Os crentes deveriam estar envolvidos na política?

justiça

 

Este estudo examina uma das várias visões errôneas da igreja e do estado: a ideia de que os crentes devem estar envolvidos apenas no evangelismo e não na política.

O resumo do que está errado com esse ponto de vista é o seguinte: se todo crente aderisse a esse ensino evangélico popular, não haveria crentes em altos cargos! Não haveria influência do sal e da luz em uma forma representativa de governo.

 

Eu costumava dar crédito a esta campanha, mas isso começou a mudar alguns anos atrás, quando ele, pessoalmente, viu o principal defensor dessa posição, um pastor de uma grande igreja no sul da Califórnia, reunir sua congregação para participar de uma reunião do conselho Municipal onde a decisão seria feita se a universidade cristã de que ele era o presidente, ele seria concedida uma autorização para usar a terra para construir uma capela memorial em seu nome.

 

Esta aparente incongruência colidiu com a minha consciência crescente de que não poderia ministrar aos crentes no Capitólio de Califórnia, se uma profunda reflexão estavam fora de sintonia com a vontade de Deus – ter sido envolvido no processo político de uma forma representativa de governo civil . Percebo que ambos são argumentos anedóticos, mas essas experiências me levaram a considerar o outro lado desse debate e a estudar a Palavra sobre esse assunto com uma reduzida predisposição.

 

Hoje eu estou do lado que os crentes devem estar envolvidos na política versus estar contra ou isolado dela. O que segue são os argumentos bíblicos para participar do Estado além do evangelismo.

 

 

I. INTRODUÇÃO
O fato de que os crentes devem afetar o mundo em que vivem (versus isolar-se deles) é evidente no Sermão da Montanha. Note Mateus 5: 13-16:

“Você é o sal da terra; Mas se o sal desaparecer, com o que será salgado? Não é mais bom para nada, mas para ser jogado fora e pisoteado pelos homens. Você é a luz do mundo; uma cidade situada em uma colina não pode ser escondida. Nem uma luz acende e é colocada sob um alqueire, mas no candelabro, e dá luz a todos que estão na casa. Deixe a sua luz brilhar diante dos homens, para que possam ver suas boas obras e glorificar seu Pai que está no céu. ”

 
Quando Jesus acende uma lâmpada – quando Ele traz um indivíduo para a verdadeira fé salvadora em Si mesmo – como uma conseqüência Ele é uma pessoa que dará luz a todos que estão na casa. Isto não é difícil de decifrar desta passagem. A palavra casa (v.15) é outra maneira de expressar duas palavras usadas anteriormente na passagem. Isto significa simplesmente que um crente afetará as pessoas na terra (v. 13a), pessoas no mundo (v. 14a). Esta passagem ensina que é normativo para os crentes afetarem a terra / mundo físico ou a “terra” em que vivem aqui e agora.

 

Mas observe a progressão desta passagem: Versículos 13-16, como citado acima, siga os versículos 1-12, comumente conhecidos como as bem-aventuranças de Jesus. As bem-aventuranças ensinam virtudes concisas (listadas na porção inicial do Sermão da Montanha) que são emblemáticas de Seus seguidores maduros; isto é, qualidades de caráter como doçura (5: 5), retidão (5: 6,10), misericórdia (5: 7), pureza (5: 8), etc. Por causa da natureza progressiva desta passagem, as manifestações de sal e luz (expressando a idéia de que os crentes estão preservando e iluminando os seres na terra / mundo) estarão em proporção direta ao grau das características mencionadas anteriormente que habitam o mundo. crente O ponto é este: a longo prazo, não se pode afetar o ambiente de uma forma piedosa, a menos que ele primeiro tenha um caráter piedoso.

 

QUEM É E COMO UM AFETA O SEU MUNDO ESTÁ INTRINSECAMENTE INTERLIGADO
Tal interpretação do significado desta passagem é apoiada pelos seguintes  entendimentos gramaticais. Primeiro, o verbo que é duas vezes usado no começo dos versos 13 e 14 é Você (humeis isto). Esses verbos estão presentes como indicativos ativos na língua grega, ou seja, em contraste com os verbos imperativos, ou seja, ordens de Jesus. Esta é uma distinção sutil mas importante. Significa que uma é a influência de Cristo na cultura (agentes da preservação e iluminação da verdade) na medida em que amadurecem no Salvador. Jesus não está dizendo: “Seja sal e luz!” Ao contrário, Ele está ensinando que o grau em que alguém manifesta internamente a semelhança de Cristo é o grau em que alguém afetará externamente seu mundo, ou, no caso da comunidade governamental, as pessoas e suas leis.

 

Por que isso é tão importante? Jesus não está dizendo “Você deve ser sal e luz” Jesus não está falando em imperativo aqui. Pelo contrário, o uso de Vocês significa isto: você é a preservação e a iluminação da sociedade na medida em que você é uma felicidade! Você está baseado no que Jesus já disse no Sermão da Montanha! Indicativo do caráter da bem-aventurança – Sempre ligado à maturidade de Cristo – são as manifestações de preservação e iluminação no mundo de hoje! Não há outra maneira de ver este claro significado e conexão nesta passagem. Essa é a cadência dessa passagem.

 

Em segundo lugar, note que na língua original, o começo do próximo versículo, versículo 16. O advérbio no início do versículo é mais uma evidência da idéia do pensamento sequencial de Jesus em relação ao que Ele havia delineado anteriormente. Assim (outws) significa “desta maneira”. Em outras palavras, a luz de um é brilhar dessa maneira. O verbo brilhar (lampatw) é um imperativo, o que significa que Deus está lhe ordenando: em outras palavras, nossa luz deve brilhar dessa maneira. E o que é isso? Deixe que os outros vejam seu caráter piedoso e sua preservação e iluminação cultural resultante. O que resulta é que outros glorificam o Pai que está no céu. Isto é, seguindo esta fórmula, você se torna uma testemunha poderosa em um mundo caído! Aqui está uma soma gráfica:

Maturação espiritual
(Mt 5: 1-12)

Cultura Participativa
(Mt 5: 13-15)

Evangelização de outros
(Mt 5:16)

 

A maturidade espiritual pessoal será demonstrada pela participação cultural de alguém que testifica de Deus em um mundo de aparência. Esta progressão revela a fórmula bíblica para ter um testemunho eficaz – glorificando a Deus – em um mundo caído.

 

Em suma, para a introdução, para aqueles que dizem: “O crente deve apenas evangelizar na arena política”, esta passagem mostra a omissão de um passo vital e necessário: a participação cultural no mundo é um ingrediente necessário para se tornar uma testemunha eficaz! (veja 1 Cor 9: 21-23)

 

PODE QUALQUER EVANGELIZAÇÃO CRISTÃ  SER EFICAZ SEM NÃO EVITAR A CONEXÃO COM O MUNDO?
A ideia de que tudo deveria ser sobre evangelismo sem compromisso cultural é um erro bíblico.

Mateus 5 não suporta essa ideia; O próprio Jesus não apoia essa ideia. Essa passagem se presta à correção de tal pensamento. Não se pode eliminar a necessidade fundamental do crente de ser um preservador e iluminador na terra e no mundo se ele deseja ser um bom evangelista. Se este argumento introdutório foi insuficiente, o que se segue são oito razões bíblicas adicionais por que os crentes deveriam estar envolvidos na política.

II. O único evangelismo é uma visão estreita da missão de Jesus
Na passagem da Grande Comissão de Mateus 28: 19-20, Jesus ordena a Seus seguidores que ensinem aos outros não apenas as verdades do evangelho (tão básicas e importantes quanto a missão de Jesus).

Ele ensina os crentes a ir além do evangelismo e fazer discípulos. Como é que o crente vai fazer isso? Para “… ensinar [aos outros] guardar todas as coisas que te ordenei”. Paulo repete a amplitude necessária da instrução acima e além das verdades do Evangelho quando disse aos líderes efésios: “Porque não tenho evitado falar-vos de todo o conselho de Deus” (Atos 20:27).

Paulo disse com respeito a todas as suas escrituras, o que eu escrevo para você são os mandamentos do Senhor. (1Cor 14:37) Pedro disse sobre o seu “mais do que os ensinamentos da salvação”: para que você possa lembrar … e o mandamento do Senhor e Salvador dado por seus apóstolos; (2 Pedro 3: 2) Portanto, Jesus quer que os outros saibam todas as suas instruções.

Isso significa que Ele quer que Seus seguidores aprendam sobre Casamento, Família, Igreja, Comércio e Governo. Isso é necessário para fazer discípulos (que é a ordem principal da Grande Comissão). Em conclusão, enquanto a primazia da missão de Jesus é converter os perdidos, a totalidade de sua mensagem abrange fazer discípulos.

Pensamento míope
Que o crente deve apenas evangelizar os líderes políticos (e não se envolver em
política) representa o pensamento ultra-míope. Segue-se que o evangelista
ele precisaria aconselhar seu convertido a deixar o cargo imediatamente!

Se um evangelista ganhou todos os líderes eleitos para Cristo o governo teria que fechar!

Então, o que Jesus ensina? Qual é todo o conselho de Deus (KJV) – com respeito ao governo civil? Entre outras coisas isso: Ele criou o universo e as demais coisas (Gênesis 1:26, Cl 1:16); Ele mandou/instituiu (Romanos 13: 1); Ele a segura (Cl 1:17); e destina-se a moralizar um mundo caído (Romanos 13: 4). Além de sua graça salvadora, os propósitos de Jesus, impelidos por um coração de compaixão pelos perdidos (Mt 9:36), manifestam graça comum e graça restritiva para toda a Sua criação através desta instituição ordenada (veja Mt. 5: 45b). Quão grande é o seu amor!

 

As descrições acima mencionadas, bem como as passagens de apoio, revelam claramente que Jesus tem um propósito para a instituição do governo, além do evangelismo. Consequentemente, quando um dos principais defensores de “Todo evangelismo, não política”, seu ponto de vista diz:

[Jesus] não veio à terra para tornar a velha criação moral através da reforma social e governamental, mas para fazer novas criaturas (Seu povo) santificadas através do poder salvador do evangelho e da transformação pela obra do Espírito Santo. .

Aqui o autor está divulgando uma compreensão reduzida da missão de Jesus! O que ele diz não representa todo o conselho de Deus a respeito de seus propósitos para Sua instituição do governo civil! O principal papel do crente no evangelismo é o governo, é lá onde uma compreensão mais ampla dos ensinamentos de Jesus sobre esta instituição deve ser sempre promovida. O crente deve viver tudo o que a Escritura diz sobre o governo civil e, mais especificamente, ensinar essas verdades aos líderes do governo!

Em um sentido paralelo e expansivo, dizer que o propósito geral de Jesus e a missão era apenas sobre salvação, é implicar que Jesus não tem instrução sobre Casamento, Família, Igreja ou Comércio.

Outro erro deste mesmo autor cristão influente é a sua tendência para remover a importância espiritual de um bom Governo Civil em relação à propagação do Evangelho.

Ele diz:

O governo humano ideal pode finalmente não fazer nada para promover o reino de Deus, e o pior de tudo, o governo mais ditatorial do mundo não pode deter o poder do Espírito Santo ou a propagação da Palavra de Deus.

Em um bom sentido e considerando a grandeza e soberania de Deus, o que ele diz é verdade. Mas é um argumento sustentável para os crentes não se envolverem no governo civil? Uma coisa não tem que ser um estudante de geopolítica atual, a história do mundo, ou missões históricas para descobrir quais países do Médio Oriente, a Coreia do Norte, Cuba e Rússia, entre outros, suprimiram o crescimento do Corpo de Cristo em um grau muito maior do que países não repressivos.

 

Quantos missionários chegaram tão longe pela causa de Cristo nas terras mencionadas? Em termos práticos, por que 90% das missões no mundo, durante o último século, foram financiadas pelos Estados Unidos? Os crentes deveriam estar envolvidos na política apenas para continuar enviando missionários com o propósito de espalhar a Palavra de Deus? O país ideal pode avançar no Reino de Deus mais que um país não ideal.

 

PORTANTO, UM BOM GOVERNO É IMPORTANTE PARA ALCANÇAR E MANTER O CUMPRIMENTO DA GRANDE COMISSÃO
O presente e o ímpeto histórico para a maior parte do cumprimento da Grande Comissão vêm de países que honram a liberdade. Isso significa que o papel do crente na manutenção da saúde e do bem-estar é uma tarefa nobre e importante e, indubitavelmente, está de acordo com tudo o que Jesus nos ordenou.

Para ilustrar um dos muitos resultados possíveis para viver demasiado estreitas uma compreensão da missão de Jesus na pregadores radiais Canadá deve agora editar suas transmissões não inclui qualquer menção de Romanos 1. Este livro de mudança de vida aborda a gravidade do pecado , o princípio da justificação, a importância da fé, o ministério do Espírito Santo, os dons do Espírito, entre muitos outros temas importantes da fé. Isso se deve às novas leis canadenses influenciadas por não-cristãos. O que os grandes ministérios de rádio na América que afetaram tanto a nossa cultura tão bem e ter evangelizados os perdidos, se as leis não foram afetados pela influência cristã, e sim começar a proibir a Igreja para evangelizar aqui?

 

OS GOVERNOS REALMENTE FACILITAM OU DE OUTRA FORMA LIMITAM O AVANÇO DO REINO DE DEUS
Mais uma vez e vale a pena repetir, os crentes deveriam estar envolvidos no governo civil, mesmo que apenas para a Grande Comissão? Sim! Os líderes da Igreja devem aplaudir, respeitar, apoiar, sustentar, preparar e eleger mais líderes políticos cristãos para trabalhar duro (entre outras coisas) para preservar as liberdades dos pregadores para espalhar o Evangelho.

 

OS LEGISLADORES CRISTÃOS AOS QUAIS EU CONHECEM QUE SE VÊM EM UMA ALIANÇA COM PASTORES. O PASTOR NÃO DEVE SER VISTO A SI MESMO EM UMA ALIANÇA COM OS LEGISLADORES CRISTÃOS?
Deveria a Igreja educar jovens e mulheres para concorrer a cargos públicos com a mesma paixão e entusiasmo que tem ao criar pastores piedosos, mulheres, maridos, filhos e homens de negócios? Absolutamente sim.

 

III A MISSÃO DE JESUS INCLUI UMA TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE
Se ensinando-os a observar tudo o que lhes tenho ordenado é o objetivo geral de Cristo para vir à terra, como visto anteriormente (o ministério evangélico é uma parte vital desta [cf. 1Cor. 15: 3-6] E ponto de partida dos discípulos), a missão de Jesus inclui a transformação de casamentos, famílias, comércio e governos. A missão de Jesus tem a intenção total de transformar as sociedades, ou como são chamadas na passagem da Grande Comissão, nações (etno).

 

A passagem da Grande Comissão é clara: os crentes devem afetar as nações!

 

Aqueles que defendem uma visão muito estreita da missão de Jesus são forçados a interpretar ethnos como “grupos de pessoas”, a fim de igualar a passagem ao seu ponto de vista de não se envolverem no governo civil. Mas, para aqueles que têm uma visão mais ampla da missão de Jesus, o evangelismo individual não é apenas inevitável, mas também afeta as nações para o bem.

 
IV. QUE PARTES DA BÍBLIA A IGREJA NÃO PODERÁ PREGAR?
Decorre do exposto que o pastor ou crente que afirma que “Não se evangelização política” pouca compreensão da missão de Jesus e deve decidir quais partes da Bíblia que ele ou ela deve ensinar. Será que um omite para ensinar Gênesis 9: 5-6, João 19:11, Atos 25:11, Romanos 13: 1-7 e 1 Pedro 2: 13-14 como eles se relacionam com os crentes que impactam o governo? Alguém evita ensinar sobre a influência de José sobre o governo do Faraó ou Daniel sobre o governo de Nabucodonosor? Expandindo, se alguém “só prega o Evangelho” deve evitar ensinar Matrimônio e Família? Que partes de todo o conselho de Deus o professor da Bíblia deve omitir?

 

A imposição de um entendimento muito estreito da missão de Jesus conduz inevitavelmente a editar partes da Escritura que você ensina ou omitir – e, portanto, uma enorme incongruência à luz de 2 Timóteo 3: 16-17: Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar … e Atos 20:27 “porque não me esquivei de anunciar-vos todo o conselho de Deus.”

 

V. DEUS DEIXA OS CRISTÃOS AQUI NA TERRA PARA FAZER O EVANGELISMO E FAZER BEM AOS OUTROS
Depois que alguém é salvo (Deus deixa Seus santos na terra depois que Ele os salva), o que o crente deve fazer? Deveria ele ou ela apenas evangelizar os outros pelo resto de sua vida terrena? E quanto a Mateus 22:39, “Ame o seu próximo como a si mesmo”?

Este comando é mencionado 6 vezes mais no Novo Testamento. Como o mandato da Grande Comissão, este também é um mandato de Jesus! O espírito deste comando requer que eu considere estes tipos de publicações: garantir que a lei castigue os ladrões que poderiam roubar meu vizinho; trabalhando para criar e fazer cumprir as leis que dizem respeito à privacidade na Internet para proteger meus vizinhos de hackers que, de outra forma, roubariam informações de cartão de crédito; criando políticas que assegurem que aqueles que educam os filhos de seus vizinhos não possam ensinar-lhes coisas ruins.

 

Como essas normas, tão compatíveis com os mandamentos das Escrituras, poderiam ser alcançadas se não fossem para os cristãos envolvidos na formulação de políticas? Gálatas 6:10 declara aos crentes: Então, como temos oportunidade, façamos bem a todos e especialmente aos da família de fé. Efésios 2:10 também promove a responsabilidade social, quando lemos, Porque somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.

 

“Por que a IGREJA ensinar a seus membros como fazer o bem em hospitais e escolas, nas empresas e no bairro, mas não no governo?”
A conexão bíblica entre amar o próximo e estar envolvido no governo civil é forte.

 

VI. DEUS ESTABELECEU A IGREJA E O ESTADO PARA RESTRINGIR/COMBATER O MAL
Quando um crente ganha alguém para Cristo, essa regeneração interna deve sufocar o mal no coração do convertido (ver 2 Coríntios 5:17). No entanto, a história e a observação atual indicam que nem todos chegam a Cristo, nem são aqueles que demonstram plena e imediatamente a santificação em suas ações.

 

Consequentemente, Deus instituiu, além da Igreja, o Governo Civil para conter o mal pelo uso da força e punição em um mundo caído. Romanos 13: 4 é claro sobre isso em que Paulo se manifesta (falando do governo), … Mas se você faz errado, o medo; porque não é em vão que ele leva a espada, porque é servo de Deus, vingador para castigar aquele que faz o mal. I Pedro 2: 13-14 também diz amor do Senhor, sujeitai-vos a toda instituição humana, quer a um rei como, governadores yaa Supremo, como por ele enviados para castigo dos malfeitores e para louvar os que fazem o bem … ”

 

Deus intercede pelo seu reinado concedendo Sua autoridade em e através do Governo Civil (Romanos 13: 1) para conter o mal em um mundo caído. Considerando que a Igreja é o canal de Deus da graça salvadora, o Estado é o canal de Deus da graça restritiva. Tal realização requer a participação do crente no governo civil, já que faz parte da missão geral de Jesus.

 

É importante mencionar aqui outro ponto. Isolacionistas cristãos muitas vezes abrigam superioridade ideológica: como se a autoridade da Igreja estivesse acima da autoridade do Estado. A igreja não é sobre o Estado; contrário, a Igreja também precisa se submeter ao Estado. A deslumbrante ilustração americana histórica e embaraçosa disso é a Proclamação da Emancipação de 1863. A abolição da escravidão não veio da Instituição da Igreja através do evangelismo. Foi o Estado que deu origem à liberdade de um ser humano pertencente a outra pessoa. Às vezes o Estado pára o mal mais efetivamente que a Igreja!

 

Tenha em mente também que não foi a participação dos líderes da Igreja que nos deu a canonização do Novo Testamento. Não foi até que Constantino, no início do século IV, exigiu que Eusébio a igreja começasse a costurar 27 livros juntos!

 

Portanto, é lógico que os crentes devem respeitar o papel único do Estado (e não atitudes condescendentes para com ele) e participar no Governo Civil, para que eles acabam de herdar um país sem lei, e que é muito provável a perder suas liberdades religiosas.

 

OS CRISTÃOS TÊM INFLUENCIADO NO ESTADO POSITIVAMENTE ATRAVÉS DA HISTÓRIA
Há pelo menos três categorias de influência histórica dos crentes no estado. Essas histórias são numerosas e bem documentadas pelos autores Schmidt e Colson em seus respectivos trabalhos maravilhosos. Aqui está um resumo:

A. A dignidade da humanidade

A extensão histórica da influência cristã sobre o Estado tem sido responsável por muitas vitórias: sua influência proibia o infanticídio, o abandono infantil e o aborto no Império Romano (374); proibiu a combustão viva de viúvas na Índia (1829); terminou com a escravidão no Império Britânico (1840); parou os pés enfaixados de mulheres na China (1912); e proibiu a discriminação racial na América. Estas são apenas algumas das contribuições históricas dos cristãos envolvidos na política.

B. A Constituição da Humanidade

Os cristãos foram influentes na redação da Carta Magna na Inglaterra em 1215, a Declaração de Independência nos Estados Unidos em 1776, ea Constituição dos Estados Unidos em 1787. Estes são os documentos mais importantes na história dos governos conhecidas para a humanidade . Todos foram significativamente influenciados pelos crentes e são as fundações, não só de países prósperos, mas do consequente movimento missionário cristão em todo o mundo. Essas visões avançadas do governo deram origem a liberdades individuais, justiça, liberdade de religião e a separação da Igreja e do Estado.

 

C. A Educação da Humanidade
Os crentes influenciaram muito o desenvolvimento do ensino superior em vários países.

Dos 182 colégios e universidades da América em 1932, 92% foram fundados por democratas cristãos
Tal influência levou ao avanço de uma sociedade anteriormente desconhecida na história mundial, uma sociedade que acelerou a Grande Comissão para os níveis de realização iguais aos do primeiro século da Igreja.

 

Estas são apenas algumas ilustrações da influência cristã no estado. Portanto, quando um proeminente autor cristão em 2000, disser: “Deus não chama a igreja para influenciar a cultura através da promoção de decisões legislativas e judiciais que melhoram um ponto de vista melhor e avançado” e “usando métodos temporários para promover mudanças legislativas e judicial … não é nosso chamado – e não tem valor eterno “, alguém se pergunta como pode chegar a ter uma compreensão tão limitada da missão de Jesus?

 

Em seu comentário anterior sobre Mateus 5: 13-16, (1985) este autor disse: “. . . Os cristãos podem ter uma influência poderosa no bem-estar do mundo “. E aí ele cita Martyn Lloyd-Jones, que disse: “[O que salvou a Inglaterra foi isso]. . . A situação política foi afetada, e os grandes Atos do Parlamento que foram aprovados no século passado foram principalmente devido ao fato de que havia um grande número de cristãos na Terra “.

Infelizmente, no ano 2000, esse mesmo escritor escreveu um livro para tentar influenciar os pastores a fim de evitar sua participação no governo. História, o argumento contextual de Mateus 5: 1-16 (apresentado na introdução) favorece a posição mais bíblica do autor em 1985.

 

VIII. A BÍBLIA NÃO DIZ QUE A PERSEGUIÇÃO É PRÓXIMA?

Ao estudar escatologia, a doutrina dos acontecimentos bíblicos futuros, pode-se raciocinar e que as coisas vão piorar nos últimos tempos (ver Mateus 24: 9-12; 21-22; 2 Tm 3: 1-5). Por que então Alguém deveria tentar melhorar o governo hoje? A resposta é simples: Enquanto isso, o crente deve ser “sal e luz” (Mateus 5: 13-15); “Ame o seu próximo” (Mt 22:39), e faça boas obras (Ep 2:10), bem como evangelizar os perdidos (Mt 5:16). Não se pode desobedecer aos claros mandamentos de Deus no aqui e agora, em vez de olhar apenas para as passagens do final dos tempos.

 

O FUTURO PESSIMISTA DO MUNDO NÃO PROPORCIONA NENHUMA DESCULPA PARA NOS OMITIRMOS SOCIALMENTE
Escritura menciona explicitamente que ninguém sabe a hora exata de sua segunda vinda (Mateus 24:36; 25:13), portanto, o crente deve influenciar o governo civil, enquanto ele ou ela é capaz.

 

IX. A PARTICIPAÇÃO POLÍTICA AGITARÁ CRENTES DA TAREFA PRINCIPAL DE PREGAR O EVANGELHO?
A questão não é se a participação política da Igreja desvia a energia de pregar o Evangelho, mas sim, se de fato Deus chama o crente a ser sal e luz como um valor para a evangelização, Ele tem.

 

X. SUMÁRIO
Por estas razões, “Fazer evangelismo, não política” como conhecimento da vida cristã está errado. Os crentes devem estar envolvidos na política de maneira semelhante à sua participação, tornando o casamento melhor, a família melhor, o negócio melhor ou a igreja melhor. Ser candidato na política, servir no governo civil não é menos espiritual do que entrar no ministério de tempo integral.

 

 

Autor Ralph Drollinger

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://capmin.org/es/deberian-los-creyentes-estar-involucrados-en-la-politica/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s