RODRIGO HILBERT E NOSSA MASCULINIDADE DISTORCIDA

21751751_1097561473713748_3556430633778132720_n

Rodrigo Hilbert, famoso ator e galã da TV Globo, recentemente virou um fenômeno na internet por causa de sua peculiar disponibilidade em servir e ajudar sua família – em especial, sua esposa. O rapaz parece gostar de cozinhar, arrumar, consertar e prestar todo tipo de auxílio necessário dentro de casa. Ao que parece, ele faz muita coisa e tudo que faz, faz muito bem feito.

Obviamente, o fato de Rodrigo ser uma pessoa pública, exposto nas televisões de todo país e ainda ser marido de Fernanda Lima, certamente faz com que todo esse frisson ganhe ainda mais volume, contudo, mesmo assim, gostaria de propor um motivo mais estrutural e profundo para todo esse barulho.
Por que atitudes cotidianas e cuidados comuns de homens para com suas esposas e famílias há 20 ou 30 anos atrás, em certo sentido, transformaram-se em algo absolutamente raro atualmente? Por que as mulheres identificaram-se tanto com o jeito de ser de Rodrigo Hilbert? Será mesmo apenas uma identificação com os dotes físicos e com a conta bancária do galã ou existe algo a mais por trás desse movimento todo?

Essência perdida, masculinidade distorcida.
Gostaria de chamar a atenção para os caminhos que nossa geração tem tomado no que tange à compreensão do que significa ser homem. Existe há décadas uma positiva e fundamental ascensão dos direitos e garantias sociais das mulheres, que, não por culpa delas obviamente, ao que me parece, tem feito com que os homens deixem-se acomodar em um lugar de completa apatia, quase que de anonimato.
O problema, do meu ponto de vista, parece dividir-se em dois aspectos: o primeiro é que, com a ascensão da mulher e seu quase que onipresente espírito empreendedor e guerreiro na sociedade, o homem viu a oportunidade ideal para dar vazão a uma personalidade preguiçosa e acomodada, que, corriqueiramente, é predominantemente bastante acentuada nos homens.

Não sei como essas coisas funcionam ao certo, mas creio que Satanás saiba que um dos papéis fundamentais do homem é liderar, é tomar iniciativa, fazer, empreender, correr atrás. É, em português bem claro, “puxar o bonde”, sendo assim, de posse desse saber, ele trabalha sobremaneira nessa área.

O segundo aspecto, e talvez em parte ele tenha um pouco a ver com o que acabei de dizer, os homens têm sido cada vez mais privados de bons referenciais de masculinidade bíblica e abundantemente bombardeados por exemplos não saudáveis de homens.

É fundamental que tenhamos a consciência de que a ascensão da mulher e a garantia de seus direitos básicos em momento algum é motivo para a supressão e desmoralização do homem e seu papel fundamental na família e na sociedade. As duas coisas não só podem, mas devem desenvolver-se concomitantemente, inclusive a partir de um apoio e encorajamento mútuo entre ambas as partes.

A fé cristã bíblica sempre sustentou a ideia de complementariedade, em que homem e mulher são reconhecidamente dois seres diferentes, de igual valor, mas planejados pela mente divina para caminharem juntos a fim de ajudarem-se mutuamente para tornarem-se seres humanos melhores, mais justos e mais parecidos com Jesus Cristo, filho de Deus.

Geração excessivamente protegida
Todavia, parece-me que essa noção perdeu-se. Faço parte de uma geração que aprendeu a se privar de todo e qualquer choque e a entender que esse é o caminho, que se privar de tudo que possa causar algum tipo de atrito ou problema é de fato o correto.

Temos uma geração que não interage mais com a realidade cruel da vida, que tem pouco ou nenhum contato com gente real, o que faz com que tenha também pouco ou nenhum contato com conflitos e problemas reais. Tudo é bullying, tudo é nocivo, para tudo há que haver proteção.

Não somos estimulados a encarar os pequenos conflitos relacionais cotidianos de frente, não somos estimulados a buscar por nós mesmos as soluções para as pequenas crises e dificuldades do dia a dia; pelo contrário, de modo geral, somos encorajados a fugir, a denunciar para a diretora, a correr para barra da saia da mãe ou da professora, mas nunca, nunca pensar com nossas próprias mentes uma solução da qual nós mesmos poderíamos dar conta sozinhos.

Aquele espírito desbravador de líder de si mesmo e de seus problemas próximos foi escorrendo por entre nossos dedos e estamos nos tornando uma classe de homens bananas, que não conseguem trocar uma lâmpada, ligar um chuveiro, não conseguem bater um prego, varrer uma casa, fazer uma panela de arroz, trocar uma fralda, resolver um conflito dentro de casa.
Uma trágica perspectiva

O problema é que esse comportamento é só a porta de entrada para uma realidade altamente preocupante que pode estar por vir. Esse espírito omisso e acovardado vai se tornar uma tragédia, quando nossas filhas precisarem de nós, e estivermos ausentes, faltando-lhes em estender as mãos para as demandas que elas sequer conseguirão nos dizer quais são.

Quando nossas esposas, precisando de um porto seguro, de um abraço, de alguém que lhes aponte um caminho naquelas situações mais críticas da vida, não nos encontrarão, antes, darão conta de que estaremos recolhidos à nossa insignificância e egoísta acomodação, fugindo covardemente mais uma vez para a barra da saia de algum bode expiatório, talvez o álcool, talvez uma amante, talvez a televisão, a internet, o futebol, enfim, a mesma atitude de fuga na infância será novamente replicada agora na vida adulta.

É possível que muitos de nós sejamos assim porque a tarefa de ser homem de verdade é árdua. Exige muito daquele que ainda é menino. Mas muitos de nós ainda agimos assim, pois não temos a real consciência de quão trágica essa postura de fato será e significará para o coração daqueles e daquelas que estiverem ao nosso redor, sim, principalmente para nossas mulheres.

Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela. [ Ef. 5:25 ]

Quebrando edifícios mal construídos.

Talvez esteja aí o motivo pelo qual Rodrigo Hilbert seja esse personagem tão aclamado como é hoje em dia. Ele conhece seu papel, sabe que sua função é ser um líder que serve em amor, aliás, e isso não sei exatamente se ele sabe, bem nos moldes do maior líder que já existiu.

Cristo tanto amou sua Noiva, que chegou ao ponto de entregar absolutamente tudo por ela, inclusive sua própria vida, e é exatamente nos moldes deste amor que nós homens somos chamados a amar nossas mulheres. Percebem como quão radical e revolucionário é esse chamado?

Esse frisson em torno do mito que se criou de Rodrigo Hilbert deve nos fazer pensar a quantas anda nossa masculinidade diante de Deus e das mulheres de nossas vidas. Por que elas estão tão carentes assim? É claro que toquei aqui em pontos altamente sensíveis e em questões profundamente estruturais da vida de um homem, todavia se tivermos de quebrar todo um edifício que está sendo construído de forma equivocada, que assim seja.

O que não podemos é continuar cooperando para a propagação e estruturação de uma masculinidade que não constrói nada, que adoece nossa sociedade e que está muito mais a serviço de fazer-nos passar vergonha e destruir vidas alheias do que qualquer outra coisa.

Que o Senhor nos dê um espírito valente e molde nossa masculinidade de acordo com o Seu plano, e que encontremos ocasião de arrependimento se temos nos comportado de forma omissa e acovardada diante de nossa família e principalmente de nossas mulheres.

Que Deus nos alcance!

 

Por Lucas Freitas

Extraído de: https: https://doisdedosdeteologia.com.br/rodrigo-hilbert-e-nossa-masculinidade-distorcida/ — com Rodrigo Hilbert.

Anúncios

O glorioso do sexo

20994399_1086949024774993_284771321457353897_n
A Bíblia apresenta uma visão elevada do sexo. E é, sem dúvida, o selo e sinal de unidade como um casal aos olhos de Deus. Portanto, não deve ser surpreendente descobrir que podem surgir “problemas na cama”, que, se não por causa do sexo, nunca se tornariam evidentes. Assim, a culpa, o medo e a ira podem existir como resultado de relacionamentos anteriores. Por esta razão, pode-se manifestar um ódio ou uma falta de respeito, que tem a ver com diferenças não resolvidas no presente relacionamento.
O sexo é uma coisa maravilhosa, mas frágil, e não é uma boa tática para se esconder sob os problemas do tapete que tem que ser explodido e levado à luz. Se a relação conjugal não está funcionando corretamente, a relação sexual não funcionará bem. Certifique-se de ir além da superfície. A falta de “compatibilidade sexual” não precisa necessariamente ser uma falta de habilidade física. Pode ser, pelo contrário, uma indicação de problemas mais profundos no relacionamento. E muitas vezes o caso é que, se você lida com esses problemas, o relacionamento sexual melhora.
Uma regra fundamental no casamento é que, com o passar do tempo, e como Lewis Smedes aponta, descobrimos que não nos casamos com uma única pessoa, mas com as muitas pessoas em quem essa mesma pessoa se torna.

Tempo, crianças, se há doenças, experiências múltiplas e acumulação de anos trazem mudanças que exigem respostas criativas e disciplinadas, de modo que seja possível a renovação necessária de uma intimidade sexual mais fácil nos seus começos. Se não reconhecermos e nos adaptaremos a essas mudanças, nossa relação sexual como um casal sofrerá por isso.
Kathy e eu costumamos comparar o sexo em casamento com o óleo que graxa um motor. Se o óleo não estiver lá, o atrito no casamento provocará raiva, ressentimento, decepção e um relacionamento pobre. O que deve ser um motivo, torna-se um motivo para a divisão. Nunca devemos desistir de uma relação sexual legítima.
Um reflexo do eterno

O sexo é algo realmente maravilhoso e totalmente extraordinário. Isso é algo que seria evidente mesmo sem a Bíblia dizer isso. O sexo nos leva a uma alegria que se manifesta espontaneamente em elogios agradecidos. A Bíblia coloca em palavras certas. João 17 nos informa que desde a eternidade o Pai, o Filho e o Espírito Santo glorificaram e professaram o culto mútuo, expressado em devoção mútua, na alegria recíproca do coração (ver João 1:18, 17: 5, 21, 24-25).

A relação sexual entre um homem e uma mulher é, na sua essência mais pura, um reflexo do amor existente entre o Pai e o Filho (1 Cor. 11: 3). E é também o reflexo de um presente pessoal generoso e alegre que gera amor no seio da Trindade.
O sexo é uma coisa gloriosa, não só porque reflete a alegria existente em um Deus trino, mas também porque é também o começo do deleite eterno da alma que experimentaremos no céu, no seio de uma relação amorosa com Deus e com nossos irmãos na fé Romanos 7: 1s., Informa-nos que os casamentos bem combinados são os primeiros frutos da futura relação de amor que teremos com Cristo, numa união final profunda e infinitamente satisfatória.
Portanto, não é surpreendente que, como alguém apontou, a relação sexual entre um homem e uma mulher pode se tornar uma verdadeira experiência extracorpórea. E é, sem um possível paralelo, uma visão antecipada da vida gloriosa de unidade profunda que acontecerá no futuro, por isso inimaginável, mas certamente extraordinário.

 

Autores
Tim Keller é o pastor sênior da Igreja Presbiteriana do Redentor (PCA) em Manhattan, Nova York. Ele também é co-fundador e vice-presidente da The Gospel Coalition.

Kathy Keller atua como assistente de comunicação na Igreja Redemptorista Presbiteriana em Nova York. Ela é co-autora com o marido, Tim, de The Meaning of Marriage.

Fragmento adaptado do Significado do Casamento: Como enfrentar as dificuldades de compromisso com a sabedoria de Deus. Timothy e Kathy Keller. Publicações B & H.

Link do artigo original em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/lo-glorioso-del-sexo

Criação de Filhos, HOJE!

25coisas-750x422

Talvez um dos mais maiores desafios de se ter filhos é que a maioria da minha idade NÃO FOI CRIADA PARA TER FILHOS.

Não foram ensinados que um dia seriam pais e mães. A ideia de cuidar do irmão (quando é que se tinha) já era estranha. O homem não aprendeu a cuidar da mãe e da irmã; a mulher não sabe suas responsabilidades do lar e nunca aprende a trocar uma fralda e ficar noites acordadas por causa de algum bebê.

Some-se isso ao fato de que a paternidade/maternidade envolve completa mudança nas perspectivas e envolve um altíssimo teor de mudança de rumo e a tragédia está anunciada.

Por isso, se hoje você tem filhos, não os crie SOMENTE para uma boa carreira. Resgate a importância da família, do casar cedo e ter filhos ainda na flor do vigor físico e mental. A escola e faculdade podem dar uma ajuda na parte técnica, mas NADA substituirá os ensinamentos aprendidos em casa e que serão gravados no coração.

Autor

Filipe Machado, do Ministério Homens de Honra CV

Pastor: cuide dos seus filhos

homem-biblia

Muitas vezes, investimos nosso tempo e energia para fazer coisas que importam e negligenciamos as que mais importam. Do meu ponto de vista, este é um dos principais perigos dos chamados por Deus para o ministério. Deus nos chama a realizar uma tarefa de grande importância: cuidar de Seu povo. Mas muitas vezes, por diferentes motivos, tendemos a colocar em segundo plano o nosso principal chamado: cuidar da nossa família.
Uma comissão divina
Não dar prioridade aos nossos filhos e familiares nos desqualifica para o ministério. Nós vemos isso em 1 Timóteo 3: 4-5: “Deixe ele governar bem a sua casa, tendo seus filhos com toda a dignidade, (pois se um homem não sabe como governar sua própria casa, como ele pode cuidar da igreja de Deus? ) “.

Este texto comunica que, se um pastor deixar sua casa no caos, ele não deve governar a igreja. Portanto, ele deve dedicar sua atenção ao que é mais importante. De certo modo, um pastor que coloca sua família no fundo acaba por insultar o evangelho. Efésios nos chama a amar nossas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25), e não para provocar nossos filhos a ira (Efésios 6: 4). Esse comportamento é correto e reflete o evangelho. Assim como Deus nos ama como pai, devemos amar nossos filhos de forma sacrificial.
1 Timóteo 3: 4 nos mostra que essas crianças seguem de alguma forma a liderança de seu pai. É um verso muito controverso, com interpretações diferentes, mas podemos pelo menos ver que o pastor aqui, como pai, foi fiel ao seu chamado para governar sua casa. Isso é algo que pode ser medido objetivamente. Ele era fiel para pregar o evangelho a eles, para discípula-los, amá-los, corrigi-los, viver uma vida de testemunho no lar, perdoá-los e confessar suas próprias falhas. Essas coisas só podem acontecer em um ambiente onde o pai é um líder envolvido na vida de seus filhos.
De primordial importância

Talvez seja por causa da ideia de que devemos dar o melhor para Deus. Ou talvez seja legalismo institucionalizado. De qualquer forma, no ministério há uma tentação comum de pensar que se servimos a Deus, devemos dar-lhe o tempo todo o tempo que temos.

Isso também pode ser devido a tendências pecaminosas em nossas vidas; pelo medo de que as pessoas abandonem nossa igreja ou satisfaçam o desejo de serem aceitas.
Antes de continuar, quero esclarecer algo. Por causa da ênfase dada nos últimos anos para passar o tempo com a família, ocasionalmente conheci pastores que não trabalham duro para a congregação e não se sacrificam pelo evangelho. Estamos chamados a dar nossas vidas por esta obra gloriosa, a de pastorear o corpo de Cristo. Não podemos usar nossas famílias como desculpas para a preguiça.

Agora, 1 Timoteo 3 nos permite ver isso, para aqueles de nós que temos família, nossa prioridade deve ser eles. Nossos filhos devem estar cientes de que eles são os mais importantes. Com isso, não estamos tomando o lugar de Deus, mas está na instrução e formação de nossos filhos segundo a Sua Palavra, que mostramos a obediência a Ele.
Alguns meses atrás, eu estava no processo de recrutamento de conferencistas/palestrantes para a reunião anual da ReformaDos, um ministério em Porto Rico que eu presido. Entrei em contato com um pastor e amigo que é um dos homens mais piedosos que conheço, e um excelente pregador da Palavra, Mike Bullmore.

Eu sei que o tema que seria apresentado na conferência foi um dos temas sobre os quais ele é mais apaixonado: Jesus e o evangelho ao longo da vida. Não só isso; se Mike concordasse em participar como palestrante, ele estaria visitando uma ilha tropical no momento em que ele começaria o duro inverno em Wisconsin, onde ele morava. Após dias de oração, procurando conselhos e pensamentos, ele me informou com arrependimento que ele não podia aceitar o convite. O motivo era que seu filho estaria na última temporada do futebol universitário, e desejou poder testemunhar a maioria dos jogos naquela última temporada.

Talvez eu pudesse pensar, Mike, como vai sacrificar servir a igreja para ir a um jogo? Mas naquele momento, como pai, eu poderia me relacionar com ele. Seu filho não teria motivos para duvidar do amor de seu pai por ele.

Desafios à frente
Os filhos de pastores, durante seus anos de desenvolvimento, enfrentam desafios especiais em comparação com seus pares. Muitos têm de lidar com expectativas que não são realistas em seu processo de santificação. Muitos filhos de pastores rebeldes mencionam interações com membros da igreja que marcaram suas vidas.

Comentários como “Você não pode fazer isso, você é o filho do pastor”, ou “um filho de um pastor não se comportaria desse jeito”, colocou uma pressão desnecessária e, por muitos, insuportável sobre sua vida. Nesse sentido, tento encorajar as congregações a dar o espaço por causa dos filhos dos pastores para que eles possam caminhar a fé de uma forma cheia de graça.
Um erro que podemos fazer é não colocar expectativas bíblicas sobre nossos filhos para liberá-los dessa pressão da congregação. Em casa, dizemos aos nossos filhos: “Se papai fosse um encanador, um engenheiro ou um pedreiro, nada mudaria. Todos somos chamados a dar nossas vidas para a igreja, a viver vidas de piedade e a refletir o evangelho com nossas vidas “. Embora seja uma realidade que nossos filhos enfrentam desafios, muitas vezes o fazemos mais prejudiciais ao não apresentar os padrões bíblicos.
Uma benção do alto
Uma das tentações mais comuns a todos os homens é o medo. Esta tentação se intensifica e assume um sabor particular para os pastores que são pais de família. Medo de que meu filho está perdido, medo de ser desqualificado do ministério, temem que eles sejam marcados para sempre. Nunca devemos deixar o medo nos conduzir ou paralisar, pois o medo é a incredulidade. Devemos encontrar convicções bíblicas que nos conduzam a práticas que refletem o evangelho na vida de nossos filhos.
Vemos em Êxodo 12 e 13 o chamado para passar a Páscoa de geração em geração. Este é um chamado eterno que na nova aliança se reflete em dar prioridade à vida da igreja em nossa família. Portanto, não devemos ter medo de restringir as atividades nas vidas de nossos filhos que interferem com a igreja. Fazemos isso porque temos convicções bíblicas de que a vida da igreja é de primordial importância. Não porque somos a família pastoral, mas porque é algo que Deus nos chama a fazer. Desta forma, convicções bíblicas devem melhorar todas as áreas de como criamos nossos filhos.

Uma tentação causada pelo medo não é aproveitar a benção das crianças. O salmo 127 diz que as crianças são um presente do próprio Deus. Durante a parentalidade, podemos ser dominados pelo medo e esquecer de apreciá-los. Eles percebem se os vemos como benção ou carga. Mas o evangelho informa a nossa educação. Eles devem saber que não há nada que possam fazer que nos faça mudar nossa disposição para eles. Nós sempre os amamos. Eles podem desqualificar-nos do ministério, eles podem ter vergonha, eles podem nos tornar cinzentos … mas eles devem sempre sentir que os amamos. Esse é o efeito do evangelho na parternidade.
Crianças para a glória de Deus
Uma amiga, a filha do pastor, nos contou uma história. Seu pai começou no ministério quando tinha 17 anos, então ela não experimentou a infância como filha de um pastor.

Em um retiro congregacional de famílias pastorais, as crianças subiram ao estrado e, um a um, compartilharam o quanto eles estavam feridas porque o pai colocou o ministério acima deles. Eu uso essa história com freqüência com minha esposa. Eu lhe digo que é minha intenção que meus filhos saibam que eles são uma prioridade para mim. Não nos dando motivos para subir em um palco para dizer que não os amamos. Se decidirem não servir ao Senhor, podemos dizer calmamente: “Eu fiz o meu melhor. Não para sentir calma, mas porque eu tentei glorificar a Deus “.
Muitos se referem a criação de flhos como a coisa mais difícil que eles fizeram em suas vidas. Se você adicionar o desafio de fazê-lo enquanto trabalha no ministério, fica mais complicado. Mas é bom quando as coisas se complicam, porque nos levam a depender mais de Deus. Se somos chamados por Deus para servi-Lo no ministério pastoral, devemos ir diariamente ao Senhor para clamar pela Sua ajuda nesta bela tarefa que Ele nos deu, não só para pastorear, mas para criar nossos filhos para a Sua glória. Na Sua providência, Ele pode se glorificar salvando-os, e em Sua graça, Ele pode nos usar nesse processo.

Autor
José Mercado
José Mercado (Joselo) é membro do Conselho de Coalizão para o Evangelho. Nascido em Porto Rico, ele renuncia a sua carreira de consultoria em 2006 para se juntar ao Pastoral dos pastores dos ministérios da soberania soberana. Ele é o pastor sênior da Sovereign Grace Church em Gaithersburg, Maryland. Joseph está no processo de completar seu SBTS Mdiv, e é casado com Kathy Mercado e é pai de Joey e Janelle.

Link do artigo em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/pastor-cuida-de-tus-hijos

 

PORNOGRAFIA

ER7_RE_SS_TEASER_570kbps_2016_03_254aad806f_7a94_42d9_8c3c_5a3050e5d033_thumb

Um dos principais motivos dos pedidos de aconselhamento que recebo, está relacionado a pornografia. Sem simplificar algo que é complexo, permita-nos compartilhar alguns passos que podem te nortear.

I. ARREPENDIMENTO
II. ENFRENTAMENTO
III. CONFISSÃO
IV. DISCIPLINA
V. ACOMPANHAMENTO

• O ARREPENDIMENTO, não pode ser só a vergonha do ato. Remorso e arrependimento são coisas diferentes. Judas sentiu remorso e se deixou consumir pela dor; Pedro arrepende-se e rendeu-se a Graça!
• O ENFRENTAMENTO, é a admissão da realidade: você está viciado! O efeito causado no cérebro, tanto na dominação das emoções, quanto a loucura da abstinência e na destruição de freios morais, é bastante semelhante aos efeitos causados pelo uso de drogas. Assim como, para receber o perdão, o Espírito Santo nos convence de quem somos (pecadores), para o processo de cura é necessário o reconhecimento de como você está: viciado!

 

• A CONFISSÃO, precisa vir! O processo de cura só será possível se sua esposa fizer parte dele! Muitos maridos temem exatamente esse ponto, por vergonha e medo. É isso também é um reflexo que demonstra a total falta de diálogo na maioria dos casamentos. Prática abandonada, pecado confessado, processo de cura iniciado!

 

• A DISCIPLINA, não é a exclusão ou o famoso “banco”. A disciplina, são práticas espirituais, onde a carne é modificada. Oração, jejum, leitura sistemática da Bíblia, leitura de bons livros e meditação na grandeza de Deus. Tudo isso precisa fazer parte!

 

• E O ACOMPANHAMENTO, precisa ser constante! Homens de Honra mentoriam outros homens! Você precisará do seu pastor, ou de um casal de amigos piedosos, que possam aconselha-los e acompanhá-los. Eles serão fundamentais em todo o processo, e com grande ênfase, apoiando sua esposa.

A santificação é tanto um ato passivo, quando Deus a opera em nós, quanto ativo, que devemos prosseguir em buscar ao Senhor. Não trata-se de busca de mérito por esforço próprio, mas de confiar na suficiência de Cristo, e baseado em Cristo, avançar resoluto!

Autor

Felipe Rocha

Líder do Ministério Homens de Honra CV, em São Paulo – Brasil.

Recursos para Pais, Pastores e Líderes Cristãos sobre Sexualidade

Homem-sedutor

Nesse artigo, pretendo trazer uma série de dicas e recursos digitais que podem lhe ajudar a estar melhor preparado para conversar, falar e ensinar assuntos que se relacionem ao grande tema sexualidade, pois vários assuntos se ligam e surgem a partir desse tema.
Várias conversas, dúvidas e problemas podem surgir quando uma pessoa não vive a sua sexualidade de maneira bíblica e saudavel. Pais, Parentes, Amigos, Pastores e Líderes de jovens sofrem ao verem seus adolescentes e jovens vivendo cada vez mais uma sexualidade moldada pelo o mundo e não pelos valores bíblicos e eternos estabelecidos por Deus.
Para ajudá-los a estarem preparados para esclarecer dúvidas e questionamentos, conversar sobre sexo com seus filhos e liderados, ou mesmo ensinar o que a Bíblia diz sobre a temática Sexualidade. Resolvi reunir diversos materiais que podem ajudar nessa empreitada, dentre eles: dicas de livros, pregações, podcasts, etc.

LIVROS
-A Cosmovisão Sexual Cristã do Andrew Sandlin, publicação da Editora Monergismo;
-Intimidade Sexual no Casamento. De William e Sandra Glahn, Editora Cultura Cristã;
-Desintoxicação Sexual – Um Guia para Homens que querem fugir da imoralidade sexual.        De Tim Challies, Editora Vida Nova;
-O Cristão e as questões éticas da atualidade, de Walter C. Kaiser Jr. Editora Vida Nova;
-Sexo e a supremacia de Cristo (John Piper – Justin Taylor) da Editora Cultura Cristã;
-Amor de Verdade Num Mundo de Falsidade (Robbie Castleman), da Editora Cultura        Cristã;
-Desintoxicação sexual: Um guia para o jovem solteiro (Tim Challies) publicado pelo  iProdigo;
– Macho e fêmea os criou (Carlos Catito Grzybowski) da Editora Ultimato;
-Vamos falar sobre sexo (Priscila Guerra – Richarde Guerra) da Igreja Batista da Lagoinha;
-Tecnologia de reprodução (Vários autores) da Editora Cultura Cristã;
-Comece hoje a esquentar a relação (Joyce Penner – Clifford Penner) da Editora Thomas  Nelson;
-Série Teen – Volume 1 (Vários Autores) da Editora Vida Nova;
-Gravidez Precoce (Geraldo Mota de Carvalho – Miriam Aparecida Barbosa Merighi) da    Editora Paulus;
-Meu Filho Cresceu e Agora? (Jaime Kemp) da Editora Hagnos;
-Eros e Sexualidade (John White), da Editora Ultimato;
-Sexo Não é Problema (Lascívia, Sim) – (Joshua Harris), da Editora Cultura Cristã;
-Sexualidade e Reformissão (Mark Driscoll)
-Enfrentando tempestades – Aluno (David e Carol Sue Merkh), da Editora Hagnos;
-Enfrentando tempestades – Professor (David e Carol Sue Merkh), da Editora Hagnos;
-Sexo e intimidade (Dr. Ed Wheat e Gaye Wheat), da editora Mundo Cristão;

E outras dicas no link abaixo
https://livros.gospelmais.com.br/livro-tag/sexualidade/page/2

 

-PODCASTS
http://bibotalk.com/podcast/lado-a-lado/lado-lado-004-educacao-sexual/                    Educação Sexual
http://bibotalk.com/podcast/btcast169/               Amor é Cristão, Sexo é…
http://bibotalk.com/podcast/btcast-149-pornificados/            Pornificados
http://bibotalk.com/podcast/btcast-132-luxuria/                       Lúxuria
http://bibotalk.com/podcast/btcast-069-teologia-do-sexo/       Teologia do Sexo
http://bibotalk.com/podcast/btlero-007-sexo-na-tv/     Sexo na TV
http://bibotalk.com/podcast/lado-a-lado/lal6-planejamento-familiar-reproducao-assistida-e-fertilizacao/                Entrada VIP Reprodução Assistida e Fertilização
http://bibotalk.com/podcast/lado-a-lado/lado-a-lado-005-planejamento-familiar-contracepcao/                Métodos de Contracepção
http://www.irmaos.com/298-identidade-de-genero/         Identidade de Gênero
http://www.irmaos.com/65-sexualidade/                             Sexualidade
http://www.irmaos.com/130-homossexualidade/              Homossexualidade
http://www.irmaos.com/281-o-fenomeno-eu-escolhi-esperar/                                                    O fênomeno EU ESCOLHI ESPERAR
http://www.irmaos.com/280-infidelidade/

 

-PREGAÇÕES









-FILMES CRISTÃOS
Á Prova de Fogo
Para Salvar uma Vida
Á Moda Antiga
Ponto de Decisão
Três Histórias, Um Destino
Priceless
Encontro de Casais
Direito a Vida
Antes que Seja Tarde
Prisioneiras Nunca Mais
A Filha do Pastor
Tráfico de Inocentes
Decisão de Uma Vida
Amor Incondicional a História de Oséias
Onde está Deus?
Questão de Escolha

* Esses filmes não possuem nenhum conteúdo de natureza pornográfica. Antes, oferecem uma abordagem baseada em uma cosmovisão cristã para falar ou tratar sobre diferentes assuntos relacionados a sexualida, como por exemplo: Gravidez na adolescência, aborto, tráfico de seres humanos, prostituição, sexo antes e fora do casamento, adultério, casamento, noivado e namoro, etc.

– SITES E BLOGS
http://naomordamaca.com/
http://www.euescolhiesperar.com/
http://voltemosaoevangelho.com/blog/assunto/vida-crista/problemas-da-vida/sexualidade/
http://bereianos.blogspot.com.br/2017/03/pornografia-consideracoes-biologicas.html
http://bereianos.blogspot.com.br/2017/03/deus-odeia-imoralidade-sexual.html
http://www.irmaos.com/?s=sexualidade
http://www.irmaos.com/2418-falta-de-limite-estimulam-sexualidade-adolescente-torta-dizem-especialistas/
http://www.irmaos.com/fogo-pre-nupcial/

-YOUTUBE
https://www.youtube.com/user/Consultoriont
https://www.youtube.com/user/CanalTheLoveSchool
https://www.youtube.com/user/ntsemtabus
https://www.youtube.com/user/naomordamaca
https://www.youtube.com/user/euescolhiesperar
https://www.youtube.com/watch?v=BHMwI9kgYwU Resenha sobre o Livro Cosmovisão Sexual Cristã
http://bibotalk.com/videos/btpapo-live-03-teologia-do-sexo/ Teologia do Sexo (Vídeo)
https://www.youtube.com/watch?v=Ltf6ycQP1Kw resenha de livro
https://www.youtube.com/watch?v=i9KTpLTKilc resenha de livro

 

Esse artigo se destina a oferecer conhecimento e recursos para que você pai, pastor ou líder cristão possa estar bem preparado para ensinar, conversar e orientar seus filhos, adolescentes, jovens e demais liderados no caminho bíblico, saudável e agradavel perante Deus.

Em Cristo Jesus,
Filipe Paulo Christian

 

O que eu faço se meu filho for indiferente ao evangelho?

24exawn

A salvação de seus filhos pertence ao Senhor.
Uma das coisas que faz com que os pais fiéis ao Senhor sofram mais é ver como alguns de seus filhos não são crentes e vivem no mundo de costas para Deus. A dor é dolorosa!
Eu sou uma dessas mães, então eu posso entender essa dor. Embora tenhamos lutado com sentimentos de culpa, não devemos nos concentrar em nós mesmos. Sem justificar nossas faltas e pecados – que há e muitos – nos pede uma e outra vez o que fizemos de errado, só nos faz mal.
Ao longo dos anos, tive que aprender algumas lições que gostaria de compartilhar com você. Cada um deles me ajudou a ver esta situação dolorosa com uma perspectiva bíblica:
1. Nossos filhos não nos pertencem.
Deus nos emprestou para que possamos amá-los e guiá-los no caminho do Senhor. Antes de nascermos, devemos devolver nossos filhos a Deus, seu criador, como fez Ana com Samuel (1 Samuel 1:11).
2. Nós não somos seus salvadores.
Como pais, nossa responsabilidade é educar nossos filhos no temor do Senhor, mas não podemos salvá-los. A salvação é obra do Espírito Santo nos corações; não é recebido por herança, nem por trabalho ou vontade de carne ou sangue (João 1: 12-13).
3. Devemos parar de pregar.
Se ele ou ela já conhece o evangelho, o que eles precisam são pais que oram incessantemente em seu favor e vivem o que pregam.

Lembre-se de Mônica, a mãe de Agostinho de Hipona. Ela era uma crente fiel e seu filho conduziu uma vida equivocada cometendo pecados sérios que faziam sua mãe sofrer muito. No entanto, ela não parou de orar e interceder por seu filho. Daí a frase do bispo de Cartago que disse a Monica: “O filho de tantas lágrimas não se perderá”. A quem devemos chorar e insistir é Deus, não eles, porque Deus é o único que pode mudar seu coração (Lucas 18: 1-8).
4. Não espere o comportamento cristão.
Não espere comportamento de um cristão se seu filho não é um crente. Dói vê-los fumar, dizendo palavras obscenas, vestir-se como o mundo, ser imoral, e assim por diante. Mas esses são sintomas e o fruto de um coração que não é arrependido. O que temos de procurar não é que mude seu comportamento, mas é seu coração; Se o seu coração mudar você mudará sua vida, você será uma nova criatura e você verá o fruto do Espírito em sua vida (Gálatas 5: 22-24).
5. Não esqueçamos o poder da Palavra.
Lembre-se de que tudo o que vocês ensinaram a eles a partir da Palavra de Deus está lá; O Senhor pode usar qualquer circunstância para trazer à memória um verso ou uma passagem da Escritura e falar diretamente sobre sua consciência e coração. “Assim, a minha palavra sairá da minha boca; ela não voltará para mim vazia sem ter cumprido o que eu desejo, e alcançado o propósito para o qual eu a enviei” Isaías 55:11.
6. Ame incondicionalmente.

Como Deus nos ama. Não culpe constantemente todos os seus erros, pecados e estilo de vida. Seu filho sabe. Ele pode até estar lutando com seus próprios pecados; nós não sabemos, mas Deus faz. Mostre respeito por ele mesmo se você discordar de seu comportamento, assim como o Senhor nos amou com amor eterno (Efésios 2: 4-5).

7. Vamos constantemente apontar para Cristo.
Seu filho precisa ver Cristo e sentir a necessidade de ir a Ele. Mostre-lhes Cristo na sua vida, nas suas palavras, nas suas ações, nas suas relações com os outros e no seu relacionamento com ele ou ela.

Fale sobre Ele de uma maneira natural, sempre procurando oportunidades para falar sobre Seu trabalho na cruz para nós. Que você veja a beleza de Jesus em você. Você pode enviar mensagens com um verso da Bíblia de tempos em tempos, diga-lhes que os ama, que você sente falta deles e fica com eles para comer ou beber. Mesmo que eles não lhe digam, esses pequenos detalhes lhe agradam (Efésios 5: 1-2).
8. Não perca a esperança.
Seja paciente; enquanto há vida, há esperança. Embora Deus só saiba se um dia ele será um verdadeiro cristão, não devemos perder a esperança. Deus chama alguns da manhã, outros ao meio dia e outros à noite (Mateus 20: 1-16).
Não se sinta tentado a pensar que seu filho ou filha será condenado; Isso é somente para Deus e não para nós. Cabe a nós continuar a orar, amar e esperar que eles retornem ao Pai celestial e acolhê-los com alegria e celebrar como a parábola do filho pródigo (Lucas 15: 11-32). Confie em Deus.

 

Autora
Filha e servo de Deus pela pura graça. Esposa do pastor Luis Cano de 1985, mãe de Bequi e Débora. Juntamente com o marido, ela atua na “Igreja cristã evangélica” de Ciudad Real, na Espanha. Ela também é professora de inglês em uma escola pública de ensino fundamental. Há 30 anos, participou ativamente da “Associação dos Camps Cristãos Castilla La Mancha” para crianças e adolescentes.

Link para o artigo original em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/que-hago-si-mi-hijo-es-indiferente-al-evangelio

Nossa Visão – Levar todos os homens a alcançar seu máximo em Cristo Jesus. Até chegarmos a estatura do varão perfeito, que é o Nosso Senhor e Salvador Jesus!

%d blogueiros gostam disto: