Arquivo da tag: Negócios

Levando seu trabalho para o exterior em prol do evangelho

viagem-de-negocios-blog

Texto de Andy Johnson

Você já pensou em realizar negócios em prol de missões? Você deveria. Permita-me dar-lhe duas ilustrações do que é isso.

Recentemente eu estava sentado em um restaurante asiático em Londres, conversando com um ex-membro da igreja cujo pastor eu ajudei em Washington. Ele e sua jovem família tinham se mudado um ano antes para Londres, especificamente para ajudar uma igreja em dificuldades nas proximidades. Ele faria isso como um membro fiel da igreja com um trabalho comum. Recentemente, ele se tornou um presbítero na congregação, e seu pastor (também um amigo meu) confidenciou-me depois que a presença dessa família fiel ajudou a mantê-lo trabalhando no solo rochoso da Londres pós-cristã.

 

Essa é uma ilustração. Aqui está outra. Exatamente um mês antes, eu estava sentado em um restaurante de espetinhos menos elegante em uma região problemática da Ásia Central. Estava visitando outra jovem família da nossa igreja em Washington. Eles também haviam se mudado recentemente com seus empregos para uma cidade a poucos quilômetros das linhas de frente do Estado Islâmico (ISIS). Eles estavam se unindo a um casal missionário de tempo integral enviado um ano antes. Eles não se viam como missionários plantadores de igrejas em tempo integral. Simplesmente amavam fazer o seu trabalho educativo sem fins lucrativos com os refugiados. Mas, rapidamente, eles estavam se tornando úteis para a sua pequena igreja internacional. Certamente, havia lutas espirituais no entorno deles, mas essa família parecia animada com o seu futuro.

 

Tem sido uma alegria ver esses tipos de situações se refletindo com frequência por duas décadas. Pessoas comuns descobrem como usar as suas habilidades e vocações para apoiar a obra do evangelho em lugares difíceis, não como plantadores de igrejas ou “missionários”, mas como cristãos comuns e fiéis.

 

As pessoas chamam esse tipo de atividade por muitos nomes diferentes: Negócios como Missões, Fazedores de tendas[1] e Profissionais de Mercado Móvel. Alguns termos são melhores do que outros. Alguns carregam um pouco de bagagem teológica desnecessária. Mas todos os termos são variações da mesma ideia: cristãos que se inserem em uma cultura por meio do mercado podem usufruir de acesso, bem como de vantagens financeiras e relacionais, que as pessoas no ministério vocacional não podem. Além disso, eles serão capazes de ajudar as pessoas no ministério de tempo integral em lugares difíceis.

 

Se você nunca pensou em levar o seu trabalho para o exterior em prol do evangelho, pense nisso. Aqui estão algumas coisas que tenho observado nos últimos 20 anos de encorajamento desse tipo de atividade.

 

  1. Reconheça a sua necessidade para a comunidade.

 

Quando as pessoas começam a pensar em se mudar para o exterior com seus empregos para os propósitos do evangelho, alguns imaginam um trabalho pioneiro em lugares não-alcançados. Em vez disso, a maioria deve pensar em se unir a igrejas já estabelecidas no exterior, e não em fazer experimentos novos entre os não-alcançados. Todos precisam da comunidade, de prestação de contas e de ajuda no ministério. Estruturas de apoio da comunidade há 16.000 quilômetros de distância não são exatamente ideais. Em vez disso, você deve ir a um lugar onde haja uma boa igreja local em uma língua que você entende, ou pelo menos uma equipe missionária local muito forte que possa preencher essa lacuna. É uma raridade que alguém consiga trabalhar mais de 40 horas por semana, em uma nova cultura, e sustentar a si mesmo e sua família sem uma igreja.

 

  1. Reconheça que uma igreja local é uma plataforma para o ministério em todos os lugares.

 

Você não somente deveria considerar mudar para um lugar com uma igreja local saudável em uma língua que você entende, mas ainda melhor, você deveria apoiar essa igreja como o foco principal do seu ministério. Os profissionais cristãos mais nitidamente frutíferos que tenho observado fazem exatamente isso.

 

Muitas vezes, é difícil ver como tanto ministério frutífero vem pela comunhão, cooperação e testemunho de uma congregação local de crentes. Mas esses frutos podem se tornar evidentes em uma nova cultura. O ensino, as interações e o testemunho público coletivo de uma congregação local é uma representação do evangelho ainda mais poderosa do que a nossa conduta privada no trabalho. É verdade que pode haver lugares onde ainda não exista uma igreja com a qual vincular-se, e pode haver lugares onde os profissionais cristãos precisarão se reunir com algumas famílias missionárias. Porém, a maioria das pessoas florescem espiritualmente quando há uma igreja local que funciona como o centro de suas vidas e ministério. E há pequenas igrejas assim em todo o mundo.

 

  1. Tenha expectativas otimistas e realistas.

 

A maioria dos cristãos não deseja ou se sente capacitada para ser um membro da equipe de tempo integral de uma igreja local. E a maioria deles está muito feliz no estilo de vida e relacionamentos que Deus lhes deu. Eu, pessoalmente, passei quase 20 anos da minha vida como um empresário ou um empregado e encontrei uma grande alegria como um cristão naquela época. E, no entanto, essas pessoas geralmente terão muito menos tempo livre para oferecer ao ministério do que uma pessoa em tempo integral na equipe da igreja.

 

O mesmo é verdade quanto às pessoas que se mudam para o exterior com um trabalho paralelo à obra do evangelho. Eles não terão a mesma quantidade de tempo para estudar a língua ou para apoiar muitos aspectos do ministério, como um missionário de tempo integral terá. A boa notícia é que o que eles fazem pode ser mais estratégico se estiverem em um lugar onde os cristãos bíblicos são poucos e infrequentes.

 

  1. Entenda por que isso não é o mesmo que ser enviado como missionário.

 

Em 3 João, o apóstolo João descreve o tipo de pessoa a quem os cristãos têm se referido historicamente como missionário. Trata-se de alguém que foi enviado por uma igreja para fazer o nome de Cristo conhecido, e ele ou ela confia na igreja (não nos pagãos) para o seu apoio. E João ordena aos cristãos (ele usa a insistente palavra “devemos”) para apoiar essas pessoas e se associar a elas na verdade do evangelho.

 

Em outras palavras, mudar-se para o exterior com um trabalho para estar ao lado de uma igreja ou de uma equipe missionária não é a mesma coisa que ser um missionário, mas é absolutamente valioso. Percebo que algumas pessoas ficarão ofendidas por essa distinção. Mas eu acho que a maioria de nós entende isso. Nem todos são mestres ou presbíteros na igreja, mas cada um ainda tem um papel valioso a desempenhar (1 Coríntios 12.12-31). “Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve”. Você não precisa ter um título ou um cargo específico para ser uma bênção para a obra de Cristo.

 

  1. Entenda por que negócios em prol de missões é algo tão bom.

 

A maioria de nós precisa se sustentar com um trabalho. A maioria de nós nunca desfrutará dos benefícios (e fardos) de trabalhar em tempo integral na obra do evangelho. Tanto 1 como 2 Tessalonicenses retratam muito claramente a normalidade e bondade da vida cristã comum e que se autossustenta. Porém, muitos de nós podem escolher onde vivem. E aqui, a liberdade cristã nos dá uma grande variedade de escolhas. Alguns podem escolher deixar uma igreja que amam para ajudar na plantação de uma igreja no outro lado da sua cidade. Alguns se enraizarão profundamente e permanecerão na mesma igreja, mesmo à custa de novos e estimulantes empregos ou oportunidades. E alguns podem optar por desarraigar sua vida e mudar-se para um país diferente para incentivar a obra do evangelho onde os trabalhadores são poucos. Todas são ótimas opções. Todas são partes dos modos normais pelos quais Deus pretende que suas igrejas cresçam em maturidade e seu evangelho seja propagado. Então, pense sobre o que seria possível para você e onde sua vida poderia ser gasta de modo mais frutífero.

 

  1. Obtenha ajuda para avaliar a si mesmo e analisar opções.

 

Os cristãos devem pensar muito cuidadosamente antes de mudarem de emprego e se afastarem de uma igreja onde estão prosperando atualmente. A saúde espiritual não é algo a ser tratado tão levemente. Mas isso é especialmente verdadeiro para os cristãos que pensam em se mudar especificamente para se unirem a um testemunho local em outra cultura. Nem todo mundo deve fazer isso. Precisamos estar abertos para ouvirmos amigos de confiança nos dizerem para ficarmos. Os bons candidatos para se mudar para o exterior são os cristãos que serão ajudadores do ministério, não os cristãos cujas necessidades ou desafios exigem muito cuidado pastoral. É necessária muita humildade para ouvir esse tipo de opinião. Alguns de nós podem ser mais estratégicos ao permanecerem e continuarem a crescer, por enquanto.

 

Para aqueles que consideram mudança focada no evangelho, a humildade pode significar obter ajuda pensando em poucos lugares em vez de ver o mundo inteiro como sua ostra. Comece por considerar os locais no exterior onde sua igreja já está envolvida. Existe uma igreja internacional ou uma equipe missionária firme em uma cidade onde você pode considerar se mudar? Como você poderia unir-se e encorajar os líderes como um membro daquela congregação? Essa pode não ser a sua primeira escolha, mas eventualmente você perceberá que trabalhar com as pessoas certas é quase sempre mais importante do que encontrar o lugar perfeito.

 

Considere também qualquer organização missionária com a qual sua igreja coopere e se eles têm algum recurso. Minha própria igreja trabalha com o Conselho Internacional de Missões da Convenção Batista do Sul. Essa organização missionária tem uma Iniciativa Global de Cidades destinada a ajudar as igrejas a considerarem como ajudar os membros a usarem seus empregos para ajudar missionários de tempo integral em algumas cidades específicas. Seus próprios missionários ou organizações podem ser capazes de fornecer suporte semelhante.

 

  1. Negócios em prol de missões não é uma “chave de ouro”; mas o que é?

 

Muitos que começam o processo de mudança de lugar logo descobrem que encontrar um emprego e atravessar o mundo dá muito trabalho! E uma vez lá, as pessoas ficam, por vezes, decepcionadas por descobrir quão semelhante é a sua vida em relação ao que era em seu país de origem. Você cuida das crianças, vai para o trabalho, conhece os vizinhos, fala sobre o evangelho quando pode, ajuda o ministério de uma igreja local, continua semeando e espera com esperança. Mas, agora, as barreiras da linguagem e da cultura podem tornar tudo mais lento do que em casa.

 

Negócios em prol de missões não são uma “chave de ouro” para as missões, como se essa estratégia revolucionasse as missões e tornasse tudo mais fácil.

 

Mas apenas porque algo não garante um caminho para o fruto evangélico rápido e fácil, isso não o torna ruim. Em vez disso, apenas o torna real, normal e algo que, segundo a Bíblia, devemos esperar.

 

Enquanto manifestamos a Palavra e valorizamos o evangelho, enquanto vivemos vidas de santidade e amor, enquanto proclamamos o evangelho ao mundo e discipulamos pessoas na igreja, enquanto treinamos pastores e enviamos missionários e plantamos novas igrejas e incentivamos vidas fiéis entre todos, Deus promete que nossos esforços comuns resultarão em um fim extraordinário. Na mão de Deus, a fidelidade pequena e comum alcança a eternidade.

 

Então, talvez você ou alguém em sua igreja seja capaz de viver a vida comum entre os irmãos em um lugar onde cristãos fiéis são um em um milhão, em vez de um em cada dez. O que você acha?

 

Seus dons e talentos comuns podem ser um tesouro para uma congregação na Malásia, Londres, Istambul ou Dubai. Sim, ainda haverá uma enorme necessidade de missionários pioneiros em tempo integral e enviados pela igreja. Sim, essa não será a única ferramenta para abrir o mundo para Cristo. Certamente, essa não é a estratégia para lugares totalmente não-alcançados ou longínquos. Mas pode ser uma maneira maravilhosa de muitos cristãos aproveitarem as suas vidas como uma parte pequena e gloriosa do sábio plano que Cristo tem de usar a fidelidade simples, comum e mesmo secular do seu povo para mostrar a sua glória ao universo (Efésios 3.10). E esse não é um modo ruim de fazer o seu trabalho e gastar a sua vida.

 

 

 

#1: N.T.: O termo original, “Tentmakers”, provavelmente faz uma referência ao apóstolo Paulo e aos seus cooperadores, Priscila e Áquila, que faziam tendas enquanto tinham como o seu principal objetivo propagar o evangelho de Jesus Cristo (Atos 18.1-5).

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: Take Your Job Overseas—Introducing Business for Missions

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Dica para complementar

http://sepal.org.br/blog-sepal/podcast-sepal-17-negocios-em-missao/

Podcast sobre Negócios em Missões

 

Você deve entrar no ministério?  

1Billy Graham

Recentemente, um homem que acabou de ser promovido à alta administração de uma das 10 maiores empresas do mundo, disse-me: “Estou realmente me perguntando se eu deveria deixar os negócios e entrar no ministério. Não me sinto como se eu pudesse fazer um impacto tão grande no negócio como eu poderia no ministério. ”

Eu realmente o admiro por querer servir a Deus com tudo o que há nele.

Mas eu compartilhei algumas coisas com ele que eu também gostaria de compartilhar com você.

Primeiro, eu disse a ele, “Eu sou o cara que fez isso. Aos 42 anos de idade eu deixei o mundo dos negócios e comecei Man in the Mirror (Homem no Espelho, Ministério para Homens Cristãos nos EUA).

Honestamente, naquela época, eu pensei que me sentiria mais santo, enquanto eu nunca pensei que alguém mais pudesse sentir ou ser, eu pensei que me olharia no espelho uma manhã e veria o leve traço de um algo sobrenatural sobre mim. Ainda estou esperando.

O que eu não esperava me surpreendeu, pensei que quando a minha vocação mudou, meus amigos me seguiriam e me apoiariam … Alguns fizeram, mas a maioria deles teve seus próprios chamados – que não me incluíam. Como você pode suspeitar, eu realmente tive que trabalhar com isso.

Outro fenômeno que eu esperava, mas que eu nunca poderia preparar-me adequadamente para isso, foi a diminuição de prestígio aos olhos do mundo.Você vê, eu era o cara que você tentou obter uma apoio, pois queria concorrer para Governador. Mas quando deixei o mundo dos negócios para o ministério, não consegui que o coletor/catador (profissional que nos EUA, apreender cachorros soltos e sem dono, que estejam nas ruas)  me devolvesse as chamadas, e não estou exagerando!

Então eu disse a este homem, e eu vou dizer a você também: “Ninguém mais pode dizer-lhe qual é a vontade de Deus para a sua vida em qualquer assunto, a menos que seja especificamente mandado ou proibido pelas Escrituras.”

“Eu sugiro que você considere e ore sobre se este é ou não seu ministério – pelo menos por agora.”

Eu continuo: “Nossos empregos não são apenas uma plataforma para o ministério – eles são o ministério, consertar computadores, entregar pacotes ou administrar uma das maiores empresas do mundo é tão espiritual quanto ensinar em uma escola cristã ou servir em uma igreja ou ministério. Não há tal coisa como um trabalho “secular” – pelo menos aos olhos de Deus, toda vocação é santa ao Senhor “.

Então você deve ir para o ministério? Você já é um ministro (de Deus, onde atua e está). A questão é se você deve ou não entrar no ministério “vocacional”.

Talvez, mas aqui está um pensamento final. Quando eu estava no negócio, cerca de um dia por semana eu estava pronto para abandonar tudo. Mas agora que estou no ministério, não me sinto mais assim … agora são dois dias por semana.

Traduzido e publicado com a devida permissão do autor.

Link para o artigo em Inglês, AQUI!