Arquivo da categoria: Igreja

Sobre adoção e cuidados órfãos: uma proposta de resolução

pastor-russell-d-moore

Ontem enviei uma resolução ao Comitê de Resoluções da Convenção Batista do Sul de 2009. O Comitê de Resoluções tem o poder total de recusar ou reescrever qualquer resolução, portanto, só porque isso é enviado, não significa que ele será votado pela SBC. Isso é inteiramente a critério do comitê. No entanto, abaixo está a resolução que enviei para sua consideração.
“Sobre a adoção e cuidados órfãos”
CONSIDERANDO QUE, no evangelho, recebemos o “Espírito de adoção”, pelo qual não somos mais órfãos espirituais, mas somos agora amados filhos de Deus e co-herdeiros com Cristo (João 14:18; Romanos 8: 12-25; Gl 3 : 27-4: 9; Ef 1: 5); e
CONSIDERANDO que o Deus que agora conhecemos como nosso Pai se revela como um “pai dos órfãos” (Sl 68.5) que concede misericórdia aos órfãos (Dt 10:18; Oséias 14: 3); e
CONSIDERANDO QUE, nosso Senhor Jesus acolhe os pequeninos (Lucas 18: 15-17), implora pela vida dos inocentes (Sl 72: 12-14), e nos mostra que seremos responsabilizados pela nossa resposta aos “ menores destes meus irmãos ”(Mateus 25:40); e
CONSIDERANDO QUE, a Escritura define “religião pura e imaculada” como “visitar órfãos e viúvas em sua tribulação” (Tg 1.27); e
CONSIDERANDO que os poderes satânicos têm combatido crianças e bebês do Faraó a Moloch e Herodes e, agora, através dos horrores de uma cultura de divórcio, uma indústria de aborto e as pragas globais de doenças, fome e guerra; e
CONSIDERANDO QUE, os Batistas do Sul têm articulado um compromisso inequívoco com a santidade de toda a vida humana, nascida e não nascida; e
CONSIDERANDO QUE, uma denominação de igrejas definida pela Grande Comissão deve se preocupar com o evangelismo de crianças – incluindo aquelas que não têm pais; e
CONSIDERANDO que mais de 150 milhões de órfãos agora definham sem famílias em orfanatos, casas de grupos e sistemas de colocação na América do Norte e ao redor do mundo; e
CONSIDERANDO QUE, nosso Pai ama todas essas crianças, e uma grande multidão delas nunca ouvirá o evangelho de Jesus Cristo; portanto, seja
RESOLVEU-SE que os mensageiros da Convenção Batista do Sul, reunidos em Louisville, Kentucky, de 23 a 24 de junho de 2009, expressam nosso compromisso como uma denominação de igrejas para se unirem a nosso Pai em busca de misericórdia para os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que convocamos cada família batista do sul a orar pedindo orientação sobre se Deus os está chamando a adotar ou promover um filho ou filhos; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos nossos pastores e líderes da igreja a pregar e ensinar sobre a preocupação de Deus com os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que elogiamos as igrejas e os ministérios que estão equipando as famílias para fornecer recursos financeiros e outros recursos àqueles chamados a adotar, por meio de doações, fundos equivalentes ou empréstimos; e seja mais
RESOLVIDO, que pedimos ao nosso Conselho de Missão Internacional e ao Conselho de Missão da América do Norte que priorizem o evangelismo e ministério para órfãos ao redor do mundo, e procurem maneiras de energizar os Batistas do Sul por trás dessa missão; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos as igrejas Batistas do Sul a se unirem a outros cristãos evangélicos no reconhecimento de 8 de novembro de 2009, como “Domingo dos Órfãos”, enfocando aquele dia em nossa adoção em Cristo e nosso fardo comum para os órfãos do mundo; e seja mais
RESOLVIDO, que esperamos que o que Deus está fazendo na criação de uma cultura de adoção em tantas igrejas e famílias possa nos indicar uma unidade do evangelho que é definida não pela mesmice racial, econômica ou cultural da “carne”, mas pela união e paz do Espírito. em Cristo Jesus; e seja finalmente
RESOLVIDO, que nós oramos por um derramamento do Espírito de Deus nas congregações Batistas do Sul, para que nossas igrejas cada vez mais anunciem e imaginem, em palavras e atos, que “Jesus ama as criancinhas, todos os filhos do mundo.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2009/05/19/on-adoption-and-orphan-care-a-proposed-resolution/

Datado de 19 de maio de 2009

Anúncios

Adoção, Identidade e Kung-Fu Panda

20110610_estreias_cinema_f_031
Meus ombros ficaram tensos, enquanto eu olhava para os meus filhos, comendo pipoca nos assentos ao meu lado. Não é que eu ache que nunca haveria um filme que pudesse desenterrar algumas conversas familiares estranhas e potencialmente traumáticas. É só que eu não esperava que fosse o Kung-Fu Panda Dois.
Neste filme de animação, há um sub-enredo de adoção que eu não estava totalmente preparado para entrar. Acontece (alerta de spoiler) que o protagonista do panda, Po, descobre que seu pai não é seu pai biológico. Ele foi encontrado, abandonado, em uma caixa de nabo quando ele era um filhote. Po descobre que havia uma antiga profecia de que o rei perverso seria derrotado por um panda. O rei tentou destruir, preventivamente, todos os pandas para garantir que seu rival nunca surgisse. Eu acho que você poderia dizer que ele estava perturbado e toda Jerusalém com ele (Mateus 2: 3), mas essa é outra história.
O filme lida de forma intermitente com Po buscando responder a pergunta: “Quem sou eu?” É encontrando seu lugar na velha profecia que ele descobre sua identidade e chega a paz com quem ele é.
Eu estremeci, não porque o filme abordasse a adoção, mas porque o velho ganso parecia gaguejar, quase com vergonha, quando “admitiu” que seu filho havia sido adotado. Meus ombros relaxaram enquanto o filme lutava com o que eu achava ser um modo útil e basicamente afirmativo da vida com o que é um dos aspectos mais perturbadores da adoção.
Muitas (embora não todas) crianças que foram adotadas eventualmente fazem o tipo de perguntas difíceis que este filme levanta no meio de toda a sua diversão e tolice. Um pode ser assombrado com perguntas “Quem sou eu” e “What if” e “Why”. Em certo sentido, todos nós enfrentamos essas questões, independentemente de nossas origens. Mas, para as crianças que foram adotadas, muitas vezes há um senso especial de desamparo diante delas.
Se o darwinismo social fosse verdade, então essas questões seriam sombrias. Nesse mundo, a pergunta “quem é você” é primeiramente respondida pela constituição genética. Se você não conhece seu histórico biológico completo, nunca poderá saber quem você é. Mas, como aqueles que apostaram nossas vidas no túmulo vazio de Jesus, sabemos que esse não é o mundo real.
Se você foi adotado, não há nada de errado em querer descobrir tanto sobre a sua origem quanto quiser. Não há nada de errado em querer conhecer seus pais biológicos ou outros parentes biológicos. Isso faz parte da sua história. Mas a palavra “parte” é realmente importante.
Se você conhece a Cristo, medite na providência de Deus em sua história pessoal. Você é quem você é, e você pertence onde você está, porque você está exatamente onde Deus planejou que você seja, para se tornar a pessoa que você é. Nada acontece com você por acidente. Todas as coisas, até mesmo misteriosamente aquelas coisas horríveis que Deus odeia, entra de alguma forma em um drama cósmico secreto em que tudo funciona em conjunto “segundo o conselho da sua vontade” (Ef. 1:11).
Não importa quão horrível seja sua história, você não é uma aberração e sua vida não é um acidente. Sim, os genes são importantes. Você tem os genes que Deus queria que você tivesse. Sim, nutrir é significativo. Você tem os pais que Deus queria que você tivesse. É a interação entre os dois que faz de você quem você é. Apesar de todos os reducionismos da nossa idade, chegamos a ser o tipo de pessoa que somos por uma curiosa combinação de genes, educação e decisões livres. Você não está cativo de nada disso.
E no seu caso, como no caso de todos nós, Deus orquestrou todos esses fatores para formar você no tipo de pessoa que você é, com os tipos de experiências que você tem. Por quê? Você pode não saber por milhares de anos. Se você está em Cristo, Deus está preparando você para governar o cosmos. Ele quer que você seja quem você é em Cristo e esteja pronto para este reinado.
Este filme foi divertido duas horas; e realmente foi divertido. Eu diria “dois polegares para cima”, mas você pode pensar que eu estava fazendo uma piada sobre pandas, polegares e design inteligente. Mas além de todo o entretenimento, me perguntei se a dor animada na tela à nossa frente poderia ter provocado alguma dor real nas pessoas que eu mais amo.
Quando saímos do teatro, eu cutuquei um pouco, para iniciar qualquer conversa que precisássemos ter. “O que você achou do filme?”, Perguntei. “Quando ele começou a atirar aquelas balas de canhão”, meus filhos responderam, “foi legal”.
Eles não parecem ter nenhum tipo de “crise de identidade” neste momento, mas tenho certeza que sim. A cada minuto de cada dia, eu luto se sou quem eu era em meus próprios termos, o que a Bíblia chama de “a carne”, ou se sou quem Deus me disse para estar no evangelho, um filho amado e herdeiro.
E, como um panda animado que conheço poderia dizer, isso é simplesmente fantástico.

 

Autor: Dr. Russell D.Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2011/06/05/adoption-identity-and-kung-fu-panda/

Como as igrejas podem criar uma cultura de adoção

media_header_581b847649d63

Ainda tinha aquele cheiro, como uma mistura de tapete novo e velha senhora.

Maria e eu olhamos uma para a outra enquanto nos levantávamos neste auditório familiar. Foi o primeiro lugar que nós já vimos um ao outro – de pé bem aqui, enquanto eu corria da chuva e ela estava dobrando um guarda-chuva encharcado. Eu andei por esta porta milhares de vezes.

Meus pais me carregaram nessas portas algumas semanas depois do meu nascimento. Eu passei por eles todos os domingos de manhã da minha infância, com uma Bíblia e um envelope de oferta na mão. Todo verão eu caminhava por essas portas – carregando uma bandeira ou uma Bíblia para a rodada de compromissos da Escola Bíblica de Férias, as coisas mais próximas que tínhamos de uma liturgia ou de um calendário do ano cristão.

Eu olhei para a janela, bem ao lado das grandes portas de vidro. Esse foi o filho do pregador que quebrou com uma pedra, e nós todos nos espalhamos, sabendo que ele iria conseguir. Esta foi a minha igreja em casa. Fazia muito tempo desde que entramos neste auditório, e agora tínhamos duas pequenas mãos segurando nossos dedos.

Nossos garotos tinham, eu tenho certeza, nenhuma ideia de quão grande era para nós tê-los aqui conosco. Para eles, era apenas outra igreja em algum lugar. Mas para mim, foi tudo.

Para a maioria das igrejas, a adoção não é uma prioridade, e isso não é porque os membros da igreja são anti-adoção. É porque a adoção parece estranha para alguns deles e irrelevante para os outros. Torna-se um foco apenas quando um membro da igreja enfrenta pessoalmente infertilidade, ou conhece crianças particulares sem pais. Até então, para a maioria de nós, a adoção raramente cruza nossas mentes.

 

É por isso que o primeiro passo para uma igreja amiga da adoção deve ser o púlpito. Isso parece óbvio, mas é menos óbvio do que parece. Ao dizer que os pastores deveriam pregar sobre adoção, não estou falando primariamente de “conscientizar” sobre a adoção, da mesma forma que um diretor do ensino médio pode “aumentar a conscientização” em um discurso sobre uma campanha de arrecadação de fundos para o novo estádio de futebol.

A pregação não é simplesmente um meio de transmitir informações. O ato de pregar, então, carrega consigo, se é a pregação bíblica fiel do evangelho, a autoridade do próprio Jesus. Essa é a diferença entre o ato de pregar e o ato de dar palestras – a diferença entre “Assim diz o Senhor” e “Parece para mim”.

O pregador, além disso, deveria pregar sobre adoção com especificidade.

O pastor não sabe exatamente como uma prioridade de adoção funciona em cada vida ou família individual, mas ele pode promover a causa provocando perguntas. Ele pode perguntar, por exemplo, em uma mensagem sobre a pobreza ou a santidade da vida humana, se Deus pode estar chamando alguns na congregação naquele dia para adotar, se Deus está chamando alguém para dar dinheiro para financiar uma adoção. Ele pode chamar seu povo para orar por como Deus os usaria para servir os órfãos, seguido por informações sobre como eles podem cumprir qualquer compromisso que Deus ponha em seus corações com informações de contato sobre grupos dentro da igreja capazes de ajudar.

Pastores e líderes da igreja também podem criar uma prioridade para adoção, destacando as adoções dentro da igreja. Esta não é uma maneira de “elogiar” os pais adotivos, mas sim de fazer com que a adoção pareça menos “estranha” para o resto da congregação.

Em quase todos os cultos da igreja, há aqueles que começariam a pensar se deveriam ou não adotá-los se apenas virem alguém que tenha feito isso. Quando as pessoas vêem e conhecem crianças que foram adotadas, de repente, a realidade não é abstrata para elas. Quando eles ouvem a palavra “órfão”, eles param de pensar em um rosto triste em um filme e começam a pensar em “Caleb” ou “Chloe”, que se senta no banco na frente deles.

Algumas igrejas têm um tempo de “dedicação do bebê” ou “dedicação de pais e filhos”, em que oram por recém-chegados dentro da congregação. Algumas congregações são de um tamanho tão grande, que esse tipo de celebração anual é o que é prático. Para outras igrejas, no entanto, pode haver um tempo no final do culto sempre que um bebê nasce ou uma criança é adotada por uma família dentro da igreja.

Isso poderia levar apenas três ou quatro minutos com reconhecimento e uma oração de agradecimento. Em igrejas maiores, isso poderia ser feito via vídeo. O objetivo seria contrapor-se à crescente visão utilitarista da cultura sobre as crianças, acolher as crianças como bênçãos de Deus e encorajar as famílias a considerarem a adoção de órfãos em suas casas.

Um pastor-herói meu costumava concluir cada batismo permanecendo no batistério, mergulhando as mãos na água e anunciando: “E ainda há espaço para mais.” Era a maneira dele de convidar aqueles que ouviam entrar na comunhão de Cristo sem demora. Um pastor poderia ter grande efeito se realizasse um tempo de oração por adotar famílias, seguido da declaração ao seu povo: “E ainda há mais crianças lá fora que precisam de pais piedosos”.

Outro aspecto chave do ministério da igreja local em direção à adoção é o da administração econômica.

Se os apóstolos lembram até mesmo o próprio Paulo de “lembrar-se dos pobres” (Gl 2,10), então certamente o restante de nós precisa de tal lembrança. O pastor pode se levantar e dizer: “Temos um casal sem nome em nossa congregação que está orando pelo dinheiro que será necessário para adotar uma criança, imagino se o Senhor está chamando alguém aqui para ajudar a fazer isso acontecer”. ao permitir que os doadores o façam anonimamente, sabendo que serão recompensados ​​integralmente no Tribunal.

Os pastores podem encorajar a adoção também à medida que enfatizam continuamente a santidade (e dignidade) da vida humana, incluindo a vida dos deficientes, os “ilegítimos” e os que ainda não nasceram.

Algumas das mulheres da sua congregação são vulneráveis ​​à propaganda abortista precisamente porque ela sente que perderá sua igreja se as pessoas da igreja souberem da vergonha de sua gravidez. Fale com essa mulher do púlpito – e para seu marido ou namorado ou pai. Fale diretamente com o abortista, que pode ter escorregado pela porta dos fundos ou pode se deparar com uma gravação da mensagem. Fale diretamente do horror do julgamento que virá por aqueles que derramam sangue inocente. Mas fale também diretamente que o julgamento caiu sobre o corpo trêmulo de um Jesus crucificado. Avise do inferno, mas ofereça misericórdia – misericórdia não apenas no Tribunal, mas misericórdia nas células/grupos e nos corredores de sua igreja.

Sua congregação pode incentivar e equipar a adoção de bebês e crianças. Sua igreja pode pregar o evangelho e cuidar dos vulneráveis. Você pode fornecer os fundos e o incentivo e o apoio de oração para um número incontável de famílias da Grande Comissão. Se a adoção for uma prioridade, as congregações precisarão se mobilizar para isso. Afinal, é preciso mais do que uma aldeia para adotar uma criança, pelo menos para aqueles de nós em Cristo. É preciso uma igreja.

 

Este artigo é adaptado da nova edição do meu livro Adoptado para a Vida: A Prioridade da Adoção para Famílias e Igrejas Cristãs.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:

https://www.russellmoore.com/2015/11/23/how-churches-can-create-a-culture-of-adoption/

Uma Música, Uma Convocação a TODOS OS HOMENS!

Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, esco­lham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha família servi­remos ao Senhor
Josué 24:15

Ao fazer uma pesquisa essa noite para o meu livro Lições em Filmes: Para Garotos. Pude encontrar uma música relacionada ao filme cristão Corajosos. E quando parei para ler a letra desta canção, pude ver mais uma vez que o Senhor tem nos chamado a sermos corajosos e fiéis em servi-lo em nosso tempo, bem como nos levantarmos como verdadeiros Homens de Deus e, preparar os futuros homens.

Deixo aqui o video da música Casting Crowns – Courageous e, a letra em Português

Corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para guiar o caminho
Nós podemos ser a geração
Que, finalmente, quebra as cadeias

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para ser corajosos

Nós éramos soldados na linha de frente
Firmes, sem medo
Mas agora nós somos espectadores à margem
Enquanto nossas famílias se vão

Onde estão vocês, homens de coragem?
Vocês foram criados para muito mais
Deixe o bater de nossos corações gritar
Nós serviremos ao Senhor

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Essa é a nossa decisão
Nossa resposta ao chamado
Nós amaremos nossas esposas e filhos
Recusamo-nos a deixar que eles caiam

Vamos reacender a paixão
Que enterramos bem fundo
Que espectadores se tornem soldados
Que os homens de Deus se levantem

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe humildemente com seu Deus

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe. Seja com o seu Deus.

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com o seu Deus.)

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia…)
Caminhe humildemente com seu Deus

Fonte original:
https://www.letras.mus.br/casting-crowns/1908365/traducao.html

Conselhos Práticos e as Diferenças no Discipulado de Homens e Mulheres

Small Groups (people engaged)
Débora me chamou na sexta-feira porque estava passando por um momento difícil em seu casamento. Como muitos pastores, eu regularmente apago incêndios como esse. Eu conversei e orei com ela, e depois liguei para o seu marido para conversar sobre a situação.

Há mil questões nas quais tenho que meditar quando pastoreio João e Débora (que não são seus nomes verdadeiros). Eu invisto mais tempo em João e indico a Débora uma mulher piedosa? Eu encontro ambos para aconselhamento conjugal? Devo encontrar com Débora e, se sim, qual é a minha responsabilidade pastoral para com ela?

Mas não são apenas questões práticas com as quais preciso lutar em uma situação como essa. Em um nível mais básico, como o ensino bíblico sobre homens e mulheres fundamenta meu trabalho pastoral?

“Complementarismo” é um termo para o ensino bíblico que chama homens a uma liderança sacrificial tanto em casa quanto na igreja, e chama mulheres a alegremente se submeterem à mesma liderança.

Este curto artigo discorre sobre como o complementarismo afeta os detalhes práticos do aconselhamento e do discipulado. Duas questões definirão a nossa discussão: 1) Em que um pastor precisa pensar ao discipular e aconselhar um homem? 2) Em que um pastor precisa pensar ao discipular ou aconselhar uma mulher?

Pensamentos sobre o pastor discipulando homens

O que um pastor precisa ter em mente quando discípula e aconselha homens?

Uma visão bíblica para o discipulado masculino

Comecemos com uma visão bíblica para discipular homens: devemos encorajar a semelhança com Cristo através de discipulado pessoal. Homens cristãos mais velhos devem deliberadamente investir em homens cristãos mais jovens, encorajando seu crescimento espiritual (Tt 2.1).

Nossa visão bíblica pode ser expandida em duas maneiras específicas: 1) devemos encorajar homens a amar a Palavra de Deus (Sl 1.2; Js 1.8) e a amar o povo de Deus (Ef 4.11-16); 2) devemos encorajar os homens a uma liderança forte, sacrificial e servil no lar e na igreja. Homens são chamados a olhar para Cristo, imitando o seu serviço sacrificial que concede vida (Ef 5.21-33).

Estratégia prática para o discipulado masculino

Movendo da visão para a estratégia, vale a pena notar que pastores frequentemente negligenciam o desenvolver de fortes homens líderes na congregação, porque usam o seu tempo e energia defensivamente. A tirania da urgência governa as suas agendas. Eles permitem que seu tempo seja gasto de maneira reativa a várias crises, ou preparando lições, sermões e eventos para o domingo seguinte. Como resultado, muitos pastores não têm estratégia de longo prazo para cultivar liderança masculina na igreja e em casa. Como conseguimos tal estratégia?

Comece com pouco. Escolha poucos homens que têm o potencial para ser bons líderes e organize almoços regulares com eles. Seja proativo em construir um relacionamento com esses homens. E, se você tem uma equipe de liderança, encoraje-os a fazer o mesmo.

Discipular homens é extremamente importante. Como pastor, você deve ser exemplo para outros nisso. Mas se você quer mais resultados, você pode considerar desenvolver um grupo de discipulado masculino que ajude os homens a pensar teologicamente a respeito de tudo na vida. Escolha bons recursos teológicos que ajudem os homens a aplicar teologia a questões como casamento, comunicação, finanças, sexo, paternidade, trabalho secular, etc. Você pode encontrar um bom exemplo desse tipo de desenvolvimento de liderança no livro do pastor Mike McKinley Plantar Igrejas é Para os Fracos (veja o capítulo sete).

Pensamentos sobre o pastor discipulando mulheres

Se pastores deveriam discipular homens para serem líderes no lar e na igreja, como isso difere de discipular mulheres?

Uma visão bíblica para o discipulado feminino

Comecemos novamente com uma visão bíblica. Assim como com os homens, os pastores deveriam buscar encorajar uma maior semelhança com Cristo em discipulado pessoal, só que nesse caso, as mulheres devem fazer a grande maioria desse discipulado. No curso normal dos relacionamentos na igreja, os homens devem discipular homens e mulheres devem discipular mulheres. Então encoraje cristãs mais velhas a investir nas cristãs mais novas, ajudando-as a crescer espiritualmente, o que é precisamente o que Paulo manda Tito a fazer, ou seja, instruir as mulheres em sua igreja (Tt 2.3-5).

Como, então, um pastor (que é homem) deveria pensar sobre conhecer, cuidar e pastorear as mulheres em sua congregação?

Se pensamos em discipulado como orientação de longo prazo deliberada, não parece sábio que um pastor discipule uma mulher (por exemplo, encontrando-se com ela semanalmente ao longo de um ano). Nós devemos reservar esse tipo de orientação espiritual intensa para relacionamentos de gêneros específicos. Nos resta, então, o aconselhamento, que é uma atividade  de curto prazo.

Embora alguns argumentem que pastores nunca deveriam aconselhar uma mulher, isso não parece estar em concordância com o que a Escritura diz sobre o pastor conhecendo todas as suas ovelhas (At 20.28; Jo 10.12, 16), e o exemplo específico que Jesus define para nós. Em João 4, Cristo tem uma conversa muito pessoal com uma mulher samaritana, entre os dois somente. Pastores precisam sim pastorear pessoalmente as mulheres em suas congregações.

Quais são algumas das coisas específicas que os pastores deveriam encorajar as mulheres a fazer? Pastores devem encorajar o amor delas pela Palavra e pela igreja, o respeito pela autoridade, o desejo de tornar o lar primário (mesmo que elas trabalhem fora de casa) e o crescimento em evangelismo pessoal. Para mulheres casadas, os pastores devem encorajar a suscetibilidade à liderança do marido. Para mulheres solteiras, os pastores devem encorajá-las a seguir a autoridade piedosa na igreja, especialmente quando seu pai não está envolvido espiritualmente em sua vida.

Ainda assim, os pastores devem primariamente buscar pastorear mulheres nesses caminhos através da capacitação de mulheres na congregação para discipular outras mulheres. Como pastores podem facilitar e construir essa cultura de mulheres discipulando mulheres?

Estratégia prática no discipulado feminino

Para construir uma cultura na igreja que encoraja o discipulado entre mulheres, os pastores devem ensinar sobre a importância do discipulado sempre que isso naturalmente surgir na Escritura durante uma série de sermões nos domingos. O objetivo nisso é encorajar as mulheres mais velhas da igreja a discipular as mais jovens.

Podemos também ensinar sobre discipulado em outros locais. Por exemplo, na minha igreja nós regularmente oferecemos um seminário no sábado sobre discipulado para ajudar novos membros a pensar em como serem discipulados e em como discipular outros. Também oferecemos uma classe de EBD de três meses de duração sobre discipulado todos os anos. Na última vez que ensinamos na classe, eu abordei várias mulheres mais velhas na igreja e as encorajei a participar. Ensino e modelo ajudam a construir uma cultura na igreja que leva a sério o discipulado.

Essas são algumas maneiras de construir uma cultura de discipulado, mas como o pastor pastoreia pessoalmente os membros do sexo feminino? Obviamente, haverá diversas oportunidades para fazer reuniões de aconselhamento em grupo, onde o pastor fornece conselhos gerais e aconselhamento bíblico para os problemas diários da vida.

Se o problema requer mais do que uma reunião, o pastor tem que julgar quando o aconselhamento de curto prazo precisa passar a ser um discipulado de longo prazo. Mas antes que as coisas sequer alcancem esse ponto, muitos pastores precisam parar de se reunir por causa das pressões de suas agendas cheias. Ao invés de eles mesmos se reunirem com as mulheres, eles sabiamente conectam o membro do sexo feminino com outra pessoa na igreja (como um membro feminino da diretoria, a esposa do pastor ou uma mulher mais velha na congregação) ou alguém de fora que possa ajudar (como uma conselheira local ou uma organização para eclesiástica que seja especializada em questões como violência doméstica).

 

Para aconselhar mulheres sabiamente, os pastores precisam criar alguns limites:

Limite o número de reuniões que você tem com qualquer mulher. Você deve ser cuidadoso para não alimentar uma dependência emocional do pastor. Especialmente, no caso de mulheres em maus casamentos, você não deve ser um substituto emocional ou espiritual de seus maridos.

Seja muito, muito cauteloso com mulheres emocionalmente dependentes. Mulheres muito necessitadas anseiam por encontrar um homem que deem atenção a elas, e pastores frequentemente possuem um ouvido compreensivo e são bons ouvintes. Embora você deva sim oferecer aconselhamento gentil e piedoso, você não deve alimentar intimidade ou dependência emocional errôneas.

Sempre que possível — dependendo da situação de sua família — inclua a sua esposa

Certifique-se de fazer o aconselhamento em um gabinete onde você seja sempre muito visível. Coloque a sua cadeira na linha de visão daqueles fora do gabinete. Se a porta do seu gabinete não tiver vidro, substitua por uma que tenha.

Faça aconselhamento com mulheres apenas durante horário comercial, para que a secretária da igreja ou outros funcionários estejam presentes no prédio da igreja. Nunca fique sozinho com uma mulher na igreja para que você seja sempre irrepreensível (1Tm 3.2).

Se possível, posicione a mesa da secretária próximo à porta do seu gabinete

Alguns pastores preferem manter a porta escorada levemente aberta (ou totalmente aberta), certificando-se de que, caso a secretária ouça a conversa, mantenha o sigilo.

Não faça aconselhamento em uma parte isolada da igreja, mas em algum lugar onde haja bastante movimento, com pessoas passando constantemente.

Certifique-se de que pelo menos um membro da diretoria conheça (ou pelo menos tenha acesso à) sua agenda. Se ninguém mais sabe o que você está fazendo, há mais potencial para você esconder coisas.

Certifique-se de que você tenha uma prestação de contas regular com outro pastor ou líder em sua igreja, o que inclui conversar sobre as suas mais difíceis situações de aconselhamento.

O privilégio de pastorear o rebanho de Jesus

Que privilégio imenso é ser um pastor auxiliar de Jesus. Quer sejam homens ou mulheres, esperamos cuidar bem das ovelhas confiadas ao nosso cuidado. Pastores, aprendam com o exemplo de Cristo: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas” (Jo 10.11).

 

 

Autor: Deepak Reju

Fonte: 9Marks

Tradução: Alan Cristie

Via: Ministério Fiel

http://reformados21.com.br/2017/09/20/conselhos-praticos-e-as-diferencas-no-discipulado-de-homens-e-mulheres/

 

Série Referenciais: Gary Chapman

gary-chapman1-e1337452380276

 

Nascido em 10 de janeiro de 1938, nos Estados Unidos, Gary Chapman é um escritor e conselheiro de relacionamentos, mundialmente reconhecido pelo best-seller “As cinco linguagens do amor” (1992), livro que é sucesso no mundo todo e já foi traduzido em mais de 40 idiomas. A biografia do autor inclui graduação da Moody Bible Institute, bacharelado e mestrado em Artes, licenciatura em Antropologia, da Wheaton College e da universidade de Wake Forest, além de mestrado em Educação Religiosa e doutorado (phD) em Filosofia.

Ou seja, sobretudo o Dr. Chapman é um pensador da contemporaneidade, que chama atenção em seus livros devido à inteligência associada ao conhecimento sobre o que é o relacionamento humano. Apelidado de “Doutor Casamento”, o escritor viaja por diversos países a fim de desafiar casais a buscarem a construção de um relacionamento saudável e permanente. Com certeza, muitos casais já se inspiraram na filosofia de Chapman em busca da saúde emocional em seus relacionamentos.

p_11020

“As cinco linguagens do amor”, segundo o autor, são: “words of affirmation” (palavras de afirmação), “quality time” (tempo de qualidade), “receiving gifts” (receber presentes), “acts of service” (atos/ações de serviço) e “physical touch” (toque físico). Esses são os conceitos do Dr. Chapman para os relacionamentos saudáveis e duradouros. Como é possível notar, o escritor fala sobre atos e atitudes que fazem a diferença na construção de um relacionamento que faz bem a ambos.

 

Além do celebrado best-seller, Chapman já escreveu mais de 30 livros, o que inclui obras direcionadas não apenas aos casais, mas também aos homens solteiros, casados e pais de crianças e adolescentes. O autor, atualmente, vive na Carolina do Norte (EUA) e é considerado um dos maiores nomes quando o tema é relacionamento afetivo. Casado há mais de quatro décadas com Karolyn J. Chapman, o autor de “As cinco linguagens do amor” e “As quatro estações do casamento” tem 2 filhos: Derek e Shelley Chapman.

p_10710

Desde o início da década de 1970, Chapman é um pastor associado sênior da Calvary Baptist Churchs, em Winston-Salem, na Carolina do Norte (EUA). Na Igreja, o escritor compartilha as responsabilidades de ensino e assistência às famílias, o que lhe deu suporte para se tornar um especialista em relação bíblica intelectual confiável e um dos autores mais que mais vendem livros até hoje. O “Doutor Casamento”, antes de qualquer coisa, é um especialista em ajudar as pessoas a falarem e compreender os relacionamentos melhor.

comomudaroquemaisirritanocasamento-garychapman-1-638

 

Junto com a Dra. Jennifer Thomas, Chapman escreveu “As cinco linguagem das desculpas”, no qual fala sobre perdoar e ser perdoado, e também foi coautor, junto com o Dr. Paul White, da obra “As cinco letras de valorização no local de trabalho”, na qual fala sobre as relações dentro do ambiente de trabalho. Sem dúvidas, o Dr. Chapman hoje é um dos maiores nomes do gênero de relações afetivas e autoridade absoluta, em diversas partes do mundo, nas discussões sobre o assunto.

afamiliaquevocesemprequis

Gary Chapman, desde 2007, está entre os 50 autores que mais vendem no site Amazon e já esteve na lista dos 5 livros mais importantes, do New York Times.

 

Fonte Original: : http://blog.presentesevangelicos.com.br

 

Série Referenciais: Pr. David Wilkerson

about_david_header

O pastor David Wilkerson nasceu em Hammond, Indiana, em 19 de maio de 1931, o segundo filho de kenneth e Ann Wilkerson. Com a idade de oito anos sentil o chamado de Deus para entregar sua vida à Cristo e se tornar um pastor do evangelho. Em 1952 casou-se com Gwen Carosso, que o conheceu quando tinha apenas 13 anos. David é talvez mais conhecido por seus primeiros dias de ministério para jovens tóxico-dependentes e membros de gangues, em Manhattan, Bronx e Brooklyn, na cidade de New York.

Como tudo começou

 

A aventura toda teve seu início numa noite:
“sentei-me para o meu estudo bíblico como de costume quando vi a revista Life. Eu simplesmente virei uma página e, à primeira vista, parecia que não havia nada que me interessasse. A página mostrava um desenho de um julgamento que ocorria em Nova Iorque, a 350 quilômetros de distância da minha casa no interior do estado da Pensilvânia, E.U.A. Eu nunca tinha ido a Nova York, nem nunca quis ir, exceto talvez para ver a Estátua da Liberdade. Eu comecei a virar as páginas da revista até que algo chamou minha atenção. Foi uma figura de um desenho dos olhos de um menino. Ele foi um dos sete meninos levados a julgamento por assassinato. Eu segurei a revista mais perto para obter uma melhor visão. O artista tinha capturado um olhar de espanto, ódio e desespero nas características do jovem. De repente, comecei a chorar”.

 

David se perguntou espantado,“O que está acontecendo comigo?” As lágrimas não paravam de rolar. Então olhei para a foto com mais cuidado. Os meninos eram todos adolescentes. Eles eram membros de uma gangue chamada de Dragões. Abaixo do desenho tinha a história de como em Highbridge Park, Nova York, eles brutalmente atacaram um jovem de quinze anos, chamado Michael Farmer e o mataram. A história me revoltou. Ela literalmente virou meu estômago. Em nossa cidade ao pé de uma pequena montanha, essas coisas pareciam inacreditáveis. Essa tragédia toucou bem fundo no meu coração e um sentimento me impulsionou a ir para Nova York e ajudar os rapazes. O pensamento me assustou. “Eu seria um idiota para fazer isso”, pensei. “Não sei nada sobre adolescentes como esse. E eu não quero saber de nada disso…” Não adiantava… A idéia não ia embora. Eu estava à ponto de ir para Nova York, enquanto o julgamento ainda estava em andamento. “Esta viagem mudou minha vida para sempre”.
O Desafio Jovem

 

O fardo no coração de David para com os perdidos da cidade aumentou e em 1958 deu à luz ao “Teen Challenge” (Desafio Jovem), um ministério para alcançar as pessoas com hábitos destrutivos, com sede em um pequeno escritório em Staten Island, Novo York. O Desafio Jovem foi lançado com o Pastor Wilkerson realizando pregações de rua, e através dessas reuniões muitos líderes de gangues como a gangue dos “ Maus Maus”,e seus membros, foram convertidos. Através deste ministério muitos homens, mulheres e jovens endurecidos vieram a Cristo, permitindo que o Espírito de Deus transformasse suas vidas. Em 1960, a sede do Desafio Jovem mudou-se para uma casa grande na Clinton Avenue, no bairro do Brooklyn. A residência oferece proteção para os tóxico-dependentes e os membros de gangues, assim como camas e abrigo para jovens problemáticos e sem-teto. Em 1958, muitas pessoas pensavam que David Wilkerson estava louco para tentar levar o evangelho para adolescentes viciados em drogas de Nova York.
A Cruz e o Punhal

 

A história de David Wilkerson nos primeiros cinco anos na cidade de Nova York é contada em “A Cruz e o Punhal”, um livro que se tornou best-seller, um fenômeno com mais de 15 milhões de cópias vendidas, publicado em mais de 30 idiomas.

 

O Filme

 

Em 1969, o filme “A Cruz e o Punhal” foi lançado, estrelado por artistas de Hollywood, tendo Pat Boone, cantor e ator, como David Wilkerson e Erik Estrada, o patrulheiro da antiga série de televisão “chips”, como Nicky Cruz, o membro da gangue adolescente cuja vida foi profundamente transformada por Cristo. O filme reconta a história inesquecível da terna misericórdia de Deus e amor aos adolescentes de Nova Iorque através do ministério de David Wilkerson. Os ingressos foram vendidos para a estréia do filme, atraindo multidões de todas as origens e estilos de vida. O filme foi rejeitado pela crítica secular como desinteressante. No entanto, ele foi visto por cerca de 50 milhões de pessoas em mais de 30 línguas em 150 países, de acordo com a “World Crusade Film”. Os dados também dizem que é um dos filmes mais vistos do mundo.
World Challenge

Em 1971, o ministério de David Wilkerson, sempre em expansão, mudou sua sede para o estado do Texas, onde fundou o “World Challenge Inc” (Desafio Mundial). A missão do ministério tem sido a de promover e perpetuar as doutrinas do Cristianismo, através de ensinamentos públicos. Como tal, World Challenge serve como um guarda-chuva corporativo para as cruzadas do reverendo Wilkerson, conferências de ministros, edição de livros, a produção de filmes, escolas de formação, evangelismo de rua, encontros de arrependimento, distribuição de literatura, programas de alimentação, esforços para plantação de igrejas e inúmeros outros serviços ministeriais.

Times Square Church

 

Em 1986, voltei para Nova York para uma pregação de rua. Enquanto descia a rua 42 de madrugada, fiquei chocado quando vi crianças de 9, 10 e 11 anos de idade viciadas em crack. Vi o crack sendo vendido por traficantes a poucos metros de distancia um do outro. Len Bias, o famoso jogador de basquete da faculdade, tinha acabado de morrer de uma overdose de crack. Eu ouvi um traficante gritando: “Eu tenho a “coisa” que matou Len.”
Comecei a chorar quando testemunhei tudo isso. Eu orei: “Hó Deus, O Senhor tem que levantar um testemunho neste lugar infernal. Parece que o diabo criou Nova Iorque como o seu reino. Esta é a sede da Babilônia”.
A resposta do Senhor não era o que eu queria ouvir:
“Você conhece a cidade, David. Você já esteve aqui. Você pode fazê-lo.” Fiquei chocado. Eu estava pronto para me aposentar. Não era que eu estivesse cansado, é que passei trinta anos na rua e em centros de reabilitação de drogas em todo o mundo. Agora eu estava planejando me mudar para o estado do Colorado e passar os meus últimos anos escrevendo livros. Meu único desejo além deste era ir à Rússia e Europa Oriental para pregar, mas eu não conseguia colocar as palavras do Senhor para fora da minha mente”.
Por duas noites eu tinha caminhado pelas ruas de Nova York, chorando e orando para que Deus trouxesse alguém. Eu pensei: “Senhor, se eu deveria fazer isso, como eu posso dizer isso a minha esposa? Temos uma bela casa no Texas com um lago. Mudamos nossa sede para lá. Como posso arrancar Gwen agora, e dizer a ela que estamos voltando para Nova York? ” Naquela noite, quando entrei no nosso quarto de hotel, Gwen estava orando. “Estamos voltando para Nova York, não estamos?” Perguntou ela.
Em 1988, a Câmara Municipal de Teatro e o Teatro Nederlander serviu como casas temporárias para a Igreja de Times Square. No ano seguinte, em 1989, o histórico Mark Hellinger Theater foi comprado. A Igreja de Times Square tinha encontrado a sua casa, no coração de Nova York, na rua 51 em plena Broadway. O Jornal “The New York Daily News”, declarou: ” O famoso tetro na Broadway estará agora aberto apenas para Jesus “.
Desde a sua criação, a Igreja da Times Square ficou na encruzilhada do mundo como uma igreja inter-denominacional protestante. Hoje, mais de 100 nacionalidades estão representadas na congregação com cerca de 8.000 pessoas. A Igreja crê na necessidade de conversão pessoal à fé em Jesus Cristo como Senhor e Salvador, como a derradeira força redentora na vida individual e na sociedade em geral. “Vinde a mim”, disse Jesus, “todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). Assim, a missão da Igreja é sempre procurar os perdidos, os viciados, e aqueles que procuram a verdadeira realização e dizer-lhes do poder do Cristo ressuscitado para libertá-los!

A Visão

A primeira visão que Deus deu David Wilkerson foi em 1958, dirigindo-lhe para ir a Nova York. A segunda foi uma visão trágica das calamidades que estão para vir sobre a terra. A mensagem foi tão assustadora, apocalíptica e incômoda, que deixou o Sr. Wilkerson de joelhos, paralisado. Deus divinamente guiou-lhe que escrevesse a visão, e um ano mais tarde, em 1974, a visão foi publicada como sob o título “The Vision”, esgotado atualmente.
O ministério cresceu e hoje inclui 173 programas residenciais e numerosos centros de evangelismo nos Estados Unidos, e 241 centros de Desafios Jovem em 77 países. A taxa de libertação é de 86%, tendo sido reconhecido e comprovado pelo Governo dos E.U.A atravez do (Institute on Drug Abuse). Todos os centros do Desafio Jovem operam de forma autônoma. Os graduados no Desafio Jovem incluem ex-toxico-dependentes, ex-alcoólatras, ex-membros de gangues, ex-prostitutas e outros tipos de ex-dependentes. Hoje, muitos formandos servem como ministros e missionários em todo o mundo.
Fonte:www.worldchallenge.org

 

Falecimento

Por mais de seis décadas, evangelístico Reverendo Wilkerson ministério incluiu pregação, ensino e escrita. Durante todo esse tempo uma característica distintiva do seu trabalho tem sido seus esforços diretos para atingir os mais necessitados entre nós com a ajuda para o corpo e a alma. Ele é autor de mais de 30 livros, incluindo, A Cruz eo Punhal, A Visão, Avivamento na Broadway, com fome para mais de Jesus, você sentiu vontade de desistir ultimamente?, E A Nova Aliança Véu.

 

Em 27 de abril de 2011, o Reverendo Wilkerson postou em seu blog devocional, “Para aqueles que passam pelo vale da sombra da morte, ouça esta palavra: choro vai durar por algumas noites escuras e terríveis, e em que a escuridão em breve você vai ouvir o sussurro Pai :’Eu estou com você. Nesse momento eu não posso lhe dizer por que, mas um dia tudo terá sentido. Você vai ver que era tudo parte do meu plano. Não foi por acaso. “Naquela tarde, o Reverendo Wilkerson foi morto em um acidente de carro. Sua esposa Gwen sobreviveu ao acidente, mas faleceu 5 de julho de 2012, de câncer. Eles deixaram quatro filhos, seus respectivos cônjuges, 10 netos e dois bisnetos.

Fonte:www.worldchallenge.org
https://edificadosnaverdade.blogspot.com.br/2013/04/biografia-david-wilkerson.html
http://renatovargens.blogspot.com.br/2011/04/quem-foi-david-wilkerson.html

 

http://renatovargens.blogspot.com.br/2012/12/conselhos-de-paul-washer-jovens.html

Por que temos poucos artistas cristãos?

ator-cristao-denzelwashington-sucesso-fruto-sua-fe

 

Texto-Bíblico: Êxodo 31:1-11; 35:30-36:1

Essa pergunta, bem como as minhas respostas a ela surgir devido a uma triste realidade que vejo no Brasil, mas também no mundo todo – a ausência quase que completa de cristãos no mundo das artes.

• E quando me refiro a mundo das artes, me refiro a todos os tipos de artes, seja desde a área musical (bem comum a nós cristãos) até o cinema, dança, teatro, literatura, fotografia, graffitagem, artes plásticas, artesanato, pintura, revistas em quadrinhos, animações, etc.

Infelizmente, vemos muitos e cada vez mais cristãos na música e alguns no cinema e em novelas. Mas pouquíssimos ou mesmo nenhum nas demais formas de expressão artística. Diante do relato bíblico da Criação dos Céus e da Terra em Gênesis 1-2, bem como ao nos falar sobre Cristo – a Multiforme Sabedoria e Graça de Deus (Efésios 3:10-11/ 1 Pedro 4:10), fico a pensar cadê os homens (bem como mulheres) cristãs produzindo arte que expressa a multiforme sabedoria de Deus e manifesta sua multiforme Graça em todos os sentidos, cores, notas, ângulos, perspectivas, momentos, palavras, números, imagens, etc?

 

Creio que cada pessoa é dotada por Deus com dons, talentos e capacidades únicas e especiais dadas por Ele mesmo de maneira a lhe rendermos Glória, Honra, Louvor e Adoração. E que devemos usar essas dádivas dadas por Deus tanto dentro da igreja, quanto fora dela, ou seja no mundo criado por Deus para Glorificá-lo e proclamar o Evangelho.Somos ricos nas mais diversas formas de expressões musicais, mas pobres nas demais manifestações artísticas. Creio que isso ocorre por diversos sentidos:

 

– Falta de conhecimento bíblico. Quanto vamos além da medíocre leitura superficial da Palavra de Deus e mergulhamos de coração, mente e tudo o mais em seu estudo, leitura e obediência. Passamos então a viver uma vida que vai além de somente fazer o que é certo diante de Deus, no sentido de que passaremos também a expressar nossa adoração, gratidão e louvor ao Senhor, por meio do que fazemos (Artes, Ciência, Negócios, Família, Trabalho, etc) com nossas mãos, pés, boca, corpo e vidas.Criando e produzindo diversas coisas das mais variadas formas e momentos para Glorificar, Bendizer, Exaltar, Adorar, Louvar, Agradecer e Proclamar os feitos do Senhor e o nosso Amor por Ele. Consequentemente transmitindo sabedoria e graça através do que fazemos e somos;
– Desconhecer a vontade do Senhor para as nossas vidas. E isso ocorre devido a uma vida pobre ou miserável de oração e estudo bíblico, bem como de comunhão com a Igreja de Cristo. Busque intencionalmente descobrir mediante oração e estudo da Palavra de Deus, qual a vontade de Deus para a sua vida. Avalie por si mesmo e com outros, quais os dons e talentos que o Senhor lhe deu? O que você faz com excelência e alegria?
– Dividir a vida entre “sagrado” e “secular”. Uma dicotomia infeliz e antibíblica, já que divide e menospreza  a multiforme sabedoria de Deus. Tratando umas coisas como santas, boas e úteis. E as demais como profanas, más e inúteis. A única “coisa” que é oposta a Deus e sua Palavra é o pecado, a desobediência e a mentira. Todas as coisas criadas, foram criadas boas e para renderem Glória ao Criador (Gênesis 1-2/ Atos 10/ Rom.1:19-20/ 1 Corintios 8:1-8/1 Timóteo 4:1-5)

 

– Acreditar que a arte é neutra. Ou mesmo muda, no sentido de não falar, não transmitir uma mensagem, valores e influência. Através das artes, os artistas falam, protestam, denunciam, homenageam, se expressam, criticam, elogiam, mostram algo, influenciam, manipulam, etc;

 

– Não “se vive de arte”. Isso é uma imensa mentira, pois qualquer tipo de arte pode e sempre tem algum valor financeiro e social. Ou seja, artistas não são vagabundos e sim trabalhadores. Pois transformar algo comum (letras, números, cores, notas musicais, pedras, madeira, etc) em coisas extraordinárias;

 

– Limitar a arte aos museus ou exposições. Quando na verdade, as expressões artísticas vão além desses espaços nos cercando por todos os lados e fazendo parte de nossas vidas, mesmo que não percebamos. Desenhos animados, novelas, livros, fotografias, músicas, graffitagens ou grafites, roupas, tapetes, logomarcas, carros, prédios, revistas em quadrinhos, filmes, séries, vídeos no youtube e clipes musicais são somente algumas das milhares e milhares de formas em que expressamos e temos contato diariamente com a arte em suas mais diversas formas;

 

– Limitamos a ação de Deus as quatro paredes de nossas igrejas. Criamos e produzimos músicas, peças de teatro, jograis, livros, artes gráficas e outras coisas somente para usarmos dentro da igreja e para a igreja. Deus pode falar e fala através de diversos meios, como livros, filmes, músicas, sonhos, peças de teatro, novelas, descobertas cientificas, etc.   *Nossa base segura e eterna para conhecer, entender e viver a Vontade de Deus para nós é a sua Palavra – a Bíblia.

 

– Desconhecer (ou ignorar) excelentes referenciais cristãos de arte. Graças a Deus temos diversos homens e mulheres que viveram o chamado de Deus para usar as artes para a sua Glória e Louvor. Temos como bons exemplos: Jubal e Tubalcaim (Na Bíblia), Bezalel e Aoliabe (Na Bíblia), Dorcas (Na Bíblia), o Rei Davi (Na Bíblia), Kevin Sorbo (ator, produtor e diretor cristão), David A. R. White (ator, diretor, produtor, roteirista, escritor e empresário cristão), C.S.Lewis (Escritor de As Crônicas de Nárnia), Jonh Bunyan (pregador e escritor de O Peregrino e A Peregrina), Mauricio Zagari (escritor de O Enigma da Bíblia de Gutemberg e outros), Marcus Nati (Desenhista, Ilustrador e criador da Fanpage Bíblia Brother Arte), Ministério de Teatro Cristão Jeová Nissi, Das novelas com temáticas bíblicas-cristãs da rede record de televisão, dentre tantos outros no mundo todo;

 
– Ignorar ou não perceber o uso maligno da arte (João 10:10/ 2 Cor 2:11). Isso mesmo, a arte também pode e tem sido usado pelo o diabo, seus demônios e seguidores infelizmente. Temos ai como exemplo disso: as músicas de funk que alimentam uma cultura de estupro e desvalorização da mulher; as novelas, minisséries e filmes produzidos pela Rede Globo de Televisão (bem como outras emissoras também); Filmes de terror e pornográficos; clipes musicais e músicas de pessoas como Pablo Vittar, Anitta, Lady Gaga e outros; exposições do Queermuseum na cidade de Curitiba e Rio de Janeiro; blocos de carnaval; desenhos da Disney, onde encontramos espiritismo, magia, adivinhação, conversa com os mortos, etc. Os exemplos do uso que o diabo faz da arte pra matar, roubar e destruir vidas é imenso.

 

Recentemente pude ler o livro da Jocum “ O Livro que transforma nações”, de Loren Cunningham. E numa parte muito interessante ele aborda como fruto de um momento de oração ao Senhor e reflexão as 7 áreas de influência para podermos evangelizar e discipular as nações, que são elas:

– Família – o lar;

– Religião- Igreja e Missão;

– Educação – escolas e universidades;

– Celebração – artes, esportes e entretenimento;

– Comunicação social – mídia;

– Economia – negócios, comércio, ciências e tecnologia;

– Governo – Política

 

 

Creio com todo o meu coração e mente que conforme as Escrituras Sagradas é vontade de Deus que nós cristãos atuemos em cada uma dessas áreas de maneira pró-ativa, criativa e crescente.  Nesse texto de hoje, tratei do mundo artístico.Oro e desejo que o Senhor levante homens e mulheres que sejam excelentes artistas cristãos. Quer sejam eles atores, músicos, escritores, grafiteiros, pintores, fotógrafos, artistas plásticos, etc. E que manifestem a sabedoria de Deus transmitindo Graça através de tudo o que criam, moldam e fazem como expressão artística.

 

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.”

(I Coríntios 10 : 31)

 

 

 

Em Cristo Jesus,

Filipe Paulo Christian

4 Razões pelas Quais Homens Gostam de Pornografia

porno1

Uma das tarefas de um bom amigo ou de um parceiro de prestação de contas para com pessoas enraizadas na pornografia é ajudá-los a entender o seu próprio coração. Por que eles correm em direção a pornografia vez após vez? Salomão nos lembra que, “Como águas profundas, são os propósitos do coração do homem” [muitas vezes nós não conseguimos enxergar nossas motivações], “mas o homem de inteligência sabe descobri-los” (Provérbios 20.5).
Um amigo sábio ajuda a extrair dos outros as motivações mais profundas que eles não são capazes de enxergar ou que eles não desejam enxergar.

Como um parceiro de prestação de contas, é importante entender o fascínio da pornografia. Quais as motivações mais profundas que fazem com que homens retornem a ela vez após vez? Quais são as boas perguntas para nos ajudar a encontrar a raiz do problema?

  1. Pornografia é fácil, mas relacionamentos são difíceis

Relacionamentos, especialmente nossos relacionamentos mais próximos, envolvem trabalho. Todos os dias somos cobrados de cuidar do que tem acontecido na vida uns dos outros. Precisamos lidar com mau-humor, comportamentos ofensivos e egoísmo — tanto em nós quando nos outros.

 

Por outro lado, a pornografia oferece aos homens um sentimento de intimidade sem riscos. A pornografia oferece aos homens um mundo de fantasias onde eles não precisam conhecer ninguém, onde o romance não é necessário, e onde eles não precisam se sacrificar em benefício dos outros. E para muitos, a recompensa é grande: eles não somente podem evitar a confusão de relacionamentos reais, como podem sentir prazer com milhares de mulheres virtuais dispostas a fazerem o que eles desejarem.

 

Boa pergunta para prestação de contas: Há ou houve algum relacionamento recente em sua vida que foi extraordinariamente difícil?

 

 

  1. Pornografia é confortável, mas a vida é estressante

Na vida, as coisas dão errado. Expectativas são frustradas. Pessoas nos decepcionam. Tragédias acontecem. Ficamos doentes. Ficamos cansados. Entramos em grandes desentendimentos. A vida é estressante.

 

A pornografia, por outro lado, oferece um mundo extremamente confortável em que nada dá errado. Ela oferece um cenário pronto onde sabemos que podemos conseguir exatamente o que queremos.

 

Obviamente, sabemos que isso é mentira. É como luta livre ou reality shows. Como Chris Hedges diz em seu livro Império da Ilusão (Empire of Illusion), “o sucesso dessas formas de entretenimento não está em nos fazer acreditar que essas histórias são reais. Pelo contrário, elas são bem-sucedidas porque nós queremos ser enganados. Nós pagamos alegremente pela chance de fugir da realidade.”

 

Boa pergunta para prestação de contas: Há ou houve algum estresse recente em sua vida que trouxe um sentimento de pressão ou tensão?

 

  1. A pornografia é excitante, mas a vida é chata

A palavra “tédio” começou a ser usada por autores franceses quando eles escreviam sobre esse sentimento de descontentamento quando a vida se torna tediosa. Embora o sentimento de tédio sempre esteve presente, somente nos últimos 300 anos ele se tornou uma epidemia social. Blaise Pascal disse que o tédio é a situação do homem moderno quando “ele não tem distrações e não tem mais paixões ou passatempos”.

 

 

Tédio é um dos frutos de uma cultura preguiçosa. Conforme a saúde e o tempo livre aumentaram, também aumentou nosso desejo por distrações. À medida em que começamos a esperar estímulos constantes e excitação, o dia a dia parece maçante. Com o Google na ponta dos dedos, a informação está em todo lugar, mas nós facilmente ficamos isolados, como expectadores anônimos, raramente assumindo riscos para se envolver de forma vulnerável ou nos comprometendo de forma apaixonada — raramente agindo com base naquilo que sabemos.

 

Culturalmente, somos culpados do que Dorothy Sayers chama de pecado de tolerância, “o pecado que não acredita em nada, que não se preocupa com nada, que não quer saber de nada, que não interfere em nada, que não gosta de nada, que não odeia nada, que não encontra propósito em nada, que vive para nada, e que permanece vivo porque não há nada pelo qual ele irá morrer”.

 

 

A pornografia oferece um mundo de prazer sexual para as nossas mentes entediadas. Ela é uma forma altamente sexualizada da cultura em que vivemos, baseada na imagem, em um mundo onde bilhões de imagens estão pintando milhares de palavras a uma velocidade surpreendente. A pornografia oferece a fantasia de estímulos sexuais puros.

Boa pergunta para prestação de contas: Você se já se viu entediado ou inquieto em busca de excitação? Você sente que sua vida é mundana?

 

 

  1. A pornografia faz o homem se sentir poderoso, mas a vida real faz com que eles se sintam fracos

É fácil sentir-se pequeno no mundo. Nós sabemos, intuitivamente, que o mundo não gira ao nosso redor, mas isso não nos faz deixar de desejar que isso aconteça. Queremos que outros prestem atenção em nós, que nos tratem como pessoas importantes, que nos coloquem em primeiro lugar. Esse desejo pode ser tão forte que, por vezes, pensamos que temos o direito de exigir exatamente isto: queremos um pequeno canto do mundo onde somos reis.

 

A pornografia oferece ao homem uma grande quantidade de poder. Na fantasia pornográfica de um homem, as mulheres nunca dizem não. Na pornografia, não existem barreiras sociais entre o homem e a mulher dos seus sonhos. A pornografia vende a ideia de que mulheres bonitas são troféus — como peças de coleção que mostram ao mundo ao redor o que é um homem de verdade. A pornografia também sensualiza o domínio masculino, permitindo aos homens fantasiar um mundo onde as mulheres gostam de serem tratadas como objetos.

Boa pergunta para prestação de contas: Você se lembra de alguma situação recente em que você se sentiu menosprezado, sem importância ou desrespeitado?

 

 

O objetivo bíblico das perguntas para prestação de contas

A razão pelas quais os parceiros de prestação de contas devem fazer essas perguntas não é para “psicologizar” os pecados. Pelo contrário, o objetivo de boas perguntas é usá-las como um trampolim para focar nossos pensamentos nos benefícios do evangelho de Cristo mais do que nos prazeres do pecado (Hebreus 11.24-26).

 

Cada questão abre uma porta para vivermos Hebreus 10.24: “Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras”.

 

  • Quando fazemos a pergunta: “Há ou houve algum relacionamento recente em sua vida que foi extraordinariamente difícil?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles têm buscado relacionamentos como forma de obter prazer ou satisfação (e esse tipo de relacionamento sempre vai decepcioná-los). Podemos, então, apontá-los para a plenitude de alegria e satisfação que vem de Cristo (João 15.1–11; 16.16–24; Romanos 15.13).
  • Quando fazemos a pergunta: “Há ou houve algum estresse recente em sua vida que trouxe um sentimento de pressão ou tensão?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles têm usado a pornografia para fugir da vida. Podemos, então, apontá-los para o salmista que viu Deus como seu refúgio (Salmo 46; 59.16–17; 61.1–3; 62.5–8; 91; 142). Ao invés de escapar da realidade, podemos escapar para dentro da realidade divina.
  • Quando fazemos a pergunta: “Você se encontrou entediado ou inquieto em busca de excitação? Você sente que sua vida é mundana?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergar se eles têm buscado uma vida de entretenimento ao invés de uma vida de admiração. Podemos, então, apontá-los para a alegria de conhecer a Deus e obedecê-lo (Mateus 13.44; 2 Coríntios 8.1–2; Filipenses 1.3–4; Colossenses 1.9–14; 1 Pedro 1.3–9; 3 João 1.3–4).
  • Quando fazemos a pergunta: “Você se lembra de alguma situação recente em que você se sentiu menosprezado, sem importância ou desrespeitado?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles buscam poder, reconhecimento e estima dos homens mais do que buscam pelo favor de Deus. Jesus perguntou: “Como podeis crer, vós os que aceitam glória uns dos outros e, contudo, não procurais a glória que vem do Deus único?” (João 5.44). Podemos, então, apontá-los para a glória eterna que o Pai concede a Cristo, e a realidade de que os cristãos compartilham da glória de Cristo porque ele vive em nós (João 17.20–24; Romanos 2.6–10; Colossenses 1.24–29).

 

 

Autor: Luke Gilkerson

Fonte: Biblical Counseling Coalition

Tradução: Gustavo Santos

Via: ABCB

Perguntas a fazer antes de postar sobre política nas redes sociais

1192024460-politica

Discussões políticas têm dominado as redes sociais por vários anos e agora parecem estar ficando mais aquecidas. Cada ordem executiva emitida pelo Presidente Trump ou protesto destinado a mudar uma prática atual, farão as redes sociais gerarem uma infinidade de links e opiniões. Essas opiniões geralmente levam a debates nas seções dos comentários que geram mais calor do que luz.

Como cristãos, o modo como nos envolvemos em discussões políticas nas redes pode ser especialmente complicado. De um lado, nossa fé toca cada área da nossa vida, portanto, política é importante. Por outro lado, sabemos que cada pessoa neste mundo deverá estar diante de Jesus um dia e a última questão não será se eles tinham a posição correta sobre questões de segurança nacional.

Quando você considera quão causadora de divisões a política pode ser e como geralmente nós dizemos coisas no calor do momento que podem influenciar o modo como as pessoas veem Jesus e o evangelho, cristãos devem gastar tempo em reflexões antes de publicarem sobre política nas redes sociais.

Na verdade, eu gostaria de sugerir sete perguntas que você deve fazer a si mesmo antes de publicar sobre política ou compartilhar um link de um artigo sobre alguma questão política.

Tenho os fatos corretos?

“O tolo não tem prazer no entendimento, mas sim em expor os seus pensamentos” [NVI]. Embora o rei Salomão não pudesse ver o advento das redes sociais, ele conhecia o coração humano. Provérbios 18.2 nos lembra a importância de ouvir e entender uma questão antes de começar a falar sobre ela. Quanto mais divisiva a questão, mais tempo precisamos gastar para entendê-la.

A Bíblia fala sobre essa questão? Se eu acho que sim, tenho certeza que entendo a passagem bíblica em seu próprio contexto e que estou aplicando-a corretamente à situação? Há outros textos que falam sobre isso que eu não considerei?

Eu gostaria de sugerir que você leia uma ampla variedade de recursos sobre um assunto antes de opiniar a respeito dele nas redes sociais. Leia o artigo que mais se baseia em fatos que você puder encontrar. Por exemplo, Joe Carter postou um conjunto de perguntas frequentes sobre a ordem executiva do Presidente Trump a respeito dos imigrantes e refugiados. Ler esse tipo de arquivo pode lhe ajudar a obter um entendimento dos principais fatos. Depois, leia vários artigos de publicações mais liberais e outros de publicações mais conservadoras. Leia o The Atlantic, The New York Times, The Wall Street Journal e The National Review. Observe os argumentos de cada lado e veja como cada lado responde a eles. Através desse tipo de leitura cuidadosa, você pode obter uma compreensão melhor da questão antes de falar sobre ela.

Isso precisa ser dito?

“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem”. Quando eu era mais jovem, o versículo que mais ouvia sobre não xingar era Efésios 4.29. Embora possa falar disso, também tem algo a dizer sobre nossas interações nas redes sociais.

“E, assim, transmita graça aos que ouvem”. O que você tem a dizer vai trazer graça aos que ouvem? Eles aumentarão seu entendimento e obterão um discernimento maior da perspectiva bíblica sobre esse assunto? Suas palavras mostrarão Cristo a eles? Ou o que você vai dizer é apenas mero vento? Você vai trazer luz ou vai trazer apenas calor?

O que você tem a dizer pode ser correto, mas isso não necessariamente deve ser dito.

Porque eu preciso ser a pessoa a dizer isso?

Vamos imaginar que o que você tem a dizer sobre política nas redes deveria ser dito. Agora você precisa considerar se você é a pessoa certa para dizê-lo. Você tem um discernimento sobre essa questão que não tenha visto em outro lugar, ou você está meramente repetindo um argumento que leu em algum lugar? Você tem um papel ou uma responsabilidade onde pessoas estão procurando por sua liderança? Por que você deveria ser a pessoa a dizer o que está prestes a dizer?

Estou dizendo isso de uma forma que representa Cristo?

“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” [Colossenses 4.6]. Pessoas que experimentaram a graça devem falar de modo que exibam a graça. Geralmente, nós publicamos a primeira coisa que vem à nossa mente sobre certa questão, não lemos para perceber como pode ser percebido e acabamostrazendo vergonha sobre Cristo e sua igreja através do nosso discurso imprudente. Emitir opiniões impensadas e que ofendem os outros é um sinal de tremenda tolice, isso demonstra falta de amor pelos nossos próximos e não honra a Jesus.

Antes de postar algo, leia o texto três ou quatro vezes. Printe a tela do texto e envie a um amigo. Está bom? Está correto? Está elaborado para o bem dos outros? Irá impactar negativamente o que as pessoas pensam sobre Jesus?

Paralelamente, se você precisa pensar duas vezes antes de postar sobre a política americana, então precisa pensar dez vezes antes de postar sobre políticas denominacionais. Na verdade, não consigo pensar em nenhuma boa razão para disputas denominacionais serem compartilhadas diante de um mundo observador nas redes sociais. Debata-as em grupos ou nas seções de comentários dos blogs, mas não as leve a público e traga desonra à causa de Cristo.

Como posso ser mal-interpretado?Eu aprendi uma lição em agosto passado no Facebook. Publiquei o que eu cria sobre ser uma falta de compromisso de Donald Trump sobre questões pró-vida e disse que era um terrível erro nomeá-lo. Quase imediatamente, meus amigos e família perceberam que minhas preocupações sobre Trump estavam apoiando Hillary Clinton.

A lição que aprendi disso foi que não havia nada a ser ganho por questionar a nomeação de Donald Trump, que no momento já era algo passado. A corrida presidencial era primariamente entre Donald Trump e Hillary Clinton. Eu falhei em pensar como as pessoas interpretariam minhas preocupações sobre um dos candidatos como se fosse apoio ao outro. Minha publicação não trouxe luz ou graça à situação e somente trouxe confusão.

Pare e pense antes de publicar. Você está se comunicando claramente ou há a possibilidade de um número significativo de pessoas lhe interpretarem de forma errada?Quais são meus motivos para dizer isso?

“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus. Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus”.

Embora a questão dos nossos motivos esteja subjacente a várias outras questões, devemos fazer esse questionamento em si: Você pode honestamente dizer que está dizendo o que está dizendo para a glória de Deus e o bem de outros?Devemos estar cientes dos nossos motivos, pois eles irão determinar o que nós dizemos, como dizemos, quando dizemos e como responderemos às pessoas que discordarão de nós. Se o nosso motivo é divulgar algo porque estamos bravos, iremos falar brusca, precipitada e imediatamente, e feriremos aqueles que discordam de nós. Por outro lado, se os nossos motivos refletirem o ensino de Paulo em 1 Coríntios 10.31-32, então falaremos graciosa, gentil e racionalmente, e responderemos pacientemente àqueles que discordam.

Posso esperar até amanhã para dizer isso?

Quando Abraham Lincoln ficava bravo com alguém, ele escrevia o que chamava de “carta quente”. Ele colocaria a carta de lado até que suas emoções esfriassem. Daí então, leria a carta com a cabeça fria. Ele deixou de assinar e de enviar muitas cartas.

Embora Abraham Lincoln escrevesse cartas ao invés de posts nas redes sociais, seu hábito nos dá um exemplo útil para hoje. Se sua publicação lida com um tema particularmente sensível, ela pode esperar até amanhã? Se puder esperar um dia, salve-a como rascunho e revise amanhã. Ao ler novamente você pode descobrir que não deveria publica-la. Ou pode perceber que seria útil para as pessoas e clicar em “publicar”. De qualquer forma, quanto mais tempo puder esperar antes de entrar em uma discussão, melhor.

Cristãos, precisamos lembrar que somos cristãos em primeiro lugar. Nós representamos o Rei Jesus e sua igreja. Quando falamos, nossa fala deveria refletir as prioridades e o caráter do nosso Rei e de seu reino. Essa preocupação significa que precisamos tomar cuidados extras e considerar as palavras que dizemos online.

Tradução: Anderson Alcides

Revisão: William Teixeira

Original: 7 questions ask posting politics social

 

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.
Autor
Scott Slayton (M.Div., SBTS) serve como pastor principal na Chelsea Village Baptist Church in Chelsea, Alabama. Scott e sua esposa Beth têm quatro filhos:…