Arquivo da tag: Discipulado

Você é responsável por seus filhos

19986079

“Ouve, Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é um. Você amará o Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma e com todas as suas forças. Estas palavras que eu lhe ordeno hoje estarão em seu coração. Você vai ensiná-los com diligência aos seus filhos, e você vai falar deles quando você se sentar em sua casa e quando você caminha pelo caminho, quando você se deita e quando se levanta. Vocês devem ligá-los como um sinal à sua mão, e eles serão para insígnias entre seus olhos. Você deve escrevê-los nos posts da sua casa e nas suas portas, “Deuteronômio 6: 4-9.

Esta passagem é conhecida como Shema, e é uma das mais importantes orações para os judeus. É vital que consideremos esse texto com cuidado, pois nos ensina muitas coisas valiosas. Um deles é a importância de ensinar a Palavra de Deus aos nossos filhos.

Um mandato para todos

O mandato no Shema é para todo homem e mulher do povo de Deus, e enfatiza a responsabilidade primária dos pais: educar seus filhos na fé.

A formação espiritual e o discipulado devem se originar e ter sua maior força e profundidade nas casas. Isso não é apenas visto no Shema; Ao longo da Escritura, encontramos o testemunho de que Deus espera que os pais sejam os primeiros professores de nossos filhos nos caminhos e mandamentos de nosso Deus.

Provérbios 22: 6 diz: “Treina a criança em seu caminho, e quando ele for grande não se afastará disso”. Este texto é um princípio sábio dado por um pai a outros pais. Temos a responsabilidade de ensinar nossos filhos no caminho do Senhor e fazê-lo, embora de forma alguma garantam sua conversão, definitivamente será uma grande benção para suas vidas.

Por outro lado, Jesus, em seu décimo segundo ano, encontrou-se a discutir questões teológicas com os rabinos de sua época. Isso pode ser parcialmente atribuído à solidez com que Joseph e Mary o discípularam desde tenra idade. Não podemos esquecer que Jesus é Deus, mas também um homem que “cresceu em sabedoria e estatura, e em favor de Deus e dos homens” (Lucas 2:52).

É fácil perceber que a família é a instituição de vida mais importante para o desenvolvimento de uma pessoa. Por isso, Deus projetou que a formação espiritual dos filhos seja cultivada e modelada pelos pais. E isso não significa simplesmente rezar antes de cada refeição com eles, mas também cimentar um ensinamento sólido e completo de todo o conselho de Deus. É por isso que, no Shema, Deus é muito claro sobre a constância, frequência e intencionalidade da formação espiritual que devemos ter para os nossos filhos: “Vocês os ensinarão diligentemente aos seus filhos, e você falará deles quando se sentir em casa E quando você caminha pelo caminho, quando você se deitar e quando você se levanta “(Deuteronômio 6: 7).

Quais são as suas prioridades?

Os pais devem procurar que nossas prioridades sejam alinhadas com a ordem de Deus. Vivemos em um mundo acelerado que nos obriga a correr em todas as direções, constantemente nos tentando a deixar de lado a formação espiritual de nossos filhos. No final, reduzimos suas instruções a uma hora no domingo e por alguém que nem sequer conhecemos. Embora a escola dominical para crianças seja uma grande benção, não deve ser o principal lugar para a educação espiritual e bíblica de nossos filhos.

Os pais são responsáveis ​​pela saúde espiritual de nossa esposa e nossos filhos. Os homens são chamados a ser sacerdotes em nossa casa e guias espirituais dos membros de nossas casas. Somos responsáveis ​​diante de Deus para ensinar-lhes a Palavra de Deus e sua aplicação. Devemos ensiná-los a orar, a ler as Escrituras e a valorar as disciplinas espirituais.

O teólogo Jonathan Edwards disse: “Toda família cristã deve ser uma pequena igreja, consagrada a Cristo, e influenciada e governada inteiramente pelos Seus mandamentos. A educação e a ordem da família são alguns dos melhores meios de graça “. 1

Seja fiel à sua chamada

Gostaria de motivá-lo a começar ou a retomar com entusiasmo e perseverança o trabalho da formação dos discípulos mais imediatos que Deus nos deu: nossos próprios filhos. Convido-vos juntos a receber esta nobre comissão como uma oportunidade única por parte de Deus para a formação de futuros homens e mulheres que podem ser uma benção para o nosso mundo. As crianças são uma benção do Senhor e uma oportunidade incrível de treinar mais discípulos que trazem benção ao mundo e glória ao Seu Nome.

 

[1] Sermão de despedida (The Works of Jonathan Edwards, Vol. I, p.

Autor

Juan D. Rojas é o pastor da Igreja Casa Vida em Tamarindo, Costa Rica. Ele também é o fundador do movimento Casa Vida Plantation e um aluno de mestrado no Southern Baptist Theological Seminary.

Fonte Original: Site The Gospel Coalition

Quem é Patrick Morley?

CN-Interviews-Patrick-Morley-On-Right-Living-For-Christian-Men

PATRICK MORLEY

PRESIDENTE E CO-CEO HOMEM NO ESPELHO

Por três décadas Patrick Morley tem sido considerado como uma das mais respeitadas autoridades dos Estados Unidos sobre os desafios e oportunidades únicas que os homens enfrentam.

 

Depois de passar a primeira parte de sua carreira no mundo altamente competitivo do desenvolvimento imobiliário, Patrick tem sido usado em todo o mundo para ajudar os homens a pensar mais profundamente sobre suas vidas.

 

Em 1973, Patrick fundou Morley Properties, que, por vários anos, foi saudada como uma das 100 maiores empresas privadas da Flórida. Durante este tempo ele foi o presidente ou sócio-gerente de 59 empresas e parcerias.

 

Todas as manhãs de sexta-feira desde 1986, Patrick ensinou um estudo bíblico a aproximadamente 10,000 homens – 150 homens vivem em Orlando, Flórida e os outros através de um webcast de Vídeo Estudo Bíblico através da Internet em todos os 50 estados e em todo o mundo.

 

Em 1989, ele escreveu The Man in the Mirror, um livro de marco que derramou de sua própria busca de significado, propósito e um relacionamento mais profundo com Deus. Com mais de 3.000.000 de cópias, este livro best-seller capturou os homens imaginação em todo o mundo, e foi selecionado como um dos 100 mais influentes livros cristãos do século XX. Ele escreveu 20 livros – seis dos quais têm sido aclamados pela crítica – e tem leitores em mais de 48 países.

 

Em 1991, Patrick fundou o Homem no Espelho com uma visão “para cada igreja de discipular cada homem.” Eles impactaram 12.000.000 homens através de 35.000 igrejas.O ministério está atualmente contratando Diretores de Área para ajudar as igrejas em suas regiões a discipular os homens de forma mais eficaz Eles quebraram os Estados Unidos em 330 regiões de 1.000 igrejas.

 

Através de sua fala e escrita ele é um incansável defensor dos homens, encorajando e inspirando-os a mudar suas vidas em Cristo. Ele escreveu mais de 750 artigos para ajudar homens e líderes, tem aparecido em várias centenas de programas de rádio e televisão, blogs quase diariamente e fala a homens diariamente através do programa de rádio The Man in the Mirror, realizado por mais de 700 estações em todo o país.

 

“O ministério do Homem no Espelho existe”, diz Patrick Morley, “em resposta às orações de todas aquelas esposas, mães e avós que há décadas rezam pelos homens em suas vidas”.

 

Patrick Morley graduou-se com honras da universidade da Florida central, que o selecionou para receber seu distintivo Alumnus concessão em 1984. Ganhou um PhD na gerência e terminou estudos de pós-graduação na escola de negócio de Harvard e na universidade de Oxford, e graduou-se de Reformed Seminário Teológico. Ele mora em Winter Park, FL, com sua esposa, Patsy. Eles têm dois filhos casados ​​e quatro netos.

A QUESTÃO DE OURO QUE PODE AJUDÁ-LO A SER MAIS EVANGELÍSTICO

0c8bfdd29bf5c524bc768d4516955fdc-600x316

Ao longo de quatro décadas, perguntei a vários milhares de homens uma pergunta de ouro sobre si mesmos. Todos têm estado ansiosos para responder. Na verdade, não era, mas, tanto quanto me lembro, todos sempre respondem. É praticamente uma pergunta perfeita.

Por quê?

Talvez porque, quem não quer falar sobre si mesmo? E sem dúvida, uma grande parte disso é que quando eu pergunto eu tenho um sorriso não-ameaçador e que não julga no meu rosto, as pessoas podem realmente sentir que eu sou sincero, realmente quero uma resposta, e dou sinais de quero uma resposta: A) longa e b) resposta “real”.

Às vezes eu converso bastante com eles, mas geralmente é depois que eu pergunto o que eles fazem no trabalho e se eles têm uma família. Para manter aquelas conversas curtas, eu não faço muitas perguntas de acompanhamento.

Então eu faço a Questão Dourada, “Onde você está em sua jornada espiritual?”

É tão bom porque todos contribuem com algum pensamento. Eu não o uso como um “truque.” Eu realmente quero saber. Invariavelmente eles dizem algo que eu tenho sido por mim mesmo. Então, ele se torna um diálogo. Eu nunca converso como se tivesse “todas as respostas”, porque eu realmente não acho que as tenho.

Depois de termos conversado e compartilhado várias coisas, e dependendo do que eles dizem e como o Espírito conduz, eu

  1. a) convido-os para o café da manhã, almoço ou café para falar mais;
  2. B) convido-os para nosso estudo bíblico ou igreja; Ou
  3. c) se eu acho que estamos conversando uma única vez, eu dou-lhes um livro. Na verdade, eu ofereço a todos um livro, mesmo que nunca volte a vê-los. E se alguém está claramente pronto para se tornar um cristão, eu lhes convido a se achegar a Cristo e passo a ajudá-los a orar a oração para pedir perdão e receber Jesus.

Às vezes é apenas uma semente no caminho rochoso. Mas geralmente é algo que têm dado diversos frutos. Acredito que várias centenas de vezes pessoas foram trazidas para mim porque o Senhor sabia que eu seria fiel para compartilhar o evangelho com eles, e eles receberam Cristo.

Em 1 Coríntios 4: 2 diz: “Agora, o que se requer desses encarregados é que devem ser encontrados fiel”. Então eu gosto de perguntar (o tempo todo sobre muitas coisas), “Como é que se parece o fiel?” Meu trabalho é ser fiel, não produzir um resultado particular.

Minha definição de evangelismo é simplesmente levar alguém até onde eles querem ir em direção a Jesus naquele momento. Essas duas últimas frases eliminam toda a pressão.

“Onde você está em sua jornada espiritual?” Você vai perguntar a uma pessoa que você se encontra nas próximas 24 horas esta pergunta?

Eu prevejo que você gostará d. E se ela capturar, ela dará uma nova dimensão ao seu ministério pessoal.

De Patrick Morley

Texto traduzido e publicado com a devida permissão do autor.

Discipulado: o que é, o que fazer e como começar

5-desafiando-gigantes

Texto de Bobby Jamieson

Nota do editor: Este é um folheto que a liderança da Capitol Hill Baptist Church distribui a novos membros. Pensamos que pode ser útil também a outras igrejas, embora você precise alterar os detalhes necessários.

 

Novos membros de igreja têm muitas perguntas. Uma muito comum é: Como eu me envolvo em um relacionamento de discipulado?

 

Que importante pergunta! Discipulado é crucial para o nosso crescimento cristão enquanto indivíduos, assim como para tornar o evangelho visível em nossa vida comunitária como igreja. Assim, nós fazemos todo o possível para cultivar uma cultura de discipulado em nossa igreja.

 

  1. O que queremos dizer por “discipulado”?

 

Em certo sentido, quase tudo o que fazemos como igreja local é sobre ser e fazer discípulos. Os cânticos cantados, as orações oradas e, certamente, os sermões pregados todos almejam nos edificar para sermos discípulos que glorifiquem a Deus.

 

Mas, neste folheto, temos algo mais específico em mente ao usarmos a palavra “discipulado”. Estamos pensando particularmente em relacionamentos individuais. Mais formalmente, estamos falando sobre o encorajamento intencional e o treinamento de discípulos de Jesus com base em relacionamentos deliberadamente amorosos.

 

Jesus nos diz para acompanharmos uns aos outros deste modo: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (João 15.12). Como Jesus amou os seus discípulos de maneiras que possam ser imitadas? Ele os amou intencional, propositada, humilde, alegre e normalmente. Vamos pensar nessas descrições.

 

Intencional: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros […]” (João 15.16a). Jesus não simplesmente esbarrou em seus discípulos; ele tomou uma amorosa iniciativa. Ele os escolheu. O amor semelhante ao de Cristo não é passivo; ele toma iniciativa. Amar outros cristãos como Cristo nos amou significa tomar a iniciativa.

 

Propositado: “e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (João 15.16b). O amor de Cristo por seus discípulos é propositado. Ele os chamou a darem fruto para a glória de Deus. Em outras palavras, o seu amor não é meramente sentimental, mas tem o compromisso maravilhoso de glorificar a Deus. Se havemos de amar uns aos outros como Cristo nos amou, certamente iremos compartilhar os objetivos de Jesus para conosco, isto é, o bem espiritual dos nossos amigos e a glória de Deus por meio da alegria deles no evangelho.

 

Humilde: Jesus diz: “Como o Pai me amou, também eu vos amei” (João 15.9) e “Já não vos chamo servos, […] mas tenho-vos chamado amigos” (João 15.15a). Jesus condescende em ser nosso amigo, muito embora esteja ele infinitamente acima e além de nós em majestade, santidade e honra. Certamente, então, nós devemos nos relacionar com toda a humildade com nossos irmãos e irmãs com quem compartilhamos a queda. Nós os tratamos como amigos a quem amamos, não como “projetos” ou “inferiores”. Nós não nos colocamos por cima, antes honramos e cuidamos.

 

Alegre: “Tenho-vos dito isso para que a minha alegria permaneça em vós” (João 15.11, ARC). Jesus nos ordena a amarmos uns aos outros a fim de conhecermos a sua alegria. Cuidar de outros cristãos e encorajar o seu crescimento na graça pode ser trabalho árduo. Mas é um trabalho maravilhoso e Jesus diz que é um trabalho que traz alegria!

 

Normal: Jesus torna esse tipo de discipulado amoroso o seu mandamento básico para todo o seu povo e, assim, algo normal para todos os cristãos. Ouça novamente: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. Não é surpreendente que você encontre essa conversa sobre o discipulado cristão básico ao longo da Palavra de Deus:

 

“Exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hebreus 3.13).

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Romanos 12.10).

“Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente, como também estais fazendo” (1 Tessalonicenses 5.11).

O Novo Testamento está cheio de tais exortações. Jesus e os apóstolos não desejavam que o discipulado entre cristãos fosse excepcional, e sim normal.

 

Como um membro de nossa igreja, nós desejamos que você seja

 

intencional,

proposital,

humilde

e alegre

à medida que nós trabalhamos juntos para tornar normal esse tipo de relacionamento entre indivíduos.

 

Faça isso deixando que as pessoas o conheçam. Faça isso trabalhando para conhecê-las. De fato, todo o nosso trabalho consiste em cultivar uma cultura de discipulado neste lugar.

 

  1. O que queremos dizer por uma “cultura de discipulado”?

 

Você provavelmente ouvirá bastante essa expressão entre nós. A maioria dos dicionários define “cultura” mais ou menos como “os valores, objetivos e práticas compartilhados que caracterizam um grupo”. É basicamente isso o que temos em mente no que se refere ao discipulado em nossa igreja. Nós não queremos apenas um programa, queremos que o amor e o encorajamento mútuos sejam um valor, um objetivo e uma prática que caracterizem cada um de nós de maneira crescente.

 

Programas formais não são necessariamente ruins, mas nós queremos ter certeza de que não nos desviamos do ideal bíblico. E o ideal bíblico, como dissemos, é nos tornarmos um lugar em que seja normal tomar a iniciativa de fazer o bem espiritual uns aos outros. Nós não precisamos nos inscrever em nada nem obter permissão alguma para começarmos a amar nossos companheiros de membresia dessa maneira. Tampouco você deseja uma igreja na qual o discipulado ocorre apenas quando sustentado pela liderança. Essa não é uma igreja saudável! Não, nós queremos que você ore e pense em como pode se envolver. E então converse com um presbítero ou algum outro membro sobre suas oportunidades e mordomias peculiares.

 

  1. O que eu devo fazer em um relacionamento de discipulado?

 

O aspecto mais significativo de qualquer relacionamento de discipulado, com frequência, não é exatamente o que vocês fazem ao se encontrarem, mas o fato de vocês edificarem um relacionamento que tenha a verdade bíblica em seu âmago. Desse modo, não há um “programa estabelecido” para relacionamentos de discipulado em nossa igreja. Os membros fazem uma variedade de coisas:

 

Reúnem-se semanalmente para discutir o sermão de domingo, um livro cristão ou um livro da Bíblia.

Participam juntos de um Seminário Essencial[1] e discutem aplicações específicas para a vida uns dos outros.

Convidam membros solteiros para se ajuntarem às devoções familiares.

Acompanham mães com crianças pequenas em suas caminhadas.

Ajudam pais no trabalho de jardinagem e buscam conselhos.

Agendam “dias de jogos” para as crianças e conversam sobre o sermão dominical da noite.

Os exemplos abundam e os locais de encontro são flexíveis. O que é importante, de novo, é que você busque uma ocasião na qual tenha tempo para se relacionar com outro membro com o alvo intencional de encorajar e ser encorajado pela verdade da Palavra de Deus.

 

Então, seja criativo! Mas seja intencional com respeito a amar uns aos outros do melhor modo, o mais elevado e mais bíblico – almejando fazer o bem espiritual a outra pessoa.

 

Se você necessitar de ainda mais ajuda para pensar em relacionamentos de discipulado, nós temos um Seminário Essencial de treze semanas a respeito de discipulado. Participe dele na próxima vez que for oferecido, nas manhãs de domingo, às 9h30min. Ou baixe a apostila da aula sobre discipulado em www.capitolhillbaptist.org.[2]

 

  1. Como eu posso entrar em um relacionamento de discipulado?

 

Há três maneiras de estabelecer um relacionamento de discipulado em nossa igreja. Primeiro, tome a iniciativa pessoal de tentar construir um relacionamento de discipulado com qualquer outro membro (do mesmo gênero seu, por favor). Não é preciso nenhuma permissão da liderança! Em vez disso, chegue cedo à igreja. Fique até tarde. Participe das refeições após os cultos nas noites de domingo. E comece a conhecer outras pessoas. Com o tempo, esperamos que você começará a construir o tipo de relacionamento no qual essas coisas acontecem naturalmente.

 

Segundo, peça ao líder do seu pequeno grupo sugestões e auxílio, se você participar de um pequeno grupo (o que não é obrigatório). Eles podem não estar livres para se encontrar com você regularmente, mas, à medida que o conhecerem melhor, possivelmente eles poderão ajudá-lo a se conectar com outro membro que possa fazê-lo.

 

Terceiro, se nenhum desses caminhos resultarem num relacionamento de discipulado regular, sinta-se livre para contatar um dos líderes da igreja para obter ajuda. Sempre há um número de membros que, por causa da agenda, da geografia ou de outras razões, têm dificuldade em se conectarem individualmente a outros membros. Nesses casos, a liderança da igreja tem o prazer de ajudar. Apenas ligue para o gabinete e agende com um dos pastores auxiliares.

 

Nós o encorajamos, de fato, a começar por sua própria iniciativa. Isso pode levá-lo a alongar, ou até mesmo desenvolver, os músculos da disciplina e do evangelismo que irão servir a você mesmo e a outros por anos a fio. Você pode descobrir que fazer isso é uma das experiências mais satisfatórias em sua vida como cristão. E você pode se ver compreendendo mais claramente o que Jesus pretendia ao dizer: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13.35).

 

Notas:

[1] N.T.: Seminários Essenciais (Core Seminars) são classes de escola dominical para adultos, oferecidas na Capitol Hill Baptist Church, com o objetivo de ajudar os membros a compreenderem “as sutis complexidades e as abrangentes verdades do nosso Deus e da teologia, do ministério e da história que ele escreveu”.

[2] N.T.: Em inglês.

 

Tradução: Vinícius Silva Pimentel

Revisão: Vinícius Musselman Pimentel

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Ministrando a um convertido e ex-abusador sexual

abuso-sexual-infantil-55-631

Texto de Brian Croft

Recebi muitas perguntas difíceis no workshop na noite de segunda-feira. Mas essa continua sendo especialmente difícil para mim. Aqui estava a natureza da pergunta de um pastor:

Como eu e nossa igreja ministramos a um homem que aparenta ser radicalmente convertido, deseja vir à nossa igreja, mas foi um pedófilo condenado e abusador sexual de longa data?

Aqui estão alguns pensamentos:

Devemos tentar ministrar a um homem como esse, especialmente se ele é convertido. Ninguém deve ser afastado das nossas portas, desde que Jesus foi visto com o mais vil dos pecadores. O evangelho é todo sobre isso! No entanto, você não pode ignorar o “elefante na sala”. Aqui estão algumas sugestões, tendo lidado com isso de maneiras comparáveis ??antes:

1) Nomeie um “anfitrião” para ele enquanto estiver na igreja. Escolha um homem muito confiável cuja única tarefa naquele dia seja encontrá-lo no estacionamento, caminhar com ele e ficar junto a esse homem. Escolha um anfitrião que seja espiritualmente maduro, gracioso, que entenda a importância da sua função, mas que não o fará se sentir como um preso na igreja.

Explique ao ofensor em questão que esse é o papel do homem e que deve ser visto com ele o tempo todo. Escolha um anfitrião que o levará a conversar com os outros e essa será uma boa maneira para esse visitante conhecer e conversar com pessoas que, de outro modo, ele poderia não se sentir confortável e vice-versa.

2) Informe de alguma forma e com antecedência à igreja sobre o que está acontecendo (e-mail, reunião de membros, etc.), para que eles saibam que você está tomando precauções estritas para proteger a segurança das pessoas, e especialmente das crianças. Isso permite que a igreja como um todo “mantenha a vigilância” de uma forma amorosa.

3) Informe semanalmente sobre a situação todos aqueles que trabalham com as crianças e informe quem é o “anfitrião” do homem para a semana atual. Dê-lhes a liberdade de fazerem perguntas, já que sentem ter a responsabilidade de proteger seus próprios filhos, bem como as crianças em sua classe nessa semana.

4) Uma falha e você o retira. Não há período de graça para esse homem. Se ele for encontrado sozinho sem seu “anfitrião” uma vez… é o suficiente. Ele precisa ser colocado em uma posição de ser amado pelo povo, mas ele deve estar ciente da sua responsabilidade como um pastor diante de Deus de proteger as ovelhas, em primeiro lugar.

5) Lembre ao seu povo que esse é o objetivo do evangelho. Jesus morreu pelos mais miseráveis ??dos pecadores e nós merecíamos o mesmo castigo por nossos pecados da parte de nosso Deus justo e santo que esse homem merece por sua rebelião contra Deus e crimes contra os outros. Se ele realmente é convertido, você deseja que o seu povo se alegre na esperança do evangelho mais do tenha medo por seus filhos, quando eles virem esse homem chegando. Pastorear através do ensino e exemplo é como Deus, pelo seu Espírito, formará essa cultura em sua igreja local ao longo do tempo.

Eu louvo a Deus pela oportunidade que você tem de lembrar o seu povo do evangelho e de quão suficiente, poderosa e gloriosa a misericórdia de Deus é em Cristo! Mas seja sábio também, querido irmão. Saiba com certeza que o inimigo está rondando como um leão em seu meio, desejando usar essa situação para dividir a sua igreja… ou pior. Eu peço ao Senhor que lhe dê grande sabedoria, discernimento e graça ao tentar cuidar desse homem e do seu povo através da chegada dele.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: How does a church minister to a coverted, sex offender?

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

 

Cara, Onde Está Sua Noiva?

 

hdbebpueipde

Quando prego em diferentes lugares, uma das perguntas geralmente feita por mulheres, jovens em particular, é mais ou menos esta: “O que acontece com os homens?”

Não são mulheres zangadas. Sua pergunta é mais triste do que petulante. Não tenho muita certeza por que elas fazem essa pergunta. Talvez porque acabaram de ler meu livro, Faça Alguma Coisa (Just Do Something), e imaginam que as entendo, ou talvez pensem que eu posso ajudar. Geralmente logo depois fazem outro comentário para me exortar: “Por favor, fale aos homens da nossa geração e diga-lhes que sejam homens.”

Elas estão se referindo ao casamento. Conheci dezenas de jovens mulheres, tementes a Deus, em diversos lugares, que perguntam: “Para onde foram os homens ‘casáveis’?” Muitos comentaristas — cristãos e outros — percebem uma tendência entre os homens jovens; isto é, que eles não estão amadurecendo. Recentemente o artigo de William Bennett na CNN “Por que os Homens Têm Problemas” (Why Men Are in Trouble) chamou muita atenção. O ponto alto está resumido na sentença final: “Chegou a hora dos homens serem homens.” Parecem até palavras bíblicas (1 Coríntios 16.13).

Virtualmente cada pessoa solteira que eu conheço quer se casar. E mesmo assim, leva cada vez mais tempo o adiamento do casamento. Os padrões culturais têm algo a ver com isso. A economia ruim também não ajuda. Mas existe mais alguma coisa que confunde. Visite qualquer igreja e você vai conhecer mulheres cristãs atraentes, inteligentes, maduras que querem se casar e praticamente nenhum homem para cortejá-las. Geralmente essas mulheres estão em cursos de pós-graduação e podem até estar iniciando uma carreira. Mas não são feministas. Estão ansiosas para abraçar o papel de esposa e mãe. A maioria das mulheres que conheci não despreza o papel de ajudadora. Parece que simplesmente não existem muitos candidatos por aí.

 

O que está acontecendo? Por que existem tantas jovens mulheres solteiras, com formação universitária, que levam a sério o cristianismo, comprometidas com a igreja, mulheres bem resolvidas que não encontraram um companheiro, e não vêem quaisquer possibilidades no horizonte?

Talvez as mulheres tenham padrões inatingíveis. É uma possibilidade em algumas circunstâncias. Tenho certeza de que há alguns rapazes lendo isto e dizendo: “Eu tenho cortejado essas jovens, Kevin! E elas me desprezaram.” Algumas mulheres talvez estejam esperando um Príncipe Encantado. Mas na minha experiência esse não é o grande problema. Padrões exagerados? Não geralmente. Alguns padrões? Com certeza!

Em outros casos, algumas mulheres talvez estejam tão ansiosas para se casar que tornam nervosos os candidatos que demonstram algum interesse. Existe uma linha tênue entre antecipação e desespero. Os homens não dispostos a discutir detalhes do casamento após o primeiro encontro… Eles entram em pânico — e ficam bem assustados.

Esse caminho de solteirice prolongada é um caminho de duas mãos. Mas penso que o problema reside principalmente nos homens. Ou pelo menos, sendo homem posso identificar os problemas dos homens mais depressa. Vejo duas situações.

Primeira, os homens cristãos que são “bons rapazes” precisam ter um pouco de — qual é a palavra que estou procurando — de ambição. Os pastores, em algum ponto, têm ralhado contra o vídeo games. Mas o problema não está realmente nisso, mas o que isso pode representar (mas nem sempre). É o quadro de um rapaz com 20 e poucos ou 30 e poucos anos que não parece querer nada da vida. Talvez tenha um emprego. Talvez more ainda com seus pais. Essas coisas estão fora de controle. Há uma diferença entre um indivíduo que está se esforçando para conseguir alguma coisa e outro que parece satisfeito em assistir filmes, comer pizzas congeladas em um minúsculo apartamento, assistir futebol 12 horas no sábado, aparecer na igreja durante uma hora no domingo e, então, voltar para casa a fim de assistir mais futebol.

Não acho que as mulheres jovens estejam esperando um “Príncipe Encantado”,  que já tenha duas casas, três carros e uma personalidade como a de Dale Carneggie. Simplesmente querem um homem com alguma substância. Um homem que tenha planos. Um homem com alguma profundidade intelectual. Um homem que tome iniciativas e saiba conversar. Um homem que tenha consistência. Um homem que leve a serio o seu trabalho e não brinque com a sua fé. Um homem com um pouco de vontade de ter sucesso na vida. Um homem que possam imaginar sustentando uma família, orando com os filhos na hora de dormir, cortando a grama no sábado, e disposto a levar a família à igreja aos domingos. Onde estão os garotos que querem se transformar em homens?

A segunda situação talvez seja simplesmente que não tenhamos bastante homens na igreja. Talvez o problema maior não seja com os simpáticos rapazes cristãos que não têm ambição, nem maturidade e compromisso. Talvez tenhamos muitos homens assim na igreja, mas estejam todos casados e não têm muitos irmãos andando por aí. Não sei qual é o problema maior, a falta de homens bons ou a falta de homens em geral. Talvez haja uma combinação das duas coisas. A igreja precisa educar os rapazes que tem. E com “educar” não quero dizer “dar um polimento” e integrá-los em um ministério para solteiros para escolher uma companheira. Eu não creio que a maioria dos cristãos solteiros esteja à procura de uma comunidade cristã cheia de intrometidos. Mas uma igreja cheia de homens piedosos, envolvidos, respeitáveis e respeitados, maduros. É um projeto que vale à pena iniciar.

Portanto, o que se pode fazer a respeito de um grupo cada vez maior de mulheres solteiras? Quatro coisas me vêm à mente.

Todos devem orar. Orar para receber o cuidado providencial de Deus, crendo que a piedade com alegria é um dom. Se você é solteira, ore mais por um tipo de cônjuge que você deve ser do que o tipo de cônjuge que você quer ter. Ore também pelos casais e famílias da sua igreja. Se você é casada, ore pelas pessoas solteiras de sua igreja, pelos que nunca se casaram e aqueles que estão divorciados ou viúvos. Todas as pessoas devem orar para começar a servir o Senhor agora, não importa qual seja o estágio da vida em que se encontra ou deseja estar.

Mulheres, não se fixem na busca de um compromisso cristão sólido no casamento, mas certifique-se que sua lista de exigências não exclua a todos os homens, exceto o “Sr. Perfeito”.

Igrejas, não transformem a igreja numa imensa caverna de homens ou de machismo, mas pensem por que sua igreja foi desnecessariamente emasculada. Vocês desafiam e exortam? Vocês cantam hinos a Jesus que os homens possam cantar com sinceridade? A “comunhão” na sua igreja sempre focaliza atividades nas quais os homens tipicamente não se qualificam como ficar sentado e falar sobre seus sentimentos: Sua igreja pretende especificamente discípular os homens — particularmente homens jovens no colegial ou na faculdade? Agarre-os enquanto jovens e os faça crescer na adolescência e não mais tarde.

Homens, vocês não precisam ser ricos e não precisam escalar posições de liderança. Vocês não precisam ter carros e deixar a barba crescer. Mas chegou a hora de tomar uma pequena iniciativa — na igreja, na sua carreira e com as mulheres. Parem de dar voltas e procurem um alvo. Provavelmente é uma boa idéia parecer um pouco mais com o seu avô e um pouco menos com o Capitão Jack Sparrow. Menos ainda com o Peter Pan. Dêem provas de ambição piedosa. Assumam alguns riscos. Parem de namoricar e — se Deus não o estiver chamando para um serviço celibatário — comecem a procurar uma esposa.

 

Traduzido por: Yolanda Mirdsa Krievin

Do original em inglês: Dude, Where’s Your Bride?.

Autor Kevin DeYoung

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

NÓS PODEMOS RESOLVER OS DOIS PROBLEMAS MAIS GRANDES QUE OS HOMENS ENFRENTAM COM UMA ÚNICA SOLUÇÃO

340361

Problema # 1

Muitos homens estão em apuros. Eles trocaram a verdade de Deus por uma mentira e a glória de Deus por um ídolo.

O resultado? Eles estão cansados, desiludidos e confusos. Seus casamentos estão pendurados por um fio. E seus filhos não entendem por que seu pai está sempre com tanta raiva.

Eles não se sentem como alguém entende o que eles estão passando – ou cuidados. O estresse  é esmagador.

É uma situação tóxica.

Alguns desses homens sabem por que eles estão fora da pista, mas a maioria não. Se eles pudessem ter resolvido seus problemas por conta própria, isso já teria acontecido até agora.

Você conhece homens como este em sua igreja, local de trabalho e bairro?

Esses homens precisam de ajuda.

Esses homens necessitam desesperadamente de alguém para os discipular no evangelho de Jesus.

Enquanto isso, temos outro problema igualmente grande, mas oposto.

Problema # 2

Muitos homens cristãos querem desesperadamente que suas vidas façam a diferença. Eles amam a Deus e querem levar uma vida totalmente rendida ao Senhorio de Jesus. Abrilhados pela graça, eles se sentem compelidos a servir a Deus como uma expressão de sua gratidão. Eles querem viver pela vontade de Deus.

Mas eles se sentem bloqueados. Eles não sabem como ajudar, ou o que eles têm para oferecer.

Como Deus providencia para resolver esses problemas?

A solução

A solução que transformará o primeiro grupo de homens é mobilizar o segundo grupo de homens para que se tornem não só discípulos, mas “discípulos que fazem discípulos”.

Resolver o segundo problema resolverá o primeiro problema também.

Porque, no entanto, o primeiro grupo de homens entrou em suas situações atuais, a única solução é discipulá-los.

Por quê? Porque fazer discípulos é o único plano de Deus para liberar o poder de seu evangelho sobre os problemas que esses homens enfrentam.

Não há vocação maior nem alegria maior do que para um homem discipular outro homem.

Mas a maioria dos homens cristãos não tem a confiança necessária para discipular outros homens – não importa quão desesperadamente eles querem fazer a diferença.

Isso é porque eles precisam ser treinados. Eles precisam de um plano. E eles precisam de ferramentas e recursos para discipular outros homens.

 

É aí que o nosso blog Homens ao Máximo pode ajudar. Bem como vocês podem encontrar ajuda e treinamento nos sites abaixo:

www.patrickmorley.com/blog/

www.disciplemen.org.

Traduzido e Publicado com autorização.

Link para o artigo em Inglês, Aqui!