutassem. Sim, devemos prestar atenção às redes sociais. Sim, é aconselhável limitar e controlar o uso do telefone. Mas, assim, não consertará os corações dos nossos jovens. A única solução para um coração pecaminoso é o arrependimento e a confiança no evangelho. Em um mundo próprio, vamos ajudar nossos adolescentes a entender que sua verdadeira identidade é encontrada apenas em Jesus.

 
Originalmente publicado na The Gospel Coalition.

Autora

Kristen Hatton é a autora de Teenage Devotion Get Your Story Straight, com seu segundo livro, Face Time: Your Identity in Selfie World, para ser publicado pela New Growth Press em maio de 2017. Kristen descobriu sua paixão por ensinar, falar e escreva sobre a graça e o crescimento no evangelho através de muitos anos de execução de um estudo bíblico para jovens adolescentes. Ela mora em Edmond, Oklahoma, com o marido do pastor e três adolescentes. Para mais informações, visite http://www.kristenhatton.com,

Link do Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/las-redes-sociales-no-son-el-problema-mas-grande-de-tus-hijos-adolescentes