Arquivo da tag: Masculinidade Bíblica

5 Características de um Líder Servo

filmes_8264_jesus15125215125

Todos os que professam ser cristãos concordam que um líder cristão deve ser um líder que serve. Jesus não podia ser mais claro:

“E disse-lhes Jesus: Os reis dos gentios são o senhor sobre eles; E aqueles que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não é assim com você; Mas o mais velho entre vocês, deixe-o ser como o mais novo, e aquele que dirige como alguém que serve, “Lucas 22: 25-26.

Sempre que o acordo não é alcançado, é em como a liderança do serviço deve ser vista em uma determinada situação. Às vezes, os líderes servos lavam os pés dos outros, por assim dizer (João 13: 1-17), mas outras vezes repreendem (Mt 16:23), e até disciplinam (Mt 18: 15-20). Às vezes, eles servem às suas próprias custas (1 Coríntios 9: 7), mas outras vezes emitem comandos fortes (1 Coríntios 5: 2; 11:16).

Entrando na água enlameada

Outros fatores nublam ainda mais as águas para nós. Para começar, todos os líderes cristãos têm pecado que habita neles, o que significa que mesmo no auge de sua maturidade, eles ainda permanecerão servos defeituosos. Adicione a isso o fato de que a maioria dos líderes ainda não chegou à maturidade. Adicione a isso o fato de que todos os seguidores cristãos também têm pecado que habita neles e a maioria ainda não alcançou nosso grau de maturidade.

Adicione a isso o fato de que diferentes temperamentos, experiências, presentes e chamadas influenciam a forma como certos líderes tendem a servir e como certos seguidores tendem a perceber essa liderança; A tentativa genuína de servir como líder poderia ser interpretada por um seguidor genuíno como uma tentativa de “controlar a fé” (2 Coríntios 1:24). E então, há líderes que são lobos e egoístas que, ao enganar seus seguidores, parecem se comportar por um tempo de maneira semelhante aos líderes  servos.

Então, determinar se um líder está agindo com um coração de serviço semelhante a Cristo requer discernimento compreensivo, paciente e humilde. Não é simples. Não há descrição de um líder servo que se aplica a todos. As necessidades e os contextos da igreja em geral são muito amplos e variados e exigem diferentes tipos de líderes e liderados. Devemos cuidar dos nossos próprios preconceitos na avaliação dos corações dos líderes. Cada um de nós é mais ou menos atraído por certos tipos de líderes, mas nossas preferências podem ser padrões pouco confiáveis ​​e até mesmo sem piedade.

As marcas de um líder servo

Mesmo assim, o Novo Testamento nos ensina a agir com a devida diligência no discernimento da aptidão de um líder cristão (veja, por exemplo, 1 Timóteo 3: 1-13). Que características procuramos em um líder que sugere que sua orientação fundamental é um serviço de Cristo? Esta lista não é de forma alguma exaustiva, mas aqui estão cinco indicadores-chave.

1. Um líder servo busca a glória de seu Mestre.

E seu Mestre não é sua reputação ou a circunscrição de seu ministério; É Deus. Jesus disse: “Quem fala de si mesmo procura a sua própria glória; Mas aquele que busca a glória daquele que o enviou, Ele é verdadeiro e não há injustiça nele “(João 7:18). Um líder cristão é servo de Cristo (Efésios 6: 6), e mostra ao longo do tempo que Cristo – não aprovação pública, posição ou segurança financeira – tem sua lealdade primária. Nisto ele “jura a si mesmo e não muda” (Salmo 15: 4).

2. Um líder servo procura sacrificialmente a maior alegria daqueles a quem serve.

Isso não entra em conflito com a busca da glória de seu Mestre. Jesus disse: “Quem entre vós quiser ser grande, deverá ser servo … tal como o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus 20:26 28). Seja qual for o seu temperamento, mistura de talentos e qualidades, habilidades, ou esfera de influência, vai fazer os sacrifícios necessários a fim de obter “progresso e alegria na fé” de pessoas, resultando na glória de Deus (Fil. 1 25: 2: 9-11).

3. Um líder servo renunciará aos seus direitos em vez de obscurecer o evangelho.

Paulo disse assim: “Eu me tornei um escravo de todos os homens para ganhar o máximo que puder” (1 Coríntios 9:19). O que isso significava para ele? Isso significava que às vezes se absteve de certos alimentos e bebidas, ou recusou o apoio financeiro de quem serviu, ou trabalhou com as próprias mãos para cuidar de si mesmo, com fome ou humildemente vestido, ou foi espancado ou estava sem Casa, ou sofreu desrespeito dentro e fora da igreja (1 Cor. 4: 11-13; 9: 4-7). E decidiu não se casar (1 Coríntios 9: 5). Tudo isso antes de ser martirizado. A barra de serviço de Paulo pode ter sido extraordinariamente alta, mas todos os líderes servos renderão seus direitos se eles acreditam que mais ganhará para Cristo como resultado.

4. Um líder servo não se preocupa em ter visibilidade ou reconhecimento pessoal.

Como João Batista, um líder servo vê-se como um “amigo do noivo” (João 3:29), e não se preocupa com a visibilidade de seu próprio papel. Ele não considera aqueles com funções menos visíveis como menos importantes, nem os papéis da ganância mais visíveis e mais significativos (1 Cor. 12: 12-26). Ele procura administrar a posição que recebeu da melhor maneira possível e, voluntariamente, deixa a atribuição de papéis a Deus (João 3:27).

5. Um líder servo antecipa e aceita gentilmente o momento de sua descida.

Todos os líderes servem apenas por uma temporada. Algumas temporadas são longas, algumas curtas; Alguns são abundantes, alguns austero; Alguns são gravados e lembrados, a maioria não é. Mas todas as estações acabaram. Quando João Batista reconheceu o fim de sua temporada, ele disse: “E então, essa alegria é completa. Ele deve aumentar e, eu devo diminuir “(João 3: 29-30).

Às vezes, um líder é o primeiro a reconhecer o fim de sua temporada, às vezes os outros o reconhecem primeiro, e às vezes Deus permite que uma estação termine injustamente para fins que o líder não pode entender naquele momento. No entanto, um líder servo renuncia voluntariamente ao seu papel por causa da causa de Cristo, porque sua identidade e confiança não estão em seu chamado, mas em Cristo.

Seja misericordioso com os seus líderes

Nenhum líder cristão terrestre é a encarnação perfeita dessas cinco marcas fundamentais de um servo. Somente Jesus possui essa distinção. A grande maioria de nossos líderes são servos imperfeitos que tentam ser fiéis.

Assim, alguns dos maiores dons que podemos dar aos nossos líderes são:

1) o nosso espírito explícito quando vemos qualquer uma dessas graças neles (liberar nossas línguas),

2) mantê-los pacientemente em silêncio quando tropeçam (segure nossas línguas) E

3) o nosso julgamento simpático e nosso amplo feedback sobre as decisões que suscitam questões e preocupações (restrição do idioma). E os três podem ser aplicados tão facilmente falando sobre nossos líderes como falando com eles.

Se um líder precisa de ajuda para reconhecer o fim de sua temporada, seus amigos fiéis possam dar-lhe um apoio amoroso, gentil e paciente, e, se necessário, uma repreensão.

Mas às vezes, como Diótrefes (3 João 9), os defeitos pecaminosos de um líder são muito prejudiciais, ou como Judas (Lucas 6:16), eles provam ser um lobo. Naquele ponto, uma resposta misericordiosa seria que os seguidores apropriados, piedosos e maduros tomassem a útil iniciativa de repreender (Mateus 16:23), e até disciplinar (Mt 18: 15-20). Saberemos que alcançamos esse ponto porque, depois de uma temporada de observação, ficará claro que essas cinco marcas estão notoriamente ausentes desse líder.

Originalmente publicado em Desing God.

Jon Bloom atua como autor, membro do conselho e co-fundador de Desiring God. Ele mora em Minnesota com sua esposa, Pam, seus cinco filhos e seu cachorro.

Anúncios

Quem é Patrick Morley?

CN-Interviews-Patrick-Morley-On-Right-Living-For-Christian-Men

PATRICK MORLEY

PRESIDENTE E CO-CEO HOMEM NO ESPELHO

Por três décadas Patrick Morley tem sido considerado como uma das mais respeitadas autoridades dos Estados Unidos sobre os desafios e oportunidades únicas que os homens enfrentam.

 

Depois de passar a primeira parte de sua carreira no mundo altamente competitivo do desenvolvimento imobiliário, Patrick tem sido usado em todo o mundo para ajudar os homens a pensar mais profundamente sobre suas vidas.

 

Em 1973, Patrick fundou Morley Properties, que, por vários anos, foi saudada como uma das 100 maiores empresas privadas da Flórida. Durante este tempo ele foi o presidente ou sócio-gerente de 59 empresas e parcerias.

 

Todas as manhãs de sexta-feira desde 1986, Patrick ensinou um estudo bíblico a aproximadamente 10,000 homens – 150 homens vivem em Orlando, Flórida e os outros através de um webcast de Vídeo Estudo Bíblico através da Internet em todos os 50 estados e em todo o mundo.

 

Em 1989, ele escreveu The Man in the Mirror, um livro de marco que derramou de sua própria busca de significado, propósito e um relacionamento mais profundo com Deus. Com mais de 3.000.000 de cópias, este livro best-seller capturou os homens imaginação em todo o mundo, e foi selecionado como um dos 100 mais influentes livros cristãos do século XX. Ele escreveu 20 livros – seis dos quais têm sido aclamados pela crítica – e tem leitores em mais de 48 países.

 

Em 1991, Patrick fundou o Homem no Espelho com uma visão “para cada igreja de discipular cada homem.” Eles impactaram 12.000.000 homens através de 35.000 igrejas.O ministério está atualmente contratando Diretores de Área para ajudar as igrejas em suas regiões a discipular os homens de forma mais eficaz Eles quebraram os Estados Unidos em 330 regiões de 1.000 igrejas.

 

Através de sua fala e escrita ele é um incansável defensor dos homens, encorajando e inspirando-os a mudar suas vidas em Cristo. Ele escreveu mais de 750 artigos para ajudar homens e líderes, tem aparecido em várias centenas de programas de rádio e televisão, blogs quase diariamente e fala a homens diariamente através do programa de rádio The Man in the Mirror, realizado por mais de 700 estações em todo o país.

 

“O ministério do Homem no Espelho existe”, diz Patrick Morley, “em resposta às orações de todas aquelas esposas, mães e avós que há décadas rezam pelos homens em suas vidas”.

 

Patrick Morley graduou-se com honras da universidade da Florida central, que o selecionou para receber seu distintivo Alumnus concessão em 1984. Ganhou um PhD na gerência e terminou estudos de pós-graduação na escola de negócio de Harvard e na universidade de Oxford, e graduou-se de Reformed Seminário Teológico. Ele mora em Winter Park, FL, com sua esposa, Patsy. Eles têm dois filhos casados ​​e quatro netos.

Sobre Filhas e Namoro: Como Intimidar Pretendentes

filme-menina-dos-olhos

Texto de Jen Wilkin

Tenho duas filhas adolescentes, então foi com um certo interesse que li um artigo recente intitulado “Formulário Para Namorar Minha Filha.” O artigo era muito engraçado, brincando com a idéia do estereótipo do pai com a espingarda e a filha apavorada enquanto negociavam o âmbito complicado de um primeiro encontro. Depois blogueiros cristãos se apoderaram deste conceito e, em sua maior parte, estas versões também eram engraçadas. Havia alguns temas comuns: pretendentes desempregados e de calças largas, pais proferindo ameaças inspiradas em Chuck Norris. Não perdi o meu senso de humor bem desenvolvido, até que cometi o erro tático de olhar alguns dos comentários. E então, simplesmente fiquei triste.

Aqui está o comentário que me deixou mais triste, postado por um pai cristão bem intencionado:

Cara, isto é incrível. Minha filha tem apenas 2 anos, mas vou imprimir isto e colocar na porta da minha geladeira. Obrigado por seu piedoso exemplo.

Oh céus.

OK, a piada acabou. Mano, vamos falar de estratégia por um momento. É só isto que você tem? Você precisa de um plano melhor, além destas técnicas de intimidação de baixa voltagem. Afinal de contas, ela é sua filha. Então, vamos falar francamente sobre o que você precisa fazer para proteger os interesses dela quando se trata de namoro. Em vez de brandir uma espingarda ou apresentar um formulário, é necessário construir um muro.

Isso mesmo, você me ouviu; construa um muro. Entre no modo “Rapunzel.” Construa-o tão alto que só o mais forte dos pretendentes poderá escalá-lo. Mas não espere até que sua menina seja uma adolescente, mano. Comece agora. Comece ontem. Não há tempo a perder.

Construa um Muro

Em Cantares 8.8-9 ouvimos a esperança de uma família de que sua irmãzinha se torne uma mulher com pujança e dignidade. Adivinhe qual metáfora eles usam para descrever este tipo de mulher? Um muro. Sua irmã os assegura no versículo 10 que ela realmente é um muro, completo, com torres. Sua declaração indica certeza de que ela não somente é forte, mas também capaz de se defender contra quaisquer pretendentes que não sejam dignos. É isto o que você quer, mano. Você quer um muro.

Eis o problema com as piadas sobre espingardas e formulários postadas na geladeira: para qualquer pessoa que esteja prestando atenção, estas coisas anunciam que você espera que sua filha nāo tenha discernimento. Saiba que sua filha está prestando atenção. E não fique chocado se ela se comportar conforme suas expectativas. Talvez seja melhor se preocupar menos com aterrorizar ou pré-ajustar pretendentes e se preocupar mais com preparar sua filha para escolher sabiamente. E isto significa construir um muro.

voce-e-um-pai-liberal-1418755960299_615x300

Ao invés de intimidar todos os potenciais pretendentes à sua filha, crie uma filha que os intimide por si própria. Porque, sabe o que é intimidador? A pujança e a dignidade. A fé profunda. A auto-confiança. A sabedoria. A bondade. A humildade. A diligência. São estes os tijolos que constroem o muro que resiste aos avanços do Calça-Larga, independentemente de você aparecer com sua espingarda carregada ou não. Um pretendente inapto considera nada mais aterrorizante, do que uma mulher que sabe o seu valor perante Deus e perante sua família.

Forte Demais?

Mas eis a dura realidade: se você criar esta filha, ela provavelmente intimidará também um bom número de “bons rapazes cristãos”. Porque vários destes rapazes tem umas idéias malucas sobre o que significa estar no comando. Fico espantado e triste com a freqüência com que ouço jovens rapazes solteiros dizerem de mulheres solteiras brilhantes e talentosas, “Nossa, ela é tão forte que eu não acho que poderia liderá-la.” O que nessa altura faz com que muitas mulheres solteiras brilhantes e talentosas comecem a considerar maneiras de “diminuirem sua intensidade” ou “se tornarem um pouco mais suaves”.

Crie uma filha forte, mesmo se; não, especialmente se, isto significa que possíveis pretendentes questionem se podem “liderá-la”, seja lá o que isto signifique para eles. Você acabou de identificar estes pretendentes como inelegíveis, sem mesmo precisar de um processo de candidatura. Liderança não se trata de uma pessoa forte procurando pessoas mais fracas para liderar. Trata-se de pessoas humildes procurando aqueles cujas áreas compensem suas fraquezas e complementem suas próprias áreas fortes. Líderes fortes se cercam de pessoas fortes, não de pessoas fracas. Ao invés de considerar os pontos fortes dos outros ameaçadores, eles os celebram e os fomentam. Este é um princípio básico de gestão, mas temo que jovens rapazes cristãos e pais cristãos bem intencionados que têm filhas, tenham ficado um pouco confusos com este conceito.

Guarde Sua Espingarda

Frequentemente penso que se avaliássemos cuidadosamente como criamos nossos filhos com a mesma intensidade com que planejamos enfrentar futuros pretendentes a nossas filhas, deixaríamos de especular sobre espingardas e formulários e começaríamos a construir aquele muro. Então, bem intencionado pai de uma criança de 2 anos, por favor, não clique em “imprimir” naquele formulário por enquanto. Ao invés de interrogar o homem que sua filha traz para casa, interrogue o homem que a trouxe para casa do hospital. Ela não necessita de jactância tardia sobre suas intenções de protegê-la dos Calça-Larga idiotas quando for uma adolescente. Ela necessita que você se empenhe e invista em seu caráter agora mesmo.

ternura_pai_filha_01

Então, guarde sua espingarda. Pegue a sua prancheta de treinador. Sente-se junto dela quando ela prepara um cházinho de brincadeira. Ensine-a como trocar um pneu e como ligar o cortador de grama. Delibere com ela sobre política e economia e teologia. Elogie uma roupa nova ou uma nota alta em matemática. Diga a ela que você a acha absolutamente linda. Ajoelhe-se a beira de sua caminha com chenille cor-de-rosa e ore intensamente. Crie sua filha com um coração e mente totalmente municiados, para que uma espingarda carregada não seja necessária. Ela não deve necessitar que você afugente pretendentes fracos. Deixe que sua própria força e dignidade façam isto. Decida não se contentar com nada menos do que a melhor proteção para sua filha. Decida ser o tipo de homem que você quer que ela traga para casa. Decida construir um muro.

“Que faremos por nossa irmã, no dia em que ela for pedida em casamento? Se ela for um muro, edificaremos sobre ela uma torrezinha de prata…” (Cantares 8.8–9).

Traduzido por Will Jessie Dias

Jen Wilkin é esposa, mãe de quatro filhos maravilhosos, e luta para que mulheres aprendam a amar a Deus com suas mentes através do estudo fiel da Palavra. Ela escreve, dá palestras e ensina a Bíblia para mulheres. Ela mora em Flower Mound, Texas, e sua família congrega na The Village Church. Jen é autora de “Women of the Word: How to Study the Bible with Both Our Hearts and Our Minds” (Mulheres da Palavra: Como Estudar a Bíblia com os Nossos Corações e Nossas Mentes) (Editora Crossway). Você pode encontrá-la em seu blog jenwilkin.blogspot.com.  *HGTV é um canal a cabo com programas de casa e família.

http://www.thegospelcoalition.org/pt/article/sobre-filhas-e-namoro-como-intimidar-pretendentes

O feminismo me ensinou que os homens eram o problema

1014086958-jesus-curando-uma-mulher-_-imagem-ilustrativa

 

O texto abaixo foi extraído do livro Feminilidade Radical, de Carolyn McCulley

A primeira vez que você ouve um garoto dizer isto, pode ser muito ruim.

“Você joga a bola como uma menina!”

“Ele gritou exatamente como uma menina!”

“Eca… Isso é  nojento. É  rosa. Isso é  coisa   de menina.”

 

O conteúdo desses insultos geralmente não carrega um motivo sério, mas a implicação é clara: meninas são diferentes. Diferentes no sentido de piores. Inferiores. Se um menino não tem certa habilidade, força ou velocidade, ele não é melhor que… uma menina.

Do fundo do coração feminino, um protesto importante surge: Isso não é justo!

Não sei quando me dei conta disso, mas deve ter sido durante os primeiros anos de escola. Tenho lembranças de competir em corridas e de garantir que os times das meninas se saíssem bem contra os times dos meninos. A certa altura, os garotos tinham algumas liberdades durante o recreio que não eram dadas às meninas — talvez de jogar algum esporte com contato físico. Então nós, meninas, rodeávamos a professora durante o recreio e, de maneira sarcástica, brincávamos os jogos de crianças bem pequenas, como forma de demonstrar nosso argumento.

No ensino médio, a divisão entre os gêneros se tornou mais ameaçadora — e, de maneira bizarra, mais sedutora. Todas as meninas queriam a atenção tradicionalmente dada às líderes de torcida e às rainhas dos bailes, mas havia sempre o risco das fofocas de vestiário. Meninas no ensino médio não eram mais acusadas de ter piolhos ou apenas de serem “nojentas”. Nessa fase, os insultos masculinos tinham um viés ameaçador e desrespeitoso, frequentemente combinados a difamações sexuais. Mesmo assim, alguns meninos eram bonitos. Nós queríamos a atenção e o tempo deles. Nós apenas não sabíamos se podíamos confiar neles. E, algumas vezes, nós não podíamos.

Grosso modo, isso resume meu entendimento sobre a “política sexual” até o tempo de faculdade — nada traumático tampouco minimamente dramático. Minha família era intacta e estável. Meu pai era amável e presente em minha vida, assim como minha mãe. Eu me envolvi em várias atividades escolares. Meus pais compareceram a todos os concertos e apresentações da banda marcial, às peças teatrais e às reuniões de pais e mestres. Eu circulava bem perto do grupo popular — não fazia parte do seleto grupo de líderes de torcida e dos jogadores de futebol americano, mas era próxima o suficiente para ser convidada para as festas eventuais.

Nada disso realmente explica por que eu acabei entrando naquele primeiro módulo de Estudos Femininos na faculdade. Provavelmente, pensei que seria uma matéria eletiva mais fácil que Ciências Políticas ou Economia. Mas a razão por que eu me matriculei no segundo módulo foi bem mais intencional: através do feminismo, eu recebi uma visão de mundo que tratava do sexismo dissimulado do qual suspeitei todos aqueles anos. As coisas começaram a fazer sentido. O problema eram… os homens! O “patriarcalismo” e sua opressão contra as mulheres eram os verdadeiros culpados. (Ou melhor, womyn1.) Como estudante de Jornalismo, eu precisava de algum tema no qual eu me especializasse, uma causa para advogar. Encontrei a minha no feminismo. Fiz minha missão de vida espalhar a causa do feminismo nas revistas e rádios em que trabalhei.

Houve alguns contratempos pelo caminho. Certa vez durante a faculdade, segundo me lembro, meu feminismo crescente arruinou o Dia de Ação de Graças. No jantar, meu tio, um homem pragmático formado na Academia Naval, fez algum comentário — agora já esquecido e provavelmente mais benigno do que eu percebi ser — que me ofendeu muito. Comecei um longo discurso sobre estupro, patriarcalismo, a opressão das “womyn” e os papéis sufocantes de esposas e mães. (Nenhum dos quais, exceto o patriarcalismo, eu havia experimentado pessoalmente.) Qualquer refutação das minhas vastas conclusões era respondida com crescentes volume e paixão da minha parte. Eu havia vivido apenas duas décadas, mas, em minha opinião, possuía a sabedoria de muitos anos.

Também houve o tempo em que choquei meu pai com o anúncio de que, se um dia me cassasse, não mudaria meu sobrenome. Naquela época, eu pensava que essa era uma tradição opressiva e desnecessária e não via qualquer motivo para mudar minha identidade apenas porque havia obtido um esposo. Eu honestamente pensei que meu pai concordaria comigo, porque ele era pai de três filhas, e, se todas nós mudássemos nosso sobrenome, o nome da família morreria com ele. Mas ele não pareceu muito feliz, o que genuinamente me surpreendeu. Em retrospectiva, eu sinceramente não sei se foi a informação ou o meu comportamento que provocou essa reação dele.

Aprendi muito da teoria nas aulas de Estudos Femininos, mas, surpreendentemente, não aprendi muito  sobre a história real. Nós aprendemos sobre o movimento de libertação feminina das décadas de 1960 e 1970, mas nada anterior a isso. Eu não me lembro de estudar coisa alguma escrita antes do influente livro de Betty Friedan, da década de 1960, A Mística Feminina, ou seja, nada anterior ao meu próprio nascimento. Levaria anos até que aprendesse sobre o movimento sufragista que precedeu o feminismo moderno, os diferentes impactos da Reforma Protestante e do Iluminismo sobre os papéis de cada gênero, e, finalmente, a respeito do que a Bíblia diz sobre homens e mulheres.

O feminismo me ensinou que os homens eram o problema, mas, no fim das contas, a política feminista me deixou entediada. Embora eu não tivesse problemas em concordar que os homens eram o problema, eu não tinha nada contra algum homem em específico, e alguns pareciam agradáveis e, até mesmo, atraentes para mim. Depois de um tempo, a vitimização estridente do feminismo perdeu seu apelo. Embora uma das minhas colegas tenha ido trabalhar para grupos feministas de ação política — a National Organization for Women [Organização Nacional pelas Mulheres] e depois a Feminist Majority [Maioria Feminista] —, eu peguei meu diploma em Jornalismo e meu certificado em Estudos Femininos e busquei uma carreira na mídia.

Não demorou muito para que a minha definição e prática do feminismo se tornassem tão genéricas quanto as de uma mulher carregando a revista Cosmopolitan. Construções sociais e teorias de gênero eram agora lembranças distantes. Restaram-me um senso de moda andrógeno do tipo “vista-se objetivando o sucesso”, uma percepção exagerada de abuso sexual e discriminação no ambiente de trabalho e uma caricatura da sexualidade masculina como o modelo de liberdade para ambos os sexos. Agressão no trabalho e em encontros românticos foi o legado da minha educação.

Quando eu tinha vinte e nove anos, examinei minha vida e percebi um vazio. Um insistente foco em mim mesma não havia gerado muita felicidade.

A Psique Feminina Fragmentada

Durante esse tempo, uma amiga me emprestou um livro, dizendo o quão útil ele havia sido para “reaver uma psique feminina completa”. A premissa do livro era de que as mulheres poderiam ser restauradas pelo estudo das fraquezas e forças das deusas da mitologia grega e pela busca por reconciliação desses arquétipos numa mulher completa.

Eu fiz o teste do livro e descobri que meu resultado era muito próximo ao de Atenas, a deusa-guerreira que surgiu completamente formada da cabeça de Zeus. Este é um trecho da descrição que anotei em meu diário àquele tempo:

É fácil identificar Atenas no mundo moderno. Ela está lá fora, em todos os sentidos da palavra. Editando revistas, dirigindo departamentos de Estudos Femininos em faculdades, apresentando programas de entrevistas, fazendo turismo educacional na Nicarágua, produzindo filmes, desafiando o parlamento local.

A mulher “Atenas” é muito visível porque ela é extrovertida, prática e inteligente. Os homens geralmente são um pouco intimidados por ela no início, porque ela não responde às táticas sexuais comuns, e ela os colocará contra a parede em qualquer discussão intelectual. Quando eles ganham o respeito dela, ela se torna a mais leal das companheiras, uma amiga para toda a vida e uma fonte generosa de inspiração […].

Apesar de sua força, genialidade e independência, há um paradoxo na imagem tradicional de uma dama de armadura. Parece-nos que quanto mais energia a mulher “Atenas” coloca em desenvolver seu eu de sucesso, secular e bem armado, tanto mais ela esconde sua vulnerabilidade feminina. Assim, com sua androgenia, Atenas esconde um conflito, uma tensão não resolvida entre seu eu exterior inflexível e seu eu oculto, não expressado, que pode ser uma fonte de grande insegurança no tocante a encontrar uma identidade feminina integral. Nós chamamos isso de “a ferida de Atenas” […].

Ela  disputará  [com  seu  companheiro],  competirá  com  ele  e  frequentemente o desprezará por não ser tão  firme quanto ela.

Esse era um retrato bastante exato da minha vida naquela época. Eu realmente não sabia o que fazer com a minha identidade feminina, mas certamente sabia como discutir com homens. Agora, ao citar aquele livro, não o estou endossando de forma alguma. Mas eu olho para trás e me maravilho com o quão criativo Deus é quando ele começa a trabalhar em nossos corações. Já que eu não estava nem um pouco perto de uma Bíblia naquele tempo, Deus usou aquele livro e sua premissa teológica defeituosa para despertar a minha mente. Aquela citação foi a última coisa que escrevi em meu diário antes de embarcar no voo para a África do Sul. Eu saí para aquelas férias pensando que precisava fazer alguma coisa em relação à minha psique feminina fragmentada. Eu vi o problema — ou pelo menos parte dele —, mas não tinha certeza sobre como resolvê-lo.

Foi durante minhas viagens na África do Sul que Deus revelou para mim mais sobre esse dilema e ofereceu sua solução preciosa. Eu estava indo visitar minha irmã e meu cunhado, que estavam morando lá temporariamente para estudar em um Instituto Bíblico. Meu plano era desfrutar de umas férias exóticas, nada mais. Mas no domingo de Páscoa, numa igreja lutando pela reconciliação racial em uma nação ferida pelo apartheid, eu escutei a maior mensagem de redenção e perdão que já alcançou os ouvidos humanos.

Lá, sentada entre pessoas que certa vez se desprezavam por causa da cor de suas peles, eu aprendi que a esperança da mudança se encontrava na vida e na morte de Jesus Cristo. Depois de explicar a evidência histórica para a veracidade da vida de Jesus, o pastor nos falou sobre a importância de sua morte. Ele começou com o problema do pecado — nossa rebelião contra as leis de Deus e os padrões santos. Num lugar como a África do Sul, marcada pelo preconceito e pelo derramamento de sangue, o pecado é claramente evidente. Mas mesmo se nunca tivéssemos discriminado nem assassinado alguém, nós não seríamos inocentes. Desde o momento em que gritamos “não!” enquanto bebês, passando pelo tempo em que traímos, mentimos e roubamos quando adultos, até as inúmeras horas que gastamos consumidos pela nossa autoimagem e avaliação própria às custas dos outros, nós acumulamos um peso de culpa e pecado que nos esmaga diante de um Deus santo.

O pastor nos explicou que a Bíblia diz que a morte é a consequência do pecado. Cada um de nós enfrenta a morte por causa de nossos pecados individuais, mas também vivemos num mundo caído por causa de nossa pecaminosidade coletiva. Mas Deus nos oferece uma solução chocante. Para quebrar o ciclo de pecado e morte, ele enviou seu Filho, Jesus Cristo, para ser nosso substituto — para viver a vida perfeita que não podemos viver a fim de pagar pela punição de nossos pecados que não podemos pagar. Jesus morreu na cruz para que pudéssemos viver. Sua ressurreição, três dias depois, era prova de que seu sacrifício foi suficiente para quebrar o ciclo da maldição do pecado e da morte. Deus não ignora o pecado nem tolera a injustiça. Ele derramou toda a justa ira por nossos pecados sobre seu Filho para que pudéssemos receber perdão. O pecado não ficou impune, mas na cruz de Cristo a misericórdia triunfa sobre o juízo. Esse é o evangelho — ou as boas-novas — da vida, da morte e da ressurreição de Jesus Cristo.

Naquele domingo de Páscoa, eu finalmente ouvi e entendi a gravidade dessa mensagem. Eu vi a raiva, o duro julgamento de outros e o egoísmo na minha vida, tais quais eles eram: pecado contra Deus e contra os outros. E eu caí em lágrimas à medida que as boas-novas do sacrifício salvador de Jesus foram reveladas e oferecidas a mim.

Pela primeira vez, eu tinha esperança real por mudança. Mas a mudança era um processo. Eu ainda era hesitante em algumas áreas, cínica quanto à subcultura evangélica, aos escândalos dos pregadores da TV, aos milagres falsificados e à divisão denominacional. Ao longo daquela viagem, fiz várias perguntas difíceis à minha irmã e ao meu cunhado. Eles responderam graciosamente com as palavras da Escritura, mas não tentaram me forçar a aceitar a visão deles. Eu me maravilhei com a moderação deles e ponderei sobre suas palavras à medida que as estradas empoeiradas da África do Sul passavam sob as rodas do carro.

No terceiro domingo na África do Sul, visitamos uma igreja na Cidade do Cabo para ouvir o antigo pastor do meu cunhado. Um americano chamado C. J. Mahaney pregou uma mensagem sobre a honestidade e a variedade das emoções humanas registradas no livro de Salmos. C. J. aliviou minhas preocupações quanto a pôr um sorriso falso no rosto por causa de Jesus. A Bíblia não se evadiu da realidade de nossos sentimentos instáveis. Ela também não nos deixou chafurdando neles. Nossas emoções foram planejadas por Deus para nos impelir em direção à verdade e à fé — uma progressão modelada para nós em quase todos os salmos.

 

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

 

Cara, Onde Está Sua Noiva?

 

hdbebpueipde

Quando prego em diferentes lugares, uma das perguntas geralmente feita por mulheres, jovens em particular, é mais ou menos esta: “O que acontece com os homens?”

Não são mulheres zangadas. Sua pergunta é mais triste do que petulante. Não tenho muita certeza por que elas fazem essa pergunta. Talvez porque acabaram de ler meu livro, Faça Alguma Coisa (Just Do Something), e imaginam que as entendo, ou talvez pensem que eu posso ajudar. Geralmente logo depois fazem outro comentário para me exortar: “Por favor, fale aos homens da nossa geração e diga-lhes que sejam homens.”

Elas estão se referindo ao casamento. Conheci dezenas de jovens mulheres, tementes a Deus, em diversos lugares, que perguntam: “Para onde foram os homens ‘casáveis’?” Muitos comentaristas — cristãos e outros — percebem uma tendência entre os homens jovens; isto é, que eles não estão amadurecendo. Recentemente o artigo de William Bennett na CNN “Por que os Homens Têm Problemas” (Why Men Are in Trouble) chamou muita atenção. O ponto alto está resumido na sentença final: “Chegou a hora dos homens serem homens.” Parecem até palavras bíblicas (1 Coríntios 16.13).

Virtualmente cada pessoa solteira que eu conheço quer se casar. E mesmo assim, leva cada vez mais tempo o adiamento do casamento. Os padrões culturais têm algo a ver com isso. A economia ruim também não ajuda. Mas existe mais alguma coisa que confunde. Visite qualquer igreja e você vai conhecer mulheres cristãs atraentes, inteligentes, maduras que querem se casar e praticamente nenhum homem para cortejá-las. Geralmente essas mulheres estão em cursos de pós-graduação e podem até estar iniciando uma carreira. Mas não são feministas. Estão ansiosas para abraçar o papel de esposa e mãe. A maioria das mulheres que conheci não despreza o papel de ajudadora. Parece que simplesmente não existem muitos candidatos por aí.

 

O que está acontecendo? Por que existem tantas jovens mulheres solteiras, com formação universitária, que levam a sério o cristianismo, comprometidas com a igreja, mulheres bem resolvidas que não encontraram um companheiro, e não vêem quaisquer possibilidades no horizonte?

Talvez as mulheres tenham padrões inatingíveis. É uma possibilidade em algumas circunstâncias. Tenho certeza de que há alguns rapazes lendo isto e dizendo: “Eu tenho cortejado essas jovens, Kevin! E elas me desprezaram.” Algumas mulheres talvez estejam esperando um Príncipe Encantado. Mas na minha experiência esse não é o grande problema. Padrões exagerados? Não geralmente. Alguns padrões? Com certeza!

Em outros casos, algumas mulheres talvez estejam tão ansiosas para se casar que tornam nervosos os candidatos que demonstram algum interesse. Existe uma linha tênue entre antecipação e desespero. Os homens não dispostos a discutir detalhes do casamento após o primeiro encontro… Eles entram em pânico — e ficam bem assustados.

Esse caminho de solteirice prolongada é um caminho de duas mãos. Mas penso que o problema reside principalmente nos homens. Ou pelo menos, sendo homem posso identificar os problemas dos homens mais depressa. Vejo duas situações.

Primeira, os homens cristãos que são “bons rapazes” precisam ter um pouco de — qual é a palavra que estou procurando — de ambição. Os pastores, em algum ponto, têm ralhado contra o vídeo games. Mas o problema não está realmente nisso, mas o que isso pode representar (mas nem sempre). É o quadro de um rapaz com 20 e poucos ou 30 e poucos anos que não parece querer nada da vida. Talvez tenha um emprego. Talvez more ainda com seus pais. Essas coisas estão fora de controle. Há uma diferença entre um indivíduo que está se esforçando para conseguir alguma coisa e outro que parece satisfeito em assistir filmes, comer pizzas congeladas em um minúsculo apartamento, assistir futebol 12 horas no sábado, aparecer na igreja durante uma hora no domingo e, então, voltar para casa a fim de assistir mais futebol.

Não acho que as mulheres jovens estejam esperando um “Príncipe Encantado”,  que já tenha duas casas, três carros e uma personalidade como a de Dale Carneggie. Simplesmente querem um homem com alguma substância. Um homem que tenha planos. Um homem com alguma profundidade intelectual. Um homem que tome iniciativas e saiba conversar. Um homem que tenha consistência. Um homem que leve a serio o seu trabalho e não brinque com a sua fé. Um homem com um pouco de vontade de ter sucesso na vida. Um homem que possam imaginar sustentando uma família, orando com os filhos na hora de dormir, cortando a grama no sábado, e disposto a levar a família à igreja aos domingos. Onde estão os garotos que querem se transformar em homens?

A segunda situação talvez seja simplesmente que não tenhamos bastante homens na igreja. Talvez o problema maior não seja com os simpáticos rapazes cristãos que não têm ambição, nem maturidade e compromisso. Talvez tenhamos muitos homens assim na igreja, mas estejam todos casados e não têm muitos irmãos andando por aí. Não sei qual é o problema maior, a falta de homens bons ou a falta de homens em geral. Talvez haja uma combinação das duas coisas. A igreja precisa educar os rapazes que tem. E com “educar” não quero dizer “dar um polimento” e integrá-los em um ministério para solteiros para escolher uma companheira. Eu não creio que a maioria dos cristãos solteiros esteja à procura de uma comunidade cristã cheia de intrometidos. Mas uma igreja cheia de homens piedosos, envolvidos, respeitáveis e respeitados, maduros. É um projeto que vale à pena iniciar.

Portanto, o que se pode fazer a respeito de um grupo cada vez maior de mulheres solteiras? Quatro coisas me vêm à mente.

Todos devem orar. Orar para receber o cuidado providencial de Deus, crendo que a piedade com alegria é um dom. Se você é solteira, ore mais por um tipo de cônjuge que você deve ser do que o tipo de cônjuge que você quer ter. Ore também pelos casais e famílias da sua igreja. Se você é casada, ore pelas pessoas solteiras de sua igreja, pelos que nunca se casaram e aqueles que estão divorciados ou viúvos. Todas as pessoas devem orar para começar a servir o Senhor agora, não importa qual seja o estágio da vida em que se encontra ou deseja estar.

Mulheres, não se fixem na busca de um compromisso cristão sólido no casamento, mas certifique-se que sua lista de exigências não exclua a todos os homens, exceto o “Sr. Perfeito”.

Igrejas, não transformem a igreja numa imensa caverna de homens ou de machismo, mas pensem por que sua igreja foi desnecessariamente emasculada. Vocês desafiam e exortam? Vocês cantam hinos a Jesus que os homens possam cantar com sinceridade? A “comunhão” na sua igreja sempre focaliza atividades nas quais os homens tipicamente não se qualificam como ficar sentado e falar sobre seus sentimentos: Sua igreja pretende especificamente discípular os homens — particularmente homens jovens no colegial ou na faculdade? Agarre-os enquanto jovens e os faça crescer na adolescência e não mais tarde.

Homens, vocês não precisam ser ricos e não precisam escalar posições de liderança. Vocês não precisam ter carros e deixar a barba crescer. Mas chegou a hora de tomar uma pequena iniciativa — na igreja, na sua carreira e com as mulheres. Parem de dar voltas e procurem um alvo. Provavelmente é uma boa idéia parecer um pouco mais com o seu avô e um pouco menos com o Capitão Jack Sparrow. Menos ainda com o Peter Pan. Dêem provas de ambição piedosa. Assumam alguns riscos. Parem de namoricar e — se Deus não o estiver chamando para um serviço celibatário — comecem a procurar uma esposa.

 

Traduzido por: Yolanda Mirdsa Krievin

Do original em inglês: Dude, Where’s Your Bride?.

Autor Kevin DeYoung

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

O que os homens de hoje deveriam estar aprendendo?

Afequenosune

Texto-Bíblico: 1 Reis 2:1-2

Existem valores e atitudes que tem sido esquecidas, abandonadas e até mesmo desprezadas nos dias atuais pelo o mundo de forma geral. E mesmo dentro das igrejas, temos um discurso que não tem condiz com a nossa prática no dia a dia.

Todo homem deve ter e manter valores e atitudes que os tornem homens melhores, diferentes e que os façam ser excelentes referenciais para as futuras gerações.

Entendo e creio que quando Cristo reina em nossos corações e vidas, nossos valores e atitudes vão se tornando a medida que nos relacionamos com Ele por meio das disciplinas espirituais (oração, leitura e estuda da Bíblia, jejum, obediência, comunhão com a igreja local, etc.), conformes o do nosso Senhor Jesus Cristo.

Já se em nossos corações quem reina é o nosso próprio ego ou algum tipo de ídolo (sexo, dinheiro, entretenimento, vícios, ídolos religiosos, etc.) nossos valores e atitudes irão tomar a forma dessas mesma coisas (Salmo 115:1-8).

Quem ou o quê tem reinado em seu coração e vida? E quais são os valores e atitudes que os homens de hoje deveriam estar ensinando e aprendendo?

– Serem Homens de Verdade!

1 Reis 2:1-2

Vivemos um tempo horrível e deprimente, onde os homens estão literal e totalmente abandonando suas responsabilidades e obrigações como homens. Basta vermos a quantidade de mães solteiras, a criminalidade que só aumenta e a vítimas também, a quantidade de crimes cometidos contra as mulheres e crianças, homens que tem abraçado o homossexualismo e toda prática sexualmente depravada, etc.

– Valorizarem e cuidarem de suas próprias famílias.

1 Timóteo 5:4,8 e 16

Os homens da atualidade parecem se importar cada vez mais e somente consigo mesmos. E menos com suas próprias famílias. Podemos ver isso desde simples atitudes de carinho e respeito que faltam, quanto atos cometidos contra a sua própria família ou outras famílias.

Literalmente, famílias estão sendo destruídas, arruinadas e roubadas por que lhes faltam homens que liderem, protejam e cuidem de suas próprias famílias.

– Como tratar, amar e cuidar de uma mulher

Efésios 5:25-33

Os homens de hoje em dia parecem pensar que devem e podem tratar as mulheres de todo jeito que quiserem. E que elas são meros objetos do seu próprio e egoísta prazer sexual. E infelizmente aprendem isso através de amigos, parentes, colegas de trabalho/escola e até mesmo por pais que abandonam seus lares e famílias por outras mulheres.

Os homens de hoje precisam aprender a como se relacionar e tratar as mulheres de maneira geral e, mais especificamente as suas próprias mulheres – ou aquelas que fazem parte de sua vida – como suas esposas, mães, filhas, parentes, amigas, colegas de trabalho, etc.

Bem como a assumirem e construírem relacionamentos duradouros e saudáveis (namoro, noivado e casamento). E agir e reagir com amor altruísta pelas mulheres, ajudando-as em suas fraquezas e dificuldades.

– Serem protagonistas de sua própria história (em casa, no trabalho, na escola, na igreja, na comunidade/bairro, na cidade e no mundo).

Josué 24:14-15/ 1 Samuel 17

É lamentável ver homens que não tomam iniciativa de paquerar e conquistar uma mulher, antes as mulheres é que acabam tomando essa atitude. De arrumar um emprego ou mesmo abrir um pequeno negócio, de assumir um cargo de liderança em suas igrejas, de iniciarem e concluírem com sucesso um curso superior, etc.

Falta aos homens de hoje, coisas simples e fundamentais a nossa formação como homens: iniciativa, pró-atividade, atitude e garra para conquistar, ter e realizar o que se quer.

– Serem mais úteis do que inúteis.

Marcos 9:33-36; 10:35-45/ João 13:1-17

Vivemos dois paralelos perigosos hoje em dia. Ou vivemos num ócio imenso, enfrente a um computador, televisão, celular. E sobrevivendo as custas dos nossos pais ou mesmo mulheres. Ou nossa vida se resume a meramente: futebol, beber, usar drogas, pegar cada vez mais mulheres, festas, etc. Uma vida egoísta e autodestrutiva mesmo.

E ao vivermos em algum desses dois paralelos, corremos o risco sério de sermos homens inúteis, fúteis e desprezíveis. Precisamos aprender a servir aos outros. A conjugar e praticar palavras como servir, mas também colaborar, ajudar, socorrer, amparar, cuidar e abençoar.

O famoso pregador metodista Jonh Wesley já dizia: “Senhor, não permita que sejamos inúteis”. Ou que vivamos vidas inúteis.

– Viverem e morrerem Pela Verdade

Atos 4:18-20/Efésios 4:11-15 e Judas v.3

Em um tempo de agitação política e disputas ideológicas, que muitos vivem, lutam e morrem por partidos políticos, movimentos sociais ou ideológicos, políticos corruptos, etc. Realmente vivem e relativizam a verdade e a mentira, o que é bom e o que é mau, o certo e o errado, o justo e o injusto, o herói e o vilão.

Só que se esquecem que não existe neutralidade ou algo entre a verdade e a mentira. Ou estamos de um lado ou do outro. É triste quando vejo homens cristãos (ou que se dizem cristãos) defenderem políticos corruptos, bem como seus partidos. Ou mesmo levantarem uma bandeira ideológica que além de ir totalmente contra a Palavra de Deus, vai de encontro frontal a tudo o que as ciências biológicas e médicas estabelecem como sendo macho e fêmea.

Realmente, a geração atual perdeu os valores e atitudes que mantém os homens como sendo homens. Que mantém uma família, igreja, empresa e nação de pé. Vemos uma cada vez maior liquidez de valores e atitudes que formaram os homens do passado e que raramente vemos nos dias de hoje.

Até mesmo dentro de muitas igrejas vemos isso, precisamos resgatar e trazer de volta esses valores e atitudes, bem como tantos outros que a Palavra de Deus nos ensina.

 

Em Cristo Jesus,

Filipe Paulo Christian

Por que os homens estão com problemas?

Por-Que-Mulher-de-Opinião-Assusta-os-Homens-11

William Bennett: as mulheres fizeram grandes avanços na conquista de várias coisas que antes somente os homens tinham conquistado. Ele diz que os homens ficaram para trás, agora representando menos da metade dos graduados da faculdade.

Os homens estão mais distantes das famílias, muitos não têm empregos e não têm maturidade.

Precisamos ensinar aos meninos o que eles precisam para crescer como homens.

Pela primeira vez na história, as mulheres são mais educadas, mais ambiciosas e sem dúvida mais bem sucedidas do que os homens.

Agora, a sociedade com razão celebrou a ascensão de um sexo. Nós dissemos: “Você vai menina”, e elas foram. Celebramos a ascensão das mulheres, mas o que faremos sobre o que parece ser o declínio muito real do outro sexo?

Os dados não são bons para os homens. Em 1970, homens obtiveram 60% de todos os diplomas universitários. Em 1980, o número caiu para 50%, em 2006 foi de 43%. As mulheres agora superam os homens em graus universitários em quase três ou dois. Os ganhos das mulheres cresceram 44% em reais entre 1970 e 2007, em comparação com o crescimento de 6% para os homens.

Em 1950, 5% dos homens na principal idade de trabalho estavam desempregados. A partir do ano passado, 20% não estavam trabalhando, o maior número já registrado. Os homens ainda mantêm a maior parte das ocupações mais bem remuneradas e mais poderosas, mas as mulheres as estão conquistando e em breve os passarão se essa tendência continuar.

Os sinais de alerta para os homens se estendem muito além das carteiras. Os homens estão mais distantes de suas famílias ou de seus filhos. A taxa de natalidade fora do casamento é mais de 40% na América. Em 1960, apenas 11% das crianças nos EUA viviam separadas de seus pais. Em 2010, essa participação aumentou para 27%. Os homens também são menos religiosos do que nunca. De acordo com a pesquisa de Gallup, 39% dos homens relataram freqüentar a igreja regularmente em 2010, em comparação com 47% das mulheres.

Se você não acredita nos números, basta perguntar a mulheres jovens sobre homens hoje. Você vai encontrá-los falando sobre adolescência prolongada e homens que se recusam a crescer. Ouvi muitas mulheres jovens perguntando: “Onde estão os homens solteiros decentes?” Há um déficit de maturidade entre os homens lá fora, e os homens estão ficando para trás.

Esse declínio nas virtudes fundadoras – trabalho, casamento e religião – chamou a atenção para comentaristas sociais de todos os cantos. Em seu artigo seminal, “The End of Men”, Hanna Rosin descobriu a inversão de papel sem precedentes que está ocorrendo hoje. “O homem tem sido o sexo dominante desde então, bem, o alvorecer da humanidade. Mas, pela primeira vez na história humana, isso está mudando – e com velocidade chocante”, escreve Rosin. As mudanças no trabalho moderno – de costas para cérebros – catapultaram as mulheres para o topo da força de trabalho, deixando os homens em suas poeiras.

A resposta do homem tem sido patética. Hoje, homens de 18 a 34 anos passam mais tempo jogando videogames por dia do que meninos de 12 a 17 anos. Enquanto as mulheres estão se formando na faculdade e encontrar bons empregos, muitos homens não vão trabalhar, não se casam e não criam famílias. As mulheres estão começando a tomar o lugar dos homens de muitas maneiras. Isso levou alguns a perguntar: precisamos mesmo de homens?

Então, o que está errado? Cada vez mais, as mensagens aos meninos sobre o que significa ser um homem são confusas. O machismo da gangue da rua chama com um arrogante. Videogames, televisão e música oferecem lições duvidosas para meninos que foram abandonados por seus pais. Alguns treinadores e sargentos do exército gritam: “Que tipo de homem é você?” Mas não explicam.

Os filmes estão repletos de histórias de homens que se recusam a crescer e se recusam a assumir a responsabilidade nos relacionamentos. Os homens, alguns obcecados com o sexo, tratam as mulheres como brinquedos para serem descartados quando as coisas se complicam. Através de todos esses sinais diferentes e conflitantes, nossos meninos devem decifrar o que significa ser um homem, e para muitos deles é mais difícil descobrir.

Para que os meninos se tornem homens, eles precisam ser orientados através de conselhos, hábitos, instruções, exemplos e correções. É verdade em todas as idades. Alguém já caracterizou as duas questões essenciais que Platão representava: quem ensina as crianças e o que nós ensinamos? Cada geração de homens e mulheres tem a obrigação de ensinar os jovens do sexo masculino (e as mulheres, é claro) que estão por trás deles. William Wordsworth disse: “O que amamos, outros vão adorar, e nós vamos ensinar-lhes como”. Quando faltam nessa obrigação, o problema certamente segue.

Precisamos responder a esta cultura que envia sinais confusos aos jovens, uma cultura agnóstica sobre o que deseja que os homens sejam, com uma noção clara e realizável de masculinidade.

Os fundadores acreditavam, e as evidências ainda mostram que o trabalho, o casamento e a religião são uma base muito importante para o empoderamento e a conquista masculino. Talvez devamos dizer a um bom número de nossos homens de vinte e poucos anos: “Saiam dos videogames cinco horas por dia, obtenha um trabalho desafiador e case-se”. É hora de homens se levantarem.

Por William J. Bennett, avaliador CNN

Link do artigo em Inglês, abaixo

http://edition.cnn.com/2011/10/04/opinion/bennett-men-in-trouble/index.html