Arquivo da tag: Pais e Filhos

Não adote!

bebe-carter-e-cachorro-toby

Se você quer o seu “bebê dos sonhos”, não adote ou promova uma criança: compre um gato e faça de conta. Adotar um órfão não é encomendar um item de consumidor ou comprar um animal de estimação. Tal mentalidade prejudica a criança e inúmeras outras crianças e famílias. Adoção é assumir o risco como um amor cruzado.

 
Por anos, convidei igrejas cristãs e famílias para o nosso mandato de 1:27 de Tiago para cuidar de viúvas e órfãos em sua aflição, para viver a adoção que recebemos no evangelho adotando e promovendo crianças. Ao mesmo tempo, sustentei que, enquanto todo cristão é chamado para cuidar de órfãos e viúvas, nem todo cristão é chamado a adotar ou promover. De fato, há muitos que, e digo enfaticamente, não deveriam.

 
Amor de qualquer tipo traz risco e, em um mundo caído, traz mágoa. Simeão diz à mãe do nosso Senhor, a Santíssima Virgem Maria, que uma espada perfuraria seu coração. Isso é verdade, em certo sentido, para todas as mães, todos os pais. Mesmo além disso, toda adoção, todo órfão, representa uma tragédia. Alguém foi morto, alguém foi embora, alguém estava empobrecido ou alguém estava doente. Embrulhado em cada situação é algum tipo de dor, e tudo o que acompanha isso. Essa é a razão pela qual realmente não há adoção que não seja uma adoção de “necessidades especiais”; você pode não saber no front end quais são essas necessidades especiais.

 
Vivemos em um tempo em que nossos compromissos tornaram-se a oportunidade muitas vezes para simplesmente uma auto-realização narcisista. Os casamentos se tornaram eventos para planejadores e fotógrafos que participam do que parece ser um jantar de estado em homenagem ao “amor do casal”.

 

As crianças muitas vezes se tornam adereços em uma vida de pais que buscam entender o que acreditam que o mundo lhes deve. É mais fácil retirar esse tipo de ilusão de autocentralização com suas fotos de noivado e festa de casamento do que com crianças. As crianças estão vivas. As crianças são pessoas com individualidade que não podem ser suprimidas. Crianças, de todos os tipos, são, por definição, imprevisíveis. As crianças quebram o seu plano de vida. A adoção certamente faz.

 
Vale a pena.
Mas Jesus nos diz que devemos saber que um rei que vai para a batalha deve medir suas tropas, um construtor de torres deve contar as despesas do projeto (Lucas 14: 28-31). Aqueles que vêem a adoção como um modo caloroso e sentimental de ter um bebê são equivocados e perigosos. Há muitos que mergulham sem conselho, sem compromisso com a fidelidade, não importa o que aconteça. Eles procuram por um bebê que atenda às suas especificações. E bebês nunca se encaixam em suas especificações … pelo menos não quando eles crescem.

 
Se o que está por trás de tudo isso não é crucificado, um compromisso de guerra aberta e olhos abertos, você vai acabar com uma criança que é duas vezes órfã. Ele ou ela será abandonado pela primeira vez pela ausência de pai e, pela segunda vez, pela rejeição de não corresponder às expectativas dos pais que não tinham nenhum negócio que impusesse tais expectativas em primeiro lugar.

 
Precisamos de um batalhão de cristãos prontos para adotar, promover e ministrar aos órfãos. Mas isso significa que precisamos de cristãos prontos para cuidar de verdadeiros órfãos, com todo o quebrantamento e risco que vem com isso. Precisamos de cristãos que possam refletir o poder de adoção do evangelho, que não procurou um berçário boutique, mas uma casa de ex-órfãos que foram encontrados em nosso próprio sangue, com os genes de Satanás em nossa corrente sanguínea.

 
Se o que você gosta é a idéia de um bebê que atenda às suas necessidades e atenda às suas expectativas, basta comprar um gato. Decore o berçário, se você quiser. Vestir-se em rosa ou azul e tirar fotos. E certifique-se de tê-lo declamado.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:

https://www.russellmoore.com/2011/10/12/dont-adopt/

Anúncios

A prioridade dos cuidados com órfãos significa que devemos parar de ter filhos?

Novo-cadastro-de-adoção-tem-auxílio-tecnológico-de-Tribunais

Recentemente recebi um email de um leitor com uma boa pergunta. Como há tantos órfãos em nosso mundo, ele perguntou, e uma vez que os cristãos acreditam que cuidar desses órfãos em sua aflição é uma questão do evangelho – os casais cristãos devem conscientemente parar de conceber filhos e se concentrar em cuidar de órfãos?

 
É uma boa pergunta, que leva a sério as exigências do evangelho. Mas acredito que a resposta bíblica aqui é direta. Não, as famílias cristãs não devem intencionalmente limitar sua concepção de crianças por causa do cuidado dos órfãos.

 
As pessoas de Deus, parece-me, são perpetuamente atraídas para substituir uma ética “tanto / quanto” por uma “ou / ou”. Não me interpretem mal. A Escritura é muitas vezes “um ou outro”. Ou é Deus ou Baal, seja Jesus ou Mamon, seja Espírito ou carnalidade. Uma ética “ambos / e” em qualquer desses lugares leva ao desastre. Mas pense sobre a frequência com que uma ética “ambos / e” é destruída por um falso “ou / ou”.

 

A Escritura ensina graça e obediência, mistério e clareza, tanto a humanidade de Jesus como a divindade de Jesus, tanto no discipulado local quanto no global. missões. Escolher um em oposição ao outro leva a uma falsa escolha que acaba derrubando toda a conversa.

 
Fico feliz que este leitor veja o imperativo cristão de cuidar de órfãos e viúvas. Fico feliz que ele veja através da grade do evangelho de Cristo. Passei anos da minha vida pedindo essa visão. Mas proibir nossos corpos de conceber crianças não realiza realmente o que podemos supor que faz.

 
Família não é simplesmente uma questão incidental de biologia. A família é construída sobre um padrão já existente, o padrão do evangelho. É por isso que nossa adoção em Cristo significa que devemos nos preocupar com a adoção de crianças. O evangelho nos leva à missão, e a missão nos leva de volta ao evangelho. Esse padrão é missional, sim, mas o padrão também é encarnacional. Ambos importam.

 
A adoção, nas Escrituras, não forma um tipo diferente de família. Este não é um tipo de relacionamento totalmente único. Em vez disso, no evangelho, somos adotados “como filhos” (Rom. 8:15; Gl. 4: 5). Essa linguagem de “filhos” é realmente importante porque Deus já treinou a humanidade para reconhecer o conceito de pais e filhos, pais e filhos, e ele o fez por meio da procriação.

 
No início da história bíblica, Deus ordena à humanidade que “seja frutífera e multiplique” (Gn 1:28). Então Deus, quase imediatamente, nos leva as “árvores” das várias genealogias. O favor de Deus e a misericórdia de Deus são vistos no nascimento dos filhos, que as Escrituras consideram abençoar em todos os lugares.

 
Por quê? Bem, isso ocorre porque a procriação (como o casamento) é uma figura do evangelho. O amor de Deus por nós tomou carne na pessoa de nosso Senhor Jesus (João 1:14), uma Encarnação que nos leva a ser “gerados” como filhos de Deus (João 1:12; 3: 6-7). 1 Jo 5: 1). O amor entre Jesus e sua igreja é frutífero e se multiplica. Ele está diante de seu Pai, com seu povo, e proclama: “Aqui estou e os filhos que Deus me deu” (Hb 2:13).

 
A adoção só faz sentido à luz da procriação. Uma criança adotada é adotada em um conceito já existente, o de pais e filhos. As Escrituras usam ambos os arquétipos, o da adoção e o da procriação.

 
Se idolatrarmos a procriação, como se a família fosse meramente sangue, repudiamos o evangelho que nos salvou. Mas, se nos afastarmos completamente da procriação, a adoção não será mais adotada “como filhos”. A metáfora, então, atribui-se apenas a um arranjo de vida, não à família natural. A adoção é mais cosmicamente mais do que um arranjo vivo. A adoção de crianças faz sentido à luz da geração de filhos.

 
Antes de podermos cuidar de órfãos, devemos perguntar por que existem órfãos no mundo. A resposta inclui uma variedade de razões, desde o divórcio à pobreza, passando pela guerra até desastres naturais, e a lista continua indefinidamente. A melhor coisa que pode acontecer aos órfãos é que as crianças sejam bem-vindas e desejadas, sejam recebidas como Jesus sempre recebe crianças pequenas.

 
Antes de podermos amar as crianças como órfãs, devemos amar as crianças quando crianças.

 
A congregação que discipula seus próprios membros e cuida daqueles imediatamente ao redor, mas se recusa a unir-se a Jesus para alcançar os confins da terra não é uma igreja fiel. Da mesma forma, a congregação que envia missionários para todos os lados, mas se recusa a amar seus próprios vizinhos locais, é infiel. Em ambos os casos, um “ou / ou” leva a erro. Deve ser “ambos / e”.

 
Não acredito que as famílias cristãs devam permanentemente incapacitar sua capacidade de procriação. Mesmo fora das divergências cristãs sobre contracepção ou tamanho da família, todos podemos concordar que o nascimento dos filhos é retratado por Deus como bênção e não como fardo (Sl 127: 3).

 

Além disso, não devemos ver o potencial amor futuro por crianças nascidas como uma mercadoria escassa, que então deve ser tirada das crianças que adotamos ou adotamos. O amor não é uma mercadoria, e não é parcelado. O amor não é limitado e não é uma barreira para o ministério.

 
O amor “tudo suporta … tudo suporta” (1 Co 13: 7). Tenha bebês e ame seus bebês. Ministre aos órfãos, e ore pela sabedoria de Deus em como você pode cuidar melhor dos órfãos e viúvas em sua vizinhança e ao redor do mundo.

 
Sim, o casamento e a família inibem a liberdade que alguém tem de fazer certas coisas no ministério. O apóstolo Paulo celebra aqueles que abandonam a família por causa do ministério, mas isso, no exemplo apostólico, implica a renúncia do próprio casamento (1 Co 7: 1). Uma vez que há casamento, não se pode simplesmente separar as realidades conjugais em prol do ministério.

 
Pode ser que Deus não lhe dê filhos biologicamente e, ao contrário, os estimulará mais rapidamente em direção à adoção ou assistência social. Pode ser que Deus lhe mostre como dar as boas-vindas aos filhos tanto pela adoção quanto pelo modo mais típico. E pode ser que o seu amor pelas crianças que você recebe de nascença seja o sinal para sua igreja e seus vizinhos amarem os filhos e, assim, receber crianças órfãs.

 

É “ambos / e”, não “ou / ou”. Adotar para a vida não exige aceitar a faca.

 

Autor: Dr. Russell D. Moore

Traduzido por Filipe Paulo Christian

Fonte Original:
https://www.russellmoore.com/2017/02/14/priority-orphan-care-mean-stop-children/

Homens, PROTEJAM OS SEUS FILHOS!

 

Mas do que nunca vivemos um tempo horrível, triste, depravado e que beira a chegada do grande Dia do Senhor em que Ele fará e trará justiça contra toda impiedade, impunidade, injustiça, crimes e pecados.

No dia de hoje – 18 de maio de 2018, pude ver a notícia de uma operação da polícia federal em que vários pedofilos foram presos, inclusive um humorista famoso que trabalhou no programa Pânico na TV, fico muito feliz pela a atuação da Polícia Federal em combater a pedofilia de forma intensa.

Porém, ao ver essas mesmas notícias, pude me deparar com a mãe de um desses pedófilos o defendendo e dizendo que o filho não tinha culpa nenhuma e que ele usava o computador dela. O que me fez lembrar das palavras do Apóstolo Paulo em 2 Timóteo 3:1-4 que diz:

“Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis.
Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus.”

E homens nesse trecho, não se limita apenas ao gênero masculino, mas a todos os seres humanos.

E ao estudar a história do cristinianismo, poderemos ver que a Igreja Cristã sempre se posicionou contra todo tipo de prática contrária a Palavra de Deus. Bem como, falando de maneira especifica, contra a pedofilia, aborto, abandono de crianças, violência doméstica, etc.

Lamento muito ao observar que os próprios pais e parentes de diversas crianças e adolescentes tem abusado e maltrados esses pequeninos.

Ouça essa ministração do pr. paulo júnior:

A Importância da Figura Masculina

novedad-la-importancia-de-la-figura-paterna-940x430-copia

Recentemente, li um artigo extraordinário sobre o assunto do motivo por que tantos rapazes estão revoltados, chateados e rebeldes. A escritora desse artigo (Tiffani) tem cinco filhos, inclusive dois meninos com as idades de 14 e 2 anos. No laboratório de uma vida familiar feliz, estável e caótica, ela criou essa louca teoria: de que os meninos precisam de homens para lhes ensinar a ser homens. Loucura, não é?

À medida que Tiffani observava os padrões morais, atitudes, ética profissional e senso de responsabilidade da sociedade se deteriorarem, ela não conseguia deixar de especular se a falta de um homem forte na vida dos meninos os transforma de “doces, amorosos menininhos corados” em adolescentes monstruosos. E ela ficou pensando. será que a rebelião na adolescência é uma fase natural da vida, ou será que é causada por algo de que os meninos têm falta?

A premissa da teoria de Tiffani é que as mães precisam saber quando se retirar e deixar seus filhos do sexo masculino aprenderem a ser homens sob a tutela de seus pais (ou figuras paternas). Como todas as mães, Tiffani quer proteger seus meninos de ferimentos. Mas isso é bom a longo prazo? Talvez não. Tiffani está aprendendo quando afastar-se e deixar seu marido assumir a orientação de seus meninos.

À medida que amadurecem, os meninos nem sempre vão querer – ou precisar – proteção. Eles precisam de desafios, aventuras e atos de cavalheirismo. Os pais – os pais fortes – sabem quando afastar a proteção das mães e começar a treinar seus filhos a serem homens. A palavra-chave é treinamento.

O treinamento é decisivo. Meninos sem treinamento crescem e se tornam monstruosos: fora de controle, predatórios em cima das mulheres, irresponsáveis, incapazes ou indispostos a limitar seus impulsos movidos à testosterona para agressão ou sexo. Nossa atual sociedade está toda encardida com os prejuízos que sobraram dos meninos que nunca aprenderam o que é necessário para ser um homem. Lamentavelmente, esses “meninos adultos” muitas vezes procriam indiscriminadamente e despreocupadamente, então se recusam a ser pai para os filhos que eles produzem.

Mas homens treinados transformam a sociedade. Eles trabalham duro. Eles movem coisas pesadas. Eles constroem abrigos. Eles protegem, defendem e resgatam. Eles providenciam provisão para suas famílias. Eles fazem todas as coisas assustadoras, feias e sujas que as mulheres não conseguem (ou não querem) fazer. Homens treinados são, nas palavras do colunista Dennis Prager, a glória da civilização.

Conforme aponta Tiffani, os meninos precisam de homens para ajudá-los a estabelecer sua masculinidade de modo apropriado. Os homens entendem que os meninos precisam de experiências e desafios definidores para cumprir seus papéis biologicamente programados. As mulheres não entendem isso, mas não tem problema. Pais fortes (ou figuras paternas fortes) instintivamente intervirão e começarão a treinar os meninos como domar a testosterona, como trabalhar, como respeitar as mulheres, como liderar e defender e como eliminar ameaças.

O problema começa quando não há um modelo de papel masculino para um menino imitar. Se os homens estão ausentes, enfraquecidos ou indispostos a ensinar os meninos como se conduzir, então os meninos não aprendem como ser homens. É simples assim.

As mães não têm a capacidade de ensinar os meninos a ser homens. Não importa quanto amemos nossos filhos do sexo masculino, não temos essa capacidade. As mães querem ser mães porque, afinal, é o que fazemos. Protegemos, cuidamos e beijamos as feridas dos nossos meninos. Mas chega uma hora na vida de todo menino em que ele precisa se erguer acima dos beijos nas feridas e ser um homem. Os homens não dão beijos nas feridas. É assim que eles se tornam guerreiros e protetores.

Lembro-me de quando o filho de 13 anos de nosso vizinho andou de bicicleta até nossa casa, uma distância de um quilometro e meio em difícil estrada de terra. Ele levou um tombo desagradável e chegou coberto de arranhões e sangue. Quando lhe perguntei o que havia acontecido, ele explicou sobre o tombo. então acrescentou um sorriso radiante: “Mas não tem problema. Sou menino”. Não é preciso dizer mais nada.

Se eu tivesse me descabelado com a situação dele, falando carinhosamente, agindo de forma excessivamente preocupada e beijando seus machucados, eu teria roubado dele a aventura de ter sobrevivido de seu acidente. Ele se orgulhou das cicatrizes de sua batalha, e a última coisa que ele queria era cobri-las com ataduras infantis.

O que acontece quando os meninos não têm um homem forte para lhes ensinar? Os resultados variam de indivíduos fracos e covardes a totais brigões. Dou um exemplo em meu blog sobre uma mulher dominadora com um marido fraco criando dois filhos do sexo masculino. Esses meninos estão crescendo num lar torcido e desordenado que vai contra a natureza humana e a programação biológica, e os meninos vão virar homens abrutalhados.

Meninos que crescem com nada senão a “proteção” de suas mães – sem nenhum homem forte para lhes dar a chance de acabarem com as ameaças – se tornam revoltados e cheios de amargura. Eles sabem que algo está errado. Eles sabem que têm de defender as mulheres, mas eles guardam tanto ressentimento de suas mães por “protegerem” a eles de todos os desafios que o modo como eles veem as mulheres fica distorcido.

Se o marido dessa mulher tivesse desempenhando seu papel como cabeça da casa, esses meninos poderiam ter se tornado homens diferentes. Se ele tivesse resgatado seus filhos do perpétuo amor protetor de sua esposa, seus filhos poderiam ser Homens em Treinamento em vez de Futuros Abrutalhados. Mas temo que seja tarde demais.

Creio que uma parte de criar filhos fortes e equilibrados vem de meninos observando suas mães honrarem seu pai. O lar em que a mãe e o pai respeitam um ao outro por suas várias forças biológicas cria os filhos da forma mais estável e equilibrada possível.

Meu marido e eu não temos filhos para criar e se tornarem homens. Mas nossas meninas estão aprendendo a admirar a verdadeira masculinidade, não potenciais abrutalhados ou fracos e covardes. Ajuda tremendamente que, em nossa vizinhança, estejamos cercados de pais responsáveis que estão criando excelentes rapazes – fortes, prontos para ajudar, protetores das mulheres, ansiando serem heróis.

Com que tipo de homem você pensa que quero que minhas filhas casem algum dia? O Homem de Verdade que assume seu papel biológico de protetor e guerreiro? Ou o Rapaz Revoltado que xinga a mãe e despreza o pai? Qual lhe parece o homem mais equilibrado e firme?

Nada disso é difícil demais de entender – ou, pelo menos, não devia. Infelizmente na cultura andrógina feminista de hoje, esse conceito se tornou motivo de desprezo e zombaria.

 

Fonte Original: http://amofamilia.com.br/portal/importancia-da-figura-masculina/

 

As redes sociais não são o maior problema de seus filhos adolescentes

22343619483_03fb9c024c_b

O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós como (pais e) mães.

*Esse artigo foi originalmente escrito para as mães, mas também se aplica aos pais. Pois  criação dos filhos é uma tarefa dada por Deus aos homens e mulheres.
O medo na sala era palpável. Acabei de falar em uma sala cheia de mães e filhas sobre o tema das redes sociais. Muitas das meninas presentes estavam no auge de sua adolescência, e a maioria das mães estava começando sua maternidade adolescente.

Depois que as meninas foram para uma sala separada para uma discussão de seguimento com os líderes da juventude, as mãos das mães foram jogadas no ar. A urgência na questão de cada mãe expressava ansiedade sobre redes sociais e outros desafios da adolescência. Era encorajador ver muitas mães que queriam estar melhor equipadas para navegar durante a adolescência. Muitas vezes eu vejo o contrário, os pais renunciaram à falsa noção de “adolescentes serão adolescentes”, desistindo de tentar.
Mas não tenho certeza de que essas mães estavam ansiosas pelas razões corretas.
Confie nas regras
As mães que estavam tão desesperadas para controlar e proteger seus filhos queriam que eu lhes desse um roteiro a seguir; uma lista do que fazer e do que não fazer com redes sociais e telefones celulares, com a garantia de que tudo funcionaria se você simplesmente seguir as regras.

 

Compreendo o desejo de um script com uma garantia; Todo pai quer que seu filho adolescente esteja seguro, feliz e longe do caminho da destruição. Mas se nos concentramos principalmente em soluções externas para educar nossos adolescentes, colocamos nossa esperança em algo que não pode manter.

 

As mídias sociais, os telefones celulares e o mundo selfie que habitamos são problemáticos, mas eles não são os principais problemas para nossos adolescentes. O consumo de álcool, drogas, sexo, transtornos alimentares, pornografia, auto-corte, perfeccionismo, estresse e depressão também não são problemas fundamentais para os adolescentes. Jesus nos diz que “não há nada fora do homem que possa contaminá-lo entrando nela; mas aquilo que sai do homem é o que contamina o homem “(Marcos 7:15).
Enquanto as influências externas são fontes de tentação, nossa própria natureza caída nos leva a pensar e agir com pecaminosidade. Os comportamentos negativos que tememos, então, são subprodutos do que está acontecendo em nossos corações idólatras. O coração é o problema para os nossos adolescentes, e também para nós.
Agora, não estou sugerindo que as tentações não sejam levadas a sério. Certamente, regras e limites devem ser estabelecidos. Mas se abordarmos apenas o que está na superfície, o pecado é facilmente visto, e não ajudamos nossos adolescentes a desenterrar os ídolos governantes de seus corações, nunca facilitaremos mudanças reais.
O que as regras não podem corrigir

A idolatria é o que acontece quando há algo que queremos mais do que Deus, levando-nos a trocar a verdade sobre Ele por uma mentira (Romanos 1:25). Acreditamos na mentira de que não é suficiente e que a “vida”, o que significa, está em algum lugar longe dEle. Esta é a mentira que todos os humanos compraram desde que Satanás convenceu Adão e Eva de que Deus estava escondendo algo deles.
Para adolescentes (e adultos), esta mentira é facilmente enraizada nas mídias sociais. Tudo o que é preciso é um postagem através do nosso Instagram ou Facebook para a cobra antiga começar a sussurrar:
• “Você não é como eles”.
• “Sua vida é chata”.
• “Você não é suficientemente fino, suficientemente bonito, suficientemente popular, rico o suficiente”.
Seja o que for para você, preencha o espaço em branco.
Quanto mais nos comparamos, mais provável a mentira se instalará em nossa alma como “verdade”, enquanto o que Deus diz que é verdadeiro será esquecido. É fácil estar convencido de que nosso valor reside na aparência, desempenho, popularidade, perfeição, estado ou “Eu gosto”.
Mas o que acontece quando o adolescente que busca seu valor na quantidade de “Eu gosto” que eles recebem em uma imagem não recebe tantos na próxima publicação? Ou o que diz sobre o que atrai comentários sobre o quão atraente (ou magro) parece?
Para se apegar à sua identidade “segura”, deve ser tão perfeito no próximo dia, ou na próxima foto. Viver sob este esforço constante para levar o que é fugaz só intensifica o desespero para conhecer o valor de um. Mas com todas as fontes falsas para as quais você se volta, mais insegura e vazia você sentirá. Uma sensação de futilidade será estabelecida.
Com esta raiz identificada do pecado, faz sentido por que um adolescente entraria em abuso de substâncias, promiscuidade, distúrbios alimentares, depressão ou qualquer outra dificuldade. Há outros pecados de raiz, com certeza, mas a idolatria de algum tipo sempre será o pecado que guiará os outros. É o pecado que devemos ajudar nossos adolescentes a identificar cavando mais fundo. É o seu maior problema e o nosso.
Apenas uma solução

Virar-se para deuses falsos e procurar garantir a “vida” em coisas que não deveriam ser definidas, sempre nos deixará vazios. Para ser preenchido, devemos tirar nossos olhos de nós mesmos e olhar completamente para o rosto de Deus, cujo trabalho em nosso lugar foi perfeito. Nossa alma só sentirá seu valor quando vermos Jesus por quem Ele é, e através do que ele fez por nós.
Foi o que mais queria que as mães reunidas aquela noite para escutassem. Sim, devemos prestar atenção às redes sociais. Sim, é aconselhável limitar e controlar o uso do telefone. Mas, assim, não consertará os corações dos nossos jovens. A única solução para um coração pecaminoso é o arrependimento e a confiança no evangelho. Em um mundo próprio, vamos ajudar nossos adolescentes a entender que sua verdadeira identidade é encontrada apenas em Jesus.

 
Originalmente publicado na The Gospel Coalition.

Autora

Kristen Hatton é a autora de Teenage Devotion Get Your Story Straight, com seu segundo livro, Face Time: Your Identity in Selfie World, para ser publicado pela New Growth Press em maio de 2017. Kristen descobriu sua paixão por ensinar, falar e escreva sobre a graça e o crescimento no evangelho através de muitos anos de execução de um estudo bíblico para jovens adolescentes. Ela mora em Edmond, Oklahoma, com o marido do pastor e três adolescentes. Para mais informações, visite http://www.kristenhatton.com,

Link do Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/las-redes-sociales-no-son-el-problema-mas-grande-de-tus-hijos-adolescentes

COMO AS IGREJAS TREINAM CRIANÇAS A SE TORNAREM ATEÍSTAS

21314629_1091254974344398_8418819311101208755_n

Eu sou um filho de pastor que abandonou a fé, declarou-se ateu, voltou à fé depois de descobrir um câncer, quase perdeu a fé novamente e foi salvo pela teologia evangélica e pela apologética. Portanto, minha paixão é ajudar os outros a evitarem a destruição do pecado e o desespero pelos quais eu passei enquanto vagava pelo deserto do ateísmo.

Há alguns anos eu fiquei intrigado ao ler o livro You Lost Me: Why Young Christians Are Leaving Church…and Rethinking Faith (“Você Me Perdeu: Por que Jovens Cristãos Estão Deixando A Igreja… E “Repensando Sua Fé”, em inglês), de David Kinnaman. Ele argumenta que existem pelo menos seis motivos pelos quais os homens e as mulheres entre 18 e 30 anos abandonam a fé. Ele publicou um resumo desses seis motivos no site do Grupo Barna (link em inglês), que são:
Motivo #1 – As igrejas parecem ser superprotetoras.

Motivo #2 – A experiência dos adolescentes e dos jovens de 20 e poucos anos com o Cristianismo é superficial.

Motivo #3 – As igrejas são vistas como inimigas da ciência.

Motivo #4 – As experiências dos jovens cristãos relacionadas à sexualidade na igreja são muitas vezes simplificadas ou críticas demais.

Motivo #5 – Eles lutam com a exclusividade do Cristianismo.

Motivo #6 – A igreja parece ser hostil para com os que possuem dúvidas.

Pode-se argumentar que estas descobertas se tratam mais de uma percepção do que de uma realidade na maioria das igrejas. Por exemplo, eu ficaria surpreso (de uma maneira desagradável) em saber que a maioria das igrejas evangélicas ainda gasta muito tempo condenando a cultura popular como se fosse o Conselho Municipal de Footloose.

Além disso, eu quase não escuto mais sermões sobre sexualidade e, enquanto eu crescia, a maioria dos sermões condenava todo o tipo de sexo fora do casamento, mas sempre de uma maneira graciosa. Entretanto, eu penso que os motivos 2, 3, 5 e 6 provavelmente são válidos. Também, por experiência própria, eu acrescentaria que alguns jovens simplesmente sentem que a fé não funciona (link em inglês).

De fato, muitas igrejas apresentam uma fé superficial, que trocam a doutrina e a apologética por sermões de “o que fazer quando…”, que são como palestras de autoajuda polvilhadas com alguns trechos da Bíblia. A recusa em aprender teologia e em como defender a fé, como também o investimento no tempo para pensar em como apresentar tudo isso de uma maneira clara e cativante, é a essência de todas as quatro objeções válidas feitas por jovens à igreja evangélica. Os pastores devem simplesmente levar a sério essa responsabilidade, usando seu tempo e seus esforços. Não há outra resposta.

Sermões menos superficiais, entretanto, não são A resposta, embora ajudem. Todos os membros da igreja, de todas as idades, devem ser discipulados, e isso inclui um treinamento para que se tornem teólogos e apologetas leigos.

O detetive J. Warner Wallace argumentou que devemos treinar os estudantes cristãos ao invés de ensiná-los (metodologia T.R.A.I.N., link em inglês), mas eu penso que precisamos treinar todos os nossos irmãos cristãos (e ele iria concordar comigo). Treinar é mais difícil do que ensinar.

Precisamos nos lembrar de que, em média, as pessoas precisam ouvir uma informação sete vezes ou mais para conseguirem guardá-la hoje em dia. Além disso, a maioria das pessoas não entende uma coisa realmente até ela que seja posta em prática. Por isso, os pastores devem ser treinados para treinarem congregações para realmente serem teólogos e apologetas leigos.

Os pastores devem, então, desafiar a congregação a usar suas habilidades para alcançar os perdidos e ajudar uns aos outros. E todos os que forem treinados devem ajudar a tomar conta dos mais jovens, para que tenham certeza que de conhecem sua fé tão bem que não irão sucumbir aos pobres argumentos do ateísmo. Isso significa que os pastores devem implementar programas rigorosos para as pessoas que lhes foram confiadas por Deus.

Eu recomendaria alguns recursos que eu acredito que todos os pastores e líderes de igreja deveriam ler depois, mas por enquanto é suficiente dizer que se você quer que sua congregação produza discípulos ao invés de alvos fáceis para os ateus, treine seu povo, principalmente os que estão no seu grupo de jovens!

Note, por favor, que os dias de nos focarmos apenas em alicerces, prédios e orçamentos terminaram. Não vivemos mais em Jerusalém, mas somos um povo exilado na Babilônia. Se continuarmos tentando entreter ao invés de treinar, abrandar ao invés de aprofundar, evadir ao invés de engajar, estaremos correndo atrás do vento.

 

Por Matt Rawlimgs

Traduzido por Filipe Espósito e revisado por Jonathan Silveira.

Texto extraído de: http://tuporem.org.br/como-as-igrejas-treinam-criancas-a-serem-ateistas/

Criação de Filhos, HOJE!

25coisas-750x422

Talvez um dos mais maiores desafios de se ter filhos é que a maioria da minha idade NÃO FOI CRIADA PARA TER FILHOS.

Não foram ensinados que um dia seriam pais e mães. A ideia de cuidar do irmão (quando é que se tinha) já era estranha. O homem não aprendeu a cuidar da mãe e da irmã; a mulher não sabe suas responsabilidades do lar e nunca aprende a trocar uma fralda e ficar noites acordadas por causa de algum bebê.

Some-se isso ao fato de que a paternidade/maternidade envolve completa mudança nas perspectivas e envolve um altíssimo teor de mudança de rumo e a tragédia está anunciada.

Por isso, se hoje você tem filhos, não os crie SOMENTE para uma boa carreira. Resgate a importância da família, do casar cedo e ter filhos ainda na flor do vigor físico e mental. A escola e faculdade podem dar uma ajuda na parte técnica, mas NADA substituirá os ensinamentos aprendidos em casa e que serão gravados no coração.

Autor

Filipe Machado, do Ministério Homens de Honra CV

Pastor: cuide dos seus filhos

homem-biblia

Muitas vezes, investimos nosso tempo e energia para fazer coisas que importam e negligenciamos as que mais importam. Do meu ponto de vista, este é um dos principais perigos dos chamados por Deus para o ministério. Deus nos chama a realizar uma tarefa de grande importância: cuidar de Seu povo. Mas muitas vezes, por diferentes motivos, tendemos a colocar em segundo plano o nosso principal chamado: cuidar da nossa família.
Uma comissão divina
Não dar prioridade aos nossos filhos e familiares nos desqualifica para o ministério. Nós vemos isso em 1 Timóteo 3: 4-5: “Deixe ele governar bem a sua casa, tendo seus filhos com toda a dignidade, (pois se um homem não sabe como governar sua própria casa, como ele pode cuidar da igreja de Deus? ) “.

Este texto comunica que, se um pastor deixar sua casa no caos, ele não deve governar a igreja. Portanto, ele deve dedicar sua atenção ao que é mais importante. De certo modo, um pastor que coloca sua família no fundo acaba por insultar o evangelho. Efésios nos chama a amar nossas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25), e não para provocar nossos filhos a ira (Efésios 6: 4). Esse comportamento é correto e reflete o evangelho. Assim como Deus nos ama como pai, devemos amar nossos filhos de forma sacrificial.
1 Timóteo 3: 4 nos mostra que essas crianças seguem de alguma forma a liderança de seu pai. É um verso muito controverso, com interpretações diferentes, mas podemos pelo menos ver que o pastor aqui, como pai, foi fiel ao seu chamado para governar sua casa. Isso é algo que pode ser medido objetivamente. Ele era fiel para pregar o evangelho a eles, para discípula-los, amá-los, corrigi-los, viver uma vida de testemunho no lar, perdoá-los e confessar suas próprias falhas. Essas coisas só podem acontecer em um ambiente onde o pai é um líder envolvido na vida de seus filhos.
De primordial importância

Talvez seja por causa da ideia de que devemos dar o melhor para Deus. Ou talvez seja legalismo institucionalizado. De qualquer forma, no ministério há uma tentação comum de pensar que se servimos a Deus, devemos dar-lhe o tempo todo o tempo que temos.

Isso também pode ser devido a tendências pecaminosas em nossas vidas; pelo medo de que as pessoas abandonem nossa igreja ou satisfaçam o desejo de serem aceitas.
Antes de continuar, quero esclarecer algo. Por causa da ênfase dada nos últimos anos para passar o tempo com a família, ocasionalmente conheci pastores que não trabalham duro para a congregação e não se sacrificam pelo evangelho. Estamos chamados a dar nossas vidas por esta obra gloriosa, a de pastorear o corpo de Cristo. Não podemos usar nossas famílias como desculpas para a preguiça.

Agora, 1 Timoteo 3 nos permite ver isso, para aqueles de nós que temos família, nossa prioridade deve ser eles. Nossos filhos devem estar cientes de que eles são os mais importantes. Com isso, não estamos tomando o lugar de Deus, mas está na instrução e formação de nossos filhos segundo a Sua Palavra, que mostramos a obediência a Ele.
Alguns meses atrás, eu estava no processo de recrutamento de conferencistas/palestrantes para a reunião anual da ReformaDos, um ministério em Porto Rico que eu presido. Entrei em contato com um pastor e amigo que é um dos homens mais piedosos que conheço, e um excelente pregador da Palavra, Mike Bullmore.

Eu sei que o tema que seria apresentado na conferência foi um dos temas sobre os quais ele é mais apaixonado: Jesus e o evangelho ao longo da vida. Não só isso; se Mike concordasse em participar como palestrante, ele estaria visitando uma ilha tropical no momento em que ele começaria o duro inverno em Wisconsin, onde ele morava. Após dias de oração, procurando conselhos e pensamentos, ele me informou com arrependimento que ele não podia aceitar o convite. O motivo era que seu filho estaria na última temporada do futebol universitário, e desejou poder testemunhar a maioria dos jogos naquela última temporada.

Talvez eu pudesse pensar, Mike, como vai sacrificar servir a igreja para ir a um jogo? Mas naquele momento, como pai, eu poderia me relacionar com ele. Seu filho não teria motivos para duvidar do amor de seu pai por ele.

Desafios à frente
Os filhos de pastores, durante seus anos de desenvolvimento, enfrentam desafios especiais em comparação com seus pares. Muitos têm de lidar com expectativas que não são realistas em seu processo de santificação. Muitos filhos de pastores rebeldes mencionam interações com membros da igreja que marcaram suas vidas.

Comentários como “Você não pode fazer isso, você é o filho do pastor”, ou “um filho de um pastor não se comportaria desse jeito”, colocou uma pressão desnecessária e, por muitos, insuportável sobre sua vida. Nesse sentido, tento encorajar as congregações a dar o espaço por causa dos filhos dos pastores para que eles possam caminhar a fé de uma forma cheia de graça.
Um erro que podemos fazer é não colocar expectativas bíblicas sobre nossos filhos para liberá-los dessa pressão da congregação. Em casa, dizemos aos nossos filhos: “Se papai fosse um encanador, um engenheiro ou um pedreiro, nada mudaria. Todos somos chamados a dar nossas vidas para a igreja, a viver vidas de piedade e a refletir o evangelho com nossas vidas “. Embora seja uma realidade que nossos filhos enfrentam desafios, muitas vezes o fazemos mais prejudiciais ao não apresentar os padrões bíblicos.
Uma benção do alto
Uma das tentações mais comuns a todos os homens é o medo. Esta tentação se intensifica e assume um sabor particular para os pastores que são pais de família. Medo de que meu filho está perdido, medo de ser desqualificado do ministério, temem que eles sejam marcados para sempre. Nunca devemos deixar o medo nos conduzir ou paralisar, pois o medo é a incredulidade. Devemos encontrar convicções bíblicas que nos conduzam a práticas que refletem o evangelho na vida de nossos filhos.
Vemos em Êxodo 12 e 13 o chamado para passar a Páscoa de geração em geração. Este é um chamado eterno que na nova aliança se reflete em dar prioridade à vida da igreja em nossa família. Portanto, não devemos ter medo de restringir as atividades nas vidas de nossos filhos que interferem com a igreja. Fazemos isso porque temos convicções bíblicas de que a vida da igreja é de primordial importância. Não porque somos a família pastoral, mas porque é algo que Deus nos chama a fazer. Desta forma, convicções bíblicas devem melhorar todas as áreas de como criamos nossos filhos.

Uma tentação causada pelo medo não é aproveitar a benção das crianças. O salmo 127 diz que as crianças são um presente do próprio Deus. Durante a parentalidade, podemos ser dominados pelo medo e esquecer de apreciá-los. Eles percebem se os vemos como benção ou carga. Mas o evangelho informa a nossa educação. Eles devem saber que não há nada que possam fazer que nos faça mudar nossa disposição para eles. Nós sempre os amamos. Eles podem desqualificar-nos do ministério, eles podem ter vergonha, eles podem nos tornar cinzentos … mas eles devem sempre sentir que os amamos. Esse é o efeito do evangelho na parternidade.
Crianças para a glória de Deus
Uma amiga, a filha do pastor, nos contou uma história. Seu pai começou no ministério quando tinha 17 anos, então ela não experimentou a infância como filha de um pastor.

Em um retiro congregacional de famílias pastorais, as crianças subiram ao estrado e, um a um, compartilharam o quanto eles estavam feridas porque o pai colocou o ministério acima deles. Eu uso essa história com freqüência com minha esposa. Eu lhe digo que é minha intenção que meus filhos saibam que eles são uma prioridade para mim. Não nos dando motivos para subir em um palco para dizer que não os amamos. Se decidirem não servir ao Senhor, podemos dizer calmamente: “Eu fiz o meu melhor. Não para sentir calma, mas porque eu tentei glorificar a Deus “.
Muitos se referem a criação de flhos como a coisa mais difícil que eles fizeram em suas vidas. Se você adicionar o desafio de fazê-lo enquanto trabalha no ministério, fica mais complicado. Mas é bom quando as coisas se complicam, porque nos levam a depender mais de Deus. Se somos chamados por Deus para servi-Lo no ministério pastoral, devemos ir diariamente ao Senhor para clamar pela Sua ajuda nesta bela tarefa que Ele nos deu, não só para pastorear, mas para criar nossos filhos para a Sua glória. Na Sua providência, Ele pode se glorificar salvando-os, e em Sua graça, Ele pode nos usar nesse processo.

Autor
José Mercado
José Mercado (Joselo) é membro do Conselho de Coalizão para o Evangelho. Nascido em Porto Rico, ele renuncia a sua carreira de consultoria em 2006 para se juntar ao Pastoral dos pastores dos ministérios da soberania soberana. Ele é o pastor sênior da Sovereign Grace Church em Gaithersburg, Maryland. Joseph está no processo de completar seu SBTS Mdiv, e é casado com Kathy Mercado e é pai de Joey e Janelle.

Link do artigo em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/pastor-cuida-de-tus-hijos

 

O que eu faço se meu filho for indiferente ao evangelho?

24exawn

A salvação de seus filhos pertence ao Senhor.
Uma das coisas que faz com que os pais fiéis ao Senhor sofram mais é ver como alguns de seus filhos não são crentes e vivem no mundo de costas para Deus. A dor é dolorosa!
Eu sou uma dessas mães, então eu posso entender essa dor. Embora tenhamos lutado com sentimentos de culpa, não devemos nos concentrar em nós mesmos. Sem justificar nossas faltas e pecados – que há e muitos – nos pede uma e outra vez o que fizemos de errado, só nos faz mal.
Ao longo dos anos, tive que aprender algumas lições que gostaria de compartilhar com você. Cada um deles me ajudou a ver esta situação dolorosa com uma perspectiva bíblica:
1. Nossos filhos não nos pertencem.
Deus nos emprestou para que possamos amá-los e guiá-los no caminho do Senhor. Antes de nascermos, devemos devolver nossos filhos a Deus, seu criador, como fez Ana com Samuel (1 Samuel 1:11).
2. Nós não somos seus salvadores.
Como pais, nossa responsabilidade é educar nossos filhos no temor do Senhor, mas não podemos salvá-los. A salvação é obra do Espírito Santo nos corações; não é recebido por herança, nem por trabalho ou vontade de carne ou sangue (João 1: 12-13).
3. Devemos parar de pregar.
Se ele ou ela já conhece o evangelho, o que eles precisam são pais que oram incessantemente em seu favor e vivem o que pregam.

Lembre-se de Mônica, a mãe de Agostinho de Hipona. Ela era uma crente fiel e seu filho conduziu uma vida equivocada cometendo pecados sérios que faziam sua mãe sofrer muito. No entanto, ela não parou de orar e interceder por seu filho. Daí a frase do bispo de Cartago que disse a Monica: “O filho de tantas lágrimas não se perderá”. A quem devemos chorar e insistir é Deus, não eles, porque Deus é o único que pode mudar seu coração (Lucas 18: 1-8).
4. Não espere o comportamento cristão.
Não espere comportamento de um cristão se seu filho não é um crente. Dói vê-los fumar, dizendo palavras obscenas, vestir-se como o mundo, ser imoral, e assim por diante. Mas esses são sintomas e o fruto de um coração que não é arrependido. O que temos de procurar não é que mude seu comportamento, mas é seu coração; Se o seu coração mudar você mudará sua vida, você será uma nova criatura e você verá o fruto do Espírito em sua vida (Gálatas 5: 22-24).
5. Não esqueçamos o poder da Palavra.
Lembre-se de que tudo o que vocês ensinaram a eles a partir da Palavra de Deus está lá; O Senhor pode usar qualquer circunstância para trazer à memória um verso ou uma passagem da Escritura e falar diretamente sobre sua consciência e coração. “Assim, a minha palavra sairá da minha boca; ela não voltará para mim vazia sem ter cumprido o que eu desejo, e alcançado o propósito para o qual eu a enviei” Isaías 55:11.
6. Ame incondicionalmente.

Como Deus nos ama. Não culpe constantemente todos os seus erros, pecados e estilo de vida. Seu filho sabe. Ele pode até estar lutando com seus próprios pecados; nós não sabemos, mas Deus faz. Mostre respeito por ele mesmo se você discordar de seu comportamento, assim como o Senhor nos amou com amor eterno (Efésios 2: 4-5).

7. Vamos constantemente apontar para Cristo.
Seu filho precisa ver Cristo e sentir a necessidade de ir a Ele. Mostre-lhes Cristo na sua vida, nas suas palavras, nas suas ações, nas suas relações com os outros e no seu relacionamento com ele ou ela.

Fale sobre Ele de uma maneira natural, sempre procurando oportunidades para falar sobre Seu trabalho na cruz para nós. Que você veja a beleza de Jesus em você. Você pode enviar mensagens com um verso da Bíblia de tempos em tempos, diga-lhes que os ama, que você sente falta deles e fica com eles para comer ou beber. Mesmo que eles não lhe digam, esses pequenos detalhes lhe agradam (Efésios 5: 1-2).
8. Não perca a esperança.
Seja paciente; enquanto há vida, há esperança. Embora Deus só saiba se um dia ele será um verdadeiro cristão, não devemos perder a esperança. Deus chama alguns da manhã, outros ao meio dia e outros à noite (Mateus 20: 1-16).
Não se sinta tentado a pensar que seu filho ou filha será condenado; Isso é somente para Deus e não para nós. Cabe a nós continuar a orar, amar e esperar que eles retornem ao Pai celestial e acolhê-los com alegria e celebrar como a parábola do filho pródigo (Lucas 15: 11-32). Confie em Deus.

 

Autora
Filha e servo de Deus pela pura graça. Esposa do pastor Luis Cano de 1985, mãe de Bequi e Débora. Juntamente com o marido, ela atua na “Igreja cristã evangélica” de Ciudad Real, na Espanha. Ela também é professora de inglês em uma escola pública de ensino fundamental. Há 30 anos, participou ativamente da “Associação dos Camps Cristãos Castilla La Mancha” para crianças e adolescentes.

Link para o artigo original em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/que-hago-si-mi-hijo-es-indiferente-al-evangelio

4 dicas para discipular seus filhos

familiaBiblia

Os pais têm a grande oportunidade e responsabilidade de serem professores e guias espirituais para os seus filhos. Deus nos confiou essa tarefa muito importante e devemos ser diligentes nela.
Em um artigo anterior, refletimos sobre este assunto, a partir de Deuteronômio 6: 4-9, a passagem conhecida pelos judeus como o Shema.

“Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.
Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.
Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-as na testa.
Escreva-as nos batentes das portas de sua casa e em seus portões.”
No Shema, Moisés nos chama ao reconhecimento de Yahweh como o único Deus verdadeiro. Ele nos chama a refletir sobre a essência monoteísta de Deus e nos exorta a amá-Lo com todo nosso coração, alma e força. Ele também nos ordena manter suas palavras em nossos corações sempre e ensiná-las fielmente aos nossos filhos em todos os momentos.
Você é responsável por seus filhos!
Sabemos que a família é o núcleo social mais importante e de maior impacto; É aí que os homens e as mulheres que construirão a sociedade amanhã serão formados. Os pais (não professores de crianças na igreja) são responsáveis ​​pela formação espiritual de seus filhos. No entanto, é possível que muitos de nós se sintam sobrecarregados com a tarefa. Nós nos perguntamos, “como?”. Por onde eu começo? O que devo fazer?
Quero oferecer alguns conselhos para os pais que querem instruir fielmente seus filhos no caminho da sabedoria. Eu acho que eles serão úteis tanto para aqueles que só querem começar e para aqueles que já têm tempo para fazê-lo e precisam de incentivo ou novas estratégias.

1. Seja um exemplo.
Em primeiro lugar, você, como pai e líder espiritual de sua família, deve reconhecer o Senhor como aquele que merece sua adoração. Para isso, você deve ser diligente em seu próprio estudo sobre a Palavra de Deus; para que você possa conhecer Jesus e amá-lo cada vez mais. Então você pode ensinar – com paixão e exemplo – a bênção que é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre. Mostre-lhes o que você vive. Que sua vida seja o modelo do que eles querem para suas próprias vidas.
2. Leia e explique.
Reserve algum tempo do dia ou da semana para reunir sua esposa e filhos juntos e ler a Bíblia juntos. Você é seu pastor, então você vai ler uma passagem da Bíblia para eles. Eles podem ler dois ou três versos, não precisa ser nada extenso. É muito importante esclarecer que isso não requer nenhum tipo de preparação antecipada. Basta escolher um livro da Bíblia e começar a ler; Na próxima vez que você encontrar, você continuará lendo no lugar onde você ficou.
Depois de terminar a leitura, peça a seus filhos que lhe perguntem algo sobre o que lêem, para que você possa responder. Você também pode pedir-lhes algo simples, e então você se compromete em prestar atenção. Além disso, eles podem falar um pouco sobre como aplicar o que é lido para a vida de cada um. A dinâmica variará dependendo das idades das crianças, mas o importante é o hábito de ter um tempo juntos como uma família meditando na Palavra de Deus.

3. Orem juntos.
Depois de ler a Bíblia, você pode pedir pedidos de oração para seus filhos e orar por eles e com eles. Dependendo da idade, eles também podem orar. O objetivo é orar pelas necessidades uns dos outros e reconhecer juntos que dependem de Deus.
Não esqueça que você está lidando com crianças. Esta vez não precisa ser “perfeito”, mas real, genuíno e cheio de amor. Deixe-os ser filhos diante de Deus.
4. Cante juntos.
Eles podem memorizar alguma música, ou colocar louvores que eles gostam no YouTube ou no Spotify. Louvem e cantem juntos ao Senhor. O povo de Deus sempre foi caracterizado por ser um povo que também adora com música. Você quer ensinar isso a seus filhos desde uma idade precoce. Além disso, que benção pode ser maior do que adorar a Deus juntos como uma família?
Mais idéias e recursos

Nos primeiros anos, você provavelmente quer lê-los – de preferência todos os dias – livros de história da Bíblia. Desta forma, eles começarão a conhecer a Bíblia e o Deus da Bíblia. À medida que você cresce, você pode dar mais alimentos sólidos. Você também pode brincar com eles para memorizar versos. Dependendo do desenvolvimento de cada criança, de talvez oito ou nove, você pode começar a ensinar doutrina, de modo que o fundamento de sua fé seja fortalecido.

Ler outros livros além da Bíblia pode ser muito útil. “O progresso do Peregrino” de John Bunyan é uma boa escolha; Você também pode ler biografias de grandes homens e mulheres de Deus na história. A missão é estabelecer uma base sólida em suas vidas no início, de modo que eles tenham algo para apoiar e caminhar sozinhos. Queremos ser diligentes e disciplinados agora que os temos em casa, para que possamos liberá-los com confiança. Este é um assunto muito importante, e do qual há muito a ser dito. Se você quiser continuar aprendendo sobre o culto familiar, esses recursos podem ajudá-lo a detalhar:

• “Adoração em família” por Donald Whitney.

• “Como pastorear o coração do seu filho” por Tedd Tripp.

• “Como treinar o coração do seu filho” por Tedd e Marcy Tripp.

• “Parenting”, de Paul D. Tripp.

• “Adoração em família” de Joel Beeke.

Autor

Juan D. Rojas é o pastor da Casa Vida Church em Tamarindo, Costa Rica. Ele também é o fundador do movimento Casa Vida Plantation e um estudante de mestrado no Southern Baptist Theological Seminary.

Link para o Artigo Original em Espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/4-consejos-para-discipular-a-tus-hijos