Arquivo da tag: Discipulado

Conselhos Práticos e as Diferenças no Discipulado de Homens e Mulheres

Small Groups (people engaged)
Débora me chamou na sexta-feira porque estava passando por um momento difícil em seu casamento. Como muitos pastores, eu regularmente apago incêndios como esse. Eu conversei e orei com ela, e depois liguei para o seu marido para conversar sobre a situação.

Há mil questões nas quais tenho que meditar quando pastoreio João e Débora (que não são seus nomes verdadeiros). Eu invisto mais tempo em João e indico a Débora uma mulher piedosa? Eu encontro ambos para aconselhamento conjugal? Devo encontrar com Débora e, se sim, qual é a minha responsabilidade pastoral para com ela?

Mas não são apenas questões práticas com as quais preciso lutar em uma situação como essa. Em um nível mais básico, como o ensino bíblico sobre homens e mulheres fundamenta meu trabalho pastoral?

“Complementarismo” é um termo para o ensino bíblico que chama homens a uma liderança sacrificial tanto em casa quanto na igreja, e chama mulheres a alegremente se submeterem à mesma liderança.

Este curto artigo discorre sobre como o complementarismo afeta os detalhes práticos do aconselhamento e do discipulado. Duas questões definirão a nossa discussão: 1) Em que um pastor precisa pensar ao discipular e aconselhar um homem? 2) Em que um pastor precisa pensar ao discipular ou aconselhar uma mulher?

Pensamentos sobre o pastor discipulando homens

O que um pastor precisa ter em mente quando discípula e aconselha homens?

Uma visão bíblica para o discipulado masculino

Comecemos com uma visão bíblica para discipular homens: devemos encorajar a semelhança com Cristo através de discipulado pessoal. Homens cristãos mais velhos devem deliberadamente investir em homens cristãos mais jovens, encorajando seu crescimento espiritual (Tt 2.1).

Nossa visão bíblica pode ser expandida em duas maneiras específicas: 1) devemos encorajar homens a amar a Palavra de Deus (Sl 1.2; Js 1.8) e a amar o povo de Deus (Ef 4.11-16); 2) devemos encorajar os homens a uma liderança forte, sacrificial e servil no lar e na igreja. Homens são chamados a olhar para Cristo, imitando o seu serviço sacrificial que concede vida (Ef 5.21-33).

Estratégia prática para o discipulado masculino

Movendo da visão para a estratégia, vale a pena notar que pastores frequentemente negligenciam o desenvolver de fortes homens líderes na congregação, porque usam o seu tempo e energia defensivamente. A tirania da urgência governa as suas agendas. Eles permitem que seu tempo seja gasto de maneira reativa a várias crises, ou preparando lições, sermões e eventos para o domingo seguinte. Como resultado, muitos pastores não têm estratégia de longo prazo para cultivar liderança masculina na igreja e em casa. Como conseguimos tal estratégia?

Comece com pouco. Escolha poucos homens que têm o potencial para ser bons líderes e organize almoços regulares com eles. Seja proativo em construir um relacionamento com esses homens. E, se você tem uma equipe de liderança, encoraje-os a fazer o mesmo.

Discipular homens é extremamente importante. Como pastor, você deve ser exemplo para outros nisso. Mas se você quer mais resultados, você pode considerar desenvolver um grupo de discipulado masculino que ajude os homens a pensar teologicamente a respeito de tudo na vida. Escolha bons recursos teológicos que ajudem os homens a aplicar teologia a questões como casamento, comunicação, finanças, sexo, paternidade, trabalho secular, etc. Você pode encontrar um bom exemplo desse tipo de desenvolvimento de liderança no livro do pastor Mike McKinley Plantar Igrejas é Para os Fracos (veja o capítulo sete).

Pensamentos sobre o pastor discipulando mulheres

Se pastores deveriam discipular homens para serem líderes no lar e na igreja, como isso difere de discipular mulheres?

Uma visão bíblica para o discipulado feminino

Comecemos novamente com uma visão bíblica. Assim como com os homens, os pastores deveriam buscar encorajar uma maior semelhança com Cristo em discipulado pessoal, só que nesse caso, as mulheres devem fazer a grande maioria desse discipulado. No curso normal dos relacionamentos na igreja, os homens devem discipular homens e mulheres devem discipular mulheres. Então encoraje cristãs mais velhas a investir nas cristãs mais novas, ajudando-as a crescer espiritualmente, o que é precisamente o que Paulo manda Tito a fazer, ou seja, instruir as mulheres em sua igreja (Tt 2.3-5).

Como, então, um pastor (que é homem) deveria pensar sobre conhecer, cuidar e pastorear as mulheres em sua congregação?

Se pensamos em discipulado como orientação de longo prazo deliberada, não parece sábio que um pastor discipule uma mulher (por exemplo, encontrando-se com ela semanalmente ao longo de um ano). Nós devemos reservar esse tipo de orientação espiritual intensa para relacionamentos de gêneros específicos. Nos resta, então, o aconselhamento, que é uma atividade  de curto prazo.

Embora alguns argumentem que pastores nunca deveriam aconselhar uma mulher, isso não parece estar em concordância com o que a Escritura diz sobre o pastor conhecendo todas as suas ovelhas (At 20.28; Jo 10.12, 16), e o exemplo específico que Jesus define para nós. Em João 4, Cristo tem uma conversa muito pessoal com uma mulher samaritana, entre os dois somente. Pastores precisam sim pastorear pessoalmente as mulheres em suas congregações.

Quais são algumas das coisas específicas que os pastores deveriam encorajar as mulheres a fazer? Pastores devem encorajar o amor delas pela Palavra e pela igreja, o respeito pela autoridade, o desejo de tornar o lar primário (mesmo que elas trabalhem fora de casa) e o crescimento em evangelismo pessoal. Para mulheres casadas, os pastores devem encorajar a suscetibilidade à liderança do marido. Para mulheres solteiras, os pastores devem encorajá-las a seguir a autoridade piedosa na igreja, especialmente quando seu pai não está envolvido espiritualmente em sua vida.

Ainda assim, os pastores devem primariamente buscar pastorear mulheres nesses caminhos através da capacitação de mulheres na congregação para discipular outras mulheres. Como pastores podem facilitar e construir essa cultura de mulheres discipulando mulheres?

Estratégia prática no discipulado feminino

Para construir uma cultura na igreja que encoraja o discipulado entre mulheres, os pastores devem ensinar sobre a importância do discipulado sempre que isso naturalmente surgir na Escritura durante uma série de sermões nos domingos. O objetivo nisso é encorajar as mulheres mais velhas da igreja a discipular as mais jovens.

Podemos também ensinar sobre discipulado em outros locais. Por exemplo, na minha igreja nós regularmente oferecemos um seminário no sábado sobre discipulado para ajudar novos membros a pensar em como serem discipulados e em como discipular outros. Também oferecemos uma classe de EBD de três meses de duração sobre discipulado todos os anos. Na última vez que ensinamos na classe, eu abordei várias mulheres mais velhas na igreja e as encorajei a participar. Ensino e modelo ajudam a construir uma cultura na igreja que leva a sério o discipulado.

Essas são algumas maneiras de construir uma cultura de discipulado, mas como o pastor pastoreia pessoalmente os membros do sexo feminino? Obviamente, haverá diversas oportunidades para fazer reuniões de aconselhamento em grupo, onde o pastor fornece conselhos gerais e aconselhamento bíblico para os problemas diários da vida.

Se o problema requer mais do que uma reunião, o pastor tem que julgar quando o aconselhamento de curto prazo precisa passar a ser um discipulado de longo prazo. Mas antes que as coisas sequer alcancem esse ponto, muitos pastores precisam parar de se reunir por causa das pressões de suas agendas cheias. Ao invés de eles mesmos se reunirem com as mulheres, eles sabiamente conectam o membro do sexo feminino com outra pessoa na igreja (como um membro feminino da diretoria, a esposa do pastor ou uma mulher mais velha na congregação) ou alguém de fora que possa ajudar (como uma conselheira local ou uma organização para eclesiástica que seja especializada em questões como violência doméstica).

 

Para aconselhar mulheres sabiamente, os pastores precisam criar alguns limites:

Limite o número de reuniões que você tem com qualquer mulher. Você deve ser cuidadoso para não alimentar uma dependência emocional do pastor. Especialmente, no caso de mulheres em maus casamentos, você não deve ser um substituto emocional ou espiritual de seus maridos.

Seja muito, muito cauteloso com mulheres emocionalmente dependentes. Mulheres muito necessitadas anseiam por encontrar um homem que deem atenção a elas, e pastores frequentemente possuem um ouvido compreensivo e são bons ouvintes. Embora você deva sim oferecer aconselhamento gentil e piedoso, você não deve alimentar intimidade ou dependência emocional errôneas.

Sempre que possível — dependendo da situação de sua família — inclua a sua esposa

Certifique-se de fazer o aconselhamento em um gabinete onde você seja sempre muito visível. Coloque a sua cadeira na linha de visão daqueles fora do gabinete. Se a porta do seu gabinete não tiver vidro, substitua por uma que tenha.

Faça aconselhamento com mulheres apenas durante horário comercial, para que a secretária da igreja ou outros funcionários estejam presentes no prédio da igreja. Nunca fique sozinho com uma mulher na igreja para que você seja sempre irrepreensível (1Tm 3.2).

Se possível, posicione a mesa da secretária próximo à porta do seu gabinete

Alguns pastores preferem manter a porta escorada levemente aberta (ou totalmente aberta), certificando-se de que, caso a secretária ouça a conversa, mantenha o sigilo.

Não faça aconselhamento em uma parte isolada da igreja, mas em algum lugar onde haja bastante movimento, com pessoas passando constantemente.

Certifique-se de que pelo menos um membro da diretoria conheça (ou pelo menos tenha acesso à) sua agenda. Se ninguém mais sabe o que você está fazendo, há mais potencial para você esconder coisas.

Certifique-se de que você tenha uma prestação de contas regular com outro pastor ou líder em sua igreja, o que inclui conversar sobre as suas mais difíceis situações de aconselhamento.

O privilégio de pastorear o rebanho de Jesus

Que privilégio imenso é ser um pastor auxiliar de Jesus. Quer sejam homens ou mulheres, esperamos cuidar bem das ovelhas confiadas ao nosso cuidado. Pastores, aprendam com o exemplo de Cristo: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas” (Jo 10.11).

 

 

Autor: Deepak Reju

Fonte: 9Marks

Tradução: Alan Cristie

Via: Ministério Fiel

http://reformados21.com.br/2017/09/20/conselhos-praticos-e-as-diferencas-no-discipulado-de-homens-e-mulheres/

 

Anúncios

Ministério de Homens – Café da Manhã (Série) 

cafezinho

Nesta série de artigos – Ministério com Homens, estaremos trazendo várias dicas de como iniciar e realizar um bom trabalho com os meninos, rapazes e homens de sua igreja, família e comunidade. 

 

Na dica de hoje, trago como uma excelente ação em prol de criar e fortalecer relacionamentos dentro da igreja, bem como evangelizar homens e rapazes não cristãos – o café da manhã dos homens na Igreja. 

 

Pude ver essa ação sendo realizada pela Primeira Igreja Batista de Cajueiro, aqui em Recife/PE. Onde uma vez por mês, normalmente no primeiro sábado de cada mês, logo cedo de manhã das 7h as 9h, realizam esse encontro de homens, rapazes e meninos para juntos orarem, compartilhar uma palavra e testemunho de conversão e transformação de vida em Jesus, louvar ao Senhor juntos. E logo após esse momento de comunhão com Deus e edificação mútua, tomam um maravilhoso café da manhã juntos. 

 

Essa é uma das ações do ministério de homens dessa igreja. E que serve como dica para as demais igrejas, de uma maneira excelente de iniciar e realizar o ministério de homens em sua igreja. E que benefícios podemos colher disso: 

  • Criar e fortalecer relacionamentos. Pois começar o dia orando, louvando ao Senhor, ouvindo a Sua Palavra, ouvindo o testemunho de conversão e transformação no Senhor e finalizando com um café da manhã abençoado. Não tem como não serem criados e fortalecidos os relacionamentos de amizade e família dentro de um clima e ambiente cristão como esse e tantos outros que a igreja nos proporciona. 
  • Ocorre edificação do Corpo de Cristo (Mateus 18:20). Pois é um momento rico para haver encorajamento, consolação, aconselhamento mútuo, correção e exortação amorosa, oração e intercessão, ensino e pregação da Palavra de Deus, testemunhos, etc. 
  • É uma oportunidade de pregar e anunciar o Evangelho a homens e rapazes que ainda não seguem e servem ao Senhor Jesus; 
  • Discipular e treinar homens que discipulem e cuidem de outros homens (2 Timóteo 2:1-2). Mais do que nunca devemos nos preocupar e investir tempo e recursos no discipulado dos homens de nossas igrejas e famílias. Com o objetivo de que eles alcancem outros para Cristo e assim por diante. 

 

Esses são alguns dos benefícios pelos quais vale a pena investir nesse tipo de programação para a sua igreja. Uma dica que pode ser implementada nesse café da manhã (antes, durante ou depois) seria um momento de prestação de contas (que pode ser em dupla, pequenos grupos de 3 pessoas ou no coletivo), onde os homens estariam livres para fazer confissões de tentações, lutas e fracassos, dizer como foi a semana, como está a vida devocional deles, áreas de suas vidas em que eles tem avançado, etc. 

 

Resumindo e como forma de sugestão 

Café da Manhã dos Homens 

Período do dia: Manhã 

Horário ideal: 7h as 9h 

Regularidade: Inicialmente 1 vez por mês. Podendo ser semanal ou 2 vezes por mês. 

Programação: Boas Vindas, Oração, Louvor, Palavra Devocional, Testemunho, Oração e Ação de Graças. E o café da manhã. 

 

 

 

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.” 

Salmo 133:1 

 

Em Cristo Jesus, 

Filipe Paulo Christian 

Por que participar de um curso de noivos?

dia-dos-namorados-ideias-romântico

Infelizmente, são pouquíssimas as igrejas que oferecem aos jovens noivos um curso de noivos ou aconselhamento pré-nupcial, ou mesmo acompanhe o casal em seus primeiros anos de casamento, orando, aconselhando, mostrando o seu próprio exemplo, etc.

 

 
E por conta disso, nos deparamos com homens e mulheres imaturos, inseguros e despreparados para a vida a dois. Muitos casais acabam se separando mesmo com poucos anos de casados e por motivos banais. Ou acabam vivendo e enfrentando muitas dificuldades internas e externas ao casamento e não sabendo lidar com elas, acabam por sucumbir.

 

 
Minha intenção e oração é que se em sua igreja ou região existe um curso de noivos, que você noivo participe de maneira intencional e ativa. Mas se não tem que você procure seu pastor, para um aconselhamento pré-nupcial, para conversar, expor preocupações e lutas, perguntar e tirar dúvidas sobre sexualidade, família, casamento e tudo o mais que envolva a vida a dois.

 
Bom seria ou será que toda igreja cristã desenvolvesse bons cursos de noivos, a fim de preparar, orientar e ajudar os jovens namorados e noivos para viverem o casamento de maneira a glorificar a Deus.

 
Pois infelizmente, vejo inúmeras iniciativas para cuidar de casais casados, mas nenhuma ou pouquíssimas para preparar e treinar os futuros casais, evitando assim, ter que se preocupar e gastar tempo em aconselhamentos e acompanhamento para tratar de problemas que poderiam ter sido tratados e resolvidos antes mesmo de surgirem ou se tornarem maiores (como por exemplo nas áreas financeira, sexual, emocional, familiar, profissional, etc).

 
Trago nesse artigo, alguns bons e importantes motivos para participar de um curso de noivos:

 

– Para aprender sobre casamento

O curso de noivos visa preparar os noivos para a vida a dois, com suas alegrias e desafios. É diferente de você ler livros sobre casamento ou mesmo ouvir pregações a respeito, pois em um curso de noivos você e sua noiva terão temas e áreas do casamento abordadas de maneira particular e abrangente.
Como por exemplo: Sexualidade, Finanças Pessoais, Criação de Filhos, Os papeis do Homem e da Mulher, Relacionamento com a família dela e vice-versa, etc.

 
– Para ouvir as experiências e testemunhos de casais casados
Normalmente, os cursos de noivos são ministrados e realizados por pessoas casadas. Ou seja, que já passaram por diversas experiências que você como noivo, já passou e irá vivenciar. Como por exemplo paquera, namoro, noivado, casamento, filhos,etc.
Bem como experiências e coisas mais especificas deles de maneira a trazer lições para a sua vida e relacionamento.

 
– Para estarem preparados para o futuro breve

Brevemente, você estará casado com sua noiva. E fica uma pergunta: Você está preparado para o casamento? Para deixar a vida de solteiro? E viver com um homem casado e comprometido com uma só mulher? Você realmente ama e desejar estar com sua noiva pra vida inteira? Formar uma família com ela? E Inclui-la em sua vida?
Essas são perguntas que vale a pena você refletir a respeito e conversar com outros homens casados, maduros e cristãos genuínos. Bem como seu pastor ou o casal responsável poderá lhe fazer perguntas semelhantes a estas e, o que você responderá?

 

– Tirar dúvidas e perguntar
O curso de noivos ou aconselhamento pré-nupcial é o momento e lugar certos para você perguntas sobre qualquer assunto relacionado a casamento e família. Expor suas dúvidas e encontrar respostas não meramente teóricas, mas baseadas na Palavra de Deus e na prática de casais que amam e vivem o que Deus nos ordena e recomenda na Bíblia.
– Para se expor e sermos tratados por Deus através de nossos irmãos e irmãs
Outro motivo importante para participar de um curso de noivos é expor problemas, tentações, lutas e dificuldades diversas que direta ou indiretamente podem afetar o seu casamento antes mesmo de começar ou durante a caminhada a dois de vocês.
E que problemas ou questões podem ser estas?
Descontrole financeiro, vícios (álcool, drogas, pornografia, gula), um passado problemático, um histórico de depravação sexual no passado, uma família problemática, falta de iniciativa masculina, insubmissão feminina, conciliar trabalho e estudos, etc.

Aqui neste artigo, pude trazer alguns dos principais motivos para você e sua noiva participar de um curso de noivos ou mesmo procurarem ter com seu pastor um aconselhamento pré-nupcial ao longo de seu noivado.

Em meu noivado com minha esposa, pude participar de um curso de noivos e frequentar um discipulado voltados para namorados, noivos e casados é ser imensamente abençoado por esse rico tempo de formação, preparo e orientação para o casamento.

 

Hoje desfruto de frutos desse tempo de preparo, como por exemplo: ter momentos devocionais com minha esposa, dedicar tempo para o dialogo com ela diariamente, estarmos sempre em contato com nossas famílias de origem e vice-versa, ajudar nas tarefas domésticas, se preocupar com o bem estar espiritual, emocional e físico de minha esposa, etc.

Num tempo em que muitos se preparam para o fracasso, que possamos ser uma geração de homens e mulheres que se preparam para Glorificar a Deus e render-lhe Glória, Honra e Louvor por meio de nossas vidas e casamento.
“E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.”
Gênesis 2:18

Em Cristo Jesus,
Filipe Paulo Christian

Todo cristão deve estar envolvido no “ministério da Palavra”

man-with-bible

Quando olhamos para o Novo Testamento e para o livro de Atos em particular, vemos que o evangelho se espalhou e a igreja cresceu através da proclamação e ensino da “Palavra de Deus” (Atos 6.7; 12.24; 19.20). Essa deve ser a base para todo e qualquer ministério em nossas congregações: devemos ser “baseados na Palavra”. Esse é o ponto de partida. Mas observe o que era o “ministério da Palavra” no Novo Testamento:

(1) algo feito por todos os crentes (Atos 8.4) e (2) era em grande parte (embora não exclusivamente) feito através de uma rede de relações informais e amizades (Atos 10.2, 24; 16.15, 31).

Em harmonia com isso, também observamos no livro de Atos que o “ministério da Palavra” na igreja primitiva tinha um propósito encorajador (crente com crente) e uma vertente evangelística (crente com incrédulos).

A questão é que todo cristão deve estar envolvido no “ministério da Palavra” em uma dessas formas. Alguns de nós são encorajadores e podem se aproximar de crentes jovens ou em dificuldades e conectar a Palavra de Deus, fazendo com que ela seja aplicada em suas vidas.

Alguns de nós somos melhores com os incrédulos e podemos conectar a Palavra de Deus, aplicando-a às suas vidas. Um dos sinais de um cristão saudável (na verdade, de uma igreja saudável) é que este “ministério da Palavra” está operando em uma série de diferentes níveis e em diferentes contextos em uma base regular. Aqui estão algumas maneiras em que este ministério poderia e deveria estar acontecendo:

1. Espontaneamente: Trata-se de quando nos envolvemos com alguém (ou mais de uma pessoa) completamente de modo voluntário e fora do “programa” normal da igreja. Por exemplo, encontramos alguém nas lojas e acabamos conversando. Isso, por sua vez, termina em um estudo bíblico não planejado. Em outras palavras, não é uma “reunião marcada” ou um “evento específico”, mas uma oportunidade dada por Deus que intuitivamente aproveitamos.

É claro que isso exige flexibilidade da nossa parte, bem como uma abertura ao Espírito Santo e às necessidades das pessoas ao nosso redor. Significa ser menos “focado na tarefa” em nossos dias e deixar espaço para o que eu chamo de “espontaneidade organizada”. Peça ao Senhor para intervir em seu dia e esteja preparado para ser espontâneo quando necessário. Algumas das minhas maiores oportunidades vêm por essa abordagem à vida e às pessoas.

2. Relações pré-existentes: Há algum crente que conhecemos que se beneficiaria de reunir-se conosco e estudar as Escrituras? Existe um crente maduro que você conhece do qual você poderia se aproximar para que ele o ajudasse em sua caminhada cristã e melhorasse a sua compreensão bíblica? Existe um incrédulo que você conhece que poderia ativamente conhecer melhor? Às vezes, só precisamos arriscar.

3. Propositadamente: Devemos aprender a tomar mais a iniciativa em nossos relacionamentos com as pessoas. Eu, 99% das vezes, tomarei a iniciativa com alguém para ir jogar bilhar, ou levá-lo para tirar documentos, ou fazer um estudo, pois eu sinto que tenho o dever de fazê-lo, mas também porque as pessoas sempre assumem que o outro está “muito ocupado” para eles.

Nós vivemos em uma época maravilhosa agora. Sim, há muitos céticos e aborrecedores lá fora, mas também há muitos que estão curiosos e abertos a descobrir mais. Há pessoas deprimidas e solitárias ao nosso redor, marginalizadas pela nossa cultura tecnológica com seus mundos virtuais e amizades online. Há uma grande quantidade de material disponível para os cristãos usarem, tanto internamente, dentro das nossas igrejas, quanto externamente, com o mundo incrédulo.

Recentemente, li um relatório que sugere que muitos cristãos não estão conseguindo alcançar as pessoas com o evangelho por uma das três razões:

(1) Nós não temos alegria em nossa vida (nenhum poder).

(2) Nós não temos humildade e respeito pelos incrédulos. Simplesmente não conseguimos nos preocupar com eles.

(3) Nós não temos coragem. Nós tememos o que as pessoas pensarão ou como reagirão a nós.

Descubra qual é o seu problema persistente e leve-o ao Senhor em arrependimento. Vamos nos envolver no ministério da sua Palavra.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silvo

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.
Autor
Mez McConnell
É pastor sênior da Niddrie Community Church, Edimburgo, Escócia. É fundador do 20schemes.

4 dicas para discipular seus filhos

familiaBiblia

Os pais têm a grande oportunidade e responsabilidade de serem professores e guias espirituais para os seus filhos. Deus nos confiou essa tarefa muito importante e devemos ser diligentes nela.
Em um artigo anterior, refletimos sobre este assunto, a partir de Deuteronômio 6: 4-9, a passagem conhecida pelos judeus como o Shema.

“Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.
Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.
Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-as na testa.
Escreva-as nos batentes das portas de sua casa e em seus portões.”
No Shema, Moisés nos chama ao reconhecimento de Yahweh como o único Deus verdadeiro. Ele nos chama a refletir sobre a essência monoteísta de Deus e nos exorta a amá-Lo com todo nosso coração, alma e força. Ele também nos ordena manter suas palavras em nossos corações sempre e ensiná-las fielmente aos nossos filhos em todos os momentos.
Você é responsável por seus filhos!
Sabemos que a família é o núcleo social mais importante e de maior impacto; É aí que os homens e as mulheres que construirão a sociedade amanhã serão formados. Os pais (não professores de crianças na igreja) são responsáveis ​​pela formação espiritual de seus filhos. No entanto, é possível que muitos de nós se sintam sobrecarregados com a tarefa. Nós nos perguntamos, “como?”. Por onde eu começo? O que devo fazer?
Quero oferecer alguns conselhos para os pais que querem instruir fielmente seus filhos no caminho da sabedoria. Eu acho que eles serão úteis tanto para aqueles que só querem começar e para aqueles que já têm tempo para fazê-lo e precisam de incentivo ou novas estratégias.

1. Seja um exemplo.
Em primeiro lugar, você, como pai e líder espiritual de sua família, deve reconhecer o Senhor como aquele que merece sua adoração. Para isso, você deve ser diligente em seu próprio estudo sobre a Palavra de Deus; para que você possa conhecer Jesus e amá-lo cada vez mais. Então você pode ensinar – com paixão e exemplo – a bênção que é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre. Mostre-lhes o que você vive. Que sua vida seja o modelo do que eles querem para suas próprias vidas.
2. Leia e explique.
Reserve algum tempo do dia ou da semana para reunir sua esposa e filhos juntos e ler a Bíblia juntos. Você é seu pastor, então você vai ler uma passagem da Bíblia para eles. Eles podem ler dois ou três versos, não precisa ser nada extenso. É muito importante esclarecer que isso não requer nenhum tipo de preparação antecipada. Basta escolher um livro da Bíblia e começar a ler; Na próxima vez que você encontrar, você continuará lendo no lugar onde você ficou.
Depois de terminar a leitura, peça a seus filhos que lhe perguntem algo sobre o que lêem, para que você possa responder. Você também pode pedir-lhes algo simples, e então você se compromete em prestar atenção. Além disso, eles podem falar um pouco sobre como aplicar o que é lido para a vida de cada um. A dinâmica variará dependendo das idades das crianças, mas o importante é o hábito de ter um tempo juntos como uma família meditando na Palavra de Deus.

3. Orem juntos.
Depois de ler a Bíblia, você pode pedir pedidos de oração para seus filhos e orar por eles e com eles. Dependendo da idade, eles também podem orar. O objetivo é orar pelas necessidades uns dos outros e reconhecer juntos que dependem de Deus.
Não esqueça que você está lidando com crianças. Esta vez não precisa ser “perfeito”, mas real, genuíno e cheio de amor. Deixe-os ser filhos diante de Deus.
4. Cante juntos.
Eles podem memorizar alguma música, ou colocar louvores que eles gostam no YouTube ou no Spotify. Louvem e cantem juntos ao Senhor. O povo de Deus sempre foi caracterizado por ser um povo que também adora com música. Você quer ensinar isso a seus filhos desde uma idade precoce. Além disso, que benção pode ser maior do que adorar a Deus juntos como uma família?
Mais idéias e recursos

Nos primeiros anos, você provavelmente quer lê-los – de preferência todos os dias – livros de história da Bíblia. Desta forma, eles começarão a conhecer a Bíblia e o Deus da Bíblia. À medida que você cresce, você pode dar mais alimentos sólidos. Você também pode brincar com eles para memorizar versos. Dependendo do desenvolvimento de cada criança, de talvez oito ou nove, você pode começar a ensinar doutrina, de modo que o fundamento de sua fé seja fortalecido.

Ler outros livros além da Bíblia pode ser muito útil. “O progresso do Peregrino” de John Bunyan é uma boa escolha; Você também pode ler biografias de grandes homens e mulheres de Deus na história. A missão é estabelecer uma base sólida em suas vidas no início, de modo que eles tenham algo para apoiar e caminhar sozinhos. Queremos ser diligentes e disciplinados agora que os temos em casa, para que possamos liberá-los com confiança. Este é um assunto muito importante, e do qual há muito a ser dito. Se você quiser continuar aprendendo sobre o culto familiar, esses recursos podem ajudá-lo a detalhar:

• “Adoração em família” por Donald Whitney.

• “Como pastorear o coração do seu filho” por Tedd Tripp.

• “Como treinar o coração do seu filho” por Tedd e Marcy Tripp.

• “Parenting”, de Paul D. Tripp.

• “Adoração em família” de Joel Beeke.

Autor

Juan D. Rojas é o pastor da Casa Vida Church em Tamarindo, Costa Rica. Ele também é o fundador do movimento Casa Vida Plantation e um estudante de mestrado no Southern Baptist Theological Seminary.

Link para o Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/4-consejos-para-discipular-a-tus-hijos

 

Ensinando a Bíblia aos nossos filhos através da música

mente-sa-shutterstock-doutissima2

“E disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?”

Mateus 21: 16
Hoje, há pouco material musical cristão para crianças, e há letras de ensinos pouco profundos (ou básicos) bíblicamente. Foi por esta razão que fiquei emocionado quando encontrei Songs for Saplings  através de um artigo na Coalition. Essas músicas, que foram traduzidas para várias línguas, foram escritas para construir os membros mais pequenos de nossas igrejas: nossos filhos e filhas.
Fiquei muito impressionado com as letras e o que eles ensinaram sobre Deus e a criação, e eu não hesitei em entregar o material a uma família de três filhos de oito, seis e cinco anos. Seus filhos em um par de semanas já conheciam quase todas as músicas de cor. Eles os escutaram e cantavam cada vez que entravam no carro deles.
Ouvindo as músicas, amei a simplicidade, a clareza nas letras, a importância do ensino que ensinam e, mais importante, que em cada música há uma passagem bíblica de apoio (com o testemunho dos filhos da igreja) , que os pequeninos gostam muito.
No meu caso, não aprendi os atributos de Deus, as questões da criação e o propósito da criação até uma idade maior, mas esses pequenos já estavam aprendendo rapidamente o elemento desta informação em suas mentes e corações e com suas passagens bíblicas ! Eles não esquecerão essas músicas e, o mais importante: o que elas ensinam.

Uma mãe que também usa este material recentemente compartilhou comigo que é muito útil reafirmar o que ela ensina na teoria a seu filho. Ao aprender a música, o pequeno aprende a mesma informação e é muito mais fácil lembrá-la quando ele finalmente a entende ou a experimenta.
Eileen tem 9 anos e ela disse a sua mãe que ensinou aos colegas de classe que Deus é três pessoas e ficou surpresa que seus amigos não soubessem disso. Ela poderia facilmente lembrar a música, quantas pessoas existem na unidade de Deus?
Eu tenho uma filha de um ano e meio. É chamado de Uma. Quando criança, ele repetiu a pergunta e respondeu: “Quem criou você? Deus “. Foi uma grande alegria ouvir sua resposta pela primeira vez. ” Quem te criou?” “Diga! (Deus) “. Os pais têm um grande privilégio de que eles possam ensinar essas doutrinas importantes aos seus filhos desde que eram jovens. Além disso, acho que muitos pais também se beneficiarão de aprender e ensinar aos seus filhos juntos.
Na igreja, fizemos um livro de canções com as letras do primeiro volume, Deus e a criação. Notei que as crianças se juntaram com entusiasmo ao louvor. O mesmo aconteceu com um irmão que comentou: “Quando cantamos essas músicas, percebe-se que os grandes e os pequenos se unem em louvor ao nosso Deus. Não é o mesmo com outras músicas. ” De fato, realizamos duplas onde os pais fizeram perguntas e as crianças responderam. Nós realmente gostamos disso!

No meu caso, assim que tenho a oportunidade, não hesito em compartilhar o material com conhecidos, amigos e parentes; e sempre chegamos a dizer o mesmo, que o material é bom e ensina coisas importantes para as crianças.
Agora aguardamos a tradução dos próximos volumes de Songs for Saplings. Estou muito grato ao ministério pelo seu trabalho na produção de material muito bom e necessário para nossos filhos. Peço-lhe que se junte a mim em oração pelos irmãos que realizam as músicas e que podem apoiá-las em nossas possibilidades.

 

Nota do editor: se você quiser saber mais sobre o ministério Songs for Saplings, você pode visitar o sua página/site e fazer o download do primeiro volume gratuitamente.

Rubén Addimanda é casado com María Eugenia Dionich e é pai de Uma. Ele é membro da Igreja Cristã Bíblica em San Nicolás de los Arroyos, Argentina e estudante do Seminário Bíblico William Carey.

http://songsforsaplings.com/music/

Link para o Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/ensenandoles-la-biblia-a-nuestros-hijos-a-traves-de-la-musica

Você é responsável por seus filhos

19986079

“Ouve, Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é um. Você amará o Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma e com todas as suas forças. Estas palavras que eu lhe ordeno hoje estarão em seu coração. Você vai ensiná-los com diligência aos seus filhos, e você vai falar deles quando você se sentar em sua casa e quando você caminha pelo caminho, quando você se deita e quando se levanta. Vocês devem ligá-los como um sinal à sua mão, e eles serão para insígnias entre seus olhos. Você deve escrevê-los nos posts da sua casa e nas suas portas, “Deuteronômio 6: 4-9.

Esta passagem é conhecida como Shema, e é uma das mais importantes orações para os judeus. É vital que consideremos esse texto com cuidado, pois nos ensina muitas coisas valiosas. Um deles é a importância de ensinar a Palavra de Deus aos nossos filhos.

Um mandato para todos

O mandato no Shema é para todo homem e mulher do povo de Deus, e enfatiza a responsabilidade primária dos pais: educar seus filhos na fé.

A formação espiritual e o discipulado devem se originar e ter sua maior força e profundidade nas casas. Isso não é apenas visto no Shema; Ao longo da Escritura, encontramos o testemunho de que Deus espera que os pais sejam os primeiros professores de nossos filhos nos caminhos e mandamentos de nosso Deus.

Provérbios 22: 6 diz: “Treina a criança em seu caminho, e quando ele for grande não se afastará disso”. Este texto é um princípio sábio dado por um pai a outros pais. Temos a responsabilidade de ensinar nossos filhos no caminho do Senhor e fazê-lo, embora de forma alguma garantam sua conversão, definitivamente será uma grande benção para suas vidas.

Por outro lado, Jesus, em seu décimo segundo ano, encontrou-se a discutir questões teológicas com os rabinos de sua época. Isso pode ser parcialmente atribuído à solidez com que Joseph e Mary o discípularam desde tenra idade. Não podemos esquecer que Jesus é Deus, mas também um homem que “cresceu em sabedoria e estatura, e em favor de Deus e dos homens” (Lucas 2:52).

É fácil perceber que a família é a instituição de vida mais importante para o desenvolvimento de uma pessoa. Por isso, Deus projetou que a formação espiritual dos filhos seja cultivada e modelada pelos pais. E isso não significa simplesmente rezar antes de cada refeição com eles, mas também cimentar um ensinamento sólido e completo de todo o conselho de Deus. É por isso que, no Shema, Deus é muito claro sobre a constância, frequência e intencionalidade da formação espiritual que devemos ter para os nossos filhos: “Vocês os ensinarão diligentemente aos seus filhos, e você falará deles quando se sentir em casa E quando você caminha pelo caminho, quando você se deitar e quando você se levanta “(Deuteronômio 6: 7).

Quais são as suas prioridades?

Os pais devem procurar que nossas prioridades sejam alinhadas com a ordem de Deus. Vivemos em um mundo acelerado que nos obriga a correr em todas as direções, constantemente nos tentando a deixar de lado a formação espiritual de nossos filhos. No final, reduzimos suas instruções a uma hora no domingo e por alguém que nem sequer conhecemos. Embora a escola dominical para crianças seja uma grande benção, não deve ser o principal lugar para a educação espiritual e bíblica de nossos filhos.

Os pais são responsáveis ​​pela saúde espiritual de nossa esposa e nossos filhos. Os homens são chamados a ser sacerdotes em nossa casa e guias espirituais dos membros de nossas casas. Somos responsáveis ​​diante de Deus para ensinar-lhes a Palavra de Deus e sua aplicação. Devemos ensiná-los a orar, a ler as Escrituras e a valorar as disciplinas espirituais.

O teólogo Jonathan Edwards disse: “Toda família cristã deve ser uma pequena igreja, consagrada a Cristo, e influenciada e governada inteiramente pelos Seus mandamentos. A educação e a ordem da família são alguns dos melhores meios de graça “. 1

Seja fiel à sua chamada

Gostaria de motivá-lo a começar ou a retomar com entusiasmo e perseverança o trabalho da formação dos discípulos mais imediatos que Deus nos deu: nossos próprios filhos. Convido-vos juntos a receber esta nobre comissão como uma oportunidade única por parte de Deus para a formação de futuros homens e mulheres que podem ser uma benção para o nosso mundo. As crianças são uma benção do Senhor e uma oportunidade incrível de treinar mais discípulos que trazem benção ao mundo e glória ao Seu Nome.

 

[1] Sermão de despedida (The Works of Jonathan Edwards, Vol. I, p.

Autor

Juan D. Rojas é o pastor da Igreja Casa Vida em Tamarindo, Costa Rica. Ele também é o fundador do movimento Casa Vida Plantation e um aluno de mestrado no Southern Baptist Theological Seminary.

Fonte Original: Site The Gospel Coalition

Quem é Patrick Morley?

CN-Interviews-Patrick-Morley-On-Right-Living-For-Christian-Men

PATRICK MORLEY

PRESIDENTE E CO-CEO HOMEM NO ESPELHO

Por três décadas Patrick Morley tem sido considerado como uma das mais respeitadas autoridades dos Estados Unidos sobre os desafios e oportunidades únicas que os homens enfrentam.

 

Depois de passar a primeira parte de sua carreira no mundo altamente competitivo do desenvolvimento imobiliário, Patrick tem sido usado em todo o mundo para ajudar os homens a pensar mais profundamente sobre suas vidas.

 

Em 1973, Patrick fundou Morley Properties, que, por vários anos, foi saudada como uma das 100 maiores empresas privadas da Flórida. Durante este tempo ele foi o presidente ou sócio-gerente de 59 empresas e parcerias.

 

Todas as manhãs de sexta-feira desde 1986, Patrick ensinou um estudo bíblico a aproximadamente 10,000 homens – 150 homens vivem em Orlando, Flórida e os outros através de um webcast de Vídeo Estudo Bíblico através da Internet em todos os 50 estados e em todo o mundo.

 

Em 1989, ele escreveu The Man in the Mirror, um livro de marco que derramou de sua própria busca de significado, propósito e um relacionamento mais profundo com Deus. Com mais de 3.000.000 de cópias, este livro best-seller capturou os homens imaginação em todo o mundo, e foi selecionado como um dos 100 mais influentes livros cristãos do século XX. Ele escreveu 20 livros – seis dos quais têm sido aclamados pela crítica – e tem leitores em mais de 48 países.

 

Em 1991, Patrick fundou o Homem no Espelho com uma visão “para cada igreja de discipular cada homem.” Eles impactaram 12.000.000 homens através de 35.000 igrejas.O ministério está atualmente contratando Diretores de Área para ajudar as igrejas em suas regiões a discipular os homens de forma mais eficaz Eles quebraram os Estados Unidos em 330 regiões de 1.000 igrejas.

 

Através de sua fala e escrita ele é um incansável defensor dos homens, encorajando e inspirando-os a mudar suas vidas em Cristo. Ele escreveu mais de 750 artigos para ajudar homens e líderes, tem aparecido em várias centenas de programas de rádio e televisão, blogs quase diariamente e fala a homens diariamente através do programa de rádio The Man in the Mirror, realizado por mais de 700 estações em todo o país.

 

“O ministério do Homem no Espelho existe”, diz Patrick Morley, “em resposta às orações de todas aquelas esposas, mães e avós que há décadas rezam pelos homens em suas vidas”.

 

Patrick Morley graduou-se com honras da universidade da Florida central, que o selecionou para receber seu distintivo Alumnus concessão em 1984. Ganhou um PhD na gerência e terminou estudos de pós-graduação na escola de negócio de Harvard e na universidade de Oxford, e graduou-se de Reformed Seminário Teológico. Ele mora em Winter Park, FL, com sua esposa, Patsy. Eles têm dois filhos casados ​​e quatro netos.

A QUESTÃO DE OURO QUE PODE AJUDÁ-LO A SER MAIS EVANGELÍSTICO

0c8bfdd29bf5c524bc768d4516955fdc-600x316

Ao longo de quatro décadas, perguntei a vários milhares de homens uma pergunta de ouro sobre si mesmos. Todos têm estado ansiosos para responder. Na verdade, não era, mas, tanto quanto me lembro, todos sempre respondem. É praticamente uma pergunta perfeita.

Por quê?

Talvez porque, quem não quer falar sobre si mesmo? E sem dúvida, uma grande parte disso é que quando eu pergunto eu tenho um sorriso não-ameaçador e que não julga no meu rosto, as pessoas podem realmente sentir que eu sou sincero, realmente quero uma resposta, e dou sinais de quero uma resposta: A) longa e b) resposta “real”.

Às vezes eu converso bastante com eles, mas geralmente é depois que eu pergunto o que eles fazem no trabalho e se eles têm uma família. Para manter aquelas conversas curtas, eu não faço muitas perguntas de acompanhamento.

Então eu faço a Questão Dourada, “Onde você está em sua jornada espiritual?”

É tão bom porque todos contribuem com algum pensamento. Eu não o uso como um “truque.” Eu realmente quero saber. Invariavelmente eles dizem algo que eu tenho sido por mim mesmo. Então, ele se torna um diálogo. Eu nunca converso como se tivesse “todas as respostas”, porque eu realmente não acho que as tenho.

Depois de termos conversado e compartilhado várias coisas, e dependendo do que eles dizem e como o Espírito conduz, eu

  1. a) convido-os para o café da manhã, almoço ou café para falar mais;
  2. B) convido-os para nosso estudo bíblico ou igreja; Ou
  3. c) se eu acho que estamos conversando uma única vez, eu dou-lhes um livro. Na verdade, eu ofereço a todos um livro, mesmo que nunca volte a vê-los. E se alguém está claramente pronto para se tornar um cristão, eu lhes convido a se achegar a Cristo e passo a ajudá-los a orar a oração para pedir perdão e receber Jesus.

Às vezes é apenas uma semente no caminho rochoso. Mas geralmente é algo que têm dado diversos frutos. Acredito que várias centenas de vezes pessoas foram trazidas para mim porque o Senhor sabia que eu seria fiel para compartilhar o evangelho com eles, e eles receberam Cristo.

Em 1 Coríntios 4: 2 diz: “Agora, o que se requer desses encarregados é que devem ser encontrados fiel”. Então eu gosto de perguntar (o tempo todo sobre muitas coisas), “Como é que se parece o fiel?” Meu trabalho é ser fiel, não produzir um resultado particular.

Minha definição de evangelismo é simplesmente levar alguém até onde eles querem ir em direção a Jesus naquele momento. Essas duas últimas frases eliminam toda a pressão.

“Onde você está em sua jornada espiritual?” Você vai perguntar a uma pessoa que você se encontra nas próximas 24 horas esta pergunta?

Eu prevejo que você gostará d. E se ela capturar, ela dará uma nova dimensão ao seu ministério pessoal.

De Patrick Morley

Texto traduzido e publicado com a devida permissão do autor.

Discipulado: o que é, o que fazer e como começar

5-desafiando-gigantes

Texto de Bobby Jamieson

Nota do editor: Este é um folheto que a liderança da Capitol Hill Baptist Church distribui a novos membros. Pensamos que pode ser útil também a outras igrejas, embora você precise alterar os detalhes necessários.

 

Novos membros de igreja têm muitas perguntas. Uma muito comum é: Como eu me envolvo em um relacionamento de discipulado?

 

Que importante pergunta! Discipulado é crucial para o nosso crescimento cristão enquanto indivíduos, assim como para tornar o evangelho visível em nossa vida comunitária como igreja. Assim, nós fazemos todo o possível para cultivar uma cultura de discipulado em nossa igreja.

 

  1. O que queremos dizer por “discipulado”?

 

Em certo sentido, quase tudo o que fazemos como igreja local é sobre ser e fazer discípulos. Os cânticos cantados, as orações oradas e, certamente, os sermões pregados todos almejam nos edificar para sermos discípulos que glorifiquem a Deus.

 

Mas, neste folheto, temos algo mais específico em mente ao usarmos a palavra “discipulado”. Estamos pensando particularmente em relacionamentos individuais. Mais formalmente, estamos falando sobre o encorajamento intencional e o treinamento de discípulos de Jesus com base em relacionamentos deliberadamente amorosos.

 

Jesus nos diz para acompanharmos uns aos outros deste modo: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (João 15.12). Como Jesus amou os seus discípulos de maneiras que possam ser imitadas? Ele os amou intencional, propositada, humilde, alegre e normalmente. Vamos pensar nessas descrições.

 

Intencional: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros […]” (João 15.16a). Jesus não simplesmente esbarrou em seus discípulos; ele tomou uma amorosa iniciativa. Ele os escolheu. O amor semelhante ao de Cristo não é passivo; ele toma iniciativa. Amar outros cristãos como Cristo nos amou significa tomar a iniciativa.

 

Propositado: “e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (João 15.16b). O amor de Cristo por seus discípulos é propositado. Ele os chamou a darem fruto para a glória de Deus. Em outras palavras, o seu amor não é meramente sentimental, mas tem o compromisso maravilhoso de glorificar a Deus. Se havemos de amar uns aos outros como Cristo nos amou, certamente iremos compartilhar os objetivos de Jesus para conosco, isto é, o bem espiritual dos nossos amigos e a glória de Deus por meio da alegria deles no evangelho.

 

Humilde: Jesus diz: “Como o Pai me amou, também eu vos amei” (João 15.9) e “Já não vos chamo servos, […] mas tenho-vos chamado amigos” (João 15.15a). Jesus condescende em ser nosso amigo, muito embora esteja ele infinitamente acima e além de nós em majestade, santidade e honra. Certamente, então, nós devemos nos relacionar com toda a humildade com nossos irmãos e irmãs com quem compartilhamos a queda. Nós os tratamos como amigos a quem amamos, não como “projetos” ou “inferiores”. Nós não nos colocamos por cima, antes honramos e cuidamos.

 

Alegre: “Tenho-vos dito isso para que a minha alegria permaneça em vós” (João 15.11, ARC). Jesus nos ordena a amarmos uns aos outros a fim de conhecermos a sua alegria. Cuidar de outros cristãos e encorajar o seu crescimento na graça pode ser trabalho árduo. Mas é um trabalho maravilhoso e Jesus diz que é um trabalho que traz alegria!

 

Normal: Jesus torna esse tipo de discipulado amoroso o seu mandamento básico para todo o seu povo e, assim, algo normal para todos os cristãos. Ouça novamente: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. Não é surpreendente que você encontre essa conversa sobre o discipulado cristão básico ao longo da Palavra de Deus:

 

“Exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hebreus 3.13).

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Romanos 12.10).

“Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente, como também estais fazendo” (1 Tessalonicenses 5.11).

O Novo Testamento está cheio de tais exortações. Jesus e os apóstolos não desejavam que o discipulado entre cristãos fosse excepcional, e sim normal.

 

Como um membro de nossa igreja, nós desejamos que você seja

 

intencional,

proposital,

humilde

e alegre

à medida que nós trabalhamos juntos para tornar normal esse tipo de relacionamento entre indivíduos.

 

Faça isso deixando que as pessoas o conheçam. Faça isso trabalhando para conhecê-las. De fato, todo o nosso trabalho consiste em cultivar uma cultura de discipulado neste lugar.

 

  1. O que queremos dizer por uma “cultura de discipulado”?

 

Você provavelmente ouvirá bastante essa expressão entre nós. A maioria dos dicionários define “cultura” mais ou menos como “os valores, objetivos e práticas compartilhados que caracterizam um grupo”. É basicamente isso o que temos em mente no que se refere ao discipulado em nossa igreja. Nós não queremos apenas um programa, queremos que o amor e o encorajamento mútuos sejam um valor, um objetivo e uma prática que caracterizem cada um de nós de maneira crescente.

 

Programas formais não são necessariamente ruins, mas nós queremos ter certeza de que não nos desviamos do ideal bíblico. E o ideal bíblico, como dissemos, é nos tornarmos um lugar em que seja normal tomar a iniciativa de fazer o bem espiritual uns aos outros. Nós não precisamos nos inscrever em nada nem obter permissão alguma para começarmos a amar nossos companheiros de membresia dessa maneira. Tampouco você deseja uma igreja na qual o discipulado ocorre apenas quando sustentado pela liderança. Essa não é uma igreja saudável! Não, nós queremos que você ore e pense em como pode se envolver. E então converse com um presbítero ou algum outro membro sobre suas oportunidades e mordomias peculiares.

 

  1. O que eu devo fazer em um relacionamento de discipulado?

 

O aspecto mais significativo de qualquer relacionamento de discipulado, com frequência, não é exatamente o que vocês fazem ao se encontrarem, mas o fato de vocês edificarem um relacionamento que tenha a verdade bíblica em seu âmago. Desse modo, não há um “programa estabelecido” para relacionamentos de discipulado em nossa igreja. Os membros fazem uma variedade de coisas:

 

Reúnem-se semanalmente para discutir o sermão de domingo, um livro cristão ou um livro da Bíblia.

Participam juntos de um Seminário Essencial[1] e discutem aplicações específicas para a vida uns dos outros.

Convidam membros solteiros para se ajuntarem às devoções familiares.

Acompanham mães com crianças pequenas em suas caminhadas.

Ajudam pais no trabalho de jardinagem e buscam conselhos.

Agendam “dias de jogos” para as crianças e conversam sobre o sermão dominical da noite.

Os exemplos abundam e os locais de encontro são flexíveis. O que é importante, de novo, é que você busque uma ocasião na qual tenha tempo para se relacionar com outro membro com o alvo intencional de encorajar e ser encorajado pela verdade da Palavra de Deus.

 

Então, seja criativo! Mas seja intencional com respeito a amar uns aos outros do melhor modo, o mais elevado e mais bíblico – almejando fazer o bem espiritual a outra pessoa.

 

Se você necessitar de ainda mais ajuda para pensar em relacionamentos de discipulado, nós temos um Seminário Essencial de treze semanas a respeito de discipulado. Participe dele na próxima vez que for oferecido, nas manhãs de domingo, às 9h30min. Ou baixe a apostila da aula sobre discipulado em www.capitolhillbaptist.org.[2]

 

  1. Como eu posso entrar em um relacionamento de discipulado?

 

Há três maneiras de estabelecer um relacionamento de discipulado em nossa igreja. Primeiro, tome a iniciativa pessoal de tentar construir um relacionamento de discipulado com qualquer outro membro (do mesmo gênero seu, por favor). Não é preciso nenhuma permissão da liderança! Em vez disso, chegue cedo à igreja. Fique até tarde. Participe das refeições após os cultos nas noites de domingo. E comece a conhecer outras pessoas. Com o tempo, esperamos que você começará a construir o tipo de relacionamento no qual essas coisas acontecem naturalmente.

 

Segundo, peça ao líder do seu pequeno grupo sugestões e auxílio, se você participar de um pequeno grupo (o que não é obrigatório). Eles podem não estar livres para se encontrar com você regularmente, mas, à medida que o conhecerem melhor, possivelmente eles poderão ajudá-lo a se conectar com outro membro que possa fazê-lo.

 

Terceiro, se nenhum desses caminhos resultarem num relacionamento de discipulado regular, sinta-se livre para contatar um dos líderes da igreja para obter ajuda. Sempre há um número de membros que, por causa da agenda, da geografia ou de outras razões, têm dificuldade em se conectarem individualmente a outros membros. Nesses casos, a liderança da igreja tem o prazer de ajudar. Apenas ligue para o gabinete e agende com um dos pastores auxiliares.

 

Nós o encorajamos, de fato, a começar por sua própria iniciativa. Isso pode levá-lo a alongar, ou até mesmo desenvolver, os músculos da disciplina e do evangelismo que irão servir a você mesmo e a outros por anos a fio. Você pode descobrir que fazer isso é uma das experiências mais satisfatórias em sua vida como cristão. E você pode se ver compreendendo mais claramente o que Jesus pretendia ao dizer: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13.35).

 

Notas:

[1] N.T.: Seminários Essenciais (Core Seminars) são classes de escola dominical para adultos, oferecidas na Capitol Hill Baptist Church, com o objetivo de ajudar os membros a compreenderem “as sutis complexidades e as abrangentes verdades do nosso Deus e da teologia, do ministério e da história que ele escreveu”.

[2] N.T.: Em inglês.

 

Tradução: Vinícius Silva Pimentel

Revisão: Vinícius Musselman Pimentel

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.