Arquivo da tag: Meninos

Sobre adoção e cuidados órfãos: uma proposta de resolução

pastor-russell-d-moore

Ontem enviei uma resolução ao Comitê de Resoluções da Convenção Batista do Sul de 2009. O Comitê de Resoluções tem o poder total de recusar ou reescrever qualquer resolução, portanto, só porque isso é enviado, não significa que ele será votado pela SBC. Isso é inteiramente a critério do comitê. No entanto, abaixo está a resolução que enviei para sua consideração.
“Sobre a adoção e cuidados órfãos”
CONSIDERANDO QUE, no evangelho, recebemos o “Espírito de adoção”, pelo qual não somos mais órfãos espirituais, mas somos agora amados filhos de Deus e co-herdeiros com Cristo (João 14:18; Romanos 8: 12-25; Gl 3 : 27-4: 9; Ef 1: 5); e
CONSIDERANDO que o Deus que agora conhecemos como nosso Pai se revela como um “pai dos órfãos” (Sl 68.5) que concede misericórdia aos órfãos (Dt 10:18; Oséias 14: 3); e
CONSIDERANDO QUE, nosso Senhor Jesus acolhe os pequeninos (Lucas 18: 15-17), implora pela vida dos inocentes (Sl 72: 12-14), e nos mostra que seremos responsabilizados pela nossa resposta aos “ menores destes meus irmãos ”(Mateus 25:40); e
CONSIDERANDO QUE, a Escritura define “religião pura e imaculada” como “visitar órfãos e viúvas em sua tribulação” (Tg 1.27); e
CONSIDERANDO que os poderes satânicos têm combatido crianças e bebês do Faraó a Moloch e Herodes e, agora, através dos horrores de uma cultura de divórcio, uma indústria de aborto e as pragas globais de doenças, fome e guerra; e
CONSIDERANDO QUE, os Batistas do Sul têm articulado um compromisso inequívoco com a santidade de toda a vida humana, nascida e não nascida; e
CONSIDERANDO QUE, uma denominação de igrejas definida pela Grande Comissão deve se preocupar com o evangelismo de crianças – incluindo aquelas que não têm pais; e
CONSIDERANDO que mais de 150 milhões de órfãos agora definham sem famílias em orfanatos, casas de grupos e sistemas de colocação na América do Norte e ao redor do mundo; e
CONSIDERANDO QUE, nosso Pai ama todas essas crianças, e uma grande multidão delas nunca ouvirá o evangelho de Jesus Cristo; portanto, seja
RESOLVEU-SE que os mensageiros da Convenção Batista do Sul, reunidos em Louisville, Kentucky, de 23 a 24 de junho de 2009, expressam nosso compromisso como uma denominação de igrejas para se unirem a nosso Pai em busca de misericórdia para os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que convocamos cada família batista do sul a orar pedindo orientação sobre se Deus os está chamando a adotar ou promover um filho ou filhos; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos nossos pastores e líderes da igreja a pregar e ensinar sobre a preocupação de Deus com os órfãos; e seja mais
RESOLVEU-SE que elogiamos as igrejas e os ministérios que estão equipando as famílias para fornecer recursos financeiros e outros recursos àqueles chamados a adotar, por meio de doações, fundos equivalentes ou empréstimos; e seja mais
RESOLVIDO, que pedimos ao nosso Conselho de Missão Internacional e ao Conselho de Missão da América do Norte que priorizem o evangelismo e ministério para órfãos ao redor do mundo, e procurem maneiras de energizar os Batistas do Sul por trás dessa missão; e seja mais
RESOLVIDO, que encorajamos as igrejas Batistas do Sul a se unirem a outros cristãos evangélicos no reconhecimento de 8 de novembro de 2009, como “Domingo dos Órfãos”, enfocando aquele dia em nossa adoção em Cristo e nosso fardo comum para os órfãos do mundo; e seja mais
RESOLVIDO, que esperamos que o que Deus está fazendo na criação de uma cultura de adoção em tantas igrejas e famílias possa nos indicar uma unidade do evangelho que é definida não pela mesmice racial, econômica ou cultural da “carne”, mas pela união e paz do Espírito. em Cristo Jesus; e seja finalmente
RESOLVIDO, que nós oramos por um derramamento do Espírito de Deus nas congregações Batistas do Sul, para que nossas igrejas cada vez mais anunciem e imaginem, em palavras e atos, que “Jesus ama as criancinhas, todos os filhos do mundo.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2009/05/19/on-adoption-and-orphan-care-a-proposed-resolution/

Datado de 19 de maio de 2009

Anúncios

Adoção, Identidade e Kung-Fu Panda

20110610_estreias_cinema_f_031
Meus ombros ficaram tensos, enquanto eu olhava para os meus filhos, comendo pipoca nos assentos ao meu lado. Não é que eu ache que nunca haveria um filme que pudesse desenterrar algumas conversas familiares estranhas e potencialmente traumáticas. É só que eu não esperava que fosse o Kung-Fu Panda Dois.
Neste filme de animação, há um sub-enredo de adoção que eu não estava totalmente preparado para entrar. Acontece (alerta de spoiler) que o protagonista do panda, Po, descobre que seu pai não é seu pai biológico. Ele foi encontrado, abandonado, em uma caixa de nabo quando ele era um filhote. Po descobre que havia uma antiga profecia de que o rei perverso seria derrotado por um panda. O rei tentou destruir, preventivamente, todos os pandas para garantir que seu rival nunca surgisse. Eu acho que você poderia dizer que ele estava perturbado e toda Jerusalém com ele (Mateus 2: 3), mas essa é outra história.
O filme lida de forma intermitente com Po buscando responder a pergunta: “Quem sou eu?” É encontrando seu lugar na velha profecia que ele descobre sua identidade e chega a paz com quem ele é.
Eu estremeci, não porque o filme abordasse a adoção, mas porque o velho ganso parecia gaguejar, quase com vergonha, quando “admitiu” que seu filho havia sido adotado. Meus ombros relaxaram enquanto o filme lutava com o que eu achava ser um modo útil e basicamente afirmativo da vida com o que é um dos aspectos mais perturbadores da adoção.
Muitas (embora não todas) crianças que foram adotadas eventualmente fazem o tipo de perguntas difíceis que este filme levanta no meio de toda a sua diversão e tolice. Um pode ser assombrado com perguntas “Quem sou eu” e “What if” e “Why”. Em certo sentido, todos nós enfrentamos essas questões, independentemente de nossas origens. Mas, para as crianças que foram adotadas, muitas vezes há um senso especial de desamparo diante delas.
Se o darwinismo social fosse verdade, então essas questões seriam sombrias. Nesse mundo, a pergunta “quem é você” é primeiramente respondida pela constituição genética. Se você não conhece seu histórico biológico completo, nunca poderá saber quem você é. Mas, como aqueles que apostaram nossas vidas no túmulo vazio de Jesus, sabemos que esse não é o mundo real.
Se você foi adotado, não há nada de errado em querer descobrir tanto sobre a sua origem quanto quiser. Não há nada de errado em querer conhecer seus pais biológicos ou outros parentes biológicos. Isso faz parte da sua história. Mas a palavra “parte” é realmente importante.
Se você conhece a Cristo, medite na providência de Deus em sua história pessoal. Você é quem você é, e você pertence onde você está, porque você está exatamente onde Deus planejou que você seja, para se tornar a pessoa que você é. Nada acontece com você por acidente. Todas as coisas, até mesmo misteriosamente aquelas coisas horríveis que Deus odeia, entra de alguma forma em um drama cósmico secreto em que tudo funciona em conjunto “segundo o conselho da sua vontade” (Ef. 1:11).
Não importa quão horrível seja sua história, você não é uma aberração e sua vida não é um acidente. Sim, os genes são importantes. Você tem os genes que Deus queria que você tivesse. Sim, nutrir é significativo. Você tem os pais que Deus queria que você tivesse. É a interação entre os dois que faz de você quem você é. Apesar de todos os reducionismos da nossa idade, chegamos a ser o tipo de pessoa que somos por uma curiosa combinação de genes, educação e decisões livres. Você não está cativo de nada disso.
E no seu caso, como no caso de todos nós, Deus orquestrou todos esses fatores para formar você no tipo de pessoa que você é, com os tipos de experiências que você tem. Por quê? Você pode não saber por milhares de anos. Se você está em Cristo, Deus está preparando você para governar o cosmos. Ele quer que você seja quem você é em Cristo e esteja pronto para este reinado.
Este filme foi divertido duas horas; e realmente foi divertido. Eu diria “dois polegares para cima”, mas você pode pensar que eu estava fazendo uma piada sobre pandas, polegares e design inteligente. Mas além de todo o entretenimento, me perguntei se a dor animada na tela à nossa frente poderia ter provocado alguma dor real nas pessoas que eu mais amo.
Quando saímos do teatro, eu cutuquei um pouco, para iniciar qualquer conversa que precisássemos ter. “O que você achou do filme?”, Perguntei. “Quando ele começou a atirar aquelas balas de canhão”, meus filhos responderam, “foi legal”.
Eles não parecem ter nenhum tipo de “crise de identidade” neste momento, mas tenho certeza que sim. A cada minuto de cada dia, eu luto se sou quem eu era em meus próprios termos, o que a Bíblia chama de “a carne”, ou se sou quem Deus me disse para estar no evangelho, um filho amado e herdeiro.
E, como um panda animado que conheço poderia dizer, isso é simplesmente fantástico.

 

Autor: Dr. Russell D.Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2011/06/05/adoption-identity-and-kung-fu-panda/

Como as igrejas podem criar uma cultura de adoção

media_header_581b847649d63

Ainda tinha aquele cheiro, como uma mistura de tapete novo e velha senhora.

Maria e eu olhamos uma para a outra enquanto nos levantávamos neste auditório familiar. Foi o primeiro lugar que nós já vimos um ao outro – de pé bem aqui, enquanto eu corria da chuva e ela estava dobrando um guarda-chuva encharcado. Eu andei por esta porta milhares de vezes.

Meus pais me carregaram nessas portas algumas semanas depois do meu nascimento. Eu passei por eles todos os domingos de manhã da minha infância, com uma Bíblia e um envelope de oferta na mão. Todo verão eu caminhava por essas portas – carregando uma bandeira ou uma Bíblia para a rodada de compromissos da Escola Bíblica de Férias, as coisas mais próximas que tínhamos de uma liturgia ou de um calendário do ano cristão.

Eu olhei para a janela, bem ao lado das grandes portas de vidro. Esse foi o filho do pregador que quebrou com uma pedra, e nós todos nos espalhamos, sabendo que ele iria conseguir. Esta foi a minha igreja em casa. Fazia muito tempo desde que entramos neste auditório, e agora tínhamos duas pequenas mãos segurando nossos dedos.

Nossos garotos tinham, eu tenho certeza, nenhuma ideia de quão grande era para nós tê-los aqui conosco. Para eles, era apenas outra igreja em algum lugar. Mas para mim, foi tudo.

Para a maioria das igrejas, a adoção não é uma prioridade, e isso não é porque os membros da igreja são anti-adoção. É porque a adoção parece estranha para alguns deles e irrelevante para os outros. Torna-se um foco apenas quando um membro da igreja enfrenta pessoalmente infertilidade, ou conhece crianças particulares sem pais. Até então, para a maioria de nós, a adoção raramente cruza nossas mentes.

 

É por isso que o primeiro passo para uma igreja amiga da adoção deve ser o púlpito. Isso parece óbvio, mas é menos óbvio do que parece. Ao dizer que os pastores deveriam pregar sobre adoção, não estou falando primariamente de “conscientizar” sobre a adoção, da mesma forma que um diretor do ensino médio pode “aumentar a conscientização” em um discurso sobre uma campanha de arrecadação de fundos para o novo estádio de futebol.

A pregação não é simplesmente um meio de transmitir informações. O ato de pregar, então, carrega consigo, se é a pregação bíblica fiel do evangelho, a autoridade do próprio Jesus. Essa é a diferença entre o ato de pregar e o ato de dar palestras – a diferença entre “Assim diz o Senhor” e “Parece para mim”.

O pregador, além disso, deveria pregar sobre adoção com especificidade.

O pastor não sabe exatamente como uma prioridade de adoção funciona em cada vida ou família individual, mas ele pode promover a causa provocando perguntas. Ele pode perguntar, por exemplo, em uma mensagem sobre a pobreza ou a santidade da vida humana, se Deus pode estar chamando alguns na congregação naquele dia para adotar, se Deus está chamando alguém para dar dinheiro para financiar uma adoção. Ele pode chamar seu povo para orar por como Deus os usaria para servir os órfãos, seguido por informações sobre como eles podem cumprir qualquer compromisso que Deus ponha em seus corações com informações de contato sobre grupos dentro da igreja capazes de ajudar.

Pastores e líderes da igreja também podem criar uma prioridade para adoção, destacando as adoções dentro da igreja. Esta não é uma maneira de “elogiar” os pais adotivos, mas sim de fazer com que a adoção pareça menos “estranha” para o resto da congregação.

Em quase todos os cultos da igreja, há aqueles que começariam a pensar se deveriam ou não adotá-los se apenas virem alguém que tenha feito isso. Quando as pessoas vêem e conhecem crianças que foram adotadas, de repente, a realidade não é abstrata para elas. Quando eles ouvem a palavra “órfão”, eles param de pensar em um rosto triste em um filme e começam a pensar em “Caleb” ou “Chloe”, que se senta no banco na frente deles.

Algumas igrejas têm um tempo de “dedicação do bebê” ou “dedicação de pais e filhos”, em que oram por recém-chegados dentro da congregação. Algumas congregações são de um tamanho tão grande, que esse tipo de celebração anual é o que é prático. Para outras igrejas, no entanto, pode haver um tempo no final do culto sempre que um bebê nasce ou uma criança é adotada por uma família dentro da igreja.

Isso poderia levar apenas três ou quatro minutos com reconhecimento e uma oração de agradecimento. Em igrejas maiores, isso poderia ser feito via vídeo. O objetivo seria contrapor-se à crescente visão utilitarista da cultura sobre as crianças, acolher as crianças como bênçãos de Deus e encorajar as famílias a considerarem a adoção de órfãos em suas casas.

Um pastor-herói meu costumava concluir cada batismo permanecendo no batistério, mergulhando as mãos na água e anunciando: “E ainda há espaço para mais.” Era a maneira dele de convidar aqueles que ouviam entrar na comunhão de Cristo sem demora. Um pastor poderia ter grande efeito se realizasse um tempo de oração por adotar famílias, seguido da declaração ao seu povo: “E ainda há mais crianças lá fora que precisam de pais piedosos”.

Outro aspecto chave do ministério da igreja local em direção à adoção é o da administração econômica.

Se os apóstolos lembram até mesmo o próprio Paulo de “lembrar-se dos pobres” (Gl 2,10), então certamente o restante de nós precisa de tal lembrança. O pastor pode se levantar e dizer: “Temos um casal sem nome em nossa congregação que está orando pelo dinheiro que será necessário para adotar uma criança, imagino se o Senhor está chamando alguém aqui para ajudar a fazer isso acontecer”. ao permitir que os doadores o façam anonimamente, sabendo que serão recompensados ​​integralmente no Tribunal.

Os pastores podem encorajar a adoção também à medida que enfatizam continuamente a santidade (e dignidade) da vida humana, incluindo a vida dos deficientes, os “ilegítimos” e os que ainda não nasceram.

Algumas das mulheres da sua congregação são vulneráveis ​​à propaganda abortista precisamente porque ela sente que perderá sua igreja se as pessoas da igreja souberem da vergonha de sua gravidez. Fale com essa mulher do púlpito – e para seu marido ou namorado ou pai. Fale diretamente com o abortista, que pode ter escorregado pela porta dos fundos ou pode se deparar com uma gravação da mensagem. Fale diretamente do horror do julgamento que virá por aqueles que derramam sangue inocente. Mas fale também diretamente que o julgamento caiu sobre o corpo trêmulo de um Jesus crucificado. Avise do inferno, mas ofereça misericórdia – misericórdia não apenas no Tribunal, mas misericórdia nas células/grupos e nos corredores de sua igreja.

Sua congregação pode incentivar e equipar a adoção de bebês e crianças. Sua igreja pode pregar o evangelho e cuidar dos vulneráveis. Você pode fornecer os fundos e o incentivo e o apoio de oração para um número incontável de famílias da Grande Comissão. Se a adoção for uma prioridade, as congregações precisarão se mobilizar para isso. Afinal, é preciso mais do que uma aldeia para adotar uma criança, pelo menos para aqueles de nós em Cristo. É preciso uma igreja.

 

Este artigo é adaptado da nova edição do meu livro Adoptado para a Vida: A Prioridade da Adoção para Famílias e Igrejas Cristãs.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:

https://www.russellmoore.com/2015/11/23/how-churches-can-create-a-culture-of-adoption/

A Importância da Figura Masculina

novedad-la-importancia-de-la-figura-paterna-940x430-copia

Recentemente, li um artigo extraordinário sobre o assunto do motivo por que tantos rapazes estão revoltados, chateados e rebeldes. A escritora desse artigo (Tiffani) tem cinco filhos, inclusive dois meninos com as idades de 14 e 2 anos. No laboratório de uma vida familiar feliz, estável e caótica, ela criou essa louca teoria: de que os meninos precisam de homens para lhes ensinar a ser homens. Loucura, não é?

À medida que Tiffani observava os padrões morais, atitudes, ética profissional e senso de responsabilidade da sociedade se deteriorarem, ela não conseguia deixar de especular se a falta de um homem forte na vida dos meninos os transforma de “doces, amorosos menininhos corados” em adolescentes monstruosos. E ela ficou pensando. será que a rebelião na adolescência é uma fase natural da vida, ou será que é causada por algo de que os meninos têm falta?

A premissa da teoria de Tiffani é que as mães precisam saber quando se retirar e deixar seus filhos do sexo masculino aprenderem a ser homens sob a tutela de seus pais (ou figuras paternas). Como todas as mães, Tiffani quer proteger seus meninos de ferimentos. Mas isso é bom a longo prazo? Talvez não. Tiffani está aprendendo quando afastar-se e deixar seu marido assumir a orientação de seus meninos.

À medida que amadurecem, os meninos nem sempre vão querer – ou precisar – proteção. Eles precisam de desafios, aventuras e atos de cavalheirismo. Os pais – os pais fortes – sabem quando afastar a proteção das mães e começar a treinar seus filhos a serem homens. A palavra-chave é treinamento.

O treinamento é decisivo. Meninos sem treinamento crescem e se tornam monstruosos: fora de controle, predatórios em cima das mulheres, irresponsáveis, incapazes ou indispostos a limitar seus impulsos movidos à testosterona para agressão ou sexo. Nossa atual sociedade está toda encardida com os prejuízos que sobraram dos meninos que nunca aprenderam o que é necessário para ser um homem. Lamentavelmente, esses “meninos adultos” muitas vezes procriam indiscriminadamente e despreocupadamente, então se recusam a ser pai para os filhos que eles produzem.

Mas homens treinados transformam a sociedade. Eles trabalham duro. Eles movem coisas pesadas. Eles constroem abrigos. Eles protegem, defendem e resgatam. Eles providenciam provisão para suas famílias. Eles fazem todas as coisas assustadoras, feias e sujas que as mulheres não conseguem (ou não querem) fazer. Homens treinados são, nas palavras do colunista Dennis Prager, a glória da civilização.

Conforme aponta Tiffani, os meninos precisam de homens para ajudá-los a estabelecer sua masculinidade de modo apropriado. Os homens entendem que os meninos precisam de experiências e desafios definidores para cumprir seus papéis biologicamente programados. As mulheres não entendem isso, mas não tem problema. Pais fortes (ou figuras paternas fortes) instintivamente intervirão e começarão a treinar os meninos como domar a testosterona, como trabalhar, como respeitar as mulheres, como liderar e defender e como eliminar ameaças.

O problema começa quando não há um modelo de papel masculino para um menino imitar. Se os homens estão ausentes, enfraquecidos ou indispostos a ensinar os meninos como se conduzir, então os meninos não aprendem como ser homens. É simples assim.

As mães não têm a capacidade de ensinar os meninos a ser homens. Não importa quanto amemos nossos filhos do sexo masculino, não temos essa capacidade. As mães querem ser mães porque, afinal, é o que fazemos. Protegemos, cuidamos e beijamos as feridas dos nossos meninos. Mas chega uma hora na vida de todo menino em que ele precisa se erguer acima dos beijos nas feridas e ser um homem. Os homens não dão beijos nas feridas. É assim que eles se tornam guerreiros e protetores.

Lembro-me de quando o filho de 13 anos de nosso vizinho andou de bicicleta até nossa casa, uma distância de um quilometro e meio em difícil estrada de terra. Ele levou um tombo desagradável e chegou coberto de arranhões e sangue. Quando lhe perguntei o que havia acontecido, ele explicou sobre o tombo. então acrescentou um sorriso radiante: “Mas não tem problema. Sou menino”. Não é preciso dizer mais nada.

Se eu tivesse me descabelado com a situação dele, falando carinhosamente, agindo de forma excessivamente preocupada e beijando seus machucados, eu teria roubado dele a aventura de ter sobrevivido de seu acidente. Ele se orgulhou das cicatrizes de sua batalha, e a última coisa que ele queria era cobri-las com ataduras infantis.

O que acontece quando os meninos não têm um homem forte para lhes ensinar? Os resultados variam de indivíduos fracos e covardes a totais brigões. Dou um exemplo em meu blog sobre uma mulher dominadora com um marido fraco criando dois filhos do sexo masculino. Esses meninos estão crescendo num lar torcido e desordenado que vai contra a natureza humana e a programação biológica, e os meninos vão virar homens abrutalhados.

Meninos que crescem com nada senão a “proteção” de suas mães – sem nenhum homem forte para lhes dar a chance de acabarem com as ameaças – se tornam revoltados e cheios de amargura. Eles sabem que algo está errado. Eles sabem que têm de defender as mulheres, mas eles guardam tanto ressentimento de suas mães por “protegerem” a eles de todos os desafios que o modo como eles veem as mulheres fica distorcido.

Se o marido dessa mulher tivesse desempenhando seu papel como cabeça da casa, esses meninos poderiam ter se tornado homens diferentes. Se ele tivesse resgatado seus filhos do perpétuo amor protetor de sua esposa, seus filhos poderiam ser Homens em Treinamento em vez de Futuros Abrutalhados. Mas temo que seja tarde demais.

Creio que uma parte de criar filhos fortes e equilibrados vem de meninos observando suas mães honrarem seu pai. O lar em que a mãe e o pai respeitam um ao outro por suas várias forças biológicas cria os filhos da forma mais estável e equilibrada possível.

Meu marido e eu não temos filhos para criar e se tornarem homens. Mas nossas meninas estão aprendendo a admirar a verdadeira masculinidade, não potenciais abrutalhados ou fracos e covardes. Ajuda tremendamente que, em nossa vizinhança, estejamos cercados de pais responsáveis que estão criando excelentes rapazes – fortes, prontos para ajudar, protetores das mulheres, ansiando serem heróis.

Com que tipo de homem você pensa que quero que minhas filhas casem algum dia? O Homem de Verdade que assume seu papel biológico de protetor e guerreiro? Ou o Rapaz Revoltado que xinga a mãe e despreza o pai? Qual lhe parece o homem mais equilibrado e firme?

Nada disso é difícil demais de entender – ou, pelo menos, não devia. Infelizmente na cultura andrógina feminista de hoje, esse conceito se tornou motivo de desprezo e zombaria.

 

Fonte Original: http://amofamilia.com.br/portal/importancia-da-figura-masculina/

 

Ministério de Homens – Café da Manhã (Série) 

cafezinho

Nesta série de artigos – Ministério com Homens, estaremos trazendo várias dicas de como iniciar e realizar um bom trabalho com os meninos, rapazes e homens de sua igreja, família e comunidade. 

 

Na dica de hoje, trago como uma excelente ação em prol de criar e fortalecer relacionamentos dentro da igreja, bem como evangelizar homens e rapazes não cristãos – o café da manhã dos homens na Igreja. 

 

Pude ver essa ação sendo realizada pela Primeira Igreja Batista de Cajueiro, aqui em Recife/PE. Onde uma vez por mês, normalmente no primeiro sábado de cada mês, logo cedo de manhã das 7h as 9h, realizam esse encontro de homens, rapazes e meninos para juntos orarem, compartilhar uma palavra e testemunho de conversão e transformação de vida em Jesus, louvar ao Senhor juntos. E logo após esse momento de comunhão com Deus e edificação mútua, tomam um maravilhoso café da manhã juntos. 

 

Essa é uma das ações do ministério de homens dessa igreja. E que serve como dica para as demais igrejas, de uma maneira excelente de iniciar e realizar o ministério de homens em sua igreja. E que benefícios podemos colher disso: 

  • Criar e fortalecer relacionamentos. Pois começar o dia orando, louvando ao Senhor, ouvindo a Sua Palavra, ouvindo o testemunho de conversão e transformação no Senhor e finalizando com um café da manhã abençoado. Não tem como não serem criados e fortalecidos os relacionamentos de amizade e família dentro de um clima e ambiente cristão como esse e tantos outros que a igreja nos proporciona. 
  • Ocorre edificação do Corpo de Cristo (Mateus 18:20). Pois é um momento rico para haver encorajamento, consolação, aconselhamento mútuo, correção e exortação amorosa, oração e intercessão, ensino e pregação da Palavra de Deus, testemunhos, etc. 
  • É uma oportunidade de pregar e anunciar o Evangelho a homens e rapazes que ainda não seguem e servem ao Senhor Jesus; 
  • Discipular e treinar homens que discipulem e cuidem de outros homens (2 Timóteo 2:1-2). Mais do que nunca devemos nos preocupar e investir tempo e recursos no discipulado dos homens de nossas igrejas e famílias. Com o objetivo de que eles alcancem outros para Cristo e assim por diante. 

 

Esses são alguns dos benefícios pelos quais vale a pena investir nesse tipo de programação para a sua igreja. Uma dica que pode ser implementada nesse café da manhã (antes, durante ou depois) seria um momento de prestação de contas (que pode ser em dupla, pequenos grupos de 3 pessoas ou no coletivo), onde os homens estariam livres para fazer confissões de tentações, lutas e fracassos, dizer como foi a semana, como está a vida devocional deles, áreas de suas vidas em que eles tem avançado, etc. 

 

Resumindo e como forma de sugestão 

Café da Manhã dos Homens 

Período do dia: Manhã 

Horário ideal: 7h as 9h 

Regularidade: Inicialmente 1 vez por mês. Podendo ser semanal ou 2 vezes por mês. 

Programação: Boas Vindas, Oração, Louvor, Palavra Devocional, Testemunho, Oração e Ação de Graças. E o café da manhã. 

 

 

 

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.” 

Salmo 133:1 

 

Em Cristo Jesus, 

Filipe Paulo Christian 

Criação de Filhos, HOJE!

25coisas-750x422

Talvez um dos mais maiores desafios de se ter filhos é que a maioria da minha idade NÃO FOI CRIADA PARA TER FILHOS.

Não foram ensinados que um dia seriam pais e mães. A ideia de cuidar do irmão (quando é que se tinha) já era estranha. O homem não aprendeu a cuidar da mãe e da irmã; a mulher não sabe suas responsabilidades do lar e nunca aprende a trocar uma fralda e ficar noites acordadas por causa de algum bebê.

Some-se isso ao fato de que a paternidade/maternidade envolve completa mudança nas perspectivas e envolve um altíssimo teor de mudança de rumo e a tragédia está anunciada.

Por isso, se hoje você tem filhos, não os crie SOMENTE para uma boa carreira. Resgate a importância da família, do casar cedo e ter filhos ainda na flor do vigor físico e mental. A escola e faculdade podem dar uma ajuda na parte técnica, mas NADA substituirá os ensinamentos aprendidos em casa e que serão gravados no coração.

Autor

Filipe Machado, do Ministério Homens de Honra CV

Várias Maneiras de SER HOMEM?!

4-passos-para-salvacao-em-jesus-cristo

Texto-Bíblico: Romanos 1:18-32

Recentemente, assistindo vídeos no youtube pude me deparar com uma campanha publicitária interessante, porém infeliz em seu conteúdo. A campanha publicitária é da empresa de perfumes e cosméticos Natura, que tem diversos produtos. Dentre eles tem uma linha de produtos voltados para os homens.

E justamente essa campanha se referia a essa linha ou série de produtos, Natura Homem. É interessante vermos diversas empresas que oferecem bons produtos para nichos específicos, como produtos só para mulheres, ou somente para homens, ou crianças, etc. Pois cada um de nós seres humanos temos características diferentes de acordo com esses grupos, mas até mesmo entre as mulheres existem imensas diferenças, como tipo de cabelo, pele, hábitos, etc.

Porém, a infelicidade dessa campanha específica é que ela é uma campanha ideológica. E se junta a tantas outras campanhas de empresas que resolveram abraçar a ideologia de gênero, bem como bandeiras como o feminismo e a agenda/ativismo LGBT.

A Campanha em questão é essa no link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=W5SAmO6ZzF8

Nela encontramos a afirmação que dá título a esse artigo “Várias maneiras de ser homem”. Como assim? Existe mesmo isso? O que a Bíblia e a Ciência tem a dizer sobre isso?

Tem várias maneiras de um prego ser prego? Um leão ser leão? O sol ser sol? E por vai. Todas as coisas que existem tem características e qualidades que as tornam únicas e diferenciadas das demais coisas.

Ou seja, nasceu menino é menino. Se você é um homem, você não pode e nunca será qualquer outra coisa. Você pode até mudar a sua aparência, comportamento e hábitos. Mas nunca haverá de fato uma mudança genuína de quem realmente você é de fato, HOMEM!

Ao mesmo tempo que rejeita o que a Bíblia tem a dizer sobre o que significa ser homem, essa campanha anuncia uma mentira deturpada, corrupta e depravada ao rejeitar o que a ciência também estabelece como fatos científicos.

Não há e nem existem várias maneiras de ser homem!

Só uma maneira de ser homem, sendo homem. De acordo com o que a Bíblia e a Ciência estabeleceram como sendo peculiar, natural e certo ao homem ser, ter e fazer.

– Somente um homem e uma mulher podem formar família.

– Sexo só é bom, agradável e perfeito quando feito por um homem e uma mulher. Além de ser natural, é também completamente funcional.

– Homossexualismo, transsexualismo e todas as demais variantes disso são chamadas de pecado por Deus. E pela ciência, podemos ver claramente com provas e evidências científicas que nasceu menino é menino, nasceu menina então é menina. Não existem meios termos. Do micro ao macro, um homem é um homem. E uma mulher é uma mulher. Da concepção até a morte de um indivíduo, ele ou ela serão sempre os mesmos.

– Para uma empresa vender e lucrar, ela não precisa e nem deveria levantar bandeiras ideológicas e políticas. Basta que produza e ofereça de fato bons e excelentes produtos e serviços. E isso BASTA, nada a mais. Principalmente, quando é propaganda enganosa e ideológica. Lucram com a imoralidade e depravação da sociedade ao fazerem isso.

– Na campanha é citada a palavra VERDADE, bem como “Celebrar todas as maneiras de ser homem”. Uma coisa não condiz com a outra, não mesmo. O que a Natura afirma em sua campanha não condiz com a VERDADE e, muito menos celebra a verdadeira maneira de ser homem.

– SER HOMEM É SER MACHO, SIM! Não falo de ser machista, mas sim exercer suas funções e instintos como macho. Ou seja, relacionamentos heterossexuais. Homem e Mulher e nunca o contrário disso.

 

Uma observação sobre o presente artigo

Ao escrevê-lo, expresso minha liberdade de crença, convicção e liberdade religiosa por que crer no que a Bíblia estabelece.

E ao discordar, contra argumentar e me opor ao que é declarado e afirmado nessa referida campanha publicitária. Uso da minha liberdade de expressão garantida pela atual constituição em vigência no nosso País.

Quanto a ser homofóbico (e suas variantes) aguardem um artigo que tratarei sobre esse assunto e o que realmente significa isso. Pois ter pensamentos e convicções diferentes é respeitar a liberdade religiosa e de expressão das outras pessoas também.

 

 

 

Em Cristo Jesus,

Filipe Paulo Christian

Por que os homens estão com problemas?

Por-Que-Mulher-de-Opinião-Assusta-os-Homens-11

William Bennett: as mulheres fizeram grandes avanços na conquista de várias coisas que antes somente os homens tinham conquistado. Ele diz que os homens ficaram para trás, agora representando menos da metade dos graduados da faculdade.

Os homens estão mais distantes das famílias, muitos não têm empregos e não têm maturidade.

Precisamos ensinar aos meninos o que eles precisam para crescer como homens.

Pela primeira vez na história, as mulheres são mais educadas, mais ambiciosas e sem dúvida mais bem sucedidas do que os homens.

Agora, a sociedade com razão celebrou a ascensão de um sexo. Nós dissemos: “Você vai menina”, e elas foram. Celebramos a ascensão das mulheres, mas o que faremos sobre o que parece ser o declínio muito real do outro sexo?

Os dados não são bons para os homens. Em 1970, homens obtiveram 60% de todos os diplomas universitários. Em 1980, o número caiu para 50%, em 2006 foi de 43%. As mulheres agora superam os homens em graus universitários em quase três ou dois. Os ganhos das mulheres cresceram 44% em reais entre 1970 e 2007, em comparação com o crescimento de 6% para os homens.

Em 1950, 5% dos homens na principal idade de trabalho estavam desempregados. A partir do ano passado, 20% não estavam trabalhando, o maior número já registrado. Os homens ainda mantêm a maior parte das ocupações mais bem remuneradas e mais poderosas, mas as mulheres as estão conquistando e em breve os passarão se essa tendência continuar.

Os sinais de alerta para os homens se estendem muito além das carteiras. Os homens estão mais distantes de suas famílias ou de seus filhos. A taxa de natalidade fora do casamento é mais de 40% na América. Em 1960, apenas 11% das crianças nos EUA viviam separadas de seus pais. Em 2010, essa participação aumentou para 27%. Os homens também são menos religiosos do que nunca. De acordo com a pesquisa de Gallup, 39% dos homens relataram freqüentar a igreja regularmente em 2010, em comparação com 47% das mulheres.

Se você não acredita nos números, basta perguntar a mulheres jovens sobre homens hoje. Você vai encontrá-los falando sobre adolescência prolongada e homens que se recusam a crescer. Ouvi muitas mulheres jovens perguntando: “Onde estão os homens solteiros decentes?” Há um déficit de maturidade entre os homens lá fora, e os homens estão ficando para trás.

Esse declínio nas virtudes fundadoras – trabalho, casamento e religião – chamou a atenção para comentaristas sociais de todos os cantos. Em seu artigo seminal, “The End of Men”, Hanna Rosin descobriu a inversão de papel sem precedentes que está ocorrendo hoje. “O homem tem sido o sexo dominante desde então, bem, o alvorecer da humanidade. Mas, pela primeira vez na história humana, isso está mudando – e com velocidade chocante”, escreve Rosin. As mudanças no trabalho moderno – de costas para cérebros – catapultaram as mulheres para o topo da força de trabalho, deixando os homens em suas poeiras.

A resposta do homem tem sido patética. Hoje, homens de 18 a 34 anos passam mais tempo jogando videogames por dia do que meninos de 12 a 17 anos. Enquanto as mulheres estão se formando na faculdade e encontrar bons empregos, muitos homens não vão trabalhar, não se casam e não criam famílias. As mulheres estão começando a tomar o lugar dos homens de muitas maneiras. Isso levou alguns a perguntar: precisamos mesmo de homens?

Então, o que está errado? Cada vez mais, as mensagens aos meninos sobre o que significa ser um homem são confusas. O machismo da gangue da rua chama com um arrogante. Videogames, televisão e música oferecem lições duvidosas para meninos que foram abandonados por seus pais. Alguns treinadores e sargentos do exército gritam: “Que tipo de homem é você?” Mas não explicam.

Os filmes estão repletos de histórias de homens que se recusam a crescer e se recusam a assumir a responsabilidade nos relacionamentos. Os homens, alguns obcecados com o sexo, tratam as mulheres como brinquedos para serem descartados quando as coisas se complicam. Através de todos esses sinais diferentes e conflitantes, nossos meninos devem decifrar o que significa ser um homem, e para muitos deles é mais difícil descobrir.

Para que os meninos se tornem homens, eles precisam ser orientados através de conselhos, hábitos, instruções, exemplos e correções. É verdade em todas as idades. Alguém já caracterizou as duas questões essenciais que Platão representava: quem ensina as crianças e o que nós ensinamos? Cada geração de homens e mulheres tem a obrigação de ensinar os jovens do sexo masculino (e as mulheres, é claro) que estão por trás deles. William Wordsworth disse: “O que amamos, outros vão adorar, e nós vamos ensinar-lhes como”. Quando faltam nessa obrigação, o problema certamente segue.

Precisamos responder a esta cultura que envia sinais confusos aos jovens, uma cultura agnóstica sobre o que deseja que os homens sejam, com uma noção clara e realizável de masculinidade.

Os fundadores acreditavam, e as evidências ainda mostram que o trabalho, o casamento e a religião são uma base muito importante para o empoderamento e a conquista masculino. Talvez devamos dizer a um bom número de nossos homens de vinte e poucos anos: “Saiam dos videogames cinco horas por dia, obtenha um trabalho desafiador e case-se”. É hora de homens se levantarem.

Por William J. Bennett, avaliador CNN

Link do artigo em Inglês, abaixo

http://edition.cnn.com/2011/10/04/opinion/bennett-men-in-trouble/index.html