Arquivo da categoria: Desenvolvimento Pessoal Masculino

Uma Música, Uma Convocação a TODOS OS HOMENS!

Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, esco­lham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha família servi­remos ao Senhor
Josué 24:15

Ao fazer uma pesquisa essa noite para o meu livro Lições em Filmes: Para Garotos. Pude encontrar uma música relacionada ao filme cristão Corajosos. E quando parei para ler a letra desta canção, pude ver mais uma vez que o Senhor tem nos chamado a sermos corajosos e fiéis em servi-lo em nosso tempo, bem como nos levantarmos como verdadeiros Homens de Deus e, preparar os futuros homens.

Deixo aqui o video da música Casting Crowns – Courageous e, a letra em Português

Corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para guiar o caminho
Nós podemos ser a geração
Que, finalmente, quebra as cadeias

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para ser corajosos

Nós éramos soldados na linha de frente
Firmes, sem medo
Mas agora nós somos espectadores à margem
Enquanto nossas famílias se vão

Onde estão vocês, homens de coragem?
Vocês foram criados para muito mais
Deixe o bater de nossos corações gritar
Nós serviremos ao Senhor

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Essa é a nossa decisão
Nossa resposta ao chamado
Nós amaremos nossas esposas e filhos
Recusamo-nos a deixar que eles caiam

Vamos reacender a paixão
Que enterramos bem fundo
Que espectadores se tornem soldados
Que os homens de Deus se levantem

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe humildemente com seu Deus

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe. Seja com o seu Deus.

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com o seu Deus.)

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia…)
Caminhe humildemente com seu Deus

Fonte original:
https://www.letras.mus.br/casting-crowns/1908365/traducao.html

Anúncios

No Youtube #1

Gosto muito do Youtube, por ser uma ferramenta/tecnologia bastante útil para divulgar e expandir o nosso conhecimento e aprendizado para a vida.

Tal que gostaria de começar a compartilhar aqui no blog, tal como faço em nossa fanpge no facebook, os vídeos que tem me edificado bastante, despertado para reflexão e novos aprendizados na vida cristã.

Então, vamos lá para a primeira dica. Nesse vídeo, Francine Wash (do blog cristão Graça em Flor), faz uma resenha do Livro 12 Ways Your Phone Is Changing You, de Tony Reinke e Jonh Piper. Vale a pena ouvir essa resenha e aguardar a publicação deste livro aqui no Brasil.

 

Conselhos Práticos e as Diferenças no Discipulado de Homens e Mulheres

Small Groups (people engaged)
Débora me chamou na sexta-feira porque estava passando por um momento difícil em seu casamento. Como muitos pastores, eu regularmente apago incêndios como esse. Eu conversei e orei com ela, e depois liguei para o seu marido para conversar sobre a situação.

Há mil questões nas quais tenho que meditar quando pastoreio João e Débora (que não são seus nomes verdadeiros). Eu invisto mais tempo em João e indico a Débora uma mulher piedosa? Eu encontro ambos para aconselhamento conjugal? Devo encontrar com Débora e, se sim, qual é a minha responsabilidade pastoral para com ela?

Mas não são apenas questões práticas com as quais preciso lutar em uma situação como essa. Em um nível mais básico, como o ensino bíblico sobre homens e mulheres fundamenta meu trabalho pastoral?

“Complementarismo” é um termo para o ensino bíblico que chama homens a uma liderança sacrificial tanto em casa quanto na igreja, e chama mulheres a alegremente se submeterem à mesma liderança.

Este curto artigo discorre sobre como o complementarismo afeta os detalhes práticos do aconselhamento e do discipulado. Duas questões definirão a nossa discussão: 1) Em que um pastor precisa pensar ao discipular e aconselhar um homem? 2) Em que um pastor precisa pensar ao discipular ou aconselhar uma mulher?

Pensamentos sobre o pastor discipulando homens

O que um pastor precisa ter em mente quando discípula e aconselha homens?

Uma visão bíblica para o discipulado masculino

Comecemos com uma visão bíblica para discipular homens: devemos encorajar a semelhança com Cristo através de discipulado pessoal. Homens cristãos mais velhos devem deliberadamente investir em homens cristãos mais jovens, encorajando seu crescimento espiritual (Tt 2.1).

Nossa visão bíblica pode ser expandida em duas maneiras específicas: 1) devemos encorajar homens a amar a Palavra de Deus (Sl 1.2; Js 1.8) e a amar o povo de Deus (Ef 4.11-16); 2) devemos encorajar os homens a uma liderança forte, sacrificial e servil no lar e na igreja. Homens são chamados a olhar para Cristo, imitando o seu serviço sacrificial que concede vida (Ef 5.21-33).

Estratégia prática para o discipulado masculino

Movendo da visão para a estratégia, vale a pena notar que pastores frequentemente negligenciam o desenvolver de fortes homens líderes na congregação, porque usam o seu tempo e energia defensivamente. A tirania da urgência governa as suas agendas. Eles permitem que seu tempo seja gasto de maneira reativa a várias crises, ou preparando lições, sermões e eventos para o domingo seguinte. Como resultado, muitos pastores não têm estratégia de longo prazo para cultivar liderança masculina na igreja e em casa. Como conseguimos tal estratégia?

Comece com pouco. Escolha poucos homens que têm o potencial para ser bons líderes e organize almoços regulares com eles. Seja proativo em construir um relacionamento com esses homens. E, se você tem uma equipe de liderança, encoraje-os a fazer o mesmo.

Discipular homens é extremamente importante. Como pastor, você deve ser exemplo para outros nisso. Mas se você quer mais resultados, você pode considerar desenvolver um grupo de discipulado masculino que ajude os homens a pensar teologicamente a respeito de tudo na vida. Escolha bons recursos teológicos que ajudem os homens a aplicar teologia a questões como casamento, comunicação, finanças, sexo, paternidade, trabalho secular, etc. Você pode encontrar um bom exemplo desse tipo de desenvolvimento de liderança no livro do pastor Mike McKinley Plantar Igrejas é Para os Fracos (veja o capítulo sete).

Pensamentos sobre o pastor discipulando mulheres

Se pastores deveriam discipular homens para serem líderes no lar e na igreja, como isso difere de discipular mulheres?

Uma visão bíblica para o discipulado feminino

Comecemos novamente com uma visão bíblica. Assim como com os homens, os pastores deveriam buscar encorajar uma maior semelhança com Cristo em discipulado pessoal, só que nesse caso, as mulheres devem fazer a grande maioria desse discipulado. No curso normal dos relacionamentos na igreja, os homens devem discipular homens e mulheres devem discipular mulheres. Então encoraje cristãs mais velhas a investir nas cristãs mais novas, ajudando-as a crescer espiritualmente, o que é precisamente o que Paulo manda Tito a fazer, ou seja, instruir as mulheres em sua igreja (Tt 2.3-5).

Como, então, um pastor (que é homem) deveria pensar sobre conhecer, cuidar e pastorear as mulheres em sua congregação?

Se pensamos em discipulado como orientação de longo prazo deliberada, não parece sábio que um pastor discipule uma mulher (por exemplo, encontrando-se com ela semanalmente ao longo de um ano). Nós devemos reservar esse tipo de orientação espiritual intensa para relacionamentos de gêneros específicos. Nos resta, então, o aconselhamento, que é uma atividade  de curto prazo.

Embora alguns argumentem que pastores nunca deveriam aconselhar uma mulher, isso não parece estar em concordância com o que a Escritura diz sobre o pastor conhecendo todas as suas ovelhas (At 20.28; Jo 10.12, 16), e o exemplo específico que Jesus define para nós. Em João 4, Cristo tem uma conversa muito pessoal com uma mulher samaritana, entre os dois somente. Pastores precisam sim pastorear pessoalmente as mulheres em suas congregações.

Quais são algumas das coisas específicas que os pastores deveriam encorajar as mulheres a fazer? Pastores devem encorajar o amor delas pela Palavra e pela igreja, o respeito pela autoridade, o desejo de tornar o lar primário (mesmo que elas trabalhem fora de casa) e o crescimento em evangelismo pessoal. Para mulheres casadas, os pastores devem encorajar a suscetibilidade à liderança do marido. Para mulheres solteiras, os pastores devem encorajá-las a seguir a autoridade piedosa na igreja, especialmente quando seu pai não está envolvido espiritualmente em sua vida.

Ainda assim, os pastores devem primariamente buscar pastorear mulheres nesses caminhos através da capacitação de mulheres na congregação para discipular outras mulheres. Como pastores podem facilitar e construir essa cultura de mulheres discipulando mulheres?

Estratégia prática no discipulado feminino

Para construir uma cultura na igreja que encoraja o discipulado entre mulheres, os pastores devem ensinar sobre a importância do discipulado sempre que isso naturalmente surgir na Escritura durante uma série de sermões nos domingos. O objetivo nisso é encorajar as mulheres mais velhas da igreja a discipular as mais jovens.

Podemos também ensinar sobre discipulado em outros locais. Por exemplo, na minha igreja nós regularmente oferecemos um seminário no sábado sobre discipulado para ajudar novos membros a pensar em como serem discipulados e em como discipular outros. Também oferecemos uma classe de EBD de três meses de duração sobre discipulado todos os anos. Na última vez que ensinamos na classe, eu abordei várias mulheres mais velhas na igreja e as encorajei a participar. Ensino e modelo ajudam a construir uma cultura na igreja que leva a sério o discipulado.

Essas são algumas maneiras de construir uma cultura de discipulado, mas como o pastor pastoreia pessoalmente os membros do sexo feminino? Obviamente, haverá diversas oportunidades para fazer reuniões de aconselhamento em grupo, onde o pastor fornece conselhos gerais e aconselhamento bíblico para os problemas diários da vida.

Se o problema requer mais do que uma reunião, o pastor tem que julgar quando o aconselhamento de curto prazo precisa passar a ser um discipulado de longo prazo. Mas antes que as coisas sequer alcancem esse ponto, muitos pastores precisam parar de se reunir por causa das pressões de suas agendas cheias. Ao invés de eles mesmos se reunirem com as mulheres, eles sabiamente conectam o membro do sexo feminino com outra pessoa na igreja (como um membro feminino da diretoria, a esposa do pastor ou uma mulher mais velha na congregação) ou alguém de fora que possa ajudar (como uma conselheira local ou uma organização para eclesiástica que seja especializada em questões como violência doméstica).

 

Para aconselhar mulheres sabiamente, os pastores precisam criar alguns limites:

Limite o número de reuniões que você tem com qualquer mulher. Você deve ser cuidadoso para não alimentar uma dependência emocional do pastor. Especialmente, no caso de mulheres em maus casamentos, você não deve ser um substituto emocional ou espiritual de seus maridos.

Seja muito, muito cauteloso com mulheres emocionalmente dependentes. Mulheres muito necessitadas anseiam por encontrar um homem que deem atenção a elas, e pastores frequentemente possuem um ouvido compreensivo e são bons ouvintes. Embora você deva sim oferecer aconselhamento gentil e piedoso, você não deve alimentar intimidade ou dependência emocional errôneas.

Sempre que possível — dependendo da situação de sua família — inclua a sua esposa

Certifique-se de fazer o aconselhamento em um gabinete onde você seja sempre muito visível. Coloque a sua cadeira na linha de visão daqueles fora do gabinete. Se a porta do seu gabinete não tiver vidro, substitua por uma que tenha.

Faça aconselhamento com mulheres apenas durante horário comercial, para que a secretária da igreja ou outros funcionários estejam presentes no prédio da igreja. Nunca fique sozinho com uma mulher na igreja para que você seja sempre irrepreensível (1Tm 3.2).

Se possível, posicione a mesa da secretária próximo à porta do seu gabinete

Alguns pastores preferem manter a porta escorada levemente aberta (ou totalmente aberta), certificando-se de que, caso a secretária ouça a conversa, mantenha o sigilo.

Não faça aconselhamento em uma parte isolada da igreja, mas em algum lugar onde haja bastante movimento, com pessoas passando constantemente.

Certifique-se de que pelo menos um membro da diretoria conheça (ou pelo menos tenha acesso à) sua agenda. Se ninguém mais sabe o que você está fazendo, há mais potencial para você esconder coisas.

Certifique-se de que você tenha uma prestação de contas regular com outro pastor ou líder em sua igreja, o que inclui conversar sobre as suas mais difíceis situações de aconselhamento.

O privilégio de pastorear o rebanho de Jesus

Que privilégio imenso é ser um pastor auxiliar de Jesus. Quer sejam homens ou mulheres, esperamos cuidar bem das ovelhas confiadas ao nosso cuidado. Pastores, aprendam com o exemplo de Cristo: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas” (Jo 10.11).

 

 

Autor: Deepak Reju

Fonte: 9Marks

Tradução: Alan Cristie

Via: Ministério Fiel

http://reformados21.com.br/2017/09/20/conselhos-praticos-e-as-diferencas-no-discipulado-de-homens-e-mulheres/

 

Mulheres e Homens Cristãos Podem ser Amigos?

 

o-jeito-certo-de-chamar-um-homem-para-conversar388-min
A questão é um barril de pólvora. Aqueles que respondem imediatamente “sim” podem arremessar tantos barris de evidência anedótica como aqueles que gritam “não”. Poucos tratam isso como uma questão legítima – as opiniões são dadas num tom que implica que a própria questão viola o senso comum. São dadas respostas diferentes. Diferentes passagens são citadas. Diferentes colinas são construídas e desfeitas. Então, as mulheres e os homens cristãos podem ser amigos?

Para começar, vários tipos de amizade homem-mulher merecem atenção única.

Uma mulher solteira e um homem casado;

Uma mulher casada e um homem solteiro;

Uma mulher casada e um homem casado;

Uma mulher solteira e um homem solteiro.

Como são essas amizades? Elas deveriam existir? Deus as proíbe, ou são elas vitais para o corpo de Cristo? Elas são obviamente inapropriadas ou inegavelmente essenciais na comunidade religiosa saudável? Parece-me, depois de considerar a evidência bíblica, que as amizades entre homens e mulheres se inclinam ainda mais a um processo que existe em todas as amizades:

Ponderação sobre os riscos da relação;

Implementação de limites necessários e amorosos na relação;

Colheita dos benefícios únicos que exaltam a Cristo na relação.

Normalmente, passamos por esse processo inconscientemente com cada nova relação: avaliando se a relação será prejudicial a nós mesmos ou desobediente a Deus; e se não for, identificando parâmetros saudáveis ​​para tornar a relação tão frutífera quanto possível e, finalmente, desfrutando os benefícios contínuos do relacionamento.

Ao fazermos a pergunta: “Mulheres e homens podem ser amigos?”, Devemos compreender que cada nova possibilidade de amizade entre uma mulher e um homem pode exigir um “não” ou um “sim” em várias circunstâncias ou em vários estágios da vida.

Riscos Inevitáveis

Uma vez que qualquer amizade piedosa entre homens e mulheres será a amizade entre dois discípulos de Cristo, o primeiro passo para construir essa amizade é “fazer as contas dos gastos, para ver se tem o suficiente para completá-la” (Lucas 14:28). Informação o suficiente. Auto-controle o suficiente. Comunhão o suficiente. Sabedoria o suficiente.

As amizades entre homens e mulheres podem levar a sentimentos não recíprocos.

Uma pessoa tem intenções completamente inocentes e amigáveis, e a outra se apaixona. Entre uma pessoa casada e qualquer pessoa que não seja seu cônjuge, a amizade deve terminar imediatamente.

Mas, mesmo entre pessoas solteiras, os perigos são significativos. A amizade homem-mulher sempre traz a possibilidade de estranheza, de conflito, de mágoa. Alguém está pensando: “Isto está levando a algum lugar?” E a outra não está. Isso é chamado de “friendzone”, e é muito fácil para as placas tectônicas do desejo criarem amizades quentes e que despertam o desejo nas quais esse calor é, de fato, causado por motivações que se movem em direções opostas.

Quer sejamos os desejantes ou os desejados, sejamos honestos com nós mesmos: ambos realmente queremos a mesma coisa dessa amizade? Se não nos fizermos essa pergunta, alguém acabará arcando com as graves consequências.

As amizades entre homens e mulheres podem provocar a tentação sexual

Se nós cegamente caminharmos pelas amizades entre homem e mulher com a noção ingênua de que elas não são diferentes de amizades entre pessoas do mesmo sexo, estamos cega e perigosamente equivocados. Elas são diferentes. Tendências trágicas e dolorosas na igreja sugerem que aventuras amorosas muitas vezes começam sutilmente ou mesmo inocentemente, e terminam em terrível destruição. Padrões de intimidade um a um entre membros do sexo oposto cultivam naturalmente o tipo de intimidade que leva ao romance.

Salomão escreve: “Um homem perverso… tem no coração o propósito de enganar, continuamente semeando discórdia; Então a desgraça se abaterá repentinamente sobre ele; de um golpe será destruído, irremediavelmente” (Provérbios 6:12, 14-15).

Esta é a atitude errada: “Não estamos sendo imprudentes. Não há nada com o que se preocupar. Não é assim.” A calamidade da fornicação quase sempre ocorre de repente. Sempre nos surpreende. Sempre aparece na nossa porta com um sorriso inocente. Ou talvez nos leve à porta de outra pessoa. Ao sofá de alguém.

A fagulha da imoralidade sexual pode ter a diferença de uma polegada, de um olhar. A questão que devemos nos perguntar honesta e consistentemente é: “A estrutura de nosso relacionamento parece ser a de um incêndio florestal?” Se a sua atitude em relação à sua intimidade é descuidada, é provável que ela se incendeie.

As amizades entre homens e mulheres podem comprometer o casamento

É comum que as pessoas solteiras sejam demonizadas como “sedutoras” ou como “iscas”, enquanto as pessoas casadas são apenas vítimas de amantes devoradores. No entanto, parece que a tentação muitas vezes anda do lado contrário, da pessoa casada para a solteira; por exemplo, José e a esposa de Potifar (Gênesis 39:11-18), ou pelo menos ambígua, no caso do membro da igreja e a esposa do seu pai (1 Coríntios 5:1).

O ponto não é condenar ou idolatrar qualquer estado civil como mais protegido que o outro. O ponto é reconhecer o elemento humano comum que torna possível a subversão da aliança matrimonial se uma (ou ambas) pessoas estiverem casadas. Algumas perguntas diagnósticas são:

Estamos passando tempo sozinhos juntos?

Os nossos encontros (especialmente locais) são cada vez mais privados?

Estamos nos queixando de nossos casamentos (ou vida amorosa) um para o outro?

Estamos enviando mensagens um para o outro em particular?

Eu me encontro pensando nela (nele), ou fantasiando sobre uma vida com ela (ele)?

Sinto que estou me esquivando de uma intimidade que sob outro ponto de vista seria inapropriada?

 

Recompensas Potenciais

Uma vez considerados e ponderados os riscos de uma amizade entre homens e mulheres, podemos fazer a seguinte pergunta: “Esses riscos podem ser mitigados?” A humildade, a honestidade, a comunidade e a responsabilidade podem nos proteger das consequências iminentes e nos permitir desfrutar o bem que pode vir dessas amizades?

Deus recompensa os limites apropriados

Todo relacionamento – e todo nível de intimidade – floresce com o tipo certo de limites. E o tipo de relacionamento determina quais limites ele precisa para florescer. “O caminho da vida conduz para cima quem é sensato, para que ele não desça à sepultura” (Provérbios 15:24). Então, qual é o caminho adequado para as amizades entre mulheres e homens?

A resposta é, naturalmente, diferente para cada tipo de relacionamento. Mas o ponto é limites devem existir. Alguns exemplos seriam:

Sem mensagens de texto privadas (inclua sempre o cônjuge, ou algum amigo piedoso);

Sem encontros privados ou secretos, a (as) pessoa(s) sempre sabe (m);

Nenhuma discussão detalhada sobre casamentos ou vidas amorosas;

A sabedoria exige alguns “nãos”, a fim de manter a segurança e a integridade que levam à vida, e não o descuido ou a liberdade que levam ao pecado.

 

Deus recompensa a comunicação clara

Imaginemos o lado oposto, o pecado prospera na preguiça da ambiguidade. Sejamos honestos sobre nossas próprias intenções: por que somos realmente compelidos a construir e investir nesta amizade? É porque nós gostamos da atenção que recebemos do amigo a qual não podemos obter de um cônjuge ou de um futuro cônjuge? É porque ficamos sutilmente excitados ao flertar com os limites de algo que parece ter passado dos limites?

Deus recompensa uma resposta ponderada que reflete honestamente o estado de nossos corações. E precisamos ter cuidado, no contexto de uma comunidade rigorosa, a provar se não estamos nos enganando sobre nossas próprias intenções.

Uma vez que tenhamos sido honestos sobre nossas próprias intenções, precisamos articulá-las claramente. Somos amigos por causa da igreja, por causa de um projeto, por uma questão de desfrutar de um hobby mútuo, para servir a igreja? Tenhamos uma resposta e deixemos que as interações que se desviam do propósito acordado permaneçam fora de cogitação.

Deus recompensa a comunidade forte

É fácil para a igreja se dividir em ministérios de homens, ministérios de mulheres e ministérios de casais. Os solteiros tornam-se “carta branca”, e muitas vezes jogam fora o que poderia ter sido um sistema simples de pureza. Mas as amizades entre homens e mulheres na igreja são uma santa expressão da intimidade que Deus nos conquistou em Cristo (Gálatas 3:28), especialmente quando atraímos outros para essas amizades como salvaguardas.

Todo o esforço que colocamos tanto nos limites quanto na clareza honra e promove este dom – um dom que não deveria ser proibido, em princípio, entre o povo de Deus. Mas essas amizades só devem ser permitidas dentro do adequado “campo de visão” de pessoas informadas e envolvidas o suficiente para proteger as duas partes.

Por que Não Podemos Ser Amigos?

“Tudo é permitido, mas nem tudo convém” (1 Coríntios 10:23). O que é bom para alguns não vale a pena para todos – e pode ser prejudicial. O que pode ser uma bela e santa amizade entre um homem e uma mulher em um caso pode não ser correspondente para todos os homens e mulheres, e certamente não pode ser tido como verdade absoluta a todo homem e mulher. Agir assim simplesmente não seria sábio nem seguro.

Mas quando os riscos forem pesados ​​e as estruturas gratificantes forem estabelecidas, podemos, com uma consciência limpa, vir diante de Deus e pedir-lhe para abençoar nossas amizades com o sexo oposto. Esta confiança é obtida através de um registro maduro e piedoso: “Não se deixem enganar; de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6: 7). Mas está disponível. E é linda. E como tudo que é belo requer um paciente investimento, humildade generosa, abnegação implacável, autoconsciência e autocontrole.

Paulo nos encoraja: “Comportemo-nos com decência, como quem age à luz do dia, não em orgias e bebedeiras, não em imoralidade sexual e depravação, não em desavença e inveja” (Romanos 13:13). É interessante como Paulo contrapõe a “imoralidade sexual” com “comportar-se com decência, como quem age à luz do dia”. Quando nossas mensagens não são privadas, nossos encontros não são às escondidas, nossa intimidade não está coberta de sorrisos tortos, podemos participar de uma intimidade pura em amizades entre homem e mulher que é pública e louvável, cheia de graça e verdade.

“Ama o teu próximo como a ti mesmo: Eu sou o Senhor” (Levítico 19:18). Nenhuma ordenança farisaica sobre as relações homem-mulher deve inibir esse mandamento. Nem um libertário livre para fazer o que quer deve sutilmente subvertê-lo. Deus se deleita em amizades entre homens e mulheres, mas somente quando dizem algo verdadeiro e bom sobre Ele ao mundo (João 13:35). Homens e mulheres, sejamos diligentes na sabedoria, implacavelmente acima do opróbrio, e sejamos amigos em Cristo.

 

 

Autor: Paul Maxwell

Fonte: desiringGod

Tradução: Moacir Campos

Via: PNO – Perguntar não Ofende

 

http://reformados21.com.br/2017/07/31/mulheres-e-homens-cristaos-podem-ser-amigos/

Moças e rapazes solteiros podem ser apenas amigos?

7b23051b8c20b5191dce9c12eeef06dd5495eeed_hq
Semana passada estava muito feliz com um dos meus amigos solteiros, Roman, pois ele acredita ter encontrado a garota com quem deseja se casar. Naturalmente, estou feliz por ele e espero poder comparecer ao seu casamento. Meu desejo é que todos os meus amigos solteiros possam se casar.

Mas também me preocupa um pouco saber que muitos solteiros que eu queria que se casassem têm poucos amigos próximos do sexo oposto. Algo surgiu na cultura cristã que desencoraja amizades normais entre garoto e garota. É como se tivéssemos medo de que eles acabem indo para a cama se conversarem por mais de uma hora e compartilharem suas esperanças, medos ou lutas.

Enquanto isso, pressionamos rapazes e moças a se casarem se se tornam amigos (hummm, Gina, eu vi você com o Brad ontem. Tem algo rolando entre vocês dois?). Por que Gina e Brad não podem apenas se encorajarem em suas caminhadas com Deus sem fazerem muito caso de seu relacionamento? É possível para rapazes e garotas cristãs construir amizades saudáveis sem assumir que irão para o altar?

Eu creio que isso é possível. Aqui estão alguns pontos para desenvolver relacionamentos assim:

1. Veja seus amigos como família.

Paulo disse a Timóteo que deveria tratar mulheres mais velhas como mães e mulheres mais novas como irmãs (cf. 1 Timóteo 5.2). A mesma regra se aplica às garotas: vocês deveria ver seus amigos cristãos homens como irmãos. Ter essa atitude de pureza de coração torna possível uma amizade. Se um rapaz vê sua amiga mulher como uma irmã, ele não vai desejar seu corpo; pelo contrário, seu instinto será de encorajá-la. Se uma jovem vê seu amigo homem como um irmão, ela cuidará dele e orará por ele sem esperar que ele tenha sentimentos sexuais por ela.

2. Evite a “pressão dos pares”.

Em muitas igrejas hoje já uma pressão incrível para encontrar “a pessoa certa” que vai te tirar do mercado. Se você está carregando esse fardo, cada amizade com uma pessoa do sexo oposto pode ser um peso. “Ela é a pessoa certa?”. “Será que ele gosta de mim?”. “Como eu deveria me vestir?”. Essas preocupações se tornam ansiedade que pode arruinar a alegria da vida. Confie em Deus seu desejo de um cônjuge. Se você não se despreocupar, pode parecer desesperado – e isso é muito ruim. Pare de tentar fazer algo acontecer e apenas aproveite a oportunidade de conhecer uma pessoa nova. Lembre-se do Salmo 37.4: “Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.”

3. Diga adeus ao embaraço.

Antes de nos casarmos, minha esposa e eu temíamos os encontros. Chamar alguém que você mal conhece e convidá-lo para jantar ou ver um filme é assustador – e essa é a razão pela qual muitos rapazes cristãos ainda estão solteiros aos 35. Enquanto isso, garotas cristãs ouvem que devem esperar os rapazes darem o primeiro passo, e assim são condicionadas a esperarem “o convite”. Você pode deixar de lado todo esse embaraço organizando encontros de grupo: saia com vários amigos para tomar café, convide-os para cozinhar alguma coisa ou dê uma festa. Então apenas aproveitem a companhia uns dos outros. E garotas: sintam-se à vontade para iniciar os convites!

4. Redescubram a arte de conversar.

Na cultura midiática atual, esquecemos de como conversar uns com os outros. Muitos rapazes se sentem socialmente desastrados, então se afogam em videogames e se tornam ermitões emocionais. Eles precisam de amigos – incluindo amigas – para ajudá-los a sair de suas zonas de conforto. Enquanto isso, tanto rapazes quanto garotas estão tão viciados em seus telefones que não sabem como conversar por mais de uma hora sem checar suas mensagens. Se você quer ser um bom amigo, ouça, aprenda a focar na pessoa com quem você está conversando.

5. Não permita qualquer tipo insinuação.

A mensagem que recebemos da mídia é que tudo é sexo. Mas como cristão, você não precisa de dobrar perante esse ídolo. Você pode ter uma amizade significativa com uma pessoa do sexo oposto sem precisar ir para a cama com ela. Mas se você pretende manter o relacionamento puro, você precisará estabelecer alguns limites óbvios. Use o senso comum. Não use roupas reveladoras. Não se toquem de forma inapropriada. E não passe a noite na casa um do outros em nome da “amizade”. Se vocês são amigos verdadeiros, irão respeitar um ou outro o suficiente para evitar um pecado sexual do qual irá se arrepender depois.

6. Mantenha suas amizades centradas em Cristo.

Hebreus 3.13 diz: “pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia”. Esse verso se aplica a homens e mulheres solteiras também. Nós precisamos do encorajamentos uns dos outros, e Deus quer que os membros solteiros da igreja estejam envolvidos nas vidas uns dos outros. Suas ligações, mensagens e conselhos honestos podem ser o que impulsiona os projetos de seus amigos; sua bondade e suas orações podem ser o que os ajudam a superar crises difíceis. Mantenha Jesus no centro de suas amizades e não perca a bênção que esses amigos podem ser para você.
Autor:  J. Lee Grady

Tradução: Filipe Schulz

Fonte: Charisma Magazine

Via: Reforma 21
http://reformados21.com.br/2017/05/19/mocas-e-rapazes-solteiros-podem-ser-apenas-amigos/

Amizades Virtuais: boas, mas incompletas

homem-usando-notebook-computador
Amizades virtuais podem ser perigosas.

Nossa capacidade de nos conectarmos instantaneamente com pessoas através da Web, independentemente da localização delas, tem mudado a maneira com que vemos e conduzimos os relacionamentos. E, devido a um avanço tecnológico conhecido como redes sociais, nós temos agora muitíssimas maneiras de nos comunicarmos com pessoas diferentes sem ter que sair de nossas casas ou convidar alguém para entrar.

Um meio popular para se conectar intimamente com estranhos pela internet é por Grupos do Facebook. Eles podem ser um tipo de mundo subterrâneo secreto dentro da própria plataforma, e, se você não faz parte de um grupo, você pode nem saber que ele existe. Muitos grupos são bem leves, centrados em hobbies e interesses específicos. Outros são criados como grupos de apoio, nos quais os participantes são livres para compartilhar detalhes muito íntimos e privados com pessoas que eles podem nunca ter encontrado na vida real ou que provavelmente nunca irão encontrar. Até mesmo em um grupo de interesse específico comum, eu testemunhei um homem abrindo seu coração para o grupo, dizendo como ele os considerava como sua própria família, por causa da maneira com que o apoiaram enquanto seu pai estava doente.

Serei o primeiro a admitir que faço parte desse novo fenômeno de amizades virtuais. Eu nem consigo me lembrar de quantas vezes no passado, quando alguém me perguntava como eu tinha conhecido uma pessoa, surpreendente, eu respondi sem jeito: “Na verdade, nos conhecemos pelo Twitter.” O fato de irmãos cristãos que se conhecem pela internet e eventualmente se tornam grandes amigos após se encontrarem pessoalmente pode ser uma grande dádiva.

Então, por que eu pensaria que amizades virtuais podem ser perigosas? Porque elas podem facilmente parecer algo que não são. Embora amigos virtuais sejam, de fato, pessoas reais por quem nós temos afeição genuína, é essencialmente impossível que eles conheçam o seu eu verdadeiro. Isso não significa que essas amizades têm que ser cortadas, mas elas precisam, sim, serem controladas.

Amizades virtuais podem ser grandes bênçãos quando colocadas em suas perspectivas apropriadas, mas também podem ser perigosas quando elas substituem a comunidade e a igreja local.

Pessoas Reais, Projeções Incompletas

Você pode aprender muito sobre uma pessoa estudando a presença online dela. Não importa o quanto tentemos esconder nossas faltas ou projetar uma versão mais polida de nós mesmos, cedo ou tarde, postamos o bastante em nossa página para revelar aspectos de quem realmente somos. Por outro lado, mesmo quando tentamos ser autênticos na Internet, é difícil criar um retrato completo de nós mesmos.

Uma razão de nossos autorretratos virtuais serem tão incompletos é porque eles são feitos por nós mesmos. Tudo que projetamos sobre nós mesmos é manchado pela autopercepção. Somos finitos e caídos, e, entre nós, até mesmo os que mais se conhecem, se conhecem apenas parcialmente. Ao lado do espelho da Escritura, a comunidade tem o propósito de expor e ajudar a remover os argueiros e as traves que todos nós temos em nossos olhos.

Além disso, o seu verdadeiro ser foi feito para relacionamentos de mão dupla em tempo real. Fomos feitos não apenas para conhecer outros, mas também para sermos conhecidos por outros. A verdade é que você não pode conhecer verdadeiramente uma pessoa ou ser conhecido através do inevitável firewall das redes sociais.

Relacionamentos em Tempo Real

Para que sejamos verdadeiramente conhecidos, precisamos de relacionamentos em tempo e espaço real. A única maneira de buscarmos relacionamentos que são realmente autênticos é assumindo o risco de deixar que as pessoas vejam as versões sem filtro de quem realmente somos. Como? Nós acolhemos crentes locais em nossas vidas reais e deixamos que eles vejam, exponham e desafiem nossas vidas mais autênticas, bagunçadas e sem filtro. Crentes locais também nos restauram com amor que se manifesta em lágrimas, abraços, palavras de encorajamento e acompanhamento.

Se alguém me repreende pela Internet, eu posso me tornar passivo-agressivo, fornecer uma resposta polida que não revele meu coração e proteja minha imagem virtual, ou evitá-la completamente com pouca ou nenhuma consequência. Quando as coisas ficam difíceis com amizades virtuais, é muito fácil simplesmente deixá-las com apenas um clique.

Lá no fundo, nós tememos relacionamentos em tempo real porque eles podem se tornar bagunçados. Mas, como meu pastor frequentemente me lembrava, apesar de serem bagunçados, eles valem muito a pena. Uma vez que nós reconhecemos o valor dos relacionamentos locais, estamos mais dispostos a suportar a dor, a angústia e as lágrimas que eles trazem. Quando experimentamos a alegria de amizades em tempo real e em espaço real, os relacionamentos virtuais se acomodam, confortavelmente, em seus lugares secundários.

Suportando a Bagunça

A razão pela qual somos tentados a substituir relacionamentos da vida real com companheiros distantes e virtuais é porque esses relacionamentos podem ser bagunçados e extremamente exigentes, e até mesmo assustadores. Como podemos suportar o risco a fim de que possamos colher os benefícios? Nós lançamos nossas ansiedades sociais, medos e angústias sobre aquele que é capaz de cuidar de todos esses problemas – Cristo Jesus, nosso Senhor.

Muros têm dois propósitos – proteger e esconder. E é exatamente por isso que a nossa carne pode amar o muro das redes sociais. Protegemo-nos das pessoas e escondemos nossas identidades partidas. Mas, quando descansamos na retidão e no poder de Cristo, ele pode derrubar o muro e nos libertar para amarmos os outros e pensar menos em nós mesmos. Somos capazes de amar pecadores pois reconhecemos que somos os piores pecadores que conhecemos. Não nos encolhemos quando nosso quebrantamento é exposto porque nossa dívida foi paga e nossa alma está sendo restaurada. Nós, cristãos, não precisamos de tais muros, pois estamos cobertos e protegidos pelo sangue de Cristo.

A igreja local e a comunhão da aliança que recebemos dela é essencial para nossa saúde e crescimento cristão. A igreja é tão vital que deveria guiar os empregos que assumimos e os lugares nos quais escolhemos viver. Infelizmente, muitos cristãos que dependem de amizades virtuais para suporte emocional e espiritual fazem isso porque estão isolados de um corpo de crentes fiéis ao evangelho.

Devemos cuidadosamente tomar nota de qualquer coisa ou qualquer um que ameace a vitalidade dos relacionamentos da igreja local. Pelo bom projeto de Deus, nós não fomos feitos para crescer e prosperar à parte da comunidade. Priorize a igreja, e considere tudo que afasta seu coração ou atente para que você a substitua como uma ameaça à saúde da sua alma.

 

 

Autor: Phillip Holmes

Fonte: DesiringGod

Tradução: Milton Garcia Bassagas Fernandes

Via: Voltemos ao Evangelho

 

http://voltemosaoevangelho.com/blog/2016/06/amizades-virtuais-boas-mas-incompletas/

 

As Redes Sociais Consomem a Alma

redes-sociais

 
As redes sociais prevaleceram tão rápido em nossas vidas que sequer percebemos que aconteceu. Estamos online no trabalho, em casa – em todos os lugares. E isso pode fazer muito bem às nossas vidas.

Entretanto, como a maioria das coisas, o excesso pode ser um problema para nós. Tendo recentemente percebido algumas maneiras pelas quais as redes sociais podem ser “excessos inúteis” em minha própria vida, quero compartilhar cinco maneiras pelas quais elas nos transformam (esperançosamente de uma forma que impacta a maneira como todos nós as usamos).

 

 

As redes sociais nos torna centralizados

A rede social, em seu melhor, é um meio de conversar online, onde eu me conecto com outras pessoas, até mesmo com aqueles que amo, mas que estão longe de mim. O mais comum na rede social, porém, é a criação de outra pessoa, um personagem incrível.

A rede social não apenas acentua meu desejo de ser excitante e impressionante para os outros, mas também fornece um caminho para tentar satisfazer esse desejo como nunca antes.

Estar imerso neste mundo online por toda a vida faz com que eu seja mais egocêntrico ao longo do tempo. O quadro de vaidade que tenho online pode me fazer desejar a mesma atitude de “olhe pra mim” na vida real.

Meios de comunicação social nos fazem esquecer de se concentrar em pessoas reais na vida real

Podemos dedicar tanto tempo e energia para manter relacionamentos online e um personagem que tendemos a deixar de dedicar tempo e energia às pessoas reais e físicas que vemos todos os dias – família, amigos, vizinhos ou igreja. Isso não significa que a amizade online seja ruim, mas significa que nunca devo negligenciar as pessoas da minha vida que estão fisicamente presentes.

Permanecer menos tempo nas redes sociais me deixa com mais tempo e energia para conversar com os amigos que moram perto de mim, para orar pelas pessoas da minha família e igreja, e construir relacionamentos com aqueles que estão geograficamente na minha vida.

 

 

Meios de comunicação social nos fazem esquecer de meus chamados principais

Numa era em que estamos conectados ao mundo inteiro, muitas vezes esquecemos que Deus nos chama principalmente a investir naqueles que estão próximos de nós e na igreja local (lembre-se de que a maioria dos mandamentos na Bíblia são direcionados no contexto do “próximo” e igrejas locais). Meu chamado principal é amar a Deus, servir minha família, servir em meu trabalho e servir em minha igreja.

A rede social pode ser uma avenida que nos distrai da ligação principal, cria inveja para os chamados dos outros ou nos esgota de muitos chamados concorrentes. Eu, minha família, minha igreja e minha vizinhança estariam mais bem servidas se estivéssemos mais offline e mais envolvidos pessoalmente.

 

 

Redes sociais podem arruinar o seu humor

Pode ser alguém postando algo antibíblico. Pode ser um tweet ridículo sobre política. Pode ser apenas um post aleatório no Facebook sobre nada em particular. Qualquer uma dessas coisas tem a capacidade de arruinar o seu humor, deixando-o triste (na melhor das hipóteses) e com raiva (na pior das hipóteses).

Atrair pessoas no Facebook ou Twitter para uma discussão raramente é frutífero. 90% das vezes se transforma em um jogo de gritos online. Nada é resolvido. As opiniões quase nunca mudam.

Como resultado, as pessoas se afastam mais irritadas. Mesmo que eu apenas leia uma “discussão” contenciosa, ainda assim pode arruinar o meu humor. Essa é uma atitude que eu posso levar para casa, me deixando aborrecido perante a família e amigos.

 

Redes sociais podem arruinar relacionamentos

Só pensamos sobre como as redes sociais mantêm os relacionamentos vivos – e certamente podem. Porém, elimina o mesmo número que manteve. É fácil dizer coisas online que eu nunca diria pessoalmente. Eu posso simplesmente publicar sobre as notícias do dia e nunca pensar duas vezes. Muitas vezes é escrito de forma muito mais inflexível do que eu jamais falaria.

Atiro flechas de fogo na internet e os relacionamentos se queimam. Amizades perfeitamente boas tornam-se campos de batalha por desacordo político. As pessoas que eu potencialmente teria a oportunidade de testemunhar são colocadas do outro lado de um muro de hostilidade política e pessoal de 20 metros de altura – prejudicando qualquer chance de amizade no futuro.

 

E agora, o que fazer?

Precisamos fazer um balanço de que formas as redes sociais nos afetam. Pode ser um lugar para nós exercitarmos nossa própria vaidade. Pode nos distrair das pessoas pelas quais somos chamados para nos importar. Facebook e Twitter podem ser um lugar onde discutimos e prejudicamos relacionamentos e amizades sobre política ou outras discussões.

A rede social pode ser uma parte de nossas vidas que é benéfica em pequenas quantidades, mas prejudica nosso humor em excesso.

Vamos garantir que nosso testemunho seja mais forte, tanto online quanto pessoalmente. Para muitos, isso significa desconectar-se da rede social com mais frequência. Como com qualquer coisa em nossas vidas, vamos ser honestos o suficiente para fazer a pergunta: Como estou usando as redes sociais? Para a glória a Deus ou não?

 

 

Autor: David Appelt

Fonte: The Blazing Center

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

Fonte: http://reformados21.com.br/2018/05/04/as-redes-sociais-consomem-a-alma/

 

 

 

 

 

Série Referenciais: Gary Chapman

gary-chapman1-e1337452380276

 

Nascido em 10 de janeiro de 1938, nos Estados Unidos, Gary Chapman é um escritor e conselheiro de relacionamentos, mundialmente reconhecido pelo best-seller “As cinco linguagens do amor” (1992), livro que é sucesso no mundo todo e já foi traduzido em mais de 40 idiomas. A biografia do autor inclui graduação da Moody Bible Institute, bacharelado e mestrado em Artes, licenciatura em Antropologia, da Wheaton College e da universidade de Wake Forest, além de mestrado em Educação Religiosa e doutorado (phD) em Filosofia.

Ou seja, sobretudo o Dr. Chapman é um pensador da contemporaneidade, que chama atenção em seus livros devido à inteligência associada ao conhecimento sobre o que é o relacionamento humano. Apelidado de “Doutor Casamento”, o escritor viaja por diversos países a fim de desafiar casais a buscarem a construção de um relacionamento saudável e permanente. Com certeza, muitos casais já se inspiraram na filosofia de Chapman em busca da saúde emocional em seus relacionamentos.

p_11020

“As cinco linguagens do amor”, segundo o autor, são: “words of affirmation” (palavras de afirmação), “quality time” (tempo de qualidade), “receiving gifts” (receber presentes), “acts of service” (atos/ações de serviço) e “physical touch” (toque físico). Esses são os conceitos do Dr. Chapman para os relacionamentos saudáveis e duradouros. Como é possível notar, o escritor fala sobre atos e atitudes que fazem a diferença na construção de um relacionamento que faz bem a ambos.

 

Além do celebrado best-seller, Chapman já escreveu mais de 30 livros, o que inclui obras direcionadas não apenas aos casais, mas também aos homens solteiros, casados e pais de crianças e adolescentes. O autor, atualmente, vive na Carolina do Norte (EUA) e é considerado um dos maiores nomes quando o tema é relacionamento afetivo. Casado há mais de quatro décadas com Karolyn J. Chapman, o autor de “As cinco linguagens do amor” e “As quatro estações do casamento” tem 2 filhos: Derek e Shelley Chapman.

p_10710

Desde o início da década de 1970, Chapman é um pastor associado sênior da Calvary Baptist Churchs, em Winston-Salem, na Carolina do Norte (EUA). Na Igreja, o escritor compartilha as responsabilidades de ensino e assistência às famílias, o que lhe deu suporte para se tornar um especialista em relação bíblica intelectual confiável e um dos autores mais que mais vendem livros até hoje. O “Doutor Casamento”, antes de qualquer coisa, é um especialista em ajudar as pessoas a falarem e compreender os relacionamentos melhor.

comomudaroquemaisirritanocasamento-garychapman-1-638

 

Junto com a Dra. Jennifer Thomas, Chapman escreveu “As cinco linguagem das desculpas”, no qual fala sobre perdoar e ser perdoado, e também foi coautor, junto com o Dr. Paul White, da obra “As cinco letras de valorização no local de trabalho”, na qual fala sobre as relações dentro do ambiente de trabalho. Sem dúvidas, o Dr. Chapman hoje é um dos maiores nomes do gênero de relações afetivas e autoridade absoluta, em diversas partes do mundo, nas discussões sobre o assunto.

afamiliaquevocesemprequis

Gary Chapman, desde 2007, está entre os 50 autores que mais vendem no site Amazon e já esteve na lista dos 5 livros mais importantes, do New York Times.

 

Fonte Original: : http://blog.presentesevangelicos.com.br

 

Dica de Filme – Invencível

146655

Gosto muito de filmes baseados em fatos reais. Porque diferentemente de filmes de ficção cientifica, fantasia, terror, super heróis, etc. Eles nos mostram a vida real como ela é. E este filme (de 2014) mostra história real de um homem real que passou pela Segunda Guerra Mundial e sobreviveu.

 
O filme é baseado no livro Unbroken: A World War II Story of Survival, Resilience, and Redemption, de Laura Hillenbrand. E relata a história real de Louis Zamperini, atleta olímpico, que sofre um acidente de avião e cai em pleno mar durante a Segunda Guerra Mundial. Ele passa 47 dias no oceano e, quando consegue encontrar terra firme, é capturado pelos japoneses.

 
Gostei muito desse filme e recomendo, vale a pena assistir. Não pretendo dar spoilers, mas gostaria de destacar algumas coisas interessantes que podemos (ou que eu pude) aprender com o filme Invencível:
– O incentivo constante do seu irmão (Pete Zamperini) fez toda a diferença ao longo de sua vida. Tanto na prática esportiva, quanto nos tempos de guerra. Entrar no mundo dos esportes junto com o apoio e incentivo de seu irmão, fez Louis Zamperini deixar vícios como beber e fumar de lado, bem como se livrar de seguir a sua vida de uma maneira inútil;
– Através do sofrimento enfrentado na Segunda Guerra Mundial, juntamente com uma promessa que fez ao Senhor em oração quando estava perdido em alto mar, ele achegou ao Senhor para servi-lo e viver para Deus. Promessa esta que Zamperini cumpriu;
– Todos nós nos espelhamos em alguém, bem como precisamos de mentores que nos ajudem a crescer como pessoas. No caso de Zamperini, foi seu irmão Pete;

 

Quanto ao mais, somente assistindo o filme para avaliar por você mesmo.

 

Links Complementares:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Louis_Zamperini
http://www.louiszamperini.net/?page=bio

 

 

Em Cristo Jesus,
Filipe Paulo Christian

4 Razões pelas Quais Homens Gostam de Pornografia

porno1

Uma das tarefas de um bom amigo ou de um parceiro de prestação de contas para com pessoas enraizadas na pornografia é ajudá-los a entender o seu próprio coração. Por que eles correm em direção a pornografia vez após vez? Salomão nos lembra que, “Como águas profundas, são os propósitos do coração do homem” [muitas vezes nós não conseguimos enxergar nossas motivações], “mas o homem de inteligência sabe descobri-los” (Provérbios 20.5).
Um amigo sábio ajuda a extrair dos outros as motivações mais profundas que eles não são capazes de enxergar ou que eles não desejam enxergar.

Como um parceiro de prestação de contas, é importante entender o fascínio da pornografia. Quais as motivações mais profundas que fazem com que homens retornem a ela vez após vez? Quais são as boas perguntas para nos ajudar a encontrar a raiz do problema?

  1. Pornografia é fácil, mas relacionamentos são difíceis

Relacionamentos, especialmente nossos relacionamentos mais próximos, envolvem trabalho. Todos os dias somos cobrados de cuidar do que tem acontecido na vida uns dos outros. Precisamos lidar com mau-humor, comportamentos ofensivos e egoísmo — tanto em nós quando nos outros.

 

Por outro lado, a pornografia oferece aos homens um sentimento de intimidade sem riscos. A pornografia oferece aos homens um mundo de fantasias onde eles não precisam conhecer ninguém, onde o romance não é necessário, e onde eles não precisam se sacrificar em benefício dos outros. E para muitos, a recompensa é grande: eles não somente podem evitar a confusão de relacionamentos reais, como podem sentir prazer com milhares de mulheres virtuais dispostas a fazerem o que eles desejarem.

 

Boa pergunta para prestação de contas: Há ou houve algum relacionamento recente em sua vida que foi extraordinariamente difícil?

 

 

  1. Pornografia é confortável, mas a vida é estressante

Na vida, as coisas dão errado. Expectativas são frustradas. Pessoas nos decepcionam. Tragédias acontecem. Ficamos doentes. Ficamos cansados. Entramos em grandes desentendimentos. A vida é estressante.

 

A pornografia, por outro lado, oferece um mundo extremamente confortável em que nada dá errado. Ela oferece um cenário pronto onde sabemos que podemos conseguir exatamente o que queremos.

 

Obviamente, sabemos que isso é mentira. É como luta livre ou reality shows. Como Chris Hedges diz em seu livro Império da Ilusão (Empire of Illusion), “o sucesso dessas formas de entretenimento não está em nos fazer acreditar que essas histórias são reais. Pelo contrário, elas são bem-sucedidas porque nós queremos ser enganados. Nós pagamos alegremente pela chance de fugir da realidade.”

 

Boa pergunta para prestação de contas: Há ou houve algum estresse recente em sua vida que trouxe um sentimento de pressão ou tensão?

 

  1. A pornografia é excitante, mas a vida é chata

A palavra “tédio” começou a ser usada por autores franceses quando eles escreviam sobre esse sentimento de descontentamento quando a vida se torna tediosa. Embora o sentimento de tédio sempre esteve presente, somente nos últimos 300 anos ele se tornou uma epidemia social. Blaise Pascal disse que o tédio é a situação do homem moderno quando “ele não tem distrações e não tem mais paixões ou passatempos”.

 

 

Tédio é um dos frutos de uma cultura preguiçosa. Conforme a saúde e o tempo livre aumentaram, também aumentou nosso desejo por distrações. À medida em que começamos a esperar estímulos constantes e excitação, o dia a dia parece maçante. Com o Google na ponta dos dedos, a informação está em todo lugar, mas nós facilmente ficamos isolados, como expectadores anônimos, raramente assumindo riscos para se envolver de forma vulnerável ou nos comprometendo de forma apaixonada — raramente agindo com base naquilo que sabemos.

 

Culturalmente, somos culpados do que Dorothy Sayers chama de pecado de tolerância, “o pecado que não acredita em nada, que não se preocupa com nada, que não quer saber de nada, que não interfere em nada, que não gosta de nada, que não odeia nada, que não encontra propósito em nada, que vive para nada, e que permanece vivo porque não há nada pelo qual ele irá morrer”.

 

 

A pornografia oferece um mundo de prazer sexual para as nossas mentes entediadas. Ela é uma forma altamente sexualizada da cultura em que vivemos, baseada na imagem, em um mundo onde bilhões de imagens estão pintando milhares de palavras a uma velocidade surpreendente. A pornografia oferece a fantasia de estímulos sexuais puros.

Boa pergunta para prestação de contas: Você se já se viu entediado ou inquieto em busca de excitação? Você sente que sua vida é mundana?

 

 

  1. A pornografia faz o homem se sentir poderoso, mas a vida real faz com que eles se sintam fracos

É fácil sentir-se pequeno no mundo. Nós sabemos, intuitivamente, que o mundo não gira ao nosso redor, mas isso não nos faz deixar de desejar que isso aconteça. Queremos que outros prestem atenção em nós, que nos tratem como pessoas importantes, que nos coloquem em primeiro lugar. Esse desejo pode ser tão forte que, por vezes, pensamos que temos o direito de exigir exatamente isto: queremos um pequeno canto do mundo onde somos reis.

 

A pornografia oferece ao homem uma grande quantidade de poder. Na fantasia pornográfica de um homem, as mulheres nunca dizem não. Na pornografia, não existem barreiras sociais entre o homem e a mulher dos seus sonhos. A pornografia vende a ideia de que mulheres bonitas são troféus — como peças de coleção que mostram ao mundo ao redor o que é um homem de verdade. A pornografia também sensualiza o domínio masculino, permitindo aos homens fantasiar um mundo onde as mulheres gostam de serem tratadas como objetos.

Boa pergunta para prestação de contas: Você se lembra de alguma situação recente em que você se sentiu menosprezado, sem importância ou desrespeitado?

 

 

O objetivo bíblico das perguntas para prestação de contas

A razão pelas quais os parceiros de prestação de contas devem fazer essas perguntas não é para “psicologizar” os pecados. Pelo contrário, o objetivo de boas perguntas é usá-las como um trampolim para focar nossos pensamentos nos benefícios do evangelho de Cristo mais do que nos prazeres do pecado (Hebreus 11.24-26).

 

Cada questão abre uma porta para vivermos Hebreus 10.24: “Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras”.

 

  • Quando fazemos a pergunta: “Há ou houve algum relacionamento recente em sua vida que foi extraordinariamente difícil?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles têm buscado relacionamentos como forma de obter prazer ou satisfação (e esse tipo de relacionamento sempre vai decepcioná-los). Podemos, então, apontá-los para a plenitude de alegria e satisfação que vem de Cristo (João 15.1–11; 16.16–24; Romanos 15.13).
  • Quando fazemos a pergunta: “Há ou houve algum estresse recente em sua vida que trouxe um sentimento de pressão ou tensão?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles têm usado a pornografia para fugir da vida. Podemos, então, apontá-los para o salmista que viu Deus como seu refúgio (Salmo 46; 59.16–17; 61.1–3; 62.5–8; 91; 142). Ao invés de escapar da realidade, podemos escapar para dentro da realidade divina.
  • Quando fazemos a pergunta: “Você se encontrou entediado ou inquieto em busca de excitação? Você sente que sua vida é mundana?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergar se eles têm buscado uma vida de entretenimento ao invés de uma vida de admiração. Podemos, então, apontá-los para a alegria de conhecer a Deus e obedecê-lo (Mateus 13.44; 2 Coríntios 8.1–2; Filipenses 1.3–4; Colossenses 1.9–14; 1 Pedro 1.3–9; 3 João 1.3–4).
  • Quando fazemos a pergunta: “Você se lembra de alguma situação recente em que você se sentiu menosprezado, sem importância ou desrespeitado?”, o objetivo é ajudar os outros a enxergarem como eles buscam poder, reconhecimento e estima dos homens mais do que buscam pelo favor de Deus. Jesus perguntou: “Como podeis crer, vós os que aceitam glória uns dos outros e, contudo, não procurais a glória que vem do Deus único?” (João 5.44). Podemos, então, apontá-los para a glória eterna que o Pai concede a Cristo, e a realidade de que os cristãos compartilham da glória de Cristo porque ele vive em nós (João 17.20–24; Romanos 2.6–10; Colossenses 1.24–29).

 

 

Autor: Luke Gilkerson

Fonte: Biblical Counseling Coalition

Tradução: Gustavo Santos

Via: ABCB