Arquivo da tag: Homens de Honra

Pratique Boas Obras

Boas-Obras-Amor-em-Ação-FABE-1740x980

Texto-Bíblico: Tiago 2:14-26

As boas obras ou bons frutos não produzem, geram ou nos garantem a nossa salvação. Antes são frutos diretos de nossa salvação, de que somos filhos de Deus. Pois através de toda a criação (Céus e Terra), podemos ver as grandes e maravilhosas obras do nosso Deus.

E através de nossas vidas, o que o mundo deve ver, sentir e provar?

A nossa salvação e filiação com Deus, de que somos seus filhos, evidenciadas através de nossas boas obras ou bons frutos. Essas boas obras são ações do amor cristão que inevitavelmente acompanham a fé genuína em Jesus e na Palavra de Deus.

A Bíblia nos oferece diversos exemplos da prática de boas obras, como por exemplo: o centurião Cornélio (Atos 10), Dorcas (Atos 9), dentre outros exemplos.
Entendendo o que são as boas obras, vale também ressaltar o por que devemos praticar boas obras:
– Para que o Nosso Deus seja glorificado e conhecido em toda a terra (Mateus 5:13-16);

– Para testemunhar do poder salvador e transformador do Evangelho de Jesus em nossas vidas (Mateus 5:14-16);

– Para o bem estar de nossos irmãos, bem como daqueles que ainda não conhecem o Senhor Jesus (Atos 9:36-42);

– Para sermos praticantes da Palavra de Deus e não apenas ouvintes (Tiago 1:22-25);

– Para acumular-mos tesouros nos Céus e colhermos na Eternidade o que semeamos Aqui e Agora (Mateus 6:19-24/ 1 Timóteo 6:17-19).

Mas na prática o que são exemplos de boas obras? Pelas as Escrituras Sagradas, vemos diversos bons e excelentes exemplos. Mas basicamente é tudo o que nós cristãos, movidos por Amor ao Senhor, Sua Palavra e ao nosso próximo fazemos e manifestamos neste mundo.
Nas Escrituras Sagradas, encontramos exemplos de boas obras como: cuidar e honrar seus pais, amparar as viúvas e órfãos, dar esmolas, ofertar, contribuir financeiramente para o trabalho de evangelismo e missões, fazer roupas para os necessitados, dar de comer aos famintos, visitar enfermos e presos, acolher os refugiados, etc.
E além disso podemos destacar outros exemplos também, tais como doação de sangue ou/e medula óssea, realização de trabalho voluntário, realizar ações sociais em nossas comunidades e cidades, apoiar o trabalho missionário, usar os dons e talentos que Deus lhe deu para abençoar e servir vidas, escrever livros que abençoem vidas, inventar tecnologias que beneficiem as pessoas e o meio ambiente, investigar e descobrir a cura de diversas doenças (e tornar essa cura ou tratamento acessível a todos), criar e produzir conteúdos de mídia (livros, filmes, desenhos animados, séries, novelas, programas de tv, vídeos no youtube, etc.) que abençoem vidas e famílias, ajudar a reformar ou construir casas, gerar empregos, plantar árvores, etc.

generosidade
A lista é imensa do que podemos fazer de boas obras para Glorificar a Deus e abençoar vidas e famílias. Mas acima de tudo entedamos e nos lembremos sempre de que não somos salvos por causa de nossas “boas obras” e sim por causa da Maravilhosa Obra de Cristo na Cruz (Efésios 2:1-10), Que não devemos fazer, para aparecer ou nos destacar diante das pessoas (Mateus 6:1-4) e que tudo seja feito com humildade, alegria e amor genuíno.

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.”
1 Coríntios 10:31

Em Cristo Jesus,

Filipe Paulo Christian

Anúncios

Uma biografia de John Huss

Huss 1

 

“Se ele fosse profético, deve ter se referido a Martinho Lutero, que surgiu cerca de cem anos depois”. Assim escreveu John Foxe em seu Livro dos Mártires do século XVI, referindo-se a uma declaração atribuída ao reformador boêmio João Huss por ocasião de sua morte. Condenado por heresia em 1415 pelo Concílio de Constança, Huss — de acordo com uma história que se originou alguns anos após o fato — voltou-se para seus executores pouco antes da sua sentença ser realizada e afirmou: “Hoje vocês queimam um ganso, mas daqui a cem anos um cisne surgirá que vocês serão incapazes de cozer ou assar”.

 

Por que Huss se identificou como “um ganso”? E por que os comentaristas posteriores — nada menos que o próprio Lutero — acreditavam que a lendária profecia de Huss se referia ao monge alemão cujo protesto contra as indulgências iniciou a Reforma um século depois?

 

A primeira pergunta é mais fácil de responder do que a segunda. Huss, nascido por volta de 1372, era proveniente da cidade do sul da Boêmia, Husinec (literalmente, “Goosetown” [Cidade do ganso]), onde agora é a República Checa. Seu sobrenome, derivado do seu lugar de nascimento, significa “ganso” em tcheco. Compreender por que Lutero e os Protestantes mais tarde criam que Huss tinha antecipado, se não previsto, a Reforma é mais difícil e requer alguma consideração sobre a vida, doutrina e morte de Huss.

 

A vida de Huss

 

Em 1390, Huss, cujos primeiros anos permanecem desconhecidos, matriculou-se na Universidade de Praga com a intenção de treinar para o sacerdócio. Posteriormente, ele confessou que o ministério ordenado o atraiu por sua promessa de proporcionar uma vida confortável e estima mundana. Apesar de dedicar, por sua própria confissão, muito tempo para jogar xadrez, Huss se destacou em seus estudos e após receber o seu mestrado em 1396, vinculou-se à faculdade de filosofia da universidade.

 

Pouco depois de começar a ensinar, Huss experimentou, nas palavras de um biógrafo, uma “mudança radical e fundamental”, resultando em um compromisso mais profundo com Cristo. Essa “mudança” pode ter se originado da exposição ao pensamento de John Wycliffe, cujas ideias estavam começando a criar uma comoção em Praga. O programa de reforma de Wycliffe — que incluía críticas estridentes à imoralidade clerical, rejeição da doutrina medieval da transubstanciação e insistência sobre o acesso leigo à Escritura na língua vernácula — chegou à Boêmia graças, em grande parte, aos estudantes tchecos que estudaram na própria Universidade de Oxford de Wycliffe e voltaram para casa com as mentes repletas das ideias de Wycliffe e as mochilas cheias de livros de Wycliffe.

 

Em 1403, o conflito sobre as ideias de Wycliffe chegou ao ponto alto na Universidade de Praga. Embora Huss se opusesse à rejeição da transubstanciação de Wycliffe, concordou com muito do que o reformador inglês havia dito, e passou a defender o partido reformista pró-Wycliffe. Apenas um ano antes, Huss fora nomeado pregador da Capela de Belém, no centro de Praga. Seus sermões no púlpito de Belém refletiam cada vez mais a preocupação de Wycliffe com a corrupção no interior da igreja.

 

A pregação do “pequeno ganso de Deus”, como Huss veio a ser chamado, era imensamente popular, atraindo multidões de vários milhares. Huss estava desejoso de tornar as Escrituras e sua mensagem reformadora acessíveis ao povo. Ele não só pregou em tcheco, mas traduziu partes da liturgia, assim como vários hinos latinos para a língua vernácula. Ele mesmo aproveitou o espaço vazio na capela para promover a sua mensagem, colocando murais que contrastavam a humildade e simplicidade de Cristo com a vaidade e a ganância dos sacerdotes contemporâneos.

 

Em 1409, o papado, perturbado pela crescente fama de Huss, ordenou ao arcebispo de Praga que proibisse qualquer outra pregação na Capela de Belém. Huss se recusou a abandonar seu púlpito. No ano seguinte, o arcebispo excomungou Huss com base em heresia e logo depois fugiu da cidade por medo de represálias populares. Huss continuou pregando. Em 1411, o papado, que tinha então emitido uma segunda excomunhão de Huss (sem efeito), colocou toda a cidade de Praga sob interdito, proibindo, assim, o clero de Praga de oferecer sermões, casamentos, a eucaristia, ou outros serviços religiosos ao povo.

 

Inicialmente, o interdito do papa teve pouca força graças ao rei Wenceslaus IV, da Boêmia. Wenceslau (cujo nome desde o século décimo se tornaria depois o tema de um hino de Natal) apoiou Huss e ordenou ao clero de Praga que ignorasse o interdito. Em 1412, no entanto, as circunstâncias colocaram Huss e Wenceslau um contra o outro. O papado começou a vender indulgências na Boêmia para arrecadar dinheiro para uma campanha militar. Wenceslau não fez nenhuma objeção a isso, em grande medida porque recebeu uma parte dos ganhos. Mas Huss, que via a venda das indulgências como sinal da corrupção da igreja, protestou tanto do púlpito quanto da tribuna. O rei, ansioso para manter a sua renda recém-descoberta, proibiu a crítica das indulgências. Ele reforçou essa proibição ao decapitar vários homens que falaram contra as indulgências. A fim de enfraquecer ainda mais Huss, o rei agora mandou ao clero de Praga que cumprissem o interdito do papa.

67398

 

Huss, relutante em ver as pessoas privadas da Palavra e do sacramento, saiu de Praga em 1412. Passou os dois anos seguintes em exílio auto-imposto no sul da Boêmia, escrevendo obras que aprofundaram seus ideais reformadores. Em 1414, foi citado para comparecer perante o Concílio de Constança, para responder às acusações de heresia, e lhe foi prometido um retorno seguro do concílio pelo imperador Sigismundo, irmão do rei Wenceslaus. Huss concordou em participar do concílio, consciente de que ele não retornaria, mas esperançoso de que poderia ter oportunidade de promover sua visão para a reforma da igreja. Ao chegar em Constança, em novembro de 1414, ele foi aprisionado e permaneceu preso até o seu julgamento e execução no verão seguinte.

 

A teologia de Huss

 

Huss não era mero imitador de Wycliffe, como alguns estudiosos têm sugerido. Nem, como outros têm indicado, ele antecipou o protestantismo em todos os aspectos. Contra ambos, Wycliffe e os reformadores, ele defendeu a doutrina da transubstanciação, embora negasse que os sacerdotes por si mesmos têm o poder de realizar a transformação do pão no corpo de Cristo. Contra a doutrina protestante de sola fide, ele cria que a caridade desempenha um papel instrumental na justificação dos pecadores.

 

Contudo, Huss antecipou uma série de convicções-chave do protestantismo. Ele criticou a veneração idólatra dos seus contemporâneos de Maria e dos santos. Ele também criticou a prática medieval de reter o cálice do povo comum (por temor, ostensivamente, para que não lidassem de modo indevido com o sangue de Cristo) e oferecer-lhes apenas o pão na eucaristia. A insistência de Huss de que os leigos recebessem pão e vinho veio a marcar os seus seguidores de modo que, quando forçados a se defenderem militarmente após a morte de Huss, incorporaram um cálice no brasão.

 

Ele também antecipou os reformadores — e revelou a extensão de sua dívida com Wycliffe — em sua doutrina da igreja. Huss identificou a verdadeira igreja com aquele corpo invisível de crentes no passado, presente e futuro que foram eternamente eleitos por Deus para a salvação e incorporados em Cristo como a sua cabeça. Nem todos os membros da igreja visível, argumentou ele, pertencem à igreja invisível, e quando o clero em particular prova ser reprovado por suas ações, sua autoridade é suspeita. Essa doutrina baseou as severas críticas de Huss a sacerdotes e papas como “anticristo” e sua disposição em desconsiderar as bulas papais quando claramente contradiziam as Escrituras.

 

 

 

Intimamente relacionada com sua doutrina da igreja, estava a doutrina de Huss sobre as Escrituras. Huss rejeitou qualquer alegação de que a igreja visível, que em qualquer momento poderia ser mais povoada pelos réprobos do que pelos eleitos, exercia a infalibilidade em suas decisões ou interpretações da Escritura. Ele mantinha as vozes tradicionais na igreja, especialmente os pais da igreja, em alta consideração; na verdade, ele privilegiava a interpretação das Escrituras por parte dos pais da igreja sobre a interpretação de qualquer indivíduo, incluindo a sua própria. Mas Huss admitiu que até os pais poderiam errar. Assim, ele reconheceu a Sagrada Escritura como a única regra infalível da fé e prática cristã, uma visão que os reformadores expressariam com o slogan sola Scriptura.

 

A morte de Huss

 

Huss teve oportunidade limitada de defender sua doutrina no Concílio de Constança, e ele acabou sendo condenado por uma mistura de afirmações legítimas e espúrias sobre suas crenças. Ele foi chamado a negar os ensinamentos falsamente atribuídos a ele. Huss recusou-se a fazê-lo, embora selasse seu destino, porque não queria perjurar-se admitindo crenças que não possuía.

 

Em 6 de julho de 1415, Huss foi despojado das suas vestes clericais, enfeitado com um chapéu de burro com desenhos de demônios, amarrado a uma estaca, e queimado até a morte. De acordo com um relato de testemunhas oculares, ele confiou a sua alma a Deus e cantou um hino a Cristo enquanto as chamas o envolviam. Uma vez morto, as autoridades trituraram seus restos mortais e os jogaram no rio Reno para impedir que fossem venerados por seus seguidores. Ironicamente, Huss provavelmente teria apreciado esse gesto final.

 

Huss nunca pronunciou realmente a famosa profecia atribuída a ele na ocasião de sua morte. Ele expressou, numa carta que escreveu durante a sua prisão, a esperança de que “pássaros” mais fortes do que ele surgiriam para continuar seu trabalho. De fato, foi Lutero, em escritos da década de 1530, que transformou as palavras de Huss em um oráculo que encontrou sua realização nele. Seja como for, acredita-se que Huss se alegraria ao ver o dia de Lutero e ficaria feliz em reconhecer a obra de Lutero e os subsequentes esforços para reformar a igreja de acordo com a Palavra de Deus como uma continuação digna dos seus próprios labores.

 

 

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: The Goose

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

 

Aaron Denlinger

Dr. Aaron C. Denlinger é diretor de departamento em latim na Academia Arma Dei em Highlands Ranch, Colo., Professor adjunto de história da igreja.

Material complementar (Com Podcast e Filme)

http://bibotalk.com/podcast/btcast-033-john-huss/

 

COMO AS IGREJAS TREINAM CRIANÇAS A SE TORNAREM ATEÍSTAS

21314629_1091254974344398_8418819311101208755_n

Eu sou um filho de pastor que abandonou a fé, declarou-se ateu, voltou à fé depois de descobrir um câncer, quase perdeu a fé novamente e foi salvo pela teologia evangélica e pela apologética. Portanto, minha paixão é ajudar os outros a evitarem a destruição do pecado e o desespero pelos quais eu passei enquanto vagava pelo deserto do ateísmo.

Há alguns anos eu fiquei intrigado ao ler o livro You Lost Me: Why Young Christians Are Leaving Church…and Rethinking Faith (“Você Me Perdeu: Por que Jovens Cristãos Estão Deixando A Igreja… E “Repensando Sua Fé”, em inglês), de David Kinnaman. Ele argumenta que existem pelo menos seis motivos pelos quais os homens e as mulheres entre 18 e 30 anos abandonam a fé. Ele publicou um resumo desses seis motivos no site do Grupo Barna (link em inglês), que são:
Motivo #1 – As igrejas parecem ser superprotetoras.

Motivo #2 – A experiência dos adolescentes e dos jovens de 20 e poucos anos com o Cristianismo é superficial.

Motivo #3 – As igrejas são vistas como inimigas da ciência.

Motivo #4 – As experiências dos jovens cristãos relacionadas à sexualidade na igreja são muitas vezes simplificadas ou críticas demais.

Motivo #5 – Eles lutam com a exclusividade do Cristianismo.

Motivo #6 – A igreja parece ser hostil para com os que possuem dúvidas.

Pode-se argumentar que estas descobertas se tratam mais de uma percepção do que de uma realidade na maioria das igrejas. Por exemplo, eu ficaria surpreso (de uma maneira desagradável) em saber que a maioria das igrejas evangélicas ainda gasta muito tempo condenando a cultura popular como se fosse o Conselho Municipal de Footloose.

Além disso, eu quase não escuto mais sermões sobre sexualidade e, enquanto eu crescia, a maioria dos sermões condenava todo o tipo de sexo fora do casamento, mas sempre de uma maneira graciosa. Entretanto, eu penso que os motivos 2, 3, 5 e 6 provavelmente são válidos. Também, por experiência própria, eu acrescentaria que alguns jovens simplesmente sentem que a fé não funciona (link em inglês).

De fato, muitas igrejas apresentam uma fé superficial, que trocam a doutrina e a apologética por sermões de “o que fazer quando…”, que são como palestras de autoajuda polvilhadas com alguns trechos da Bíblia. A recusa em aprender teologia e em como defender a fé, como também o investimento no tempo para pensar em como apresentar tudo isso de uma maneira clara e cativante, é a essência de todas as quatro objeções válidas feitas por jovens à igreja evangélica. Os pastores devem simplesmente levar a sério essa responsabilidade, usando seu tempo e seus esforços. Não há outra resposta.

Sermões menos superficiais, entretanto, não são A resposta, embora ajudem. Todos os membros da igreja, de todas as idades, devem ser discipulados, e isso inclui um treinamento para que se tornem teólogos e apologetas leigos.

O detetive J. Warner Wallace argumentou que devemos treinar os estudantes cristãos ao invés de ensiná-los (metodologia T.R.A.I.N., link em inglês), mas eu penso que precisamos treinar todos os nossos irmãos cristãos (e ele iria concordar comigo). Treinar é mais difícil do que ensinar.

Precisamos nos lembrar de que, em média, as pessoas precisam ouvir uma informação sete vezes ou mais para conseguirem guardá-la hoje em dia. Além disso, a maioria das pessoas não entende uma coisa realmente até ela que seja posta em prática. Por isso, os pastores devem ser treinados para treinarem congregações para realmente serem teólogos e apologetas leigos.

Os pastores devem, então, desafiar a congregação a usar suas habilidades para alcançar os perdidos e ajudar uns aos outros. E todos os que forem treinados devem ajudar a tomar conta dos mais jovens, para que tenham certeza que de conhecem sua fé tão bem que não irão sucumbir aos pobres argumentos do ateísmo. Isso significa que os pastores devem implementar programas rigorosos para as pessoas que lhes foram confiadas por Deus.

Eu recomendaria alguns recursos que eu acredito que todos os pastores e líderes de igreja deveriam ler depois, mas por enquanto é suficiente dizer que se você quer que sua congregação produza discípulos ao invés de alvos fáceis para os ateus, treine seu povo, principalmente os que estão no seu grupo de jovens!

Note, por favor, que os dias de nos focarmos apenas em alicerces, prédios e orçamentos terminaram. Não vivemos mais em Jerusalém, mas somos um povo exilado na Babilônia. Se continuarmos tentando entreter ao invés de treinar, abrandar ao invés de aprofundar, evadir ao invés de engajar, estaremos correndo atrás do vento.

 

Por Matt Rawlimgs

Traduzido por Filipe Espósito e revisado por Jonathan Silveira.

Texto extraído de: http://tuporem.org.br/como-as-igrejas-treinam-criancas-a-serem-ateistas/

PORNOGRAFIA

ER7_RE_SS_TEASER_570kbps_2016_03_254aad806f_7a94_42d9_8c3c_5a3050e5d033_thumb

Um dos principais motivos dos pedidos de aconselhamento que recebo, está relacionado a pornografia. Sem simplificar algo que é complexo, permita-nos compartilhar alguns passos que podem te nortear.

I. ARREPENDIMENTO
II. ENFRENTAMENTO
III. CONFISSÃO
IV. DISCIPLINA
V. ACOMPANHAMENTO

• O ARREPENDIMENTO, não pode ser só a vergonha do ato. Remorso e arrependimento são coisas diferentes. Judas sentiu remorso e se deixou consumir pela dor; Pedro arrepende-se e rendeu-se a Graça!
• O ENFRENTAMENTO, é a admissão da realidade: você está viciado! O efeito causado no cérebro, tanto na dominação das emoções, quanto a loucura da abstinência e na destruição de freios morais, é bastante semelhante aos efeitos causados pelo uso de drogas. Assim como, para receber o perdão, o Espírito Santo nos convence de quem somos (pecadores), para o processo de cura é necessário o reconhecimento de como você está: viciado!

 

• A CONFISSÃO, precisa vir! O processo de cura só será possível se sua esposa fizer parte dele! Muitos maridos temem exatamente esse ponto, por vergonha e medo. É isso também é um reflexo que demonstra a total falta de diálogo na maioria dos casamentos. Prática abandonada, pecado confessado, processo de cura iniciado!

 

• A DISCIPLINA, não é a exclusão ou o famoso “banco”. A disciplina, são práticas espirituais, onde a carne é modificada. Oração, jejum, leitura sistemática da Bíblia, leitura de bons livros e meditação na grandeza de Deus. Tudo isso precisa fazer parte!

 

• E O ACOMPANHAMENTO, precisa ser constante! Homens de Honra mentoriam outros homens! Você precisará do seu pastor, ou de um casal de amigos piedosos, que possam aconselha-los e acompanhá-los. Eles serão fundamentais em todo o processo, e com grande ênfase, apoiando sua esposa.

A santificação é tanto um ato passivo, quando Deus a opera em nós, quanto ativo, que devemos prosseguir em buscar ao Senhor. Não trata-se de busca de mérito por esforço próprio, mas de confiar na suficiência de Cristo, e baseado em Cristo, avançar resoluto!

Autor

Felipe Rocha

Líder do Ministério Homens de Honra CV, em São Paulo – Brasil.