Arquivo da tag: Homens

Cinco Conselhos para Homens Jovens

1265618_008e_2
Homens mais jovens, vocês precisam de orientação de homens mais velhos. Ao mesmo tempo, o mito de que a geração mais velha reúne tudo deve ser apagado. Nós não. Estamos aprendendo e crescendo em muitas das mesmas maneiras que os homens jovens estão.

Deus ensinou a homens mais velhos uma série de coisas, embora – através de nossos pontos fortes e fracos, através de nossos sucessos e fracassos – que ele possa ter pretendido para você. Há um conselho que pode te ancorar no meio da turbulência da vida (dentro de você e ao seu redor) e prepará-lo para se tornar mais maduro em Cristo (Colossenses 1:28).

Aqui estão cinco pontos que me serviram bem, assim como os rapazes que eu tenho orientado.

1. Encontre sua identidade em Cristo.

Pode soar clichê, mas de longe a coisa mais importante que tenho a dizer aos homens mais jovens é que sua identidade deve estar ancorada em Cristo (Romanos 6:11; 2 Coríntios 5:17).

Todos nós nos definimos de várias maneiras, e algumas delas são apropriadas até certo ponto. Mas nossa identidade deve, em primeiro lugar, estar fundamentada em Cristo. É em nossa união com ele que temos segurança profunda e real. Somos perfeitamente conhecidos e profundamente amados (Efésios 1: 4-5).

 

“De longe, a coisa mais importante que tenho a dizer aos homens mais jovens é que sua identidade deve estar ancorada em Cristo”.
Você pode “conhecer” isso teologicamente, mas há uma diferença entre “conhecer” e “conhecer”, sabe? Cada dia – muitas vezes a cada momento – quando você se encontra desesperado de amor, olhe para Cristo. Quando você se encontrar buscando uma afirmação, olhe para Cristo. Quando você se encontrar precisando se sentir significativo, olhe para Cristo. Quando você tiver sido desprezado, ou tratado injustamente, olhe para Cristo (Filipenses 1: 29-30).

Naturalmente, Deus nos dá pessoas em nossas vidas para ajudar com essas coisas (Filemom 7), mas elas não podem fazê-lo em última análise ou de forma decisiva. Somente Cristo pode trazer verdadeiro contentamento, verdadeira identidade e verdadeira segurança (Filipenses 4:11). Pare de buscar sua justificação e aprovação e receba o que Jesus comprou por completo para você na cruz.

 

2. Tenha um plano de maturidade.

Eu não preciso te dizer para crescer. Você já conhece a sua necessidade de resistir às exigências escorregadias da nossa cultura sobre os meninos para se tornarem homens. Um menino costumava se tornar um homem aos 21 anos. Então tinha 30 anos. Agora são 40 anos. Eu sei que você quer ser maduro. O desejo sozinho não amadurecerá você, no entanto. Você precisa de um plano. Apenas envelhecer não garante que você amadurecerá – há poucas coisas mais tristes do que um menino de 36 anos, mas elas estão por aí a granel.
Olhe em volta para homens que são mais velhos do que você – talvez dez anos ou mais. Quem você quer ser? Quais características você gostaria de ter no momento em que tiver a idade deles? O que seguiria a aparência de Cristo naquele estágio da vida (1 Coríntios 11: 1)? Imagine o homem mais maduro que você quer ser e tome medidas específicas para se tornar ele.

Mate os pecados da sua juventude (Romanos 8:13). É fácil pensar que apenas cresceremos de certas práticas, atitudes ou crenças pecaminosas. Pela graça de Deus, às vezes isso acontece. Mas, mais frequentemente, crescemos mais profundamente enraizados nos padrões e hábitos que estabelecemos em nossa juventude (Tiago 1:15). Então, você precisa ser proativo e colocar essas coisas para a morte. Não presuma que eles vão embora um dia. Com o poder de Deus em você e através de você, “desenvolva sua própria salvação” (Filipenses 2: 12–13).

 

3. Invista em seus amigos.

Eu não tenho sido bom nessa frente e continuo pagando o preço (Eclesiastes 4:12). Você precisa de dois ou três amigos do sexo masculino próximos com quem você pode conversar sobre tudo. A amizade masculina tem caído em tempos difíceis em nossa cultura por várias razões, mas é um dos dons mais preciosos que Deus pode dar a um jovem. Se você não tem amigos próximos, ore por um e o procure.

 

“Envelhecer não garante que você vai amadurecer.”
Seja vulnerável, seja honesto e compartilhe seus problemas também (1 João 1: 9). Mas também esteja preparado para uma possível decepção; nem todo cara está procurando a mesma coisa, e muitos já têm suas principais amizades no lugar.

Buscar um irmão mais velho também é importante. Todos nós precisamos da perspectiva de um homem mais velho, alguém que possa nos encorajar, que tenha estado lá e que saibamos que passaremos por isso, seja o que for.

Invista em seus amigos, mas não confie neles para fazer o que somente Cristo pode fazer. Isso colocará muita pressão em suas amizades e você acabará desapontado e possivelmente desiludido. A amizade é grande (1 Samuel 18: 3), mas precisamos de Cristo mais do que qualquer amigo.

 

4. Pare de procurar a mulher perfeita.
A mulher perfeita não existe, então pare de procurar por ela. Hollywood mentiu e ensinou-lhe mal (Provérbios 7: 21-23). Se você espera se casar, é melhor gastar sua energia desenvolvendo sua própria piedade e maturidade. Torne-se um marido melhor (1 Coríntios 16:13), em vez de ficar procurando uma mulher perfeita.

Sua futura esposa, perfeitamente ajustada ou não, nunca lhe dará a totalidade que só vem de Cristo. Se você está procurando uma esposa para fazer você se sentir completo, para ser totalmente conhecido, ou para lhe dar segurança, você vai colocar muita pressão sobre o seu casamento e você vai ficar desapontado. Por outro lado, se ambos souberem quem você é em Cristo, você terá a base certa para um bom casamento.

Se você já é casado, já sabe que não se casou com a mulher perfeita. Não continue procurando a mulher perfeita (Provérbios 18:22; 19:14), como se estivesse com saudades dela. Essa mentira vem de Hollywood também. Esse tipo de pensamento falha em confiar na bondade soberana de Deus (Provérbios 6: 27-29). Ame a esposa que ele lhe deu e não seja tolo (Provérbios 5:18)!

 

5. Seja forte – e gentil.

Masculinidade está experimentando uma crise de identidade. Os homens não sabem se devem ser macias, durões ou algo entre os dois. Acho que precisamos de homens que tenham coragem, especialmente coragem em suas convicções (Salmos 27:14; Mateus 10:22). A verdadeira coragem vem da segurança, e isso só é verdadeiramente encontrado na verdade sobre Cristo (João 10:28). Veja o ponto 1.

 

“Precisamos de homens na igreja que sejam fortes, confiáveis, corajosos e educados”.
Precisamos ser fortes – fortes o suficiente para sermos gentis (2 Coríntios 10: 9). Deus nosso Pai é onipotente e poderoso (Salmo 147: 5), mas ele também cuida da viúva e do órfão (Salmos 146: 9). Ele conhece compaixão e é bondoso (Isaías 40:11; Lucas 1:78). Esse equilíbrio é difícil de acertar, mas é importante.

Nós não precisamos de caras mais durões que são insensíveis às necessidades e sentimentos dos outros. Mas também não precisamos de caras mais sensíveis sem o backbone. A empatia é importante, a compaixão é importante e a gentileza é importante. Precisamos ser fortes, confiáveis e corajosos. Mas também precisamos saber amar, dar e consolar.

 

Estabilidade na Tempestade
Quando você é jovem, é muito fácil ficar sobrecarregado com os detalhes de todas as circunstâncias imediatamente à sua frente – todas as oportunidades perdidas, cada rompimento, cada falha, todo pecado. Como você provavelmente notou acima, quanto mais você envelhece, mais sua união com Cristo se torna uma realidade discernível e estabilizadora.

Apegue-se a Cristo e, à medida que amadurecer como homem, ele deixará claro para você a beleza e a relevância de sua união com ele. Ele promete: “Nunca te deixarei, nem te desampararei” (Hebreus 13: 5) – não agora, não em sua jornada de crescimento como homem, e não quando estiver mais velho. “Aquele que te chama é fiel; ele certamente [te santificará e amadurecerá] ”(1 Tessalonicenses 5:24).

 

Constantine Campbell (PhD, Universidade Macquarie) é professor associado de Novo Testamento na Trinity Evangelical Divinity School. Ele é autor de vários livros, incluindo o Livro Cristianismo do Ano de 2014 em Estudos Bíblicos, Paulo e União com Cristo.

 

Artigo de Constantine Campbell

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.desiringgod.org/articles/five-pieces-of-advice-for-young-men

 

Anúncios

Deus favorece os meninos em vez das meninas?

Parenting

 

Feliz sexta-feira. Encerramos a semana com esta pergunta em nossa caixa de entrada de e-mail: “Pastor John eu sou uma mãe de três meninas doces, e meu marido e eu as amamos muito. Estamos esperando um quarto filho (a). Nós vivemos na Índia, onde um garoto é preferível a uma garota. Muitos cristãos ao nosso redor nos dizem que estão orando para que tenhamos um menino agora. Um pastor que conhecemos nos contou a história de que ele foi uma noite inteira a uma montanha para orar por um filho e mais tarde ele recebeu um filho. Nós valorizamos uma garota da mesma forma que um menino. Meu marido acha que é especial ter um menino também, alguém que carrega nossa linhagem familiar, e na Bíblia um homem foi pedido em oração e dado (como Samuel).

 

“Mas é certo preferir  pedir a Deus um gênero específico ou deveríamos simplesmente confiar na soberania e bondade de Deus, para nos dar o que ele acha que é certo para nós? Ou devemos ser persistentes em nossas orações por um menino? Orar por um garoto me faz sentir às vezes eu quero menos uma menina e ficaria menos feliz em recebê-la. E na Bíblia há uma bênção especial ou herança para um menino, que uma garota não pode ter? ”

 

Bem, eu ouço duas perguntas distintas e muito boas. Número um: Existe uma base bíblica para algum tipo de bênção especial ou herança para um menino que uma garota não pode ter? Esse é o número um. Número dois: É certo preferir ou pedir a Deus um menino ou uma menina a qualquer momento?

 

Então deixe-me dar o primeiro primeiro, porque eu acho que é de longe o mais fundamentalmente importante e é isso que eu quero fazer é estabelecer algumas fundações. Porque, é claro, há apenas efeitos enormes e assassinos de preferir garotos a garotas em todo o mundo por causa da forma como o aborto é usado para se livrar das garotas e assim por diante. Assim, nós, como cristãos, precisamos profundamente, estabelecer biblicamente a origem, propósito e o valor da feminilidade. Então, eu vou para lá mesmo que seja um pouco mais profundo do que esta pergunta foi feita.

 
Deixe-me começar com o Gênesis, onde todos esperariam que eu começasse. “Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou; homem e mulher os criou ”(Gênesis 1:27). Portanto, havia uma harmonia original, pois tanto o homem quanto a mulher desfrutavam do favor de Deus e do privilégio extraordinário de estar na própria imagem de nosso Criador. E nessa condição pacífica de pré-queda, havia uma harmonia de papéis complementares que então, no outono, foram arruinados. A imagem não foi destruída, mas foi danificada. E parte do dano dessa imagem é como nossos papéis uns com os outros são tão conflitantes hoje que é muito difícil encontrar nossos papéis em relação um ao outro, agora que o pecado entrou no coração de toda mulher e de todo homem.

 

Aí vem um segundo texto crucial sobre o lugar, o destino e a dignidade da mulher. Isto é de 1 Pedro 3: 7: “Maridos, vivam com suas esposas de maneira compreensiva mostrando honra para a mulher como o vaso mais fraco” [que não é um juízo de valor, que é apenas uma declaração de fato: fisicamente mais fraca] vocês são herdeiros da graça da vida ”. Isso é surpreendente.

E em 1 Pedro o termo “graça” – é claro o que isso significa – e “a vida” é eterna, esta é a graça de herdar a vida eterna. E o estresse nessa cultura que foi provavelmente mais chocante do que a nossa, é que você vive, cara – Sr. Marido – você vive com uma mulher que está destinada a herdar o mundo, porque é isso que você é prometido em Cristo. Ela será uma rainha do universo e você dormirá na mesma cama com esse ser maravilhoso. Então, acorde com a realidade do que você está lidando aqui. É por isso que ele diz assim, eu acho.

 

E depois há mais um. Este é realmente surpreendente para as pessoas a maneira como Paulo sublinha a herança igual da mulher e do homem, porque é certo em um lugar onde eles pensam que ele está fazendo o oposto. Então, isto é Gálatas 3:26, onde Paulo diz: “Em Cristo Jesus, todos são filhos de Deus pela fé”. Agora, muitas mulheres têm suas costas aqui. Tipo, “Ei, você está me deixando de fora, porque estamos dizendo filhos em vez de filhos e filhas”. Entenda isso. Quando Paulo diz às mulheres na Galácia: “Vocês são todos filhos de Deus”, o que ele está dizendo é que filhos naquela cultura e em muitos lugares hoje tinham o direito de primogenitura ou o privilégio de herdar e as filhas não tinham.

 
Eu estou lhe dizendo: “Vocês são filhos”. Entenda isso, mulheres? Eu estou lhe dizendo: “Vocês são filhos de Deus. Você herdará a maneira como um filho herda de um pai ”. Se cegarmos aqui esse problema de tradução e traduzirmos“ filhos e filhas ”, perderá todo o seu poder para dizer às mulheres:“ Você é igual a um filho. Quando eu te chamo de filho, estou dizendo que você herdará. ”

E assim ele continua assim:“ Porque muitos de vós [homens e mulheres] como foram batizados em Cristo, vestiram a Cristo. Não há judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem macho nem fêmea, pois todos são um em Cristo. E se você é de Cristo, então você é filho e herdeiros de Abraão [porque todos vocês são filhos] de acordo com a promessa ”(Gálatas 3: 27–29).

Assim, as mulheres herdam as promessas de Abraão tanto quanto os filhos. Esse é o ponto de partida bíblico. Existem diferenças, claro, no que filhas e filhos farão na vida. Ela será capaz de ter filhos. O filho não poderá ter filhos. Então isso é uma benção que ela tem e que ele não terá. Ele será capaz de gerar filhos e levar uma esposa e família que ela não poderá fazer como mulher. Há diferenças no que você pode ser e fazer por causa da sexualidade, mas a questão maciça e importante é que homens e mulheres têm uma herança comum à imagem de Deus e em valor diante de Deus e no destino da herança de Deus.

 

Agora a questão é: você pode orar por um ou outro? Você deveria preferir um ou outro? E eu aprecio muito a pergunta porque acho que todo mundo que tem filhos tem que perguntar isso. E eles perguntam se eles dizem isso em voz alta ou não, porque você está se perguntando: o que vamos ter? E o que você gostaria de ter e devo pedir a Deus para influenciar esse processo? E quando você tem duas garotas, você deveria pedir um menino? E nós tivemos quatro meninos. Devemos pedir uma garota? Ou nós tivemos um menino. Devemos pedir uma menina e depois outra pedir uma menina e depois outra pedir uma menina e depois outra? Ou não deveríamos?

 

E então aqui está a minha resposta: Há perigos e há mandados para orar dessa maneira. Os perigos são – apenas mencionar um casal – que você pode orar por um filho ou uma filha pelas razões erradas. Seria errado orar por um sexo porque você não valoriza o outro de uma maneira bíblica. Isso seria errado e isso é verdade em todo o mundo para muitas pessoas.

 

Seria errado orar por um ou outro por razões meramente terrenas ou egoístas como, preciso de mais ajuda na cozinha. Ou precisamos de mais ajuda na fazenda. Eu apenas acho que esses tipos de meramente – e a palavra meramente é importante – meramente egoístas, razões terrenas seriam erradas. E então temos que nos guardar. Se vamos orar, melhor orar com muito cuidado.

 
E um segundo perigo são as feridas que poderiam vir a uma criança se a criança sentisse: “Eu não fui procurada. Eles queriam uma menina e eu sou um menino ou eles queriam um menino e eu sou uma menina ”. Esse é um perigo que todo pai precisa ser muito, muito alertado.

 

Mas não há apenas perigos, existem mandados. Eu acho que é um bom desejo dado por Deus que uma mãe tenha um tipo único de desejo de uma filha e um pai terem um tipo único de desejo por um filho. E parte disso é que ambos querem – e querem, com razão – construir nesta criança algo que Deus fez com eles para serem como aprenderam a ser mulher ou homem.

 

Uma mulher passou toda a sua vida aprendendo o que significa ser uma mulher piedosa. Ela adoraria construir isso em uma garotinha que cresce para ser uma mulher piedosa. E um homem passou toda a sua vida tentando descobrir o que significa ser um homem para Deus e ele adoraria construir isso em um filho. Esses são bons desejos. E querer que um ou ambos não estejam errados.

 

Um segundo mandado seria que pode haver algumas configurações na vida em missões ou em dificuldades únicas de um perigo genético, digamos, se você soubesse que uma garota tinha uma propensão genética única que o garoto não teria ou alguma coisa nesse sentido que você diria a Deus: peço que me dê um filho ou uma filha. Portanto, minha conclusão é: testem suas motivações pelas Escrituras e perguntem a Deus de acordo com o desejo do seu coração e deixem claro a Deus, ao seu cônjuge e a todos os filhos: Nós amaremos o dom de Deus para nós – incapacitados ou capazes, homens ou mulheres Vivendo por muito tempo ou vivendo curto – nós amaremos o presente de Deus para nós com todo nosso coração e acreditaremos que Deus sabe melhor.

 

 

John Piper (@JohnPiper) é fundador e professor de desiringGod.org e chanceler do Bethlehem College & Seminary. Por 33 anos, ele serviu como pastor da Igreja Batista Belém, Minneapolis, Minnesota. Ele é autor de mais de 50 livros, incluindo Desiring God: Meditações de um hedonista cristão e mais recentemente Exultation Expository: Christian Preaching as Worship.

 

Autor: Pr. Jonh Piper

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.desiringgod.org/interviews/does-god-favor-boys-over-girls

Cante como homens

belajar-bermain-gitar

 

Suspeito que isso ocorra porque a quantidade de esforço necessária para gerar uma réplica e a gravidade das consequências por serem descobertas são muito maiores do que qualquer ganho financeiro que o falsificador poderia esperar alcançar. Em vez disso, os falsificadores tendem a itens altamente valorizados: as grandes contas, as jóias caras, a famosa pintura. Quando você encontra algo imitado regularmente, pode esperar que seja valioso.

A masculinidade bíblica tem muitas variedades falsas e falsificações baratas, porque Satanás está ansioso para nos impedir de experimentar a coisa real. Não devemos nos surpreender que a verdadeira masculinidade tenha muitas falsificações, porque é tão importante compreender o drama da redenção (Efésios 5:32).

Uma das principais máscaras da masculinidade bíblica é uma espécie de estoicismo rude que trata o afeto como efeminado e que premia o isolamento. Esse tipo de homem solitário ignora as verdades das primeiras páginas das Escrituras. Mesmo antes da invasão da maldição do pecado, o Senhor Deus determinou que não é bom que o homem esteja só (Gênesis 2:18).

 

Canção da masculinidade não caída

O homem foi criado à imagem da divindade trina, a comunidade eterna e amorosa do Pai, Filho e Espírito. Existir em comunidade é parte do que significa ser humano e é um componente necessário do tecido masculino. E o que faz com que a masculinidade falsa pareça tão próxima da coisa real é que ela freqüentemente se aproxima do mandato dado por Deus de “trabalhar e manter” (Gênesis 2:15), ignorando que Deus também projetou esse trabalho para ser feito melhor com um ajudante.

Quando o Adão não caído vê pela primeira vez seu ajudante, sua resposta não é indiferença casual, mas ele irrompe em poesia apaixonada. As primeiras palavras registradas de qualquer ser humano são a canção de amor de um homem sobre sua noiva (Gênesis 2:23). O que isso nos diz? O primeiro homem – o único homem até que Cristo experimentasse a masculinidade sem pecado – expressou a plenitude de sua masculinidade através da música.

 

Estóicos não cantam

Cantar é uma atividade apaixonada: cantamos quando estamos felizes e cantamos quando estamos tristes. Como Paul Westermeyer escreve,
A alegria inevitavelmente se transforma em música. O discurso sozinho não pode levar sua alegria. O equipamento físico que usamos para rir é o equipamento físico que usamos para cantar. Do riso à música é apenas um pequeno passo. . . . O mesmo pode ser dito da tristeza, o oposto da alegria. A tristeza também inevitavelmente se transforma em música. O discurso sozinho não pode carregar seu gemido. O equipamento físico que usamos para chorar também é o equipamento físico que usamos para cantar. De luto a música é apenas um pequeno passo.
Nosso canto corporativo é uma atividade profundamente física e forjada com expressão apaixonada. Nossas vozes se elevam em direção ao tom de um grito de comemoração; e eles caem e se alongam em gemidos de lamento e antecipação.

 

Não é de admirar, portanto, que muitos homens se sintam desconfortáveis durante a atividade que constitui cerca de metade da reunião de culto corporativo. Se a expressão emocional é falsamente vista em oposição à masculinidade, muitos homens optam por desistir e interpretar o ranger solitário, em vez de se juntar ao cântico do povo de Deus.

 

 

Cante como homens

As Escrituras têm algo a dizer sobre masculinidade e se opõem diretamente à falsidade estóica:

Esteja atento, permaneça firme na fé, aja como homem, seja forte. Deixe tudo que você faz seja feito em amor. (1 Coríntios 16: 13–14)
Como é impressionante que Paulo elabore seu mandamento de “agir como homem” com “que tudo o que você faz seja feito em amor”. A masculinidade bíblica se estende em amor, especialmente para com nossos ajudantes na obra do ministério evangélico, a igreja. Homens viris são homens amorosos.

Deixe seu coração queimar

O pastor e teólogo Jonathan Edwards discutiu a relação entre canto e amor quando ele disse:

O dever de cantar louvores a Deus parece ser designado inteiramente para excitar e expressar afeições religiosas. Nenhuma outra razão pode ser atribuída por que devemos nos expressar a Deus em verso, em vez de em prosa, e fazê-lo com música, mas apenas que tal é nossa natureza e estrutura, que essas coisas têm uma tendência a mover nossas afeições.

Alguns homens podem se sentir desconfortáveis em cantar no culto corporativo porque não encontram em si os sentimentos expressos em orações amorosas de adoração ou hinos de exortação. Mas o insight de Edwards é instrutivo aqui. Nós não cantamos apenas porque nos sentimos. Nós também cantamos para sentir.

 

O canto requer muito envolvimento físico: postura exigente, respiração profunda, esforço vocal, energia corporal. Tem uma capacidade única de tirar verdades mentais e envolver toda a nossa pessoa em resposta. Pode ajudar a espalhar faíscas em nossas afeições em chamas.
Outras vezes, os homens acham que cantar com o povo de Deus é desconfortável porque não acreditam que a expressão emocional do canto seja apropriada para a masculinidade. Este é o resultado de abraçar uma definição falsificada de masculinidade, ao invés de uma definição bíblica. Homens masculinos cantam com paixão e amor por Deus e sua família da igreja.

Então, parafraseando o apóstolo Paulo, cantemos como homens. E que tudo que fazemos seja feito em amor.

 

Ryan Shelton (@SheltonRyan) é um músico e professor de igreja em Evanston, Illinois, onde ele serve como diretor de adoração da Igreja da Bíblia Winnetka. Ele é um ex-aluno da concentração de adoração M.Div. programa no Bethlehem College & Seminary.

 

Autor Ryan Shelton

Tradução por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.desiringgod.org/articles/sing-like-men

Série Referenciais: Pr.Jaime Kemp

images_bcefe2daec5c990af16f04c29ad40c71-696x435

Jaime Kemp é um pastor estadunidense, proveniente da Califórnia. Kemp é formado no Western Seminary – Portland, Oregon, e na Universidade Biola – Califórnia aonde também fez doutorado em Ministério da Família. Kemp já escreveu mais de 70 títulos até hoje. É casado com Judith desde 1965.

O casal tem três filhas: Márcia, Melinda e Annie além de dois netos e uma neta: James Paul, Skyler e Keyla Grace. Em 1967 ele veio ao Brasil com seus missionários aonde começaram uma orientação aos jovens brasileiros, fundando a missão Vencedores por Cristo. Os jovens eram formados durante as férias, todos de diferentes igrejas evangélicas.

Havia treinamentos bíblicos bem como musicais para essas pessoas. Dessa forma eles retornavam para suas igrejas com ideais e ensinamentos de acordo com o que era passado pelos missionários de Kemp. Já em 1968 o pastor fundou a Associação Lar Cristão. Lá existem diversas atividades:

• Congressos de pastores e líderes para área familiar bem como ministerial;
• Seminários para casais, famílias, adolescentes e jovens com cursos apostilados. A duração das atividades é entre oito a dez horas;
• Produção de vídeos, CDs e DVDs;
• Produção da revista Lar Cristão, com o intuito de orientar líderes da área e família com diversos articulistas reconhecidos na área.

A Associação Lar Cristão possui quatro conceitos básicos que a norteiam:

• A importância do evangelho: conhecer e anunciar a vida eterna por meio de Cristo.
• Permanência do Casamento: manter a união estável apesar de provações, reveses, enfermidades ou alterações emocionais.
• Valor dos filhos: valorização dos filhos, criando-os para vida e de maneira humanizada.
• Santidade de vida: a valorização da vida, independente de quem seja, e que esta deve ser protegida bem como preservada.

Além disso, o pastor também escreve artigos em diversos jornais e revistas. Por meio de suas produções e também em conferências Jaime orienta muitas pessoas ao redor do mundo. No Brasil diversas editoras já trabalharam com suas produções como: Mundo Cristão, Palavra, Vida, Fôlego, Hagnos, Graça e Sociedade Bíblica do Brasil.

Algumas Obras do autor Jaime Kemp

No livro Minha Família, Projeto de Deus Kemp fala sobre as difíceis situações familiares enfrentadas atualmente e mostra jeitos de fortalecer os laços com harmonia e relação saudável entre pais e filhos. Já na obra A Força Vence o Medo apresenta os problemas enfrentados como ansiedade, medos, preocupações e como lutar contra isso. O autor crê que para enfrentar o inimigo é preciso conhecê-lo, por isso propõe um conhecimento profundo dos medos para superá-los.

Na produção A Menina dos Olhos o autor também destaca a família em seus doze capítulos. É ideal para pastores, líderes, grupos familiares, classes de Escola Bíblica Dominical, encontro de casais, etc. Já no livro A Minha Grama é mais Verde, Kemp fala sobre a vida sexual dos casais, sobre como fortalecer as relações e o contato na vida conjugal. Em Antes de Dizer Adeus o autor fala sobre o divórcio, questionando se é o caminho mais indicado do ponto de vista emocional, financeiro e dos trâmites legais.

Existem diversas outras produções de Kemp voltadas à família, filhos, questões conjugais e a igreja.

Fonte Original:

http://blog.presentesevangelicos.com.br/tudo-sobre-jaime-kemp-vida-e-bibliografia/

Para Saber Mais:

http://comunhao.com.br/entrevista-jaime-kemp/

Alguns Vídeos do Pr. Jaime Kemp

 

 

DEVOCIONAL 23

Afequenosune

Leitura: Jó 13.13

“Por ventura, falareis perversidades em favor de Deus e a seu favor falareis mentiras?”
Jó 13. 7

ACUSADORES

O exercício de escrever esses devocionais tem me feito lembrar e revisitar muitas das minhas “conversas a mesa” (muito diferente das do Lutero com certeza – talvez haja semelhança na circunferência abdominal!). Quantas memórias tenho resgatado lendo agora o livro de Jó! Não sei se choro mais pelo sofrimento que ele passava – e não entendia -, ou pela companhia – desagradável! – dos “amigos”.

Sim, a história! Sentimos falta de uma pessoa. Já alguns domingos que não ia na Igreja. Mandamos mensagem, a resposta sempre curta e programada. Decidimos ir até onde estava. Conversa vai, conversa vem, risos e gracejos preenchiam o tempo e espaço. Embora que, era visível um espaço gigante no coração. O vazio da acusação consumia por dentro e minava o semblante por fora.

Derrepente, desaba em choro. Um profeta da igreja, sabendo do tempo difícil que passava, foi lhe levar consolo. O consolo mais parecia com um porrete! Lhe disse, que, o que estava passando era a mão de Deus pensando sobre sua vida. Era castigo divino e não havia nada que pudesse ser feito, a não ser esperar a ira do Senhor terminar de exterminar as forças e consumir a alegria. Mentiu e foi cruel em nome de Deus!

Senhor Jeová, Deus meu! Como me isso me irritou! Foi gerado no coração evangélico, uma visão de um deus carrasco e vingador, pronto pra – assim como Zeus – lançar um raio sobre a cabeça de (acredite!) qualquer filho (e nem é inimigo) que pisar fora do quadrado!

Por isso, meu amigo, se você veste-se diariamente com a toga da acusação, tatue esse versículo (na testa!): “Tomara vos cálasseis de todo que isso seria a vossa sabedoria” Jó 13.5

Felipe Rocha

DEVOCIONAL 14

d14

 

Leitura II Coríntios 11. 16 – 33

 

SE IMPORTE

 

“Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame?”

Paulo aos Coríntios (II – 11. 29)

 

Experimente abrir uma rede social qualquer. Passe por alguns perfis. Veja o suprassumo do auto-idolatramento! O ídolo-mor do pós modernismo!

 

Paulo nesse textos, nos humilha um bocado; ele se ocupa a descrever com tamanho amor suas próprias lutas e dificuldades. E nessa descrição ele não reclama; ele se sente satisfeito! Satisfeito nas lutas, por causa do que ele via por meio dela, e enxergava além de si mesmo!

 

Paulo, o Apóstolo da Graça, o cara que mais se deleitava na Soberania de Deus, nunca deixou de identificar com as dores dos outros irmãos; com os problemas diários e cotidianos da Igreja!

 

Às vezes nós colocamos em pedestais tão altos, que ignoramos as dores dos que nos cercam, e os problemas “normais” das pessoas já não nos atinge mais! A lição de Paulo é: Se importe! Se envolva! Identifique-se!

 

“Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma” (II Coríntios 12.15)

 

Felipe Rocha

Conselhos Práticos e as Diferenças no Discipulado de Homens e Mulheres

Small Groups (people engaged)
Débora me chamou na sexta-feira porque estava passando por um momento difícil em seu casamento. Como muitos pastores, eu regularmente apago incêndios como esse. Eu conversei e orei com ela, e depois liguei para o seu marido para conversar sobre a situação.

Há mil questões nas quais tenho que meditar quando pastoreio João e Débora (que não são seus nomes verdadeiros). Eu invisto mais tempo em João e indico a Débora uma mulher piedosa? Eu encontro ambos para aconselhamento conjugal? Devo encontrar com Débora e, se sim, qual é a minha responsabilidade pastoral para com ela?

Mas não são apenas questões práticas com as quais preciso lutar em uma situação como essa. Em um nível mais básico, como o ensino bíblico sobre homens e mulheres fundamenta meu trabalho pastoral?

“Complementarismo” é um termo para o ensino bíblico que chama homens a uma liderança sacrificial tanto em casa quanto na igreja, e chama mulheres a alegremente se submeterem à mesma liderança.

Este curto artigo discorre sobre como o complementarismo afeta os detalhes práticos do aconselhamento e do discipulado. Duas questões definirão a nossa discussão: 1) Em que um pastor precisa pensar ao discipular e aconselhar um homem? 2) Em que um pastor precisa pensar ao discipular ou aconselhar uma mulher?

Pensamentos sobre o pastor discipulando homens

O que um pastor precisa ter em mente quando discípula e aconselha homens?

Uma visão bíblica para o discipulado masculino

Comecemos com uma visão bíblica para discipular homens: devemos encorajar a semelhança com Cristo através de discipulado pessoal. Homens cristãos mais velhos devem deliberadamente investir em homens cristãos mais jovens, encorajando seu crescimento espiritual (Tt 2.1).

Nossa visão bíblica pode ser expandida em duas maneiras específicas: 1) devemos encorajar homens a amar a Palavra de Deus (Sl 1.2; Js 1.8) e a amar o povo de Deus (Ef 4.11-16); 2) devemos encorajar os homens a uma liderança forte, sacrificial e servil no lar e na igreja. Homens são chamados a olhar para Cristo, imitando o seu serviço sacrificial que concede vida (Ef 5.21-33).

Estratégia prática para o discipulado masculino

Movendo da visão para a estratégia, vale a pena notar que pastores frequentemente negligenciam o desenvolver de fortes homens líderes na congregação, porque usam o seu tempo e energia defensivamente. A tirania da urgência governa as suas agendas. Eles permitem que seu tempo seja gasto de maneira reativa a várias crises, ou preparando lições, sermões e eventos para o domingo seguinte. Como resultado, muitos pastores não têm estratégia de longo prazo para cultivar liderança masculina na igreja e em casa. Como conseguimos tal estratégia?

Comece com pouco. Escolha poucos homens que têm o potencial para ser bons líderes e organize almoços regulares com eles. Seja proativo em construir um relacionamento com esses homens. E, se você tem uma equipe de liderança, encoraje-os a fazer o mesmo.

Discipular homens é extremamente importante. Como pastor, você deve ser exemplo para outros nisso. Mas se você quer mais resultados, você pode considerar desenvolver um grupo de discipulado masculino que ajude os homens a pensar teologicamente a respeito de tudo na vida. Escolha bons recursos teológicos que ajudem os homens a aplicar teologia a questões como casamento, comunicação, finanças, sexo, paternidade, trabalho secular, etc. Você pode encontrar um bom exemplo desse tipo de desenvolvimento de liderança no livro do pastor Mike McKinley Plantar Igrejas é Para os Fracos (veja o capítulo sete).

Pensamentos sobre o pastor discipulando mulheres

Se pastores deveriam discipular homens para serem líderes no lar e na igreja, como isso difere de discipular mulheres?

Uma visão bíblica para o discipulado feminino

Comecemos novamente com uma visão bíblica. Assim como com os homens, os pastores deveriam buscar encorajar uma maior semelhança com Cristo em discipulado pessoal, só que nesse caso, as mulheres devem fazer a grande maioria desse discipulado. No curso normal dos relacionamentos na igreja, os homens devem discipular homens e mulheres devem discipular mulheres. Então encoraje cristãs mais velhas a investir nas cristãs mais novas, ajudando-as a crescer espiritualmente, o que é precisamente o que Paulo manda Tito a fazer, ou seja, instruir as mulheres em sua igreja (Tt 2.3-5).

Como, então, um pastor (que é homem) deveria pensar sobre conhecer, cuidar e pastorear as mulheres em sua congregação?

Se pensamos em discipulado como orientação de longo prazo deliberada, não parece sábio que um pastor discipule uma mulher (por exemplo, encontrando-se com ela semanalmente ao longo de um ano). Nós devemos reservar esse tipo de orientação espiritual intensa para relacionamentos de gêneros específicos. Nos resta, então, o aconselhamento, que é uma atividade  de curto prazo.

Embora alguns argumentem que pastores nunca deveriam aconselhar uma mulher, isso não parece estar em concordância com o que a Escritura diz sobre o pastor conhecendo todas as suas ovelhas (At 20.28; Jo 10.12, 16), e o exemplo específico que Jesus define para nós. Em João 4, Cristo tem uma conversa muito pessoal com uma mulher samaritana, entre os dois somente. Pastores precisam sim pastorear pessoalmente as mulheres em suas congregações.

Quais são algumas das coisas específicas que os pastores deveriam encorajar as mulheres a fazer? Pastores devem encorajar o amor delas pela Palavra e pela igreja, o respeito pela autoridade, o desejo de tornar o lar primário (mesmo que elas trabalhem fora de casa) e o crescimento em evangelismo pessoal. Para mulheres casadas, os pastores devem encorajar a suscetibilidade à liderança do marido. Para mulheres solteiras, os pastores devem encorajá-las a seguir a autoridade piedosa na igreja, especialmente quando seu pai não está envolvido espiritualmente em sua vida.

Ainda assim, os pastores devem primariamente buscar pastorear mulheres nesses caminhos através da capacitação de mulheres na congregação para discipular outras mulheres. Como pastores podem facilitar e construir essa cultura de mulheres discipulando mulheres?

Estratégia prática no discipulado feminino

Para construir uma cultura na igreja que encoraja o discipulado entre mulheres, os pastores devem ensinar sobre a importância do discipulado sempre que isso naturalmente surgir na Escritura durante uma série de sermões nos domingos. O objetivo nisso é encorajar as mulheres mais velhas da igreja a discipular as mais jovens.

Podemos também ensinar sobre discipulado em outros locais. Por exemplo, na minha igreja nós regularmente oferecemos um seminário no sábado sobre discipulado para ajudar novos membros a pensar em como serem discipulados e em como discipular outros. Também oferecemos uma classe de EBD de três meses de duração sobre discipulado todos os anos. Na última vez que ensinamos na classe, eu abordei várias mulheres mais velhas na igreja e as encorajei a participar. Ensino e modelo ajudam a construir uma cultura na igreja que leva a sério o discipulado.

Essas são algumas maneiras de construir uma cultura de discipulado, mas como o pastor pastoreia pessoalmente os membros do sexo feminino? Obviamente, haverá diversas oportunidades para fazer reuniões de aconselhamento em grupo, onde o pastor fornece conselhos gerais e aconselhamento bíblico para os problemas diários da vida.

Se o problema requer mais do que uma reunião, o pastor tem que julgar quando o aconselhamento de curto prazo precisa passar a ser um discipulado de longo prazo. Mas antes que as coisas sequer alcancem esse ponto, muitos pastores precisam parar de se reunir por causa das pressões de suas agendas cheias. Ao invés de eles mesmos se reunirem com as mulheres, eles sabiamente conectam o membro do sexo feminino com outra pessoa na igreja (como um membro feminino da diretoria, a esposa do pastor ou uma mulher mais velha na congregação) ou alguém de fora que possa ajudar (como uma conselheira local ou uma organização para eclesiástica que seja especializada em questões como violência doméstica).

 

Para aconselhar mulheres sabiamente, os pastores precisam criar alguns limites:

Limite o número de reuniões que você tem com qualquer mulher. Você deve ser cuidadoso para não alimentar uma dependência emocional do pastor. Especialmente, no caso de mulheres em maus casamentos, você não deve ser um substituto emocional ou espiritual de seus maridos.

Seja muito, muito cauteloso com mulheres emocionalmente dependentes. Mulheres muito necessitadas anseiam por encontrar um homem que deem atenção a elas, e pastores frequentemente possuem um ouvido compreensivo e são bons ouvintes. Embora você deva sim oferecer aconselhamento gentil e piedoso, você não deve alimentar intimidade ou dependência emocional errôneas.

Sempre que possível — dependendo da situação de sua família — inclua a sua esposa

Certifique-se de fazer o aconselhamento em um gabinete onde você seja sempre muito visível. Coloque a sua cadeira na linha de visão daqueles fora do gabinete. Se a porta do seu gabinete não tiver vidro, substitua por uma que tenha.

Faça aconselhamento com mulheres apenas durante horário comercial, para que a secretária da igreja ou outros funcionários estejam presentes no prédio da igreja. Nunca fique sozinho com uma mulher na igreja para que você seja sempre irrepreensível (1Tm 3.2).

Se possível, posicione a mesa da secretária próximo à porta do seu gabinete

Alguns pastores preferem manter a porta escorada levemente aberta (ou totalmente aberta), certificando-se de que, caso a secretária ouça a conversa, mantenha o sigilo.

Não faça aconselhamento em uma parte isolada da igreja, mas em algum lugar onde haja bastante movimento, com pessoas passando constantemente.

Certifique-se de que pelo menos um membro da diretoria conheça (ou pelo menos tenha acesso à) sua agenda. Se ninguém mais sabe o que você está fazendo, há mais potencial para você esconder coisas.

Certifique-se de que você tenha uma prestação de contas regular com outro pastor ou líder em sua igreja, o que inclui conversar sobre as suas mais difíceis situações de aconselhamento.

O privilégio de pastorear o rebanho de Jesus

Que privilégio imenso é ser um pastor auxiliar de Jesus. Quer sejam homens ou mulheres, esperamos cuidar bem das ovelhas confiadas ao nosso cuidado. Pastores, aprendam com o exemplo de Cristo: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas” (Jo 10.11).

 

 

Autor: Deepak Reju

Fonte: 9Marks

Tradução: Alan Cristie

Via: Ministério Fiel

http://reformados21.com.br/2017/09/20/conselhos-praticos-e-as-diferencas-no-discipulado-de-homens-e-mulheres/

 

Homens, PROTEJAM OS SEUS FILHOS!

 

Mas do que nunca vivemos um tempo horrível, triste, depravado e que beira a chegada do grande Dia do Senhor em que Ele fará e trará justiça contra toda impiedade, impunidade, injustiça, crimes e pecados.

No dia de hoje – 18 de maio de 2018, pude ver a notícia de uma operação da polícia federal em que vários pedofilos foram presos, inclusive um humorista famoso que trabalhou no programa Pânico na TV, fico muito feliz pela a atuação da Polícia Federal em combater a pedofilia de forma intensa.

Porém, ao ver essas mesmas notícias, pude me deparar com a mãe de um desses pedófilos o defendendo e dizendo que o filho não tinha culpa nenhuma e que ele usava o computador dela. O que me fez lembrar das palavras do Apóstolo Paulo em 2 Timóteo 3:1-4 que diz:

“Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis.
Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus.”

E homens nesse trecho, não se limita apenas ao gênero masculino, mas a todos os seres humanos.

E ao estudar a história do cristinianismo, poderemos ver que a Igreja Cristã sempre se posicionou contra todo tipo de prática contrária a Palavra de Deus. Bem como, falando de maneira especifica, contra a pedofilia, aborto, abandono de crianças, violência doméstica, etc.

Lamento muito ao observar que os próprios pais e parentes de diversas crianças e adolescentes tem abusado e maltrados esses pequeninos.

Ouça essa ministração do pr. paulo júnior:

Moças e rapazes solteiros podem ser apenas amigos?

7b23051b8c20b5191dce9c12eeef06dd5495eeed_hq
Semana passada estava muito feliz com um dos meus amigos solteiros, Roman, pois ele acredita ter encontrado a garota com quem deseja se casar. Naturalmente, estou feliz por ele e espero poder comparecer ao seu casamento. Meu desejo é que todos os meus amigos solteiros possam se casar.

Mas também me preocupa um pouco saber que muitos solteiros que eu queria que se casassem têm poucos amigos próximos do sexo oposto. Algo surgiu na cultura cristã que desencoraja amizades normais entre garoto e garota. É como se tivéssemos medo de que eles acabem indo para a cama se conversarem por mais de uma hora e compartilharem suas esperanças, medos ou lutas.

Enquanto isso, pressionamos rapazes e moças a se casarem se se tornam amigos (hummm, Gina, eu vi você com o Brad ontem. Tem algo rolando entre vocês dois?). Por que Gina e Brad não podem apenas se encorajarem em suas caminhadas com Deus sem fazerem muito caso de seu relacionamento? É possível para rapazes e garotas cristãs construir amizades saudáveis sem assumir que irão para o altar?

Eu creio que isso é possível. Aqui estão alguns pontos para desenvolver relacionamentos assim:

1. Veja seus amigos como família.

Paulo disse a Timóteo que deveria tratar mulheres mais velhas como mães e mulheres mais novas como irmãs (cf. 1 Timóteo 5.2). A mesma regra se aplica às garotas: vocês deveria ver seus amigos cristãos homens como irmãos. Ter essa atitude de pureza de coração torna possível uma amizade. Se um rapaz vê sua amiga mulher como uma irmã, ele não vai desejar seu corpo; pelo contrário, seu instinto será de encorajá-la. Se uma jovem vê seu amigo homem como um irmão, ela cuidará dele e orará por ele sem esperar que ele tenha sentimentos sexuais por ela.

2. Evite a “pressão dos pares”.

Em muitas igrejas hoje já uma pressão incrível para encontrar “a pessoa certa” que vai te tirar do mercado. Se você está carregando esse fardo, cada amizade com uma pessoa do sexo oposto pode ser um peso. “Ela é a pessoa certa?”. “Será que ele gosta de mim?”. “Como eu deveria me vestir?”. Essas preocupações se tornam ansiedade que pode arruinar a alegria da vida. Confie em Deus seu desejo de um cônjuge. Se você não se despreocupar, pode parecer desesperado – e isso é muito ruim. Pare de tentar fazer algo acontecer e apenas aproveite a oportunidade de conhecer uma pessoa nova. Lembre-se do Salmo 37.4: “Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.”

3. Diga adeus ao embaraço.

Antes de nos casarmos, minha esposa e eu temíamos os encontros. Chamar alguém que você mal conhece e convidá-lo para jantar ou ver um filme é assustador – e essa é a razão pela qual muitos rapazes cristãos ainda estão solteiros aos 35. Enquanto isso, garotas cristãs ouvem que devem esperar os rapazes darem o primeiro passo, e assim são condicionadas a esperarem “o convite”. Você pode deixar de lado todo esse embaraço organizando encontros de grupo: saia com vários amigos para tomar café, convide-os para cozinhar alguma coisa ou dê uma festa. Então apenas aproveitem a companhia uns dos outros. E garotas: sintam-se à vontade para iniciar os convites!

4. Redescubram a arte de conversar.

Na cultura midiática atual, esquecemos de como conversar uns com os outros. Muitos rapazes se sentem socialmente desastrados, então se afogam em videogames e se tornam ermitões emocionais. Eles precisam de amigos – incluindo amigas – para ajudá-los a sair de suas zonas de conforto. Enquanto isso, tanto rapazes quanto garotas estão tão viciados em seus telefones que não sabem como conversar por mais de uma hora sem checar suas mensagens. Se você quer ser um bom amigo, ouça, aprenda a focar na pessoa com quem você está conversando.

5. Não permita qualquer tipo insinuação.

A mensagem que recebemos da mídia é que tudo é sexo. Mas como cristão, você não precisa de dobrar perante esse ídolo. Você pode ter uma amizade significativa com uma pessoa do sexo oposto sem precisar ir para a cama com ela. Mas se você pretende manter o relacionamento puro, você precisará estabelecer alguns limites óbvios. Use o senso comum. Não use roupas reveladoras. Não se toquem de forma inapropriada. E não passe a noite na casa um do outros em nome da “amizade”. Se vocês são amigos verdadeiros, irão respeitar um ou outro o suficiente para evitar um pecado sexual do qual irá se arrepender depois.

6. Mantenha suas amizades centradas em Cristo.

Hebreus 3.13 diz: “pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia”. Esse verso se aplica a homens e mulheres solteiras também. Nós precisamos do encorajamentos uns dos outros, e Deus quer que os membros solteiros da igreja estejam envolvidos nas vidas uns dos outros. Suas ligações, mensagens e conselhos honestos podem ser o que impulsiona os projetos de seus amigos; sua bondade e suas orações podem ser o que os ajudam a superar crises difíceis. Mantenha Jesus no centro de suas amizades e não perca a bênção que esses amigos podem ser para você.
Autor:  J. Lee Grady

Tradução: Filipe Schulz

Fonte: Charisma Magazine

Via: Reforma 21
http://reformados21.com.br/2017/05/19/mocas-e-rapazes-solteiros-podem-ser-apenas-amigos/

Amizades Virtuais: boas, mas incompletas

homem-usando-notebook-computador
Amizades virtuais podem ser perigosas.

Nossa capacidade de nos conectarmos instantaneamente com pessoas através da Web, independentemente da localização delas, tem mudado a maneira com que vemos e conduzimos os relacionamentos. E, devido a um avanço tecnológico conhecido como redes sociais, nós temos agora muitíssimas maneiras de nos comunicarmos com pessoas diferentes sem ter que sair de nossas casas ou convidar alguém para entrar.

Um meio popular para se conectar intimamente com estranhos pela internet é por Grupos do Facebook. Eles podem ser um tipo de mundo subterrâneo secreto dentro da própria plataforma, e, se você não faz parte de um grupo, você pode nem saber que ele existe. Muitos grupos são bem leves, centrados em hobbies e interesses específicos. Outros são criados como grupos de apoio, nos quais os participantes são livres para compartilhar detalhes muito íntimos e privados com pessoas que eles podem nunca ter encontrado na vida real ou que provavelmente nunca irão encontrar. Até mesmo em um grupo de interesse específico comum, eu testemunhei um homem abrindo seu coração para o grupo, dizendo como ele os considerava como sua própria família, por causa da maneira com que o apoiaram enquanto seu pai estava doente.

Serei o primeiro a admitir que faço parte desse novo fenômeno de amizades virtuais. Eu nem consigo me lembrar de quantas vezes no passado, quando alguém me perguntava como eu tinha conhecido uma pessoa, surpreendente, eu respondi sem jeito: “Na verdade, nos conhecemos pelo Twitter.” O fato de irmãos cristãos que se conhecem pela internet e eventualmente se tornam grandes amigos após se encontrarem pessoalmente pode ser uma grande dádiva.

Então, por que eu pensaria que amizades virtuais podem ser perigosas? Porque elas podem facilmente parecer algo que não são. Embora amigos virtuais sejam, de fato, pessoas reais por quem nós temos afeição genuína, é essencialmente impossível que eles conheçam o seu eu verdadeiro. Isso não significa que essas amizades têm que ser cortadas, mas elas precisam, sim, serem controladas.

Amizades virtuais podem ser grandes bênçãos quando colocadas em suas perspectivas apropriadas, mas também podem ser perigosas quando elas substituem a comunidade e a igreja local.

Pessoas Reais, Projeções Incompletas

Você pode aprender muito sobre uma pessoa estudando a presença online dela. Não importa o quanto tentemos esconder nossas faltas ou projetar uma versão mais polida de nós mesmos, cedo ou tarde, postamos o bastante em nossa página para revelar aspectos de quem realmente somos. Por outro lado, mesmo quando tentamos ser autênticos na Internet, é difícil criar um retrato completo de nós mesmos.

Uma razão de nossos autorretratos virtuais serem tão incompletos é porque eles são feitos por nós mesmos. Tudo que projetamos sobre nós mesmos é manchado pela autopercepção. Somos finitos e caídos, e, entre nós, até mesmo os que mais se conhecem, se conhecem apenas parcialmente. Ao lado do espelho da Escritura, a comunidade tem o propósito de expor e ajudar a remover os argueiros e as traves que todos nós temos em nossos olhos.

Além disso, o seu verdadeiro ser foi feito para relacionamentos de mão dupla em tempo real. Fomos feitos não apenas para conhecer outros, mas também para sermos conhecidos por outros. A verdade é que você não pode conhecer verdadeiramente uma pessoa ou ser conhecido através do inevitável firewall das redes sociais.

Relacionamentos em Tempo Real

Para que sejamos verdadeiramente conhecidos, precisamos de relacionamentos em tempo e espaço real. A única maneira de buscarmos relacionamentos que são realmente autênticos é assumindo o risco de deixar que as pessoas vejam as versões sem filtro de quem realmente somos. Como? Nós acolhemos crentes locais em nossas vidas reais e deixamos que eles vejam, exponham e desafiem nossas vidas mais autênticas, bagunçadas e sem filtro. Crentes locais também nos restauram com amor que se manifesta em lágrimas, abraços, palavras de encorajamento e acompanhamento.

Se alguém me repreende pela Internet, eu posso me tornar passivo-agressivo, fornecer uma resposta polida que não revele meu coração e proteja minha imagem virtual, ou evitá-la completamente com pouca ou nenhuma consequência. Quando as coisas ficam difíceis com amizades virtuais, é muito fácil simplesmente deixá-las com apenas um clique.

Lá no fundo, nós tememos relacionamentos em tempo real porque eles podem se tornar bagunçados. Mas, como meu pastor frequentemente me lembrava, apesar de serem bagunçados, eles valem muito a pena. Uma vez que nós reconhecemos o valor dos relacionamentos locais, estamos mais dispostos a suportar a dor, a angústia e as lágrimas que eles trazem. Quando experimentamos a alegria de amizades em tempo real e em espaço real, os relacionamentos virtuais se acomodam, confortavelmente, em seus lugares secundários.

Suportando a Bagunça

A razão pela qual somos tentados a substituir relacionamentos da vida real com companheiros distantes e virtuais é porque esses relacionamentos podem ser bagunçados e extremamente exigentes, e até mesmo assustadores. Como podemos suportar o risco a fim de que possamos colher os benefícios? Nós lançamos nossas ansiedades sociais, medos e angústias sobre aquele que é capaz de cuidar de todos esses problemas – Cristo Jesus, nosso Senhor.

Muros têm dois propósitos – proteger e esconder. E é exatamente por isso que a nossa carne pode amar o muro das redes sociais. Protegemo-nos das pessoas e escondemos nossas identidades partidas. Mas, quando descansamos na retidão e no poder de Cristo, ele pode derrubar o muro e nos libertar para amarmos os outros e pensar menos em nós mesmos. Somos capazes de amar pecadores pois reconhecemos que somos os piores pecadores que conhecemos. Não nos encolhemos quando nosso quebrantamento é exposto porque nossa dívida foi paga e nossa alma está sendo restaurada. Nós, cristãos, não precisamos de tais muros, pois estamos cobertos e protegidos pelo sangue de Cristo.

A igreja local e a comunhão da aliança que recebemos dela é essencial para nossa saúde e crescimento cristão. A igreja é tão vital que deveria guiar os empregos que assumimos e os lugares nos quais escolhemos viver. Infelizmente, muitos cristãos que dependem de amizades virtuais para suporte emocional e espiritual fazem isso porque estão isolados de um corpo de crentes fiéis ao evangelho.

Devemos cuidadosamente tomar nota de qualquer coisa ou qualquer um que ameace a vitalidade dos relacionamentos da igreja local. Pelo bom projeto de Deus, nós não fomos feitos para crescer e prosperar à parte da comunidade. Priorize a igreja, e considere tudo que afasta seu coração ou atente para que você a substitua como uma ameaça à saúde da sua alma.

 

 

Autor: Phillip Holmes

Fonte: DesiringGod

Tradução: Milton Garcia Bassagas Fernandes

Via: Voltemos ao Evangelho

 

http://voltemosaoevangelho.com/blog/2016/06/amizades-virtuais-boas-mas-incompletas/