Série Referenciais: Gary Chapman

gary-chapman1-e1337452380276

 

Nascido em 10 de janeiro de 1938, nos Estados Unidos, Gary Chapman é um escritor e conselheiro de relacionamentos, mundialmente reconhecido pelo best-seller “As cinco linguagens do amor” (1992), livro que é sucesso no mundo todo e já foi traduzido em mais de 40 idiomas. A biografia do autor inclui graduação da Moody Bible Institute, bacharelado e mestrado em Artes, licenciatura em Antropologia, da Wheaton College e da universidade de Wake Forest, além de mestrado em Educação Religiosa e doutorado (phD) em Filosofia.

Ou seja, sobretudo o Dr. Chapman é um pensador da contemporaneidade, que chama atenção em seus livros devido à inteligência associada ao conhecimento sobre o que é o relacionamento humano. Apelidado de “Doutor Casamento”, o escritor viaja por diversos países a fim de desafiar casais a buscarem a construção de um relacionamento saudável e permanente. Com certeza, muitos casais já se inspiraram na filosofia de Chapman em busca da saúde emocional em seus relacionamentos.

p_11020

“As cinco linguagens do amor”, segundo o autor, são: “words of affirmation” (palavras de afirmação), “quality time” (tempo de qualidade), “receiving gifts” (receber presentes), “acts of service” (atos/ações de serviço) e “physical touch” (toque físico). Esses são os conceitos do Dr. Chapman para os relacionamentos saudáveis e duradouros. Como é possível notar, o escritor fala sobre atos e atitudes que fazem a diferença na construção de um relacionamento que faz bem a ambos.

 

Além do celebrado best-seller, Chapman já escreveu mais de 30 livros, o que inclui obras direcionadas não apenas aos casais, mas também aos homens solteiros, casados e pais de crianças e adolescentes. O autor, atualmente, vive na Carolina do Norte (EUA) e é considerado um dos maiores nomes quando o tema é relacionamento afetivo. Casado há mais de quatro décadas com Karolyn J. Chapman, o autor de “As cinco linguagens do amor” e “As quatro estações do casamento” tem 2 filhos: Derek e Shelley Chapman.

p_10710

Desde o início da década de 1970, Chapman é um pastor associado sênior da Calvary Baptist Churchs, em Winston-Salem, na Carolina do Norte (EUA). Na Igreja, o escritor compartilha as responsabilidades de ensino e assistência às famílias, o que lhe deu suporte para se tornar um especialista em relação bíblica intelectual confiável e um dos autores mais que mais vendem livros até hoje. O “Doutor Casamento”, antes de qualquer coisa, é um especialista em ajudar as pessoas a falarem e compreender os relacionamentos melhor.

comomudaroquemaisirritanocasamento-garychapman-1-638

 

Junto com a Dra. Jennifer Thomas, Chapman escreveu “As cinco linguagem das desculpas”, no qual fala sobre perdoar e ser perdoado, e também foi coautor, junto com o Dr. Paul White, da obra “As cinco letras de valorização no local de trabalho”, na qual fala sobre as relações dentro do ambiente de trabalho. Sem dúvidas, o Dr. Chapman hoje é um dos maiores nomes do gênero de relações afetivas e autoridade absoluta, em diversas partes do mundo, nas discussões sobre o assunto.

afamiliaquevocesemprequis

Gary Chapman, desde 2007, está entre os 50 autores que mais vendem no site Amazon e já esteve na lista dos 5 livros mais importantes, do New York Times.

 

Fonte Original: : http://blog.presentesevangelicos.com.br

 

Anúncios

Você ora pelos os políticos de nosso País?

2129726696-oracao-trump

Recentemente, pude ver uma notícia que me fez pensar mais sobre porque eu oro pelos os políticos de meu país, bem como porque de maneira geral muitos cristãos tem ou total repulsa a política ou total zelo e amor como se seu partido ou ideologia política fosse um time de futebol para defender com unhas, dentes e até a própria vida.

Essa Notícia Aqui
https://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/nao-tem-ver-com-politica-tem-ver-com-jesus-diz-atleta-que-orou-por-trump.html

 

Infelizmente, existem muitos erros no meio cristão em relação a política justamente por falta de conhecermos a Palavra de Deus e o que ela nos ensina ou diz a respeito da política. Se atentarmos para a vida e obra de diversos servos e servas de Deus na Bíblia, veremos que Deus se importa e se preocupa com o modo como os homens fazem política ou atuam na esfera pública, como exemplos disso temos José sendo levantando como o governador do Egito (uma nação estrangeira e idolatra), Daniel e seus amigos na Babilônia e demais impérios seguintes, a rainha Ester e seu tio Mordecai, o governador Neemias, bem como o longo relato da atuação de todos os reis de israel e judá (1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas),Provérbios, dentre várias outras passagens no Novo Testamento.

Ao vermos tão vasta quantidade de livros e referências bíblicas tratando sobre política e nossa atuação dentro e fora dela, deveríamos de fato nos envolver e se importar com este assunto. E a melhor recomendação que a Palavra de Deus nos traz sobre como os cristãos devem lidar com a política é orando, jejuando, agradecendo e intercedendo pelas as autoridades de nosso país.
Antes de tudo, de tudo o que? De tudo o que quisermos pensar, fazer ou falar em relação a política. Devemos nos dedicar a orar pela a vida, família e trabalho dos homens e mulheres que atuam na esfera política de nosso país conforme podemos ver em 1 Timóteo 2:1-6.

“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens;pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e pacífica, com toda a piedade e dignidade.

Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador,que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.
Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus,o qual se entregou a si mesmo como resgate por todos. Esse foi o testemunho dado em seu próprio tempo.” (1 Timóteo 2:1-6)
Vejam também: Jeremias 29:7 e Romanos 13

 

Oremos pelas as autoridades políticas de nosso país para que desempenhem bem o seu trabalho de maneira a que tenhamos uma vida pacifica. Onde não somente nós cristãos possamos viver bem, mas também todos aqueles que ainda não conhecem ao Senhor. Bem como que tenhamos a nossa liberdade de culto, expressão e pregação do evangelho preservada.

 
Lembremos ao orar por eles, que tal como nós somos, eles também são homens e mulheres falhos, caídos e que carecem da Graça e Misericórdia de Deus para viverem, trabalharem e mais do que tudo serem salvos da Ira Vindoura.

 
Homens, Orem por seu País!

 

Em Cristo Jesus,
Filipe Paulo Christian

Série Referenciais: Pr. David Wilkerson

about_david_header

O pastor David Wilkerson nasceu em Hammond, Indiana, em 19 de maio de 1931, o segundo filho de kenneth e Ann Wilkerson. Com a idade de oito anos sentil o chamado de Deus para entregar sua vida à Cristo e se tornar um pastor do evangelho. Em 1952 casou-se com Gwen Carosso, que o conheceu quando tinha apenas 13 anos. David é talvez mais conhecido por seus primeiros dias de ministério para jovens tóxico-dependentes e membros de gangues, em Manhattan, Bronx e Brooklyn, na cidade de New York.

Como tudo começou

 

A aventura toda teve seu início numa noite:
“sentei-me para o meu estudo bíblico como de costume quando vi a revista Life. Eu simplesmente virei uma página e, à primeira vista, parecia que não havia nada que me interessasse. A página mostrava um desenho de um julgamento que ocorria em Nova Iorque, a 350 quilômetros de distância da minha casa no interior do estado da Pensilvânia, E.U.A. Eu nunca tinha ido a Nova York, nem nunca quis ir, exceto talvez para ver a Estátua da Liberdade. Eu comecei a virar as páginas da revista até que algo chamou minha atenção. Foi uma figura de um desenho dos olhos de um menino. Ele foi um dos sete meninos levados a julgamento por assassinato. Eu segurei a revista mais perto para obter uma melhor visão. O artista tinha capturado um olhar de espanto, ódio e desespero nas características do jovem. De repente, comecei a chorar”.

 

David se perguntou espantado,“O que está acontecendo comigo?” As lágrimas não paravam de rolar. Então olhei para a foto com mais cuidado. Os meninos eram todos adolescentes. Eles eram membros de uma gangue chamada de Dragões. Abaixo do desenho tinha a história de como em Highbridge Park, Nova York, eles brutalmente atacaram um jovem de quinze anos, chamado Michael Farmer e o mataram. A história me revoltou. Ela literalmente virou meu estômago. Em nossa cidade ao pé de uma pequena montanha, essas coisas pareciam inacreditáveis. Essa tragédia toucou bem fundo no meu coração e um sentimento me impulsionou a ir para Nova York e ajudar os rapazes. O pensamento me assustou. “Eu seria um idiota para fazer isso”, pensei. “Não sei nada sobre adolescentes como esse. E eu não quero saber de nada disso…” Não adiantava… A idéia não ia embora. Eu estava à ponto de ir para Nova York, enquanto o julgamento ainda estava em andamento. “Esta viagem mudou minha vida para sempre”.
O Desafio Jovem

 

O fardo no coração de David para com os perdidos da cidade aumentou e em 1958 deu à luz ao “Teen Challenge” (Desafio Jovem), um ministério para alcançar as pessoas com hábitos destrutivos, com sede em um pequeno escritório em Staten Island, Novo York. O Desafio Jovem foi lançado com o Pastor Wilkerson realizando pregações de rua, e através dessas reuniões muitos líderes de gangues como a gangue dos “ Maus Maus”,e seus membros, foram convertidos. Através deste ministério muitos homens, mulheres e jovens endurecidos vieram a Cristo, permitindo que o Espírito de Deus transformasse suas vidas. Em 1960, a sede do Desafio Jovem mudou-se para uma casa grande na Clinton Avenue, no bairro do Brooklyn. A residência oferece proteção para os tóxico-dependentes e os membros de gangues, assim como camas e abrigo para jovens problemáticos e sem-teto. Em 1958, muitas pessoas pensavam que David Wilkerson estava louco para tentar levar o evangelho para adolescentes viciados em drogas de Nova York.
A Cruz e o Punhal

 

A história de David Wilkerson nos primeiros cinco anos na cidade de Nova York é contada em “A Cruz e o Punhal”, um livro que se tornou best-seller, um fenômeno com mais de 15 milhões de cópias vendidas, publicado em mais de 30 idiomas.

 

O Filme

 

Em 1969, o filme “A Cruz e o Punhal” foi lançado, estrelado por artistas de Hollywood, tendo Pat Boone, cantor e ator, como David Wilkerson e Erik Estrada, o patrulheiro da antiga série de televisão “chips”, como Nicky Cruz, o membro da gangue adolescente cuja vida foi profundamente transformada por Cristo. O filme reconta a história inesquecível da terna misericórdia de Deus e amor aos adolescentes de Nova Iorque através do ministério de David Wilkerson. Os ingressos foram vendidos para a estréia do filme, atraindo multidões de todas as origens e estilos de vida. O filme foi rejeitado pela crítica secular como desinteressante. No entanto, ele foi visto por cerca de 50 milhões de pessoas em mais de 30 línguas em 150 países, de acordo com a “World Crusade Film”. Os dados também dizem que é um dos filmes mais vistos do mundo.
World Challenge

Em 1971, o ministério de David Wilkerson, sempre em expansão, mudou sua sede para o estado do Texas, onde fundou o “World Challenge Inc” (Desafio Mundial). A missão do ministério tem sido a de promover e perpetuar as doutrinas do Cristianismo, através de ensinamentos públicos. Como tal, World Challenge serve como um guarda-chuva corporativo para as cruzadas do reverendo Wilkerson, conferências de ministros, edição de livros, a produção de filmes, escolas de formação, evangelismo de rua, encontros de arrependimento, distribuição de literatura, programas de alimentação, esforços para plantação de igrejas e inúmeros outros serviços ministeriais.

Times Square Church

 

Em 1986, voltei para Nova York para uma pregação de rua. Enquanto descia a rua 42 de madrugada, fiquei chocado quando vi crianças de 9, 10 e 11 anos de idade viciadas em crack. Vi o crack sendo vendido por traficantes a poucos metros de distancia um do outro. Len Bias, o famoso jogador de basquete da faculdade, tinha acabado de morrer de uma overdose de crack. Eu ouvi um traficante gritando: “Eu tenho a “coisa” que matou Len.”
Comecei a chorar quando testemunhei tudo isso. Eu orei: “Hó Deus, O Senhor tem que levantar um testemunho neste lugar infernal. Parece que o diabo criou Nova Iorque como o seu reino. Esta é a sede da Babilônia”.
A resposta do Senhor não era o que eu queria ouvir:
“Você conhece a cidade, David. Você já esteve aqui. Você pode fazê-lo.” Fiquei chocado. Eu estava pronto para me aposentar. Não era que eu estivesse cansado, é que passei trinta anos na rua e em centros de reabilitação de drogas em todo o mundo. Agora eu estava planejando me mudar para o estado do Colorado e passar os meus últimos anos escrevendo livros. Meu único desejo além deste era ir à Rússia e Europa Oriental para pregar, mas eu não conseguia colocar as palavras do Senhor para fora da minha mente”.
Por duas noites eu tinha caminhado pelas ruas de Nova York, chorando e orando para que Deus trouxesse alguém. Eu pensei: “Senhor, se eu deveria fazer isso, como eu posso dizer isso a minha esposa? Temos uma bela casa no Texas com um lago. Mudamos nossa sede para lá. Como posso arrancar Gwen agora, e dizer a ela que estamos voltando para Nova York? ” Naquela noite, quando entrei no nosso quarto de hotel, Gwen estava orando. “Estamos voltando para Nova York, não estamos?” Perguntou ela.
Em 1988, a Câmara Municipal de Teatro e o Teatro Nederlander serviu como casas temporárias para a Igreja de Times Square. No ano seguinte, em 1989, o histórico Mark Hellinger Theater foi comprado. A Igreja de Times Square tinha encontrado a sua casa, no coração de Nova York, na rua 51 em plena Broadway. O Jornal “The New York Daily News”, declarou: ” O famoso tetro na Broadway estará agora aberto apenas para Jesus “.
Desde a sua criação, a Igreja da Times Square ficou na encruzilhada do mundo como uma igreja inter-denominacional protestante. Hoje, mais de 100 nacionalidades estão representadas na congregação com cerca de 8.000 pessoas. A Igreja crê na necessidade de conversão pessoal à fé em Jesus Cristo como Senhor e Salvador, como a derradeira força redentora na vida individual e na sociedade em geral. “Vinde a mim”, disse Jesus, “todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). Assim, a missão da Igreja é sempre procurar os perdidos, os viciados, e aqueles que procuram a verdadeira realização e dizer-lhes do poder do Cristo ressuscitado para libertá-los!

A Visão

A primeira visão que Deus deu David Wilkerson foi em 1958, dirigindo-lhe para ir a Nova York. A segunda foi uma visão trágica das calamidades que estão para vir sobre a terra. A mensagem foi tão assustadora, apocalíptica e incômoda, que deixou o Sr. Wilkerson de joelhos, paralisado. Deus divinamente guiou-lhe que escrevesse a visão, e um ano mais tarde, em 1974, a visão foi publicada como sob o título “The Vision”, esgotado atualmente.
O ministério cresceu e hoje inclui 173 programas residenciais e numerosos centros de evangelismo nos Estados Unidos, e 241 centros de Desafios Jovem em 77 países. A taxa de libertação é de 86%, tendo sido reconhecido e comprovado pelo Governo dos E.U.A atravez do (Institute on Drug Abuse). Todos os centros do Desafio Jovem operam de forma autônoma. Os graduados no Desafio Jovem incluem ex-toxico-dependentes, ex-alcoólatras, ex-membros de gangues, ex-prostitutas e outros tipos de ex-dependentes. Hoje, muitos formandos servem como ministros e missionários em todo o mundo.
Fonte:www.worldchallenge.org

 

Falecimento

Por mais de seis décadas, evangelístico Reverendo Wilkerson ministério incluiu pregação, ensino e escrita. Durante todo esse tempo uma característica distintiva do seu trabalho tem sido seus esforços diretos para atingir os mais necessitados entre nós com a ajuda para o corpo e a alma. Ele é autor de mais de 30 livros, incluindo, A Cruz eo Punhal, A Visão, Avivamento na Broadway, com fome para mais de Jesus, você sentiu vontade de desistir ultimamente?, E A Nova Aliança Véu.

 

Em 27 de abril de 2011, o Reverendo Wilkerson postou em seu blog devocional, “Para aqueles que passam pelo vale da sombra da morte, ouça esta palavra: choro vai durar por algumas noites escuras e terríveis, e em que a escuridão em breve você vai ouvir o sussurro Pai :’Eu estou com você. Nesse momento eu não posso lhe dizer por que, mas um dia tudo terá sentido. Você vai ver que era tudo parte do meu plano. Não foi por acaso. “Naquela tarde, o Reverendo Wilkerson foi morto em um acidente de carro. Sua esposa Gwen sobreviveu ao acidente, mas faleceu 5 de julho de 2012, de câncer. Eles deixaram quatro filhos, seus respectivos cônjuges, 10 netos e dois bisnetos.

Fonte:www.worldchallenge.org
https://edificadosnaverdade.blogspot.com.br/2013/04/biografia-david-wilkerson.html
http://renatovargens.blogspot.com.br/2011/04/quem-foi-david-wilkerson.html

 

http://renatovargens.blogspot.com.br/2012/12/conselhos-de-paul-washer-jovens.html

Série Referenciais: Jim Elliot

Elliot-compressed

A história de Jim Elliot e seus quatro amigos é uma das histórias missionárias mais empolgantes e inspiradoras.
Jim Elliot nasceu em 8 de Outubro de 1927 na cidade de Portland, no estado americano de Oregon. Jim pertencia a uma família cristã dedicada ao Senhor; desde cedo foi instruído nos caminhos de Deus, e veio a receber a Cristo como seu salvador aos 8 anos de idade. Fred, um pastor batista, e Clara Elliot, seus pais, eram bastante cuidadosos quanto à instrução bíblica de seus filhos e exerceram forte influência na formação de suas vidas.

 
Jim revelou-se um jovem bastante promissor, destacando-se em todas as atividades que se envolvia. Era líder de sua classe, e detentor de uma brilhante oratória. Elaborou um aclamado discurso de honra em homenagem ao presidente americano, Franklin D. Roosevelt, por ocasião de seu falecimento. Graduou em “desenho arquitetônico” na High School e depois se transferiu para a faculdade cristã de Illinois, a Wheaton College, onde se graduou com as mais elevadas honras.

Embora se destacasse talentosíssimo em qualquer atividade em que se envolvesse e aos olhos dos homens pudesse seguir uma carreira secular de sucesso, ele era convicto de sua vocação e chamada para o ministério e por isso priorizou seus estudos com o intuito de alcançar a melhor preparação possível para este intento, tanto que empenhou-se em estudar grego já visando uma possível tradução do evangelho para alguma língua nativa. Foi durante seus estudos que conheceu Elizabeth Howard, que também tinha um chamado para missões transculturais e se casaram em 1953 na cidade de Quito (Equador) sendo que em 1955, nasceu sua filha Valerie.

Convicto de seu chamado transcultural, Jim foi duramente criticado por alguns líderes que viam nele um futuro promissor, mas pastoreando Igrejas nos Estados Unidos e não pregando aos índios na Amazônia Equatoriana.

jim-elliot

Jim Elliot orava constantemente: “Consuma minha vida, Senhor. Eu não quero uma vida longa, mas sim cheio de Ti, Senhor Jesus. Satura-me com o óleo do teu Espírito…”. Durante seus estudos conheceu Elizabeth Howard, que também tinha um chamado para missões transculturais. Jim e Elizabeth se casaram em 1953, na cidade de Quito (Equador) e em 1955, nasceu sua filha Valerie.

 

Jim recusou convites para pastorear em algumas igrejas nos ministérios da juventude. Para alguns líderes, Jim tinha um futuro bastante promissor no ministério pastoral nas igrejas do EUA. Por esta razão foi criticado quando insistia em sua decisão em levar o evangelho de seu Salvador aos índios na Amazônia. . Jim e Elizabeth trabalharam na tradução do Novo Testamento para a língua dos quechuas. Nesse tempo Jim se lembrou dos índios aucas (hoje conhecidos como Huaoranis) que tinham a fama de serem muito violentos e que não possuiam nenhum contato com o mundo exterior. Com o propósito de levar o evangelho aos índios huaoranis, o grupo começou a elaborar um plano que ficou conhecido como Operação Auca.

 
Pouco tempo depois, um grupo de quatro índios visitaram os missionários em seu acampamento. Os missionários deram-lhes presentes e alimentos como um sinal de paz.

misioneros_ecuador

Passado algum tempo,voltaram os aucas armados com machados e lanças e pouco esses cinco jovens puderam fazer. Foram mortos pelos aucas naquele dia de 8 de Janeiro de 1956. Angustiadas pela demora do contato de seus maridos, suas esposas solicitaram imediatamente ajuda. Helicópteros e forças do exercito equatoriano sobrevoando o rio Curray encontraram os corpos de quatro missionários (não foi encontrado o corpo de Ed McCully). Seus corpos foram encontrados brutalmente perfurados por lanças e machados. O relógio de Nate Saint foi encontrado parado em 15:12 minutos, do que se deduz a hora em que foram mortos.

 

518kK1koYwL._SX322_BO1,204,203,200_

 

A vida e o testemunho desses cinco missionários martirizados por amor ao evangelho têm inspirado até hoje centenas de jovens a dedicar suas vidas ao Senhor da seara. Jim Elliot procurou servir a Jesus com todas as suas forças e a maior parte de sua vida e de seu ministério é contado por sua esposa Elizabeth em dois livros publicados posteriormente. Sua célebre frase, encontrada em seu diário nos inspira a entregar sem reservas a nossas vidas nas mãos do Mestre: “Aquele que dá o que não pode manter, para ganhar o que não pode perder, não é um tolo”.

 

a_historia_de_jim_elliot_46_1_20170403094218

 

As esposas desses missionários, apesar da grande dor que sofreram, decidiram continuar com a missão, e algum tempo depois foram sucedidas na evangelização dos Aucas. A tribo foi evangelizada e alguns anos mais tarde, o assassino de Jim Elliot, agora convertido ao Senhor Jesus e líder da igreja na aldeia batizou a filha de Jim e Elizabeth no rio onde seu pai tinha sido morto.

Fonte: http://elescreram.blogspot.com.br/2015/04/jim-elliot-nao-e-tolo-quem-troca.html

 

Outros Links:

http://voltemosaoevangelho.com/blog/2014/01/uma-carta-de-jim-elliot-a-seus-pais/

Filme sobre o trabalho de Jim Elliot e seus amigos

 

 

A Importância da Figura Masculina

novedad-la-importancia-de-la-figura-paterna-940x430-copia

Recentemente, li um artigo extraordinário sobre o assunto do motivo por que tantos rapazes estão revoltados, chateados e rebeldes. A escritora desse artigo (Tiffani) tem cinco filhos, inclusive dois meninos com as idades de 14 e 2 anos. No laboratório de uma vida familiar feliz, estável e caótica, ela criou essa louca teoria: de que os meninos precisam de homens para lhes ensinar a ser homens. Loucura, não é?

À medida que Tiffani observava os padrões morais, atitudes, ética profissional e senso de responsabilidade da sociedade se deteriorarem, ela não conseguia deixar de especular se a falta de um homem forte na vida dos meninos os transforma de “doces, amorosos menininhos corados” em adolescentes monstruosos. E ela ficou pensando. será que a rebelião na adolescência é uma fase natural da vida, ou será que é causada por algo de que os meninos têm falta?

A premissa da teoria de Tiffani é que as mães precisam saber quando se retirar e deixar seus filhos do sexo masculino aprenderem a ser homens sob a tutela de seus pais (ou figuras paternas). Como todas as mães, Tiffani quer proteger seus meninos de ferimentos. Mas isso é bom a longo prazo? Talvez não. Tiffani está aprendendo quando afastar-se e deixar seu marido assumir a orientação de seus meninos.

À medida que amadurecem, os meninos nem sempre vão querer – ou precisar – proteção. Eles precisam de desafios, aventuras e atos de cavalheirismo. Os pais – os pais fortes – sabem quando afastar a proteção das mães e começar a treinar seus filhos a serem homens. A palavra-chave é treinamento.

O treinamento é decisivo. Meninos sem treinamento crescem e se tornam monstruosos: fora de controle, predatórios em cima das mulheres, irresponsáveis, incapazes ou indispostos a limitar seus impulsos movidos à testosterona para agressão ou sexo. Nossa atual sociedade está toda encardida com os prejuízos que sobraram dos meninos que nunca aprenderam o que é necessário para ser um homem. Lamentavelmente, esses “meninos adultos” muitas vezes procriam indiscriminadamente e despreocupadamente, então se recusam a ser pai para os filhos que eles produzem.

Mas homens treinados transformam a sociedade. Eles trabalham duro. Eles movem coisas pesadas. Eles constroem abrigos. Eles protegem, defendem e resgatam. Eles providenciam provisão para suas famílias. Eles fazem todas as coisas assustadoras, feias e sujas que as mulheres não conseguem (ou não querem) fazer. Homens treinados são, nas palavras do colunista Dennis Prager, a glória da civilização.

Conforme aponta Tiffani, os meninos precisam de homens para ajudá-los a estabelecer sua masculinidade de modo apropriado. Os homens entendem que os meninos precisam de experiências e desafios definidores para cumprir seus papéis biologicamente programados. As mulheres não entendem isso, mas não tem problema. Pais fortes (ou figuras paternas fortes) instintivamente intervirão e começarão a treinar os meninos como domar a testosterona, como trabalhar, como respeitar as mulheres, como liderar e defender e como eliminar ameaças.

O problema começa quando não há um modelo de papel masculino para um menino imitar. Se os homens estão ausentes, enfraquecidos ou indispostos a ensinar os meninos como se conduzir, então os meninos não aprendem como ser homens. É simples assim.

As mães não têm a capacidade de ensinar os meninos a ser homens. Não importa quanto amemos nossos filhos do sexo masculino, não temos essa capacidade. As mães querem ser mães porque, afinal, é o que fazemos. Protegemos, cuidamos e beijamos as feridas dos nossos meninos. Mas chega uma hora na vida de todo menino em que ele precisa se erguer acima dos beijos nas feridas e ser um homem. Os homens não dão beijos nas feridas. É assim que eles se tornam guerreiros e protetores.

Lembro-me de quando o filho de 13 anos de nosso vizinho andou de bicicleta até nossa casa, uma distância de um quilometro e meio em difícil estrada de terra. Ele levou um tombo desagradável e chegou coberto de arranhões e sangue. Quando lhe perguntei o que havia acontecido, ele explicou sobre o tombo. então acrescentou um sorriso radiante: “Mas não tem problema. Sou menino”. Não é preciso dizer mais nada.

Se eu tivesse me descabelado com a situação dele, falando carinhosamente, agindo de forma excessivamente preocupada e beijando seus machucados, eu teria roubado dele a aventura de ter sobrevivido de seu acidente. Ele se orgulhou das cicatrizes de sua batalha, e a última coisa que ele queria era cobri-las com ataduras infantis.

O que acontece quando os meninos não têm um homem forte para lhes ensinar? Os resultados variam de indivíduos fracos e covardes a totais brigões. Dou um exemplo em meu blog sobre uma mulher dominadora com um marido fraco criando dois filhos do sexo masculino. Esses meninos estão crescendo num lar torcido e desordenado que vai contra a natureza humana e a programação biológica, e os meninos vão virar homens abrutalhados.

Meninos que crescem com nada senão a “proteção” de suas mães – sem nenhum homem forte para lhes dar a chance de acabarem com as ameaças – se tornam revoltados e cheios de amargura. Eles sabem que algo está errado. Eles sabem que têm de defender as mulheres, mas eles guardam tanto ressentimento de suas mães por “protegerem” a eles de todos os desafios que o modo como eles veem as mulheres fica distorcido.

Se o marido dessa mulher tivesse desempenhando seu papel como cabeça da casa, esses meninos poderiam ter se tornado homens diferentes. Se ele tivesse resgatado seus filhos do perpétuo amor protetor de sua esposa, seus filhos poderiam ser Homens em Treinamento em vez de Futuros Abrutalhados. Mas temo que seja tarde demais.

Creio que uma parte de criar filhos fortes e equilibrados vem de meninos observando suas mães honrarem seu pai. O lar em que a mãe e o pai respeitam um ao outro por suas várias forças biológicas cria os filhos da forma mais estável e equilibrada possível.

Meu marido e eu não temos filhos para criar e se tornarem homens. Mas nossas meninas estão aprendendo a admirar a verdadeira masculinidade, não potenciais abrutalhados ou fracos e covardes. Ajuda tremendamente que, em nossa vizinhança, estejamos cercados de pais responsáveis que estão criando excelentes rapazes – fortes, prontos para ajudar, protetores das mulheres, ansiando serem heróis.

Com que tipo de homem você pensa que quero que minhas filhas casem algum dia? O Homem de Verdade que assume seu papel biológico de protetor e guerreiro? Ou o Rapaz Revoltado que xinga a mãe e despreza o pai? Qual lhe parece o homem mais equilibrado e firme?

Nada disso é difícil demais de entender – ou, pelo menos, não devia. Infelizmente na cultura andrógina feminista de hoje, esse conceito se tornou motivo de desprezo e zombaria.

 

Fonte Original: http://amofamilia.com.br/portal/importancia-da-figura-masculina/

 

Série Referenciais: Pr. Josué Gonçalves

e30i

Escritor de livros como “104 erros que um casal não pode cometer”, “101 erros que os namorados não podem cometer” e “37 qualidades do Líder que ninguém esquece”, entre outras obras, Josué Gonçalves é um pastor sênior do Ministério Família Debaixo da Graça, da Assembleia de Deus em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, além de ser terapeuta familiar. A história de Gonçalves, acima de tudo, é a história de um homem comprometido com Deus desde os seus primeiros anos de vida.

 

Hoje casado com Rousemary Gonçalves e pai de 3 filhos (Letícia, Douglas e Pedro), o pastor é um dos mais reconhecidos do Brasil, porém, nem sempre a sua história foi marcada pelo sucesso. Tudo começou quando Josué começou a se envolver na pregação do evangelho, já na sua primeira década de vida, inspirado na história de vida do pai, que era ligado à Igreja. Com apenas 17 anos, Gonçalves já era um pregador do evangelho na cidade de Bragança Paulista – SP e, rapidamente, se tornou o líder dos Jovens da Assembleia de Deus.

Certo dia, um enviado de Deus revelou a Josué que seu pai seria recolhido junto ao Senhor e que ele havia sido o escolhido para continuar a obra que o seu genitor havia iniciado. Em abril de 1984, a revelação torna-se real e muda, para sempre, a vida do futuro pastor. Em 1985, Gonçalves casa-se com Rousemary e, em 1986, começa uma nova fase ministerial, desta vez na Assembleia de Deus em Santo André – SP. Em 1987, é chamado pelo Pr. Antonio Campaci para trabalhar em seu ministério.

O contato com o Pr. Campaci, que teve outra revelação sobre o futuro de Gonçalves, foi essencial para que o então jovem fosse devidamente orientado, ajudado e motivado ministerialmente. Já em 1990, Josué inicia um trabalho próprio na Assembleia de Deus de São Bernardo do Campo – SP: o Projeto Família Debaixo da Graça, voltado para ajudar as famílias nos aspectos comportamentais e de relacionamento.

No começo, o trabalho é árduo e o jovem pregador precisa de muitos sacrifícios para levar o projeto em frente. Mas é exatamente essa a época em que Gonçalves escreve a primeira apostila para a família, com uma máquina de escrever emprestada da Igreja. Haviam apenas algumas cópias, devido às dificuldades financeiras, mas as coisas começariam a mudar dali para a frente. Em 1991, Gonçalves se muda para Osasco e vincula-se ao Ministério da Assembleia de Deus do Belém.

Com apenas 29 anos, Josué Gonçalves é consagrado Pastor. A partir de então, suas pregações passam a ser ouvidas por milhares de fieis, em toda parte do Brasil e em diversos países, como Alemanha, Estados Unidos, Portugal, Irlanda e Inglaterra, entre outros. Alcançando cada vez mais pessoas, o Pr. Gonçalves, atualmente, já conta com diversos livros, CDs e DVDs, que estão entre os mais populares e vendidos pelo mercado gospel no Brasil.

Site e redes sociais do pr. josué gonçalves

http://amofamilia.com.br/portal/

https://www.youtube.com/user/douglasval88

https://www.instagram.com/prjosuegoncalves/?hl=pt-br

 

Entre os livros do Pr. Josué Gonçalves, estão:

– 104 erros que um casal não pode cometer
– 101 erros que os namorados não podem cometer
– 37 qualidades do Líder que ninguém esquece
– Construindo o céu em casa
– Família: meu maior patrimônio!
– Aprenda a Pregar
– 23 atitudes para revolucionar o seu casamento
– Aprendendo sobre família com o pai do filho pródigo

 

Fonte Original: http://blog.presentesevangelicos.com.br/tudo-sobre-josue-goncalves-vida-e-bibliografia/

 

Série Referenciais

o-marco-zero-do-recife
Texto-Bíblico: 1 Coríntios 11:1

Recentemente, começamos em nossas redes sociais (facebook, instagram e twitter) uma série de postagens onde estamos trazendo um pouco sobre a vida e obras de diversos homens de Deus, tanto nossos contemporâneos, quanto homens que serviram e glorificaram ao Senhor em gerações passadas nos deixando um legado e tradição cristã de fé, graça e poder no Senhor.

 
Além de compartilhar exemplos de homens que viveram e vivem como verdadeiros cristãos, queremos compartilhar referenciais de homens que vale a pena conhecermos, imitarmos seu exemplo e continuarmos o legado que nos deixaram através de suas vidas e obras justas.

 
Conforme Hebreus 11, temos vários exemplos de homens que foram justos, santos e referenciais em seu tempo, região e contexto cultural-histórico. A começar de Abel até exemplos mais atuais como o falecido evangelista Billy Graham.

 
Mais também em nosso tempo, temos diversos homens (bem como mulheres, jovens, crianças, etc) que tanto aqui no Brasil, como fora de nosso país tem vivido e glorificado a Deus tanto dentro da Igreja, quanto neste mundo ao atuarem e servirem em diversas áreas da sociedade.

 
Entendendo e ressaltando que acima de tudo, nosso maior, completo e melhor exemplo e referencial pra viver e seguir é o próprio Cristo Jesus. Por Ele somos chamados a abandonar nossa velha vida, renunciar a nós mesmos, tomar a nossa cruz e segui-lo a cada novo dia.

 
Então, venham conosco e acompanhe a nossa série e cada postagem aqui no blog e em nossas redes sociais.

 

 

Em Cristo Jesus,
Filipe Paulo Christian