Arquivo da tag: Crianças

DEVOCIONAL 52

d52

 

Leitura: Levítico 18:19-30 “E da tua descendência não darás nenhum para dedicar-se a Moloque, nem profanarás o nome de teu Deus. Eu Sou o SENHOR”

Levítico 18:21

 

FILHOS SACRIFICADOS

Confesso que me identifico com muito pouco dos costumes desse tempo pós moderno. Pode me chamar de inadequado, arcaico, saudosista, velho; não ligo na verdade! Mas não consigo me acostumar com um tempo que os homens são incentivados a se depilar, e as mulheres a ter às axilas cabeludas!

Não consigo me acostumar a normalidade da sexualidade aflorada e sem limites! Não consigo me acostumar com a ideia de que a beleza da mulher está associada a menor quantidade (e tamanho) das roupas que ela usa! Não consigo me acostumar com isso!

 

Mas o que me causa não só agonia e desconforto, mas raiva, é ver nossas crianças sendo oferecidas nesse mesmo altar pós-moderno ao deus secular! Crianças sendo ensinadas a usar roupas curtíssimas, maquiagens pesadas, sendo instruídas em linguajares obscenos. Crianças sendo expostas a cenas sexuais; crianças sendo instigadas a tocar em homens nus, em nome da arte!

Aqui, Deus deixa claro a Israel, o quanto abominava os compartamentos dos egípcios e cananeus. E entre esses, havia um culto fenício, onde crianças eram queimadas vivas, em sacrifício a Moloque! Com certeza o sacrifício em fogo vivo chocaria a qualquer um, mais infelizmente, o sacrifício que não mata o corpo – pelo menos não imediatamente – mas que destrói a alma, não encontra a mesma resistência! Tristemente, em muito lares cristãos também!

O que seus filhos têm visto na televisão? A que eles tem sido expostos? O quanto de sua inocência tem sido sacrificada em nome do laicismo de um Estado que tem se posicionado como anti cristão? O quanto você tem permitido que a alma deles sejam devoradas pela promiscuidade dessa era?

É tempo de resgatarmos nossos filhos do meio dessas chamas! Não profane o Santo Nome!

 

Felipe Rocha

Anúncios

A prioridade dos cuidados com órfãos significa que devemos parar de ter filhos?

Novo-cadastro-de-adoção-tem-auxílio-tecnológico-de-Tribunais

Recentemente recebi um email de um leitor com uma boa pergunta. Como há tantos órfãos em nosso mundo, ele perguntou, e uma vez que os cristãos acreditam que cuidar desses órfãos em sua aflição é uma questão do evangelho – os casais cristãos devem conscientemente parar de conceber filhos e se concentrar em cuidar de órfãos?

 
É uma boa pergunta, que leva a sério as exigências do evangelho. Mas acredito que a resposta bíblica aqui é direta. Não, as famílias cristãs não devem intencionalmente limitar sua concepção de crianças por causa do cuidado dos órfãos.

 
As pessoas de Deus, parece-me, são perpetuamente atraídas para substituir uma ética “tanto / quanto” por uma “ou / ou”. Não me interpretem mal. A Escritura é muitas vezes “um ou outro”. Ou é Deus ou Baal, seja Jesus ou Mamon, seja Espírito ou carnalidade. Uma ética “ambos / e” em qualquer desses lugares leva ao desastre. Mas pense sobre a frequência com que uma ética “ambos / e” é destruída por um falso “ou / ou”.

 

A Escritura ensina graça e obediência, mistério e clareza, tanto a humanidade de Jesus como a divindade de Jesus, tanto no discipulado local quanto no global. missões. Escolher um em oposição ao outro leva a uma falsa escolha que acaba derrubando toda a conversa.

 
Fico feliz que este leitor veja o imperativo cristão de cuidar de órfãos e viúvas. Fico feliz que ele veja através da grade do evangelho de Cristo. Passei anos da minha vida pedindo essa visão. Mas proibir nossos corpos de conceber crianças não realiza realmente o que podemos supor que faz.

 
Família não é simplesmente uma questão incidental de biologia. A família é construída sobre um padrão já existente, o padrão do evangelho. É por isso que nossa adoção em Cristo significa que devemos nos preocupar com a adoção de crianças. O evangelho nos leva à missão, e a missão nos leva de volta ao evangelho. Esse padrão é missional, sim, mas o padrão também é encarnacional. Ambos importam.

 
A adoção, nas Escrituras, não forma um tipo diferente de família. Este não é um tipo de relacionamento totalmente único. Em vez disso, no evangelho, somos adotados “como filhos” (Rom. 8:15; Gl. 4: 5). Essa linguagem de “filhos” é realmente importante porque Deus já treinou a humanidade para reconhecer o conceito de pais e filhos, pais e filhos, e ele o fez por meio da procriação.

 
No início da história bíblica, Deus ordena à humanidade que “seja frutífera e multiplique” (Gn 1:28). Então Deus, quase imediatamente, nos leva as “árvores” das várias genealogias. O favor de Deus e a misericórdia de Deus são vistos no nascimento dos filhos, que as Escrituras consideram abençoar em todos os lugares.

 
Por quê? Bem, isso ocorre porque a procriação (como o casamento) é uma figura do evangelho. O amor de Deus por nós tomou carne na pessoa de nosso Senhor Jesus (João 1:14), uma Encarnação que nos leva a ser “gerados” como filhos de Deus (João 1:12; 3: 6-7). 1 Jo 5: 1). O amor entre Jesus e sua igreja é frutífero e se multiplica. Ele está diante de seu Pai, com seu povo, e proclama: “Aqui estou e os filhos que Deus me deu” (Hb 2:13).

 
A adoção só faz sentido à luz da procriação. Uma criança adotada é adotada em um conceito já existente, o de pais e filhos. As Escrituras usam ambos os arquétipos, o da adoção e o da procriação.

 
Se idolatrarmos a procriação, como se a família fosse meramente sangue, repudiamos o evangelho que nos salvou. Mas, se nos afastarmos completamente da procriação, a adoção não será mais adotada “como filhos”. A metáfora, então, atribui-se apenas a um arranjo de vida, não à família natural. A adoção é mais cosmicamente mais do que um arranjo vivo. A adoção de crianças faz sentido à luz da geração de filhos.

 
Antes de podermos cuidar de órfãos, devemos perguntar por que existem órfãos no mundo. A resposta inclui uma variedade de razões, desde o divórcio à pobreza, passando pela guerra até desastres naturais, e a lista continua indefinidamente. A melhor coisa que pode acontecer aos órfãos é que as crianças sejam bem-vindas e desejadas, sejam recebidas como Jesus sempre recebe crianças pequenas.

 
Antes de podermos amar as crianças como órfãs, devemos amar as crianças quando crianças.

 
A congregação que discipula seus próprios membros e cuida daqueles imediatamente ao redor, mas se recusa a unir-se a Jesus para alcançar os confins da terra não é uma igreja fiel. Da mesma forma, a congregação que envia missionários para todos os lados, mas se recusa a amar seus próprios vizinhos locais, é infiel. Em ambos os casos, um “ou / ou” leva a erro. Deve ser “ambos / e”.

 
Não acredito que as famílias cristãs devam permanentemente incapacitar sua capacidade de procriação. Mesmo fora das divergências cristãs sobre contracepção ou tamanho da família, todos podemos concordar que o nascimento dos filhos é retratado por Deus como bênção e não como fardo (Sl 127: 3).

 

Além disso, não devemos ver o potencial amor futuro por crianças nascidas como uma mercadoria escassa, que então deve ser tirada das crianças que adotamos ou adotamos. O amor não é uma mercadoria, e não é parcelado. O amor não é limitado e não é uma barreira para o ministério.

 
O amor “tudo suporta … tudo suporta” (1 Co 13: 7). Tenha bebês e ame seus bebês. Ministre aos órfãos, e ore pela sabedoria de Deus em como você pode cuidar melhor dos órfãos e viúvas em sua vizinhança e ao redor do mundo.

 
Sim, o casamento e a família inibem a liberdade que alguém tem de fazer certas coisas no ministério. O apóstolo Paulo celebra aqueles que abandonam a família por causa do ministério, mas isso, no exemplo apostólico, implica a renúncia do próprio casamento (1 Co 7: 1). Uma vez que há casamento, não se pode simplesmente separar as realidades conjugais em prol do ministério.

 
Pode ser que Deus não lhe dê filhos biologicamente e, ao contrário, os estimulará mais rapidamente em direção à adoção ou assistência social. Pode ser que Deus lhe mostre como dar as boas-vindas aos filhos tanto pela adoção quanto pelo modo mais típico. E pode ser que o seu amor pelas crianças que você recebe de nascença seja o sinal para sua igreja e seus vizinhos amarem os filhos e, assim, receber crianças órfãs.

 

É “ambos / e”, não “ou / ou”. Adotar para a vida não exige aceitar a faca.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2017/02/14/priority-orphan-care-mean-stop-children/

Sobre adoção e cuidados órfãos: uma proposta de resolução

pastor-russell-d-moore

Ontem enviei uma resolução ao Comitê de Resoluções da Convenção Batista do Sul de 2009. O Comitê de Resoluções tem o poder total de recusar ou reescrever qualquer resolução, portanto, só porque isso é enviado, não significa que ele será votado pela SBC. Isso é inteiramente a critério do comitê. No entanto, abaixo está a resolução que enviei para sua consideração.
“Sobre a adoção e cuidados órfãos”
CONSIDERANDO QUE, no evangelho, recebemos o “Espírito de adoção”, pelo qual não somos mais órfãos espirituais, mas somos agora amados filhos de Deus e co-herdeiros com Cristo (João 14:18; Romanos 8: 12-25; Gl 3 : 27-4: 9; Ef 1: 5); e
CONSIDERANDO que o Deus que agora conhecemos como nosso Pai se revela como um “pai dos órfãos” (Sl 68.5) que concede misericórdia aos órfãos (Dt 10:18; Oséias 14: 3); e
CONSIDERANDO QUE, nosso Senhor Jesus acolhe os pequeninos (Lucas 18: 15-17), implora pela vida dos inocentes (Sl 72: 12-14), e nos mostra que seremos responsabilizados pela nossa resposta aos “ menores destes meus irmãos ”(Mateus 25:40); e
CONSIDERANDO QUE, a Escritura define “religião pura e imaculada” como “visitar órfãos e viúvas em sua tribulação” (Tg 1.27); e
CONSIDERANDO que os poderes satânicos têm combatido crianças e bebês do Faraó a Moloch e Herodes e, agora, através dos horrores de uma cultura de divórcio, uma indústria de aborto e as pragas globais de doenças, fome e guerra; e
CONSIDERANDO QUE, os Batistas do Sul têm articulado um compromisso inequívoco com a santidade de toda a vida humana, nascida e não nascida; e
CONSIDERANDO QUE, uma denominação de igrejas definida pela Grande Comissão deve se preocupar com o evangelismo de crianças – incluindo aquelas que não têm pais; e
CONSIDERANDO que mais de 150 milhões de órfãos agora definham sem famílias em orfanatos, casas de grupos e sistemas de colocação na América do Norte e ao redor do mundo; e
CONSIDERANDO QUE, nosso Pai ama todas essas crianças, e uma grande multidão delas nunca ouvirá o evangelho de Jesus Cristo; portanto, seja
RESOLVEU-SE que os mensageiros da Convenção Batista do Sul, reunidos em Louisville, Kentucky, de 23 a 24 de junho de 2009, expressam nosso compromisso como uma denominação de igrejas para se unirem a nosso Pai em busca de misericórdia para os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que convocamos cada família batista do sul a orar pedindo orientação sobre se Deus os está chamando a adotar ou promover um filho ou filhos; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos nossos pastores e líderes da igreja a pregar e ensinar sobre a preocupação de Deus com os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que elogiamos as igrejas e os ministérios que estão equipando as famílias para fornecer recursos financeiros e outros recursos àqueles chamados a adotar, por meio de doações, fundos equivalentes ou empréstimos; e seja mais
RESOLVIDO, que pedimos ao nosso Conselho de Missão Internacional e ao Conselho de Missão da América do Norte que priorizem o evangelismo e ministério para órfãos ao redor do mundo, e procurem maneiras de energizar os Batistas do Sul por trás dessa missão; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos as igrejas Batistas do Sul a se unirem a outros cristãos evangélicos no reconhecimento de 8 de novembro de 2009, como “Domingo dos Órfãos”, enfocando aquele dia em nossa adoção em Cristo e nosso fardo comum para os órfãos do mundo; e seja mais
RESOLVIDO, que esperamos que o que Deus está fazendo na criação de uma cultura de adoção em tantas igrejas e famílias possa nos indicar uma unidade do evangelho que é definida não pela mesmice racial, econômica ou cultural da “carne”, mas pela união e paz do Espírito. em Cristo Jesus; e seja finalmente
RESOLVIDO, que nós oramos por um derramamento do Espírito de Deus nas congregações Batistas do Sul, para que nossas igrejas cada vez mais anunciem e imaginem, em palavras e atos, que “Jesus ama as criancinhas, todos os filhos do mundo.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2009/05/19/on-adoption-and-orphan-care-a-proposed-resolution/

Datado de 19 de maio de 2009

Adoção, Identidade e Kung-Fu Panda

20110610_estreias_cinema_f_031
Meus ombros ficaram tensos, enquanto eu olhava para os meus filhos, comendo pipoca nos assentos ao meu lado. Não é que eu ache que nunca haveria um filme que pudesse desenterrar algumas conversas familiares estranhas e potencialmente traumáticas. É só que eu não esperava que fosse o Kung-Fu Panda Dois.
Neste filme de animação, há um sub-enredo de adoção que eu não estava totalmente preparado para entrar. Acontece (alerta de spoiler) que o protagonista do panda, Po, descobre que seu pai não é seu pai biológico. Ele foi encontrado, abandonado, em uma caixa de nabo quando ele era um filhote. Po descobre que havia uma antiga profecia de que o rei perverso seria derrotado por um panda. O rei tentou destruir, preventivamente, todos os pandas para garantir que seu rival nunca surgisse. Eu acho que você poderia dizer que ele estava perturbado e toda Jerusalém com ele (Mateus 2: 3), mas essa é outra história.
O filme lida de forma intermitente com Po buscando responder a pergunta: “Quem sou eu?” É encontrando seu lugar na velha profecia que ele descobre sua identidade e chega a paz com quem ele é.
Eu estremeci, não porque o filme abordasse a adoção, mas porque o velho ganso parecia gaguejar, quase com vergonha, quando “admitiu” que seu filho havia sido adotado. Meus ombros relaxaram enquanto o filme lutava com o que eu achava ser um modo útil e basicamente afirmativo da vida com o que é um dos aspectos mais perturbadores da adoção.
Muitas (embora não todas) crianças que foram adotadas eventualmente fazem o tipo de perguntas difíceis que este filme levanta no meio de toda a sua diversão e tolice. Um pode ser assombrado com perguntas “Quem sou eu” e “What if” e “Why”. Em certo sentido, todos nós enfrentamos essas questões, independentemente de nossas origens. Mas, para as crianças que foram adotadas, muitas vezes há um senso especial de desamparo diante delas.
Se o darwinismo social fosse verdade, então essas questões seriam sombrias. Nesse mundo, a pergunta “quem é você” é primeiramente respondida pela constituição genética. Se você não conhece seu histórico biológico completo, nunca poderá saber quem você é. Mas, como aqueles que apostaram nossas vidas no túmulo vazio de Jesus, sabemos que esse não é o mundo real.
Se você foi adotado, não há nada de errado em querer descobrir tanto sobre a sua origem quanto quiser. Não há nada de errado em querer conhecer seus pais biológicos ou outros parentes biológicos. Isso faz parte da sua história. Mas a palavra “parte” é realmente importante.
Se você conhece a Cristo, medite na providência de Deus em sua história pessoal. Você é quem você é, e você pertence onde você está, porque você está exatamente onde Deus planejou que você seja, para se tornar a pessoa que você é. Nada acontece com você por acidente. Todas as coisas, até mesmo misteriosamente aquelas coisas horríveis que Deus odeia, entra de alguma forma em um drama cósmico secreto em que tudo funciona em conjunto “segundo o conselho da sua vontade” (Ef. 1:11).
Não importa quão horrível seja sua história, você não é uma aberração e sua vida não é um acidente. Sim, os genes são importantes. Você tem os genes que Deus queria que você tivesse. Sim, nutrir é significativo. Você tem os pais que Deus queria que você tivesse. É a interação entre os dois que faz de você quem você é. Apesar de todos os reducionismos da nossa idade, chegamos a ser o tipo de pessoa que somos por uma curiosa combinação de genes, educação e decisões livres. Você não está cativo de nada disso.
E no seu caso, como no caso de todos nós, Deus orquestrou todos esses fatores para formar você no tipo de pessoa que você é, com os tipos de experiências que você tem. Por quê? Você pode não saber por milhares de anos. Se você está em Cristo, Deus está preparando você para governar o cosmos. Ele quer que você seja quem você é em Cristo e esteja pronto para este reinado.
Este filme foi divertido duas horas; e realmente foi divertido. Eu diria “dois polegares para cima”, mas você pode pensar que eu estava fazendo uma piada sobre pandas, polegares e design inteligente. Mas além de todo o entretenimento, me perguntei se a dor animada na tela à nossa frente poderia ter provocado alguma dor real nas pessoas que eu mais amo.
Quando saímos do teatro, eu cutuquei um pouco, para iniciar qualquer conversa que precisássemos ter. “O que você achou do filme?”, Perguntei. “Quando ele começou a atirar aquelas balas de canhão”, meus filhos responderam, “foi legal”.
Eles não parecem ter nenhum tipo de “crise de identidade” neste momento, mas tenho certeza que sim. A cada minuto de cada dia, eu luto se sou quem eu era em meus próprios termos, o que a Bíblia chama de “a carne”, ou se sou quem Deus me disse para estar no evangelho, um filho amado e herdeiro.
E, como um panda animado que conheço poderia dizer, isso é simplesmente fantástico.

 

Autor: Dr. Russell D.Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2011/06/05/adoption-identity-and-kung-fu-panda/

Como as igrejas podem criar uma cultura de adoção

media_header_581b847649d63

Ainda tinha aquele cheiro, como uma mistura de tapete novo e velha senhora.

Maria e eu olhamos uma para a outra enquanto nos levantávamos neste auditório familiar. Foi o primeiro lugar que nós já vimos um ao outro – de pé bem aqui, enquanto eu corria da chuva e ela estava dobrando um guarda-chuva encharcado. Eu andei por esta porta milhares de vezes.

Meus pais me carregaram nessas portas algumas semanas depois do meu nascimento. Eu passei por eles todos os domingos de manhã da minha infância, com uma Bíblia e um envelope de oferta na mão. Todo verão eu caminhava por essas portas – carregando uma bandeira ou uma Bíblia para a rodada de compromissos da Escola Bíblica de Férias, as coisas mais próximas que tínhamos de uma liturgia ou de um calendário do ano cristão.

Eu olhei para a janela, bem ao lado das grandes portas de vidro. Esse foi o filho do pregador que quebrou com uma pedra, e nós todos nos espalhamos, sabendo que ele iria conseguir. Esta foi a minha igreja em casa. Fazia muito tempo desde que entramos neste auditório, e agora tínhamos duas pequenas mãos segurando nossos dedos.

Nossos garotos tinham, eu tenho certeza, nenhuma ideia de quão grande era para nós tê-los aqui conosco. Para eles, era apenas outra igreja em algum lugar. Mas para mim, foi tudo.

Para a maioria das igrejas, a adoção não é uma prioridade, e isso não é porque os membros da igreja são anti-adoção. É porque a adoção parece estranha para alguns deles e irrelevante para os outros. Torna-se um foco apenas quando um membro da igreja enfrenta pessoalmente infertilidade, ou conhece crianças particulares sem pais. Até então, para a maioria de nós, a adoção raramente cruza nossas mentes.

 

É por isso que o primeiro passo para uma igreja amiga da adoção deve ser o púlpito. Isso parece óbvio, mas é menos óbvio do que parece. Ao dizer que os pastores deveriam pregar sobre adoção, não estou falando primariamente de “conscientizar” sobre a adoção, da mesma forma que um diretor do ensino médio pode “aumentar a conscientização” em um discurso sobre uma campanha de arrecadação de fundos para o novo estádio de futebol.

A pregação não é simplesmente um meio de transmitir informações. O ato de pregar, então, carrega consigo, se é a pregação bíblica fiel do evangelho, a autoridade do próprio Jesus. Essa é a diferença entre o ato de pregar e o ato de dar palestras – a diferença entre “Assim diz o Senhor” e “Parece para mim”.

O pregador, além disso, deveria pregar sobre adoção com especificidade.

O pastor não sabe exatamente como uma prioridade de adoção funciona em cada vida ou família individual, mas ele pode promover a causa provocando perguntas. Ele pode perguntar, por exemplo, em uma mensagem sobre a pobreza ou a santidade da vida humana, se Deus pode estar chamando alguns na congregação naquele dia para adotar, se Deus está chamando alguém para dar dinheiro para financiar uma adoção. Ele pode chamar seu povo para orar por como Deus os usaria para servir os órfãos, seguido por informações sobre como eles podem cumprir qualquer compromisso que Deus ponha em seus corações com informações de contato sobre grupos dentro da igreja capazes de ajudar.

Pastores e líderes da igreja também podem criar uma prioridade para adoção, destacando as adoções dentro da igreja. Esta não é uma maneira de “elogiar” os pais adotivos, mas sim de fazer com que a adoção pareça menos “estranha” para o resto da congregação.

Em quase todos os cultos da igreja, há aqueles que começariam a pensar se deveriam ou não adotá-los se apenas virem alguém que tenha feito isso. Quando as pessoas vêem e conhecem crianças que foram adotadas, de repente, a realidade não é abstrata para elas. Quando eles ouvem a palavra “órfão”, eles param de pensar em um rosto triste em um filme e começam a pensar em “Caleb” ou “Chloe”, que se senta no banco na frente deles.

Algumas igrejas têm um tempo de “dedicação do bebê” ou “dedicação de pais e filhos”, em que oram por recém-chegados dentro da congregação. Algumas congregações são de um tamanho tão grande, que esse tipo de celebração anual é o que é prático. Para outras igrejas, no entanto, pode haver um tempo no final do culto sempre que um bebê nasce ou uma criança é adotada por uma família dentro da igreja.

Isso poderia levar apenas três ou quatro minutos com reconhecimento e uma oração de agradecimento. Em igrejas maiores, isso poderia ser feito via vídeo. O objetivo seria contrapor-se à crescente visão utilitarista da cultura sobre as crianças, acolher as crianças como bênçãos de Deus e encorajar as famílias a considerarem a adoção de órfãos em suas casas.

Um pastor-herói meu costumava concluir cada batismo permanecendo no batistério, mergulhando as mãos na água e anunciando: “E ainda há espaço para mais.” Era a maneira dele de convidar aqueles que ouviam entrar na comunhão de Cristo sem demora. Um pastor poderia ter grande efeito se realizasse um tempo de oração por adotar famílias, seguido da declaração ao seu povo: “E ainda há mais crianças lá fora que precisam de pais piedosos”.

Outro aspecto chave do ministério da igreja local em direção à adoção é o da administração econômica.

Se os apóstolos lembram até mesmo o próprio Paulo de “lembrar-se dos pobres” (Gl 2,10), então certamente o restante de nós precisa de tal lembrança. O pastor pode se levantar e dizer: “Temos um casal sem nome em nossa congregação que está orando pelo dinheiro que será necessário para adotar uma criança, imagino se o Senhor está chamando alguém aqui para ajudar a fazer isso acontecer”. ao permitir que os doadores o façam anonimamente, sabendo que serão recompensados ​​integralmente no Tribunal.

Os pastores podem encorajar a adoção também à medida que enfatizam continuamente a santidade (e dignidade) da vida humana, incluindo a vida dos deficientes, os “ilegítimos” e os que ainda não nasceram.

Algumas das mulheres da sua congregação são vulneráveis ​​à propaganda abortista precisamente porque ela sente que perderá sua igreja se as pessoas da igreja souberem da vergonha de sua gravidez. Fale com essa mulher do púlpito – e para seu marido ou namorado ou pai. Fale diretamente com o abortista, que pode ter escorregado pela porta dos fundos ou pode se deparar com uma gravação da mensagem. Fale diretamente do horror do julgamento que virá por aqueles que derramam sangue inocente. Mas fale também diretamente que o julgamento caiu sobre o corpo trêmulo de um Jesus crucificado. Avise do inferno, mas ofereça misericórdia – misericórdia não apenas no Tribunal, mas misericórdia nas células/grupos e nos corredores de sua igreja.

Sua congregação pode incentivar e equipar a adoção de bebês e crianças. Sua igreja pode pregar o evangelho e cuidar dos vulneráveis. Você pode fornecer os fundos e o incentivo e o apoio de oração para um número incontável de famílias da Grande Comissão. Se a adoção for uma prioridade, as congregações precisarão se mobilizar para isso. Afinal, é preciso mais do que uma aldeia para adotar uma criança, pelo menos para aqueles de nós em Cristo. É preciso uma igreja.

 

Este artigo é adaptado da nova edição do meu livro Adoptado para a Vida: A Prioridade da Adoção para Famílias e Igrejas Cristãs.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:

https://www.russellmoore.com/2015/11/23/how-churches-can-create-a-culture-of-adoption/

Série Referenciais: Guilherme Schelb

ktcotfvyibou

Guilherme Schelb é Procurador Regional da República no Distrito Federal. É mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal do Paraná e especialista em Segurança Pública.

Foi Promotor de Justiça da Infância em Brasília de 1992 a 1995. Nesta função, foi autor de diversas ações de combate e prevenção à violência e criminalidade infanto-juvenil, dentre elas, o Caso Marco Velasco (1994), que ficou conhecido nacionalmente em razão dos requintes de crueldade do crime e pelo fato de que os autores e vítima eram de classe média alta, e a primeira Ação civil pública com fundamento no Estatuto da Criança e do Adolescente que obteve sentença favorável no Brasil (1992) na construção de unidade internação para adolescentes infratores graves.

Guilherme Schelb atuou em investigações criminais na Europa, Estados Unidos e América do Sul. Foi responsável pelo combate ao crime organizado e à corrupção em órgãos públicos federais em ações de repercussão nacional e internacional como: o escândalo do Banco Marka, o escândalo dos aviões da FAB, a privatização do Banespa, operação Máfias Italiana e Espanhola, operação Anaconda, operação Vampiro e operação Guerrilha do Araguaia.

É idealizador do Programa Proteger – Programa Nacional de Prevenção da Violência e Criminalidade Infanto-Juvenil (www.programaproteger.com.br) e palestrante sobre Estratégias para a Prevenção da Violência em escolas, universidades, hospitais, polícias civil e militar, igrejas e empresas. Já ministrou palestras e treinamentos para mais de 100 mil pessoas em todo o Brasil.

Guilherme Schelb é autor de diversos livros e materiais educativos para crianças e adolescentes.

Outros Links:

https://www.anajure.org.br/institucional/conselho-diretivo-nacional/guilherme-schelb/

http://www.infanciaprotegida.com.br/2016/07/09/guilherme-schelb/

https://infanciaefamilia.com.br

Homens, PROTEJAM OS SEUS FILHOS!

 

Mas do que nunca vivemos um tempo horrível, triste, depravado e que beira a chegada do grande Dia do Senhor em que Ele fará e trará justiça contra toda impiedade, impunidade, injustiça, crimes e pecados.

No dia de hoje – 18 de maio de 2018, pude ver a notícia de uma operação da polícia federal em que vários pedofilos foram presos, inclusive um humorista famoso que trabalhou no programa Pânico na TV, fico muito feliz pela a atuação da Polícia Federal em combater a pedofilia de forma intensa.

Porém, ao ver essas mesmas notícias, pude me deparar com a mãe de um desses pedófilos o defendendo e dizendo que o filho não tinha culpa nenhuma e que ele usava o computador dela. O que me fez lembrar das palavras do Apóstolo Paulo em 2 Timóteo 3:1-4 que diz:

“Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis.
Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus.”

E homens nesse trecho, não se limita apenas ao gênero masculino, mas a todos os seres humanos.

E ao estudar a história do cristinianismo, poderemos ver que a Igreja Cristã sempre se posicionou contra todo tipo de prática contrária a Palavra de Deus. Bem como, falando de maneira especifica, contra a pedofilia, aborto, abandono de crianças, violência doméstica, etc.

Lamento muito ao observar que os próprios pais e parentes de diversas crianças e adolescentes tem abusado e maltrados esses pequeninos.

Ouça essa ministração do pr. paulo júnior:

Denuncie o Abuso Sexual Infantil!

Hoje é considerado o dia nacional de combate a exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes. E essa é uma causa que nós homens cristãos nos posicionamos também a favor do combate a toda prática pecaminosa e criminosa contra a vida de nossas crianças.

Independente de você homem ou rapaz, ser pai ou não, essa é uma causa que devemos nos posicionar combatendo de forma pró-ativa e constante, entendendo que além de ser PECADO a pedofilia é também CRIME!

E como cristãos, bem como cidadãos brasileiros não podemos fugir, se omitir ou mesmo ignorar essa questão.

Saiba Mais no Vídeo abaixo:

As redes sociais não são o maior problema de seus filhos adolescentes

22343619483_03fb9c024c_b

O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós como (pais e) mães.

*Esse artigo foi originalmente escrito para as mães, mas também se aplica aos pais. Pois  criação dos filhos é uma tarefa dada por Deus aos homens e mulheres.
O medo na sala era palpável. Acabei de falar em uma sala cheia de mães e filhas sobre o tema das redes sociais. Muitas das meninas presentes estavam no auge de sua adolescência, e a maioria das mães estava começando sua maternidade adolescente.

Depois que as meninas foram para uma sala separada para uma discussão de seguimento com os líderes da juventude, as mãos das mães foram jogadas no ar. A urgência na questão de cada mãe expressava ansiedade sobre redes sociais e outros desafios da adolescência. Era encorajador ver muitas mães que queriam estar melhor equipadas para navegar durante a adolescência. Muitas vezes eu vejo o contrário, os pais renunciaram à falsa noção de “adolescentes serão adolescentes”, desistindo de tentar.
Mas não tenho certeza de que essas mães estavam ansiosas pelas razões corretas.
Confie nas regras
As mães que estavam tão desesperadas para controlar e proteger seus filhos queriam que eu lhes desse um roteiro a seguir; uma lista do que fazer e do que não fazer com redes sociais e telefones celulares, com a garantia de que tudo funcionaria se você simplesmente seguir as regras.

 

Compreendo o desejo de um script com uma garantia; Todo pai quer que seu filho adolescente esteja seguro, feliz e longe do caminho da destruição. Mas se nos concentramos principalmente em soluções externas para educar nossos adolescentes, colocamos nossa esperança em algo que não pode manter.

 

As mídias sociais, os telefones celulares e o mundo selfie que habitamos são problemáticos, mas eles não são os principais problemas para nossos adolescentes. O consumo de álcool, drogas, sexo, transtornos alimentares, pornografia, auto-corte, perfeccionismo, estresse e depressão também não são problemas fundamentais para os adolescentes. Jesus nos diz que “não há nada fora do homem que possa contaminá-lo entrando nela; mas aquilo que sai do homem é o que contamina o homem “(Marcos 7:15).
Enquanto as influências externas são fontes de tentação, nossa própria natureza caída nos leva a pensar e agir com pecaminosidade. Os comportamentos negativos que tememos, então, são subprodutos do que está acontecendo em nossos corações idólatras. O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós.
Agora, não estou sugerindo que as tentações não sejam levadas a sério. Certamente, regras e limites devem ser estabelecidos. Mas se abordarmos apenas o que está na superfície, o pecado é facilmente visto, e não ajudamos nossos adolescentes a desenterrar os ídolos governantes de seus corações, nunca facilitaremos mudanças reais.
O que as regras não podem corrigir

A idolatria é o que acontece quando há algo que queremos mais do que Deus, levando-nos a trocar a verdade sobre Ele por uma mentira (Romanos 1:25). Acreditamos na mentira de que não é suficiente e que a “vida”, o que significa, está em algum lugar longe dEle. Esta é a mentira que todos os humanos compraram desde que Satanás convenceu Adão e Eva de que Deus estava escondendo algo deles.
Para adolescentes (e adultos), esta mentira é facilmente enraizada nas mídias sociais. Tudo o que é preciso é um postagem através do nosso Instagram ou Facebook para a cobra antiga começar a sussurrar:
• “Você não é como eles”.
• “Sua vida é chata”.
• “Você não é suficientemente fino, suficientemente bonito, suficientemente popular, rico o suficiente”.
Seja o que for para você, preencha o espaço em branco.
Quanto mais nos comparamos, mais provável a mentira se instalará em nossa alma como “verdade”, enquanto o que Deus diz que é verdadeiro será esquecido. É fácil estar convencido de que nosso valor reside na aparência, desempenho, popularidade, perfeição, estado ou “Eu gosto”.
Mas o que acontece quando o adolescente que busca seu valor na quantidade de “Eu gosto” que eles recebem em uma imagem não recebe tantos na próxima publicação? Ou o que diz sobre o que atrai comentários sobre o quão atraente (ou magro) parece?
Para se apegar à sua identidade “segura”, deve ser tão perfeito no próximo dia, ou na próxima foto. Viver sob este esforço constante para levar o que é fugaz só intensifica o desespero para conhecer o valor de um. Mas com todas as fontes falsas para as quais você se volta, mais insegura e vazia você sentirá. Uma sensação de futilidade será estabelecida.
Com esta raiz identificada do pecado, faz sentido por que um adolescente entraria em abuso de substâncias, promiscuidade, distúrbios alimentares, depressão ou qualquer outra dificuldade. Há outros pecados de raiz, com certeza, mas a idolatria de algum tipo sempre será o pecado que guiará os outros. É o pecado que devemos ajudar nossos adolescentes a identificar cavando mais fundo. É o seu maior problema e o nosso.
Apenas uma solução

Virar-se para deuses falsos e procurar garantir a “vida” em coisas que não deveriam ser definidas, sempre nos deixará vazios. Para ser preenchido, devemos tirar nossos olhos de nós mesmos e olhar completamente para o rosto de Deus, cujo trabalho em nosso lugar foi perfeito. Nossa alma só sentirá seu valor quando vermos Jesus por quem Ele é, e através do que ele fez por nós.
Foi o que mais queria que as mães reunidas aquela noite para escutassem. Sim, devemos prestar atenção às redes sociais. Sim, é aconselhável limitar e controlar o uso do telefone. Mas, assim, não consertará os corações dos nossos jovens. A única solução para um coração pecaminoso é o arrependimento e a confiança no evangelho. Em um mundo próprio, vamos ajudar nossos adolescentes a entender que sua verdadeira identidade é encontrada apenas em Jesus.

 
Originalmente publicado na The Gospel Coalition.

Autora

Kristen Hatton é a autora de Teenage Devotion Get Your Story Straight, com seu segundo livro, Face Time: Your Identity in Selfie World, para ser publicado pela New Growth Press em maio de 2017. Kristen descobriu sua paixão por ensinar, falar e escreva sobre a graça e o crescimento no evangelho através de muitos anos de execução de um estudo bíblico para jovens adolescentes. Ela mora em Edmond, Oklahoma, com o marido do pastor e três adolescentes. Para mais informações, visite http://www.kristenhatton.com,

Link do Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/las-redes-sociales-no-son-el-problema-mas-grande-de-tus-hijos-adolescentes

COMO AS IGREJAS TREINAM CRIANÇAS A SE TORNAREM ATEÍSTAS

21314629_1091254974344398_8418819311101208755_n

Eu sou um filho de pastor que abandonou a fé, declarou-se ateu, voltou à fé depois de descobrir um câncer, quase perdeu a fé novamente e foi salvo pela teologia evangélica e pela apologética. Portanto, minha paixão é ajudar os outros a evitarem a destruição do pecado e o desespero pelos quais eu passei enquanto vagava pelo deserto do ateísmo.

Há alguns anos eu fiquei intrigado ao ler o livro You Lost Me: Why Young Christians Are Leaving Church…and Rethinking Faith (“Você Me Perdeu: Por que Jovens Cristãos Estão Deixando A Igreja… E “Repensando Sua Fé”, em inglês), de David Kinnaman. Ele argumenta que existem pelo menos seis motivos pelos quais os homens e as mulheres entre 18 e 30 anos abandonam a fé. Ele publicou um resumo desses seis motivos no site do Grupo Barna (link em inglês), que são:
Motivo #1 – As igrejas parecem ser superprotetoras.

Motivo #2 – A experiência dos adolescentes e dos jovens de 20 e poucos anos com o Cristianismo é superficial.

Motivo #3 – As igrejas são vistas como inimigas da ciência.

Motivo #4 – As experiências dos jovens cristãos relacionadas à sexualidade na igreja são muitas vezes simplificadas ou críticas demais.

Motivo #5 – Eles lutam com a exclusividade do Cristianismo.

Motivo #6 – A igreja parece ser hostil para com os que possuem dúvidas.

Pode-se argumentar que estas descobertas se tratam mais de uma percepção do que de uma realidade na maioria das igrejas. Por exemplo, eu ficaria surpreso (de uma maneira desagradável) em saber que a maioria das igrejas evangélicas ainda gasta muito tempo condenando a cultura popular como se fosse o Conselho Municipal de Footloose.

Além disso, eu quase não escuto mais sermões sobre sexualidade e, enquanto eu crescia, a maioria dos sermões condenava todo o tipo de sexo fora do casamento, mas sempre de uma maneira graciosa. Entretanto, eu penso que os motivos 2, 3, 5 e 6 provavelmente são válidos. Também, por experiência própria, eu acrescentaria que alguns jovens simplesmente sentem que a fé não funciona (link em inglês).

De fato, muitas igrejas apresentam uma fé superficial, que trocam a doutrina e a apologética por sermões de “o que fazer quando…”, que são como palestras de autoajuda polvilhadas com alguns trechos da Bíblia. A recusa em aprender teologia e em como defender a fé, como também o investimento no tempo para pensar em como apresentar tudo isso de uma maneira clara e cativante, é a essência de todas as quatro objeções válidas feitas por jovens à igreja evangélica. Os pastores devem simplesmente levar a sério essa responsabilidade, usando seu tempo e seus esforços. Não há outra resposta.

Sermões menos superficiais, entretanto, não são A resposta, embora ajudem. Todos os membros da igreja, de todas as idades, devem ser discipulados, e isso inclui um treinamento para que se tornem teólogos e apologetas leigos.

O detetive J. Warner Wallace argumentou que devemos treinar os estudantes cristãos ao invés de ensiná-los (metodologia T.R.A.I.N., link em inglês), mas eu penso que precisamos treinar todos os nossos irmãos cristãos (e ele iria concordar comigo). Treinar é mais difícil do que ensinar.

Precisamos nos lembrar de que, em média, as pessoas precisam ouvir uma informação sete vezes ou mais para conseguirem guardá-la hoje em dia. Além disso, a maioria das pessoas não entende uma coisa realmente até ela que seja posta em prática. Por isso, os pastores devem ser treinados para treinarem congregações para realmente serem teólogos e apologetas leigos.

Os pastores devem, então, desafiar a congregação a usar suas habilidades para alcançar os perdidos e ajudar uns aos outros. E todos os que forem treinados devem ajudar a tomar conta dos mais jovens, para que tenham certeza que de conhecem sua fé tão bem que não irão sucumbir aos pobres argumentos do ateísmo. Isso significa que os pastores devem implementar programas rigorosos para as pessoas que lhes foram confiadas por Deus.

Eu recomendaria alguns recursos que eu acredito que todos os pastores e líderes de igreja deveriam ler depois, mas por enquanto é suficiente dizer que se você quer que sua congregação produza discípulos ao invés de alvos fáceis para os ateus, treine seu povo, principalmente os que estão no seu grupo de jovens!

Note, por favor, que os dias de nos focarmos apenas em alicerces, prédios e orçamentos terminaram. Não vivemos mais em Jerusalém, mas somos um povo exilado na Babilônia. Se continuarmos tentando entreter ao invés de treinar, abrandar ao invés de aprofundar, evadir ao invés de engajar, estaremos correndo atrás do vento.

 

Por Matt Rawlimgs

Traduzido por Filipe Espósito e revisado por Jonathan Silveira.

Texto extraído de: http://tuporem.org.br/como-as-igrejas-treinam-criancas-a-serem-ateistas/