Arquivo da tag: Paternidade

A PATERNIDADE

pais-01

A paternidade é à base do relacionamento de Cristo com sua Igreja.

Na oração ensinada pelo Mestre, a começar pelo titulo dado, (Pai Nosso) demonstra uma relação estreita entre o salvo e Deus; não estamos como os gregos, buscando apenas o Sentido da Suprema Beleza, ou apenas da Razoabilidade da vida, e nem apenas de um Ser Inefável e Supremo, mas distante; dizer que nosso Deus é onipotente, onipresente e onisciente, são apenas aspectos revelados de Seus atributos Incomunicáveis.

Dizer que Ele é justo e puro amor, apenas ressalta o que Ele é por essência. Mais o que Deus quer de nós, é que o reconheçamos como PAI! Isso muda completamente toda perspectiva de vida e forma de ver o mundo.

Ele não apenas nos elegeu em Cristo antes da fundação do mundo, e nem apenas nos levou ao conhecimento da verdade; Ele nos adota como filhos! E como filhos, ganhamos acesso em todo tempo e a todo tempo com Ele. Podemos a qualquer momento correr pro Seu colo, e gritar a plenos pulmões, chamando-O da forma que Ele mais aprecia: Papai!

Geralmente quando as pessoas não me conhecem bem, costumam me chamar de Presbítero Felipe; alguns me chamam (embora ainda não o seja) de Pastor Felipe; os conhecidos me chamam apenas de Felipe; os amigos mais íntimos de Fe ou de Lipe; mais como é gostoso ouvir o meu filho Gabriel me chamando de Papai!

Dele eu não posso aceitar que me chame pelo titulo eclesiástico, nem tão pouco como um conhecido ou como amigo; se ele não me chamar do que eu sou pra ele, é que ele não entendeu nada da nossa relação;  ou porque eu, ao contrário de Deus, não consegui imprimir no coraçãozinho dele a minha marca de pai!”

Felipe Rocha

Anúncios

Criação de Filhos, HOJE!

25coisas-750x422

Talvez um dos mais maiores desafios de se ter filhos é que a maioria da minha idade NÃO FOI CRIADA PARA TER FILHOS.

Não foram ensinados que um dia seriam pais e mães. A ideia de cuidar do irmão (quando é que se tinha) já era estranha. O homem não aprendeu a cuidar da mãe e da irmã; a mulher não sabe suas responsabilidades do lar e nunca aprende a trocar uma fralda e ficar noites acordadas por causa de algum bebê.

Some-se isso ao fato de que a paternidade/maternidade envolve completa mudança nas perspectivas e envolve um altíssimo teor de mudança de rumo e a tragédia está anunciada.

Por isso, se hoje você tem filhos, não os crie SOMENTE para uma boa carreira. Resgate a importância da família, do casar cedo e ter filhos ainda na flor do vigor físico e mental. A escola e faculdade podem dar uma ajuda na parte técnica, mas NADA substituirá os ensinamentos aprendidos em casa e que serão gravados no coração.

Autor

Filipe Machado, do Ministério Homens de Honra CV

Pastor: cuide dos seus filhos

homem-biblia

Muitas vezes, investimos nosso tempo e energia para fazer coisas que importam e negligenciamos as que mais importam. Do meu ponto de vista, este é um dos principais perigos dos chamados por Deus para o ministério. Deus nos chama a realizar uma tarefa de grande importância: cuidar de Seu povo. Mas muitas vezes, por diferentes motivos, tendemos a colocar em segundo plano o nosso principal chamado: cuidar da nossa família.
Uma comissão divina
Não dar prioridade aos nossos filhos e familiares nos desqualifica para o ministério. Nós vemos isso em 1 Timóteo 3: 4-5: “Deixe ele governar bem a sua casa, tendo seus filhos com toda a dignidade, (pois se um homem não sabe como governar sua própria casa, como ele pode cuidar da igreja de Deus? ) “.

Este texto comunica que, se um pastor deixar sua casa no caos, ele não deve governar a igreja. Portanto, ele deve dedicar sua atenção ao que é mais importante. De certo modo, um pastor que coloca sua família no fundo acaba por insultar o evangelho. Efésios nos chama a amar nossas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25), e não para provocar nossos filhos a ira (Efésios 6: 4). Esse comportamento é correto e reflete o evangelho. Assim como Deus nos ama como pai, devemos amar nossos filhos de forma sacrificial.
1 Timóteo 3: 4 nos mostra que essas crianças seguem de alguma forma a liderança de seu pai. É um verso muito controverso, com interpretações diferentes, mas podemos pelo menos ver que o pastor aqui, como pai, foi fiel ao seu chamado para governar sua casa. Isso é algo que pode ser medido objetivamente. Ele era fiel para pregar o evangelho a eles, para discípula-los, amá-los, corrigi-los, viver uma vida de testemunho no lar, perdoá-los e confessar suas próprias falhas. Essas coisas só podem acontecer em um ambiente onde o pai é um líder envolvido na vida de seus filhos.
De primordial importância

Talvez seja por causa da ideia de que devemos dar o melhor para Deus. Ou talvez seja legalismo institucionalizado. De qualquer forma, no ministério há uma tentação comum de pensar que se servimos a Deus, devemos dar-lhe o tempo todo o tempo que temos.

Isso também pode ser devido a tendências pecaminosas em nossas vidas; pelo medo de que as pessoas abandonem nossa igreja ou satisfaçam o desejo de serem aceitas.
Antes de continuar, quero esclarecer algo. Por causa da ênfase dada nos últimos anos para passar o tempo com a família, ocasionalmente conheci pastores que não trabalham duro para a congregação e não se sacrificam pelo evangelho. Estamos chamados a dar nossas vidas por esta obra gloriosa, a de pastorear o corpo de Cristo. Não podemos usar nossas famílias como desculpas para a preguiça.

Agora, 1 Timoteo 3 nos permite ver isso, para aqueles de nós que temos família, nossa prioridade deve ser eles. Nossos filhos devem estar cientes de que eles são os mais importantes. Com isso, não estamos tomando o lugar de Deus, mas está na instrução e formação de nossos filhos segundo a Sua Palavra, que mostramos a obediência a Ele.
Alguns meses atrás, eu estava no processo de recrutamento de conferencistas/palestrantes para a reunião anual da ReformaDos, um ministério em Porto Rico que eu presido. Entrei em contato com um pastor e amigo que é um dos homens mais piedosos que conheço, e um excelente pregador da Palavra, Mike Bullmore.

Eu sei que o tema que seria apresentado na conferência foi um dos temas sobre os quais ele é mais apaixonado: Jesus e o evangelho ao longo da vida. Não só isso; se Mike concordasse em participar como palestrante, ele estaria visitando uma ilha tropical no momento em que ele começaria o duro inverno em Wisconsin, onde ele morava. Após dias de oração, procurando conselhos e pensamentos, ele me informou com arrependimento que ele não podia aceitar o convite. O motivo era que seu filho estaria na última temporada do futebol universitário, e desejou poder testemunhar a maioria dos jogos naquela última temporada.

Talvez eu pudesse pensar, Mike, como vai sacrificar servir a igreja para ir a um jogo? Mas naquele momento, como pai, eu poderia me relacionar com ele. Seu filho não teria motivos para duvidar do amor de seu pai por ele.

Desafios à frente
Os filhos de pastores, durante seus anos de desenvolvimento, enfrentam desafios especiais em comparação com seus pares. Muitos têm de lidar com expectativas que não são realistas em seu processo de santificação. Muitos filhos de pastores rebeldes mencionam interações com membros da igreja que marcaram suas vidas.

Comentários como “Você não pode fazer isso, você é o filho do pastor”, ou “um filho de um pastor não se comportaria desse jeito”, colocou uma pressão desnecessária e, por muitos, insuportável sobre sua vida. Nesse sentido, tento encorajar as congregações a dar o espaço por causa dos filhos dos pastores para que eles possam caminhar a fé de uma forma cheia de graça.
Um erro que podemos fazer é não colocar expectativas bíblicas sobre nossos filhos para liberá-los dessa pressão da congregação. Em casa, dizemos aos nossos filhos: “Se papai fosse um encanador, um engenheiro ou um pedreiro, nada mudaria. Todos somos chamados a dar nossas vidas para a igreja, a viver vidas de piedade e a refletir o evangelho com nossas vidas “. Embora seja uma realidade que nossos filhos enfrentam desafios, muitas vezes o fazemos mais prejudiciais ao não apresentar os padrões bíblicos.
Uma benção do alto
Uma das tentações mais comuns a todos os homens é o medo. Esta tentação se intensifica e assume um sabor particular para os pastores que são pais de família. Medo de que meu filho está perdido, medo de ser desqualificado do ministério, temem que eles sejam marcados para sempre. Nunca devemos deixar o medo nos conduzir ou paralisar, pois o medo é a incredulidade. Devemos encontrar convicções bíblicas que nos conduzam a práticas que refletem o evangelho na vida de nossos filhos.
Vemos em Êxodo 12 e 13 o chamado para passar a Páscoa de geração em geração. Este é um chamado eterno que na nova aliança se reflete em dar prioridade à vida da igreja em nossa família. Portanto, não devemos ter medo de restringir as atividades nas vidas de nossos filhos que interferem com a igreja. Fazemos isso porque temos convicções bíblicas de que a vida da igreja é de primordial importância. Não porque somos a família pastoral, mas porque é algo que Deus nos chama a fazer. Desta forma, convicções bíblicas devem melhorar todas as áreas de como criamos nossos filhos.

Uma tentação causada pelo medo não é aproveitar a benção das crianças. O salmo 127 diz que as crianças são um presente do próprio Deus. Durante a parentalidade, podemos ser dominados pelo medo e esquecer de apreciá-los. Eles percebem se os vemos como benção ou carga. Mas o evangelho informa a nossa educação. Eles devem saber que não há nada que possam fazer que nos faça mudar nossa disposição para eles. Nós sempre os amamos. Eles podem desqualificar-nos do ministério, eles podem ter vergonha, eles podem nos tornar cinzentos … mas eles devem sempre sentir que os amamos. Esse é o efeito do evangelho na parternidade.
Crianças para a glória de Deus
Uma amiga, a filha do pastor, nos contou uma história. Seu pai começou no ministério quando tinha 17 anos, então ela não experimentou a infância como filha de um pastor.

Em um retiro congregacional de famílias pastorais, as crianças subiram ao estrado e, um a um, compartilharam o quanto eles estavam feridas porque o pai colocou o ministério acima deles. Eu uso essa história com freqüência com minha esposa. Eu lhe digo que é minha intenção que meus filhos saibam que eles são uma prioridade para mim. Não nos dando motivos para subir em um palco para dizer que não os amamos. Se decidirem não servir ao Senhor, podemos dizer calmamente: “Eu fiz o meu melhor. Não para sentir calma, mas porque eu tentei glorificar a Deus “.
Muitos se referem a criação de flhos como a coisa mais difícil que eles fizeram em suas vidas. Se você adicionar o desafio de fazê-lo enquanto trabalha no ministério, fica mais complicado. Mas é bom quando as coisas se complicam, porque nos levam a depender mais de Deus. Se somos chamados por Deus para servi-Lo no ministério pastoral, devemos ir diariamente ao Senhor para clamar pela Sua ajuda nesta bela tarefa que Ele nos deu, não só para pastorear, mas para criar nossos filhos para a Sua glória. Na Sua providência, Ele pode se glorificar salvando-os, e em Sua graça, Ele pode nos usar nesse processo.

Autor
José Mercado
José Mercado (Joselo) é membro do Conselho de Coalizão para o Evangelho. Nascido em Porto Rico, ele renuncia a sua carreira de consultoria em 2006 para se juntar ao Pastoral dos pastores dos ministérios da soberania soberana. Ele é o pastor sênior da Sovereign Grace Church em Gaithersburg, Maryland. Joseph está no processo de completar seu SBTS Mdiv, e é casado com Kathy Mercado e é pai de Joey e Janelle.

Link do artigo em espanhol

https://www.thegospelcoalition.org/coalicion/article/pastor-cuida-de-tus-hijos

 

Você é responsável por seus filhos

19986079

“Ouve, Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é um. Você amará o Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma e com todas as suas forças. Estas palavras que eu lhe ordeno hoje estarão em seu coração. Você vai ensiná-los com diligência aos seus filhos, e você vai falar deles quando você se sentar em sua casa e quando você caminha pelo caminho, quando você se deita e quando se levanta. Vocês devem ligá-los como um sinal à sua mão, e eles serão para insígnias entre seus olhos. Você deve escrevê-los nos posts da sua casa e nas suas portas, “Deuteronômio 6: 4-9.

Esta passagem é conhecida como Shema, e é uma das mais importantes orações para os judeus. É vital que consideremos esse texto com cuidado, pois nos ensina muitas coisas valiosas. Um deles é a importância de ensinar a Palavra de Deus aos nossos filhos.

Um mandato para todos

O mandato no Shema é para todo homem e mulher do povo de Deus, e enfatiza a responsabilidade primária dos pais: educar seus filhos na fé.

A formação espiritual e o discipulado devem se originar e ter sua maior força e profundidade nas casas. Isso não é apenas visto no Shema; Ao longo da Escritura, encontramos o testemunho de que Deus espera que os pais sejam os primeiros professores de nossos filhos nos caminhos e mandamentos de nosso Deus.

Provérbios 22: 6 diz: “Treina a criança em seu caminho, e quando ele for grande não se afastará disso”. Este texto é um princípio sábio dado por um pai a outros pais. Temos a responsabilidade de ensinar nossos filhos no caminho do Senhor e fazê-lo, embora de forma alguma garantam sua conversão, definitivamente será uma grande benção para suas vidas.

Por outro lado, Jesus, em seu décimo segundo ano, encontrou-se a discutir questões teológicas com os rabinos de sua época. Isso pode ser parcialmente atribuído à solidez com que Joseph e Mary o discípularam desde tenra idade. Não podemos esquecer que Jesus é Deus, mas também um homem que “cresceu em sabedoria e estatura, e em favor de Deus e dos homens” (Lucas 2:52).

É fácil perceber que a família é a instituição de vida mais importante para o desenvolvimento de uma pessoa. Por isso, Deus projetou que a formação espiritual dos filhos seja cultivada e modelada pelos pais. E isso não significa simplesmente rezar antes de cada refeição com eles, mas também cimentar um ensinamento sólido e completo de todo o conselho de Deus. É por isso que, no Shema, Deus é muito claro sobre a constância, frequência e intencionalidade da formação espiritual que devemos ter para os nossos filhos: “Vocês os ensinarão diligentemente aos seus filhos, e você falará deles quando se sentir em casa E quando você caminha pelo caminho, quando você se deitar e quando você se levanta “(Deuteronômio 6: 7).

Quais são as suas prioridades?

Os pais devem procurar que nossas prioridades sejam alinhadas com a ordem de Deus. Vivemos em um mundo acelerado que nos obriga a correr em todas as direções, constantemente nos tentando a deixar de lado a formação espiritual de nossos filhos. No final, reduzimos suas instruções a uma hora no domingo e por alguém que nem sequer conhecemos. Embora a escola dominical para crianças seja uma grande benção, não deve ser o principal lugar para a educação espiritual e bíblica de nossos filhos.

Os pais são responsáveis ​​pela saúde espiritual de nossa esposa e nossos filhos. Os homens são chamados a ser sacerdotes em nossa casa e guias espirituais dos membros de nossas casas. Somos responsáveis ​​diante de Deus para ensinar-lhes a Palavra de Deus e sua aplicação. Devemos ensiná-los a orar, a ler as Escrituras e a valorar as disciplinas espirituais.

O teólogo Jonathan Edwards disse: “Toda família cristã deve ser uma pequena igreja, consagrada a Cristo, e influenciada e governada inteiramente pelos Seus mandamentos. A educação e a ordem da família são alguns dos melhores meios de graça “. 1

Seja fiel à sua chamada

Gostaria de motivá-lo a começar ou a retomar com entusiasmo e perseverança o trabalho da formação dos discípulos mais imediatos que Deus nos deu: nossos próprios filhos. Convido-vos juntos a receber esta nobre comissão como uma oportunidade única por parte de Deus para a formação de futuros homens e mulheres que podem ser uma benção para o nosso mundo. As crianças são uma benção do Senhor e uma oportunidade incrível de treinar mais discípulos que trazem benção ao mundo e glória ao Seu Nome.

 

[1] Sermão de despedida (The Works of Jonathan Edwards, Vol. I, p.

Autor

Juan D. Rojas é o pastor da Igreja Casa Vida em Tamarindo, Costa Rica. Ele também é o fundador do movimento Casa Vida Plantation e um aluno de mestrado no Southern Baptist Theological Seminary.

Fonte Original: Site The Gospel Coalition

Sobre Filhas e Namoro: Como Intimidar Pretendentes

filme-menina-dos-olhos

Texto de Jen Wilkin

Tenho duas filhas adolescentes, então foi com um certo interesse que li um artigo recente intitulado “Formulário Para Namorar Minha Filha.” O artigo era muito engraçado, brincando com a idéia do estereótipo do pai com a espingarda e a filha apavorada enquanto negociavam o âmbito complicado de um primeiro encontro. Depois blogueiros cristãos se apoderaram deste conceito e, em sua maior parte, estas versões também eram engraçadas. Havia alguns temas comuns: pretendentes desempregados e de calças largas, pais proferindo ameaças inspiradas em Chuck Norris. Não perdi o meu senso de humor bem desenvolvido, até que cometi o erro tático de olhar alguns dos comentários. E então, simplesmente fiquei triste.

Aqui está o comentário que me deixou mais triste, postado por um pai cristão bem intencionado:

Cara, isto é incrível. Minha filha tem apenas 2 anos, mas vou imprimir isto e colocar na porta da minha geladeira. Obrigado por seu piedoso exemplo.

Oh céus.

OK, a piada acabou. Mano, vamos falar de estratégia por um momento. É só isto que você tem? Você precisa de um plano melhor, além destas técnicas de intimidação de baixa voltagem. Afinal de contas, ela é sua filha. Então, vamos falar francamente sobre o que você precisa fazer para proteger os interesses dela quando se trata de namoro. Em vez de brandir uma espingarda ou apresentar um formulário, é necessário construir um muro.

Isso mesmo, você me ouviu; construa um muro. Entre no modo “Rapunzel.” Construa-o tão alto que só o mais forte dos pretendentes poderá escalá-lo. Mas não espere até que sua menina seja uma adolescente, mano. Comece agora. Comece ontem. Não há tempo a perder.

Construa um Muro

Em Cantares 8.8-9 ouvimos a esperança de uma família de que sua irmãzinha se torne uma mulher com pujança e dignidade. Adivinhe qual metáfora eles usam para descrever este tipo de mulher? Um muro. Sua irmã os assegura no versículo 10 que ela realmente é um muro, completo, com torres. Sua declaração indica certeza de que ela não somente é forte, mas também capaz de se defender contra quaisquer pretendentes que não sejam dignos. É isto o que você quer, mano. Você quer um muro.

Eis o problema com as piadas sobre espingardas e formulários postadas na geladeira: para qualquer pessoa que esteja prestando atenção, estas coisas anunciam que você espera que sua filha nāo tenha discernimento. Saiba que sua filha está prestando atenção. E não fique chocado se ela se comportar conforme suas expectativas. Talvez seja melhor se preocupar menos com aterrorizar ou pré-ajustar pretendentes e se preocupar mais com preparar sua filha para escolher sabiamente. E isto significa construir um muro.

voce-e-um-pai-liberal-1418755960299_615x300

Ao invés de intimidar todos os potenciais pretendentes à sua filha, crie uma filha que os intimide por si própria. Porque, sabe o que é intimidador? A pujança e a dignidade. A fé profunda. A auto-confiança. A sabedoria. A bondade. A humildade. A diligência. São estes os tijolos que constroem o muro que resiste aos avanços do Calça-Larga, independentemente de você aparecer com sua espingarda carregada ou não. Um pretendente inapto considera nada mais aterrorizante, do que uma mulher que sabe o seu valor perante Deus e perante sua família.

Forte Demais?

Mas eis a dura realidade: se você criar esta filha, ela provavelmente intimidará também um bom número de “bons rapazes cristãos”. Porque vários destes rapazes tem umas idéias malucas sobre o que significa estar no comando. Fico espantado e triste com a freqüência com que ouço jovens rapazes solteiros dizerem de mulheres solteiras brilhantes e talentosas, “Nossa, ela é tão forte que eu não acho que poderia liderá-la.” O que nessa altura faz com que muitas mulheres solteiras brilhantes e talentosas comecem a considerar maneiras de “diminuirem sua intensidade” ou “se tornarem um pouco mais suaves”.

Crie uma filha forte, mesmo se; não, especialmente se, isto significa que possíveis pretendentes questionem se podem “liderá-la”, seja lá o que isto signifique para eles. Você acabou de identificar estes pretendentes como inelegíveis, sem mesmo precisar de um processo de candidatura. Liderança não se trata de uma pessoa forte procurando pessoas mais fracas para liderar. Trata-se de pessoas humildes procurando aqueles cujas áreas compensem suas fraquezas e complementem suas próprias áreas fortes. Líderes fortes se cercam de pessoas fortes, não de pessoas fracas. Ao invés de considerar os pontos fortes dos outros ameaçadores, eles os celebram e os fomentam. Este é um princípio básico de gestão, mas temo que jovens rapazes cristãos e pais cristãos bem intencionados que têm filhas, tenham ficado um pouco confusos com este conceito.

Guarde Sua Espingarda

Frequentemente penso que se avaliássemos cuidadosamente como criamos nossos filhos com a mesma intensidade com que planejamos enfrentar futuros pretendentes a nossas filhas, deixaríamos de especular sobre espingardas e formulários e começaríamos a construir aquele muro. Então, bem intencionado pai de uma criança de 2 anos, por favor, não clique em “imprimir” naquele formulário por enquanto. Ao invés de interrogar o homem que sua filha traz para casa, interrogue o homem que a trouxe para casa do hospital. Ela não necessita de jactância tardia sobre suas intenções de protegê-la dos Calça-Larga idiotas quando for uma adolescente. Ela necessita que você se empenhe e invista em seu caráter agora mesmo.

ternura_pai_filha_01

Então, guarde sua espingarda. Pegue a sua prancheta de treinador. Sente-se junto dela quando ela prepara um cházinho de brincadeira. Ensine-a como trocar um pneu e como ligar o cortador de grama. Delibere com ela sobre política e economia e teologia. Elogie uma roupa nova ou uma nota alta em matemática. Diga a ela que você a acha absolutamente linda. Ajoelhe-se a beira de sua caminha com chenille cor-de-rosa e ore intensamente. Crie sua filha com um coração e mente totalmente municiados, para que uma espingarda carregada não seja necessária. Ela não deve necessitar que você afugente pretendentes fracos. Deixe que sua própria força e dignidade façam isto. Decida não se contentar com nada menos do que a melhor proteção para sua filha. Decida ser o tipo de homem que você quer que ela traga para casa. Decida construir um muro.

“Que faremos por nossa irmã, no dia em que ela for pedida em casamento? Se ela for um muro, edificaremos sobre ela uma torrezinha de prata…” (Cantares 8.8–9).

Traduzido por Will Jessie Dias

Jen Wilkin é esposa, mãe de quatro filhos maravilhosos, e luta para que mulheres aprendam a amar a Deus com suas mentes através do estudo fiel da Palavra. Ela escreve, dá palestras e ensina a Bíblia para mulheres. Ela mora em Flower Mound, Texas, e sua família congrega na The Village Church. Jen é autora de “Women of the Word: How to Study the Bible with Both Our Hearts and Our Minds” (Mulheres da Palavra: Como Estudar a Bíblia com os Nossos Corações e Nossas Mentes) (Editora Crossway). Você pode encontrá-la em seu blog jenwilkin.blogspot.com.  *HGTV é um canal a cabo com programas de casa e família.

http://www.thegospelcoalition.org/pt/article/sobre-filhas-e-namoro-como-intimidar-pretendentes

Me diz como é ter um pai presente?

pai-ausente-teoria

Texto-Bíblico: Salmo 68:5

Ontem ao chegar em casa e entrar no facebook, pude me deparar com essa pergunta (que é também título desse artigo) feita por um amigo em sua timeline.

Isso ao mesmo tempo que me deixou triste por ser também algo que eu me pergunto até hoje, especialmente no dia dos pais e outros momentos em que sinto falta de um pai em minha vida. Também me fez lembrar do que aconteceu em minha vida após meu encontro com Jesus Cristo, como Meu Senhor e Meu Salvador.

Os comentários seguintes a pergunta e questionamento desse amigo, expressou o que é realidade não somente em minha cidade, mas também em nosso País. Conforme pesquisas recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), a grande maioria dos filhos de nossa nação é constituída de famílias sem a figura do pai dentro de seus lares.

Mas o que significa ter um pai presente em sua vida e casa?

Por mais que tenhamos excelentes mães e famílias que nos abraçaram e cuidaram muito bem de nossas vidas. Nada substitui o poder e valor da presença de um pai em nossas vidas. Um padrasto, um tio, irmão mais velho, outro parente ou amigos podem até de certa forma assumir papéis que cabem a figura do pai.

Ter um pai presente em nossas vidas significa termos direção e orientação, quando nos encontramos perdidos e sem saber pra onde devemos ir. Isso vai desde a nossas infância até o fim de nossas vidas, onde o preparo, aconselhamento e mentoria de um bom pai pode ajudar de uma maneira poderosa e única seus filhos a serem bem sucedidos nas mais diversas áreas de suas vidas.

É também ter proteção. A proteção de um pai nos ajuda a desenvolvermos auto confiança e nos dá coragem e segurança pra enfrentar os mais diversos desafios da vida, sabendo que teremos quem nos ajude, ampare e proteja.

E mais ainda é ter com quem contar, podemos ter uma boa família, excelentes amigos e um bom emprego. Mais nada se compara a termos um pai presente em nossas vidas, pois ao longo de nossas vidas iremos precisar nas mais variadas ocasiões  de vários tipos de ajuda (financeira, emocional, psicológica, social, profissional, etc) que somente um pai poder dar aos seus filhos.

Quais as consequências de não ter um pai presente em nossa vida e casa?

Sugiro a você que é pai e, aos filhos também que assistam ao filme Corajosos (disponível na NetFlix), pois ele responde bem a essas pergunta e tantas outras sobre a relação de pai e filhos, muito bem.

As consequências podem ser as mais variadas, principalmente aquelas que levam os filhos a viverem os planos do diabo para as suas vidas (João 10:10 – Roubar, Matar e Destruir). Existem várias consequências, mais vou citar apenas três:

– Maior envolvimento com a criminalidade e com o uso de drogas cada vez piores;

– Baixa Auto-Estima, Insegurança, Timidez e outros problemas emocionais e psicológicos relacionados;

– Evasão escolar, obesidade, pobreza são alguns dos problemas que ocorrem com a maior parte da população do nosso país, mas nos lares sem a presença paterna esses problemas aumentam consideravelmente.

 

Sim, mas e como eu posso lidar com essa falta?

Aí, vem o segundo ponto da minha introdução e do que senti  e pensei ao me deparar com a pergunta desse amigo. Até meus 14 anos, tinha tudo (com exceção do cuidado e amor de minha mãe e de duas boas amizades que eu tinha na escola) para me envolver com crimes e o uso ou mesmo tráfico de drogas, justamente por viver em um bairro com altos índices de criminalidade e tráfico de drogas durante esse período da minha vida.

E pior que esses problemas e tantos outros que fizeram parte da minha vida, foi não ter tido um pai presente em minha vida. Isso fez muita falta e ainda faz até hoje, pois em diversos momentos já me peguei orando, chorando e pensando sobre o porquê ou como me faz uma imensa falta não ter um pai presente em minha vida.

Mas dou graças a Deus, por ter me alcançado com Seu Evangelho e me concedido Vida. E Vida em Abundância (João 10:10), somente em Jesus eu pude encontrar tudo o que eu precisava e preciso todos os dias – Amor, Força, Coragem, Paz, Segurança Eterna, Ajuda, Socorro e Provisão, além de tantas outras bênçãos que vêm desse santo relacionamento.

Pude também ao longo da minha vida e caminhada com Cristo, contar com a presença e ajuda de diversos homens excelentes, servos de Deus e muito mais experientes e maduro do que eu mesmo. Até hoje, tenho tido a presença deles em minha vida, seus conselhos, conversas abertas e francas, ajuda material ou financeira quando precisei e, tantas outras coisas que pude contar com a presença deles como sendo instrumentos de Deus em minha vida.

E com Deus e com a ajuda desses homens de Deus, pude aprender a ter uma nova perspectiva quanto ao meu presente, mas também em relação ao meu futuro. Pude amadurecer e crescer perdoando meu pai (por nunca ter estado conosco) e lidando de uma maneira saudável e madura que somente Jesus nos capacita a fazer.

É difícil ainda quando penso sobre essa falta, tão necessária pra minha vida e família. Mas Deus reescreveu minha história e pude tomar uma decisão firme de ser um homem e um pai (assim que Deus permitir rsrs) diferente e mais do que tudo presente em meu lar e na vida de minha esposa e filhos.

Eu Decidi em Cristo Jesus, ser o que Deus me criou e me chamou para ser – Um Homem e Pai excelente para a Glória de Deus e bem de minha família, vizinhos, igreja, sociedade e nação.

“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro”.

Jeremias 29:11

 

Em Cristo Jesus,

Filipe Paulo Christian